Coluna de domingo: O set de 21 pontos é bom para todos?



Pessoal, boa tarde. Abaixo a coluna Saque deste domingo, 14/7, com um assunto que me atormenta um pouco. E atenção total ao último tópico do texto.

Pensei, ouvi pessoas com diferentes funções/ligações com o vôlei, voltei a pensar… E não consigo ainda ter certeza de que a diminuição dos sets (25 para 21 pontos) fará bem ao esporte.

A Federação Internacional, com consultoria de Luiz Fernando Lima, ex-chefão do esporte da Globo, fará vários testes em competições  importantes (incluindo a Superliga) nesta temporada, antes de adotar a regra como padrão. A conclusão é de que o vôlei atual não serve para a televisão, já que o tempo de jogo aumentou quando a FIVB implantou várias mudanças nos últimos anos para ter mais rallies, ou seja, mais tempo de bola no ar, ganhando emoção e atratividade. Some-se aí as reclamações de treinadores e jogadores contra os árbitros, as paradas técnicas no oitavo e 16 ponto de cada parcial, o tempo gasto entre um saque e outro… E assim o vôlei passou a destruir grades de programação das TV’s mundo afora.

A modalidade talvez seja a que mais cedeu aos apelos televisivos nas últimas décadas. Melhorou em muitos aspectos, diga-se. Mas ainda não me convence de que retirar quatro pontos por set fará com que ganhe mais espaço nas TV’s.

Importante
Escrevi no blog, na sexta-feira, sobre o movimento de mudança no vôlei brasileiro, com maior abertura para atletas, técnicos, clubes… E o posicionamento do Grupo de Jogadores sobre a inscrição pendente de Volta Redonda para a Superliga por ter dívidas salariais é uma prova deste momento. Convido vocês a lerem no meu blog no LANCE!Net: http://wp.me/p1b2tr-1ws

Férias
A partir de amanhã darei um tempo no trabalho para descansar e curtir a família. Nos vemos em agosto. Até lá!



  • Também ja dissertei sobre isso no meu blog e continuo sustentando a ideia de q estão pensando mais na parte televisiva do q esportiva. Pra mim, isso nao vai ser a solução pra atrair a TV e só acharia valido se os playoffs, incluindo a final, fossem melhor 5 ou 7 series como a NBA. Fora isso, o volei será apenas mais um esporte q cederá a pressão da TV pra lutar por um mísero espaço na grade aberta, isso quando é transmitido. Podem né julgar, mas a minha opinião é essa!

  • Afonso RJ

    25 ou 21 pontos não faz nenhuma diferença, pois a duração de cada partida, apesar de obviamente menor, continua sendo imprevisível. Em relação aos tempos técnicos ou mesmo aos dois pedidos de tempo a que cada time tem direito por set, esses são os queridinhos das TVs, pois são uma ótima oportunidade de enfiar mais anúncios pela goela abaixo do espectador, o que é o que as emissoras mais querem.

    Na minha humilde opinião, que o vôlei fique como está, e que se evite o máximo possível mudanças para beneficiar exclusivamente a ganância das TVs. Mudanças são bem vindas para dinamizar o jogo e beneficiar atletas e espectadores, e não para conveniência de terceiros.

    Mire-se no exemplo do tênis, com partidas intermináveis, interrupções por causa de chuva, contusões, adiamento de partidas, etc… E nem por isso as TVs deixam de transmitir praticamente todos os torneios Master 1000 e mais alguns torneios nacionais chinfrins.

    Por outro lado temos o basquete: a introdução de “quartos” com a única finalidade de inserir mais anúncios durante as transmissões foi catastrófica para o esporte. Quebrou enormemente o ritmo das partidas e criou dois anticlímax justamente nos momentos de emoção ascendente. Que o vôlei não caia numa esparrela desse tipo.

    Finalmente: Volei, basquete, tênis, badmington, seja lá o esporte que for, em TV aberta é completamente utópico. O povão que só tem TV aberta só assiste futebol (com honrosas exceções, é claro). Se passar qualquer outro esporte, eles imediatamente mudam para outra emissora que esteja transmitindo o emocionante e altamente técnico VT de Ilhas Salomãol x Mongólia no torneio de futebol dente-de-leite.

  • Em 1º lugar boas férias para o Sr.

    Acho que nós amantes do vôlei temos que lutar pela manutenção dos 25 pontos e a FINAL DA SUPER LIGA em melhor de 5 jogos como acontece na EUROPA. Se não me engano na última reunião com os representantes dos Atletas,Clubes e a CBV foi tratado do assunto referente a férias dos atletas,calendário mais longo etc,mas nunca foi mencionado a redução para 21 pontos, e sim a maior Exposição dos patrocinadores na Mídia,com a redução para 21 pontos vai no sentido contrário.

    Acho que isso só interessa à Rede de Televisão ( GLOBO ) que manda em tudo aqui no Brasil.

    Outra coisa que acho muito errado é o narrador da partida nunca mencionar o nome do Patrocinador da equipe Ex: sollys Osasco,Amil Campinas, o narrando fala apenas ( Osasco, Campinas etc) não respeitando o Patrocinador. Sem os patrocinadores não tem vôlei no Brasil.

    Se a Globo não recebe nada do Patrocinador,e que por isso não quer mencionar os patrocinadores
    tem que estudar outra solução,e, não é diminuindo os pontos para 21 que resolve.O torcedor quer ver mais jogos,mais emoção.

    Masashi Ichiwaki

    • Daniel Bortoletto

      obrigado, mas descarto o senhor. Apenas 34 anos (rs)

  • Pedro

    Lembro, à época do mundial de 2010, um texto publicado no site de um jornal americano onde sugeria que o voleibol indoor soava antiquado e o mesmo texto ainda colocava que, mesmo sendo disputado na Itália a transmissão dos jogos não era feita pelas principais emissoras do país. Um olhada em algum site esportivo italiano confirma: volei é segundo ou terceiro escalão. Acho, basicamente, que este é o grande problema do volei: a dificuldade de seduzir as pessoas. Para se ter ideia acho que fui o único indivíduo no meu trabalho que não viu a luta do Anderson e há fortes indícios que tenha sido o único que assistiu ao jogo contra a Bulgária.
    Daniel, mudanças nas regras dos esportes visando a televisão sempre sobra para a alguém, não tem jeito. Se esse é o caminho que a FIVB vai seguir boa sorte para eles e para nós. OK os jogos se encaixarão nas grades DA EMISSORA, mas vai ser esquisito assistir a um jogo de 3×0 em 45 minutos.

  • bsb

    Não gosto desta possível mudança para 21 pontos, o jogo ganha mais emoção e indefinição quando vai até 25, temos várias viradas no placar nestes últimos pontos. A TV principalmente a G. nunca ajudou o vôlei e agora quer estragar era só o que faltava, depois se mudarem quero ver qual será a desculpa para não transmitirem os jogos.
    PS: alguém poderia me explicar pq o amistoso da seleção feminina neste domingo foi quase no mesmo horário do jogo dos homens pela liga mundial? A CBV nesta se superou. (CBV=CBF)

  • Vivian

    25 ou 21ptos q seja, o importante eh ter um tempo definido.

    • Anderson

      Colocar tempo eu já acho invenção demais. É querer futebolizar demais o esporte pra caber na televisão.

  • Moura BR

    Não é a mudança das regras que fará o jogo mais ou menos atrativo ou rentável, mas sim a prioridade e enfoque da tv que transmite. Nos EUA um jogod e Futebgol americano dura em média 2:30, um de baseball chega a três horas e mesmo assim os minutos publicitários dos intervalos são os mais disputados do mundo. O volei já é dinamico e emocionante, já possui seguidores fiéis, pelo menos no Brasil o que não existe é uma vontade de torná-lo um produto de horário nobre. Aqui, basta migrar da globo para a Band que o boom da modalidade acontecerá.

MaisRecentes

Praia x Minas e Sesc x Vôlei Nestlé. Quer mais?



Continue Lendo

Agora líbero, Murilo volta a ser relacionado após 8 meses



Continue Lendo

E vem mais um Zenit Kazan x Sada/Cruzeiro por aí!



Continue Lendo