Coluna de domingo: Falta lógica ao nosso calendário



Pessoal, boa noite. Depois de alguns dias de folga, hora de retomar o blog. Para começar, minha crítica ao calendário brasileiro. Problemas ficam claros após anúncio da tabela da Superliga.

Concordam?

Entra ano, sai ano e quase todas as partes envolvidas no vôlei reclamam do calendário. Os clubes querem os selecionáveis por mais tempo, a Seleção tenta aumentar/melhorar sua preparação e desfalca os clubes, os jogadores que são convocados, ficam sem férias, estão cada vez mais expostos às lesões e o ciclo vicioso se completa. E entra ano, sai ano e perde-se uma oportunidade de corrigir distorções já nos campeonatos nacionais.

Vejam o exemplo da nossa Superliga. Na sexta-feira, a CBV divulgou a tabela das competições masculina e feminina, que começarão na última semana de novembro. E, com uma olhada rápida no calendário – que é aprovado pelos clubes, deixando bem claro isso aqui – me deparo com certas incoerências.

Em algumas rodadas, times jogarão na quinta à noite (21h) e voltarão à quadra no sábado à tarde (17h). A maratona seria normal se faltassem datas no calendário, certo? Porém, entre a semifinal e a decisão em jogo único, um time feminino poderá ficar VINTE E DOIS dias sem atuar. Para isso, basta que ele seja competente e feche o playoff da semi em 2 a 0, no dia 16 de março. Então, ele só voltará a jogar em 7 de abril, data da final. No masculino, a pausa máxima para um finalista chegará a QUINZE DIAS. É ou não uma falta de senso?

Outra ponto que discordo é em relação à diversidade de dias e horário de jogos. Temos partidas marcadas para segunda, terça, quarta, quinta, sexta, sábado e domingo. Ufa! E eles acontecerão às 10h, 12h, 13h, 16h, 16h30, 18h30, 19h, 21h, 21h30 e, pasmém, 22h. A presença de todos esses horários tem uma explicação: encontrar espaço na grande de transmissão do SporTV. Se quiser incluir os horários sem transmissão, teremos também 11h, 17h, 18h, 19h30, 20h, 20h15 e 21h15. Essa vasta gama de opções impede que se crie uma cultura do vôlei no país, com o torcedor sabendo que dia tal, hora tal, é certeza de ver um jogo pela TV. 

Principal sonho de consumo dos patrocinadores, Globo também teve sua grade de jogos divulgada. A emissora vai transmitir um duelo da fase classificatória de cada torneio, além de duas semifinais e as decisões, nos dias 7 e 14/4. Os felizardos com transmissão ao vivo já garantida são Unilever, Vôlei Amil, RJX e Sesi (masculino). Os demais precisarão estar entre os quatro semifinalistas.

Que na temporada 2013/2014 alguma coisa mude (para melhor).



MaisRecentes

Dentil/Praia Clube confirma presença no Mundial



Continue Lendo

Seleções disputarão amistosos pelo país antes dos Mundiais



Continue Lendo

O adeus do genial genioso Ricardinho



Continue Lendo