Coluna de domingo: Os hermanos de lá ignoram o hermano daqui



Boa tarde a quem ainda não derretou neste verão. Está no ar a coluna Saque publicada neste domingo, 2/2, no LANCE!.

Há alguns meses acompanho, à distância, a crise vivida pelo vôlei argentino. Bem conhecido e respeitado aqui no Brasil, Javier Weber, que tinha um projeto até a Olimpíada de 2016, foi demitido de forma estranha da seleção masculina.

Boicote de jogadores, influenciado por craques históricos do vôlei local, puxada de tapete, intrigas, empréstimo de dinheiro do técnico para a federação realizar competições (!?!)… Enredo suficiente para uma novela com vários capítulos.

Com Weber fora, nomes vão e voltam ao noticiário como favoritos à vaga. Vale lembrar que estamos em fevereiro e o Campeonato Mundial da Polônia, que terá presença da Argentina, começará em agosto. Ou seja, planejamento não é o forte dos nossos vizinhos (imaginam se isso acontece por aqui?).

E o que mais me surpreende é não ver Marcelo Mendez entre eles. O argentino já ganhou tudo (tudo mesmo) pelo Sada/Cruzeiro nos últimos três anos: Mineiro, Copa Brasil, Superliga, Mundial… Um currículo que deve invejar os melhores treinadores do planeta na atualidade. Mas isso parece não comover os dirigentes hermanos.

Basta conversar com pessoas próximas ou até mesmo rivais do Sada para ficar ainda mais confuso com tal incoerência dos cartolas argentinos. Marcelo é elogiado pela capacidade de comando (trato com as pessoas, gestão de grupo, liderança), além de ter experiência internacional com seleções e ser um estudioso do esporte. Poderia e mereceria uma chance da Federação Argentina.

Como diz o ditado popular, muitas vezes a solução para os nossos problemas está mais próxima do que parece. Para os hermanos, tenho certeza de que está mesmo.



  • Vivis

    Daniel,
    Pelo que se ouve aqui em BH … o Marcelo Mendes foi o primeiro a ser convidado pela federação argentina para assumir o comando da seleção, porém recusou ate que todos os pontos da dispensa do Weber fossem esclarecidos.
    O Mendes é sem dúvidas um dos técnicos mais aclamados da atualidade e certamente faria muito bem a seleção dos hermanos, mas acredito que pode ter pesado também o fato dele ser muito amigo do Weber para essa recusa.

  • peri

    Capaz de nem ele mesmo querer. Dirigir um time mediano, como o argentino, talvez nem esteja em seus planos. Eu até apostaria nele como técnico da nossa seleção após as olimpíadas do Rio, porque, dentre os técnicos que atuam na Superliga, é o cara mais preparado para tal. Em seguida vem o Marcos Pacheco.

  • fede

    Mendez no aceptó ni que lo llamaran por solidaridad con Weber, no es que no haya estado en los planes, se sabe muy bien todo lo bueno que está haciendo en Brasil.

  • João Paulo

    Torço para que continuem não se lembrando dele.

  • ana maria

    Bom, se ele não aceitou por ser amigo do Weber, mais uma razão pra gente admirá-lo.

MaisRecentes

Cai o primeiro técnico após UMA rodada da Superliga



Continue Lendo

Luizomar e Rizola não conseguem vaga no Mundial



Continue Lendo

Visitantes mostram força na rodada



Continue Lendo