Coluna de domingo: É possível resgatar o Murilo de 2010?



Coluna Saque publicada neste domingo, 1 de junho, no LANCE!.

Quatro anos atrás, Murilo foi o grande nome do Brasil na conquista do tricampeonato mundial. Decisivo no ataque, seguro no passe e já líder de um grupo que ainda possuía Giba, Rodrigão e Dante entre seus atletas mais experientes. Não à toa foi escolhido o melhor jogador da competição, incluindo o voto deste escriba que viu de perto, na Itália, as atuações acima da média dele.

A três meses de tentar levar a Seleção ao quarto título consecutivo, na Polônia, o ponta sofre para se recuperar de uma delicada cirurgia no ombro direito. Jogou apenas parte da Superliga pelo Sesi longe de ser o mesmo Murilo de antes. E, após quatro jogos pela Liga Mundial, mostrou ainda estar distante daquele jogador que encantou o mundo em 2010. E a Seleção Brasileira sofre muito com isso.

Há tempo para o velho Murilo voltar? Difícil dar uma resposta que envolve mais a área médica do que a técnica. Ele não desaprendeu, mas agora convive com uma limitação física. No vôlei são vários os exemplos de grandes atletas que nunca mais voltaram ao patamar anterior após operação no ombro. E há alguma chance de Murilo ser novamente peça-chave numa Seleção que ainda procura um time-base? Talvez sim, mas com uma medida drástica.

Murilo deixar de atacar, sacar e bloquear. E passar a jogar como líbero, recepcionando e defendendo. Atualmente o Brasil, com Mário Jr. na função, está muito instável no passe, perdendo uma das principais características do seu jogo ofensivo: a velocidade. E, longe de ser o time mais alto do mundo, fica mais previsível.

Sei que o tempo até o Mundial é curto. Sei também que a mudança sugerida aqui não é simples de ser tomada por Bernardinho e muito menos de ser aceita por Murilo. Mas talvez valha a pena correr o risco para ter o melhor jogador do mundo em 2010 em condição real de ajudar o Brasil em 2014.

 



MaisRecentes

Vaivém: Hooker veste a “camisa” de Osasco



Continue Lendo

Brasil se recupera com 3 a 0. Mas não foi assim tão fácil



Continue Lendo

Uma satisfação



Continue Lendo