Coluna de domingo: Turbulência pré-olímpica no Brasil



Pessoal, boa tarde. De volta após o furacão Seedorf passar pela redação do LANCE! do Rio nos últimos dias. Como manda a tradição, a coluna Saque publicada hoje, 8 de julho, no Diário.

O Brasil é líder do ranking mundial masculino de vôlei. No feminino, é o atual campeão olímpico e está em segundo na lista da Federação Internacional. Apesar dos predicados, os times comandados por Bernardinho e José Roberto Guimarães vão embarcar em Londres, nas próximas semanas, como azarões.

É estranho dizer isso pelo histórico vencedor da Seleção nos últimos anos. Muitos até vão me chamar de antipatriota ou secador. Mas o desempenho das equipes nas  competições que antecedem os Jogos foi ruim tecnicamente e expôs como algumas peças-chave estão mal individualmente.

Entre os homens, a luz de alerta atingiu sua maior intensidade em uma década. Duas derrotas na fase final da Liga Mundial e eliminação precoce. A performance no 0 x 3 contra Cuba, repleta de garotos de 17, 18 anos, foi vexatória. Um time apático, irreconhecível, que parecia sem alma. Não tinha cara do Brasil de tempos atrás. Não se vê mais aquela equipe de 12 titulares, que virou uma marca registrada. É até difícil hoje escalar os sete que saem jogando, tamanha a instabilidade dos jogadores.

Já no feminino, Zé Roberto também não está nada satisfeito com o time, que acaba de ser vice-campeão do Grand Prix, perdendo para as reservas dos Estados Unidos. No início da última semana, ele surpreendeu ao cortar Fabíola, levantadora titular nas últimas competições. O baque no grupo foi grande, mas o recado foi dado. Nos próximos dias, ele precisará fazer mais dois cortes e não afasto a possibilidade de alguma outra jogadora que se achava intocável estar na lista.

Para piorar, algumas seleções estão voando mundo afora e vão transformar a campanha olímpica do Brasil em um verdadeiro teste de fogo. O consolo da torcida é que as Seleções masculina e feminina já provaram, em outras ocasiões, ter poder de reação. Isso bastará?



MaisRecentes

Sesi joga melhor, bate Sada/Cruzeiro e fatura Supercopa



Continue Lendo

Seleção do Mundial não premiou destaques da final



Continue Lendo

Título coloca a Sérvia no topo após frustração olímpica



Continue Lendo