Coluna de domingo: O fim de um dos maiores times do mundo



Com atraso, segue a coluna Saque, para quem não leu o LANCE! deste domingo.

A crise financeira na Europa atingiu em cheio o vôlei italiano. O eldorado do esporte até o fim da última década vê o fim de um dos seus ícones. A Sisley Treviso, um dos seus clubes mais tradicionais do país, não se inscreveu para a próxima edição do Campeonato Italiano. Os donos, famosos por aqui por serem detentores da marca Benetton, avisaram que não existe mais motivo para investir no esporte, em meio à crise que o continente enfrenta.

Apenas para se ter ideia do tamanho e da importância de Treviso no cenário local,  a lista de conquistas inclui, durante os 25 anos de existência, nove títulos italianos, quatro Copa dos Campeões da Europa, cinco Copas da Itália, duas Supercopas europeias…

O central brasileiro Gustavo atuou por cinco temporadas em Treviso, apenas uma a menos do que os recordistas estrangeiros Dmitry Fomin (Rússia) e Ron Zwerver (Holanda). Em conversa com a coluna, ele não escondeu o abatimento ao comentar o fim da Sisley Treviso:

– É uma pena. Era, além de tudo, a equipe que mais investia na base. Estava vendo o jogo da seleção italiana pela TV e quatro titulares foram formados em Treviso. Eram do infanto, do juvenil, na época em que eu estava lá. Infelizmente, a crise que está assolando a Europa atingiu o esporte.

Gustavo foi um dos quatro brasileiros a atuar pelo clube. Os outros foram Marcelo Negrão, Ricardinho e mais recentemente Marcelinho. O central lembrou da rivalidade com Modena, que dividiu com Treviso por várias décadas o rótulo de capital do vôlei italiano:

– O jogo parava o país. Hoje, a Itália aparece com status de quarta ou quinta força do mercado masculino, atrás de Rússia, Polônia e Brasil e perdendo espaço para Turquia e Japão. E o pior, segundo muitos analistas locais, ainda não foi visto.



  • Clivia

    Que pena mesmo, eu como fã de volei fico de coracao partido! Desejo que a crise seja passageira pois a Itália sempre foi um bom adversário que valorizava ainda mais as vitorias Brasileiras, mas principalmente por anos ter investido com forca no volei. Torço sempre pelo volei brasileiro e gostaria de ouro olimpico tanto no masculino como no feminino, mas este ano em especial vou desejar uma medalha olímpica p o volei Italiano pois teem grandes atletas em final de carreira e merecem esta consagração com uma medalha olímpica. OBS prata ou bronze. Boa sorte ao pallovolo italiano.

  • Valdir

    Achei que o título da coluna era sobre a seleção masculina de volei.

  • Milefólio

    Quando li o título “O Fim de um dos Maiores Times do Mundo”, Achei que você fosse falar da seleção brasileira masculina.

  • rodrigo

    e ai daniel gordinho,vai falar nada da atuaçao brilhante do Brasil contra a polonia ontem nao?hahahahaha

  • Ana

    Nunca vi esse time jogar e a mim pouca importa. Importante é que o Bergamo – o MAIOR TIME DA EUROPA – continua.

    E também que russos e turcos continuam lavando dinheiro pelo menos no esporte. O que tem de time russo e turco jorrando grana… Viva a corrupção através do esporte!

  • Afonso RJ

    E o jogo Brasil x Estados Unidos pelo Grand Prix? É um dos maiores clássicos do vôlei feminino mundial. Primeiro contra o segundo do ranking. Nem uma palavra? E o jogo foi aqui mesmo no Brasil!
    Modestamente eu acho ser de maior relevância para nós do que o fim de um time italiano por mais importante e tradicional que seja. Ou será que os italianos deixaram de comentar um jogo de sua seleção para noticiar o fim do Vôlei Futuro? Paula e Mari na Turquia é notícia velha. Zanuto, um jogador mediano de saída para um time mediano na Itália – rodapé de terceira página.
    Me desculpe, Daniel. Apenas a opinião de um leitor amigo que o tem em alta conta: A família vem sempre em primeiro lugar, mas quem se dispõe a trabalhar com esportes deve estar plenamente ciente que a esmagadora maioria dos eventos esportivos de relevância se dá nos finais de semana.
    Sinta-se à vontade para vetar meu comentário e me desculpe. Concordo que está um pouco duro. Mas o fiz assim mesmo com o melhor dos intuitos.

    • Daniel Bortoletto

      é só ter paciência
      como disse, estava de folga e não toquei no blog no fim de semana. opção de vida, que fique claro. aqui nunca expus problema pessoal algum para explicar ausência. problemas que já me fizeram e ainda fazem, inclusive, pensar em deixar esse espaço vago. com certeza vai me dar menos dor de cabeça.
      no mais, vou explicar educadamente não apenas para o Afonso, mas para quem adora reclamar de tudo aqui
      a coluna estava pronta desde sexta e é fácil postar. as outras são notícias e publico quando achar pertinente, com ou sem opinião, como fiz no Twitter, sábado. Poderia ter ignorado tudo também. Talvez fosse melhor.
      por fim, vou escrever sobre os jogos da Seleção agora. quer quiser, volte mais tarde e leia.
      um abraço a todos

      • meyre

        ola daniel,
        Aguardaremos ansiosos os seu comentários sobre a seleção, principalmente a masculina, que eu me interesso mais.
        Quanto à feminina, eu ja fiquei preparada para o pior. A mulherada é muuuuuito instavel: nao dá para confiar.

        • Daniel Bortoletto

          está no ar, Meyre

  • Darci

    obrigada pela notícia. Ela é relevante sim e não foi divulgada pelos demais sites esportivos. Pelo menos, não por aqueles que eu conheço.
    Lamentável a crise financeira pela qual estão passando os times da Itália. Recentemente, li que o Bergamo, outra equipe muito tradicional do vôlei italiano, também estava sofrendo os efeitos negativos da crise econômica européia. Piccinini, inclusive, estaria de saída por tal motivo.
    Pior para o vôlei e para os admiradores do esporte.

  • Rodrigo

    Puxa vida, que pena!!! é o meu time lá na Itália!!! Estou muito triste, nem vou mais acompanhar o campeonato…

MaisRecentes

Minas espera Hooker ainda em outubro



Continue Lendo

Vaivém: Vôlei Nestlé confirma apresentação de peruana



Continue Lendo

Vaivém: Polonesa é esperada em Barueri



Continue Lendo