Coluna de domingo: Brasil sai com dever cumprido do GP



Pessoal, segue a coluna Saque da edição de domingo do LANCE!, dia 28 de agosto.

Independentemente do resultado da final contra os Estados Unidos, a Seleção Brasileira feminina tem motivos para voltar de Macau satisfeita com o Grand Prix de 2011.

O técnico José Roberto Guimarães, a um ano da Olimpíada de Londres, cada vez mais tem um time titular com 12 jogadoras para buscar o bi.

Antes de começar o GP, ele deixou de convocar Jaqueline (que estava grávida e perdeu o filho) e viu Natalia, uma das maiores apostas dos últimos anos, passar por uma cirurgia para retirada de um tumor da canela. Tudo ficou nas mãos e nos ombros de Mari e Paula Pequeno, as mais experientes do setor. Elas atuaram em quase toda a competição, alternando altos e baixos, mas se lesionaram na fase final. Fim da linha? Que nada!

Fernanda Garay, após passar uma temporada quase esquecida no Japão, virou titular do dia para a noite. Não só deu conta do recado como virou protagonista. Entrou na final como a melhor passadora e sexta melhor atacante do Grand Prix, além de elogios públicos do sempre contido Zé Roberto. Posso queimar a língua, mas garantiu a vaga em Londres-2012. Natalia se recuperou e aos poucos retoma seu melhor vôlei.

Além disso, o comandante brasileiro viu Dani Lins superar algumas temporadas instáveis e que colocaram sua posição de titular em xeque. No GP, a amadurecida levantadora usou e abusou de Thaisa e Fabiana do meio de rede, fazendo com que Sheilla, a referência ofensiva deste time, não ficasse mais sobrecarregada. A personalidade do levantador normalmente é a alma do time. Como ex-levantador, Zé Roberto batalhou muito para que Dani assumisse essa condição, após Fofão se aposentar.

Com ou sem o nono título do Grand Prix, o Brasil deve festejar.



  • Fernando Adilio

    Graças a Deus, o time se firma e Jaquetoco vai perdendo seu espaço.
    Só Jesus na causa dessa menina… hahaha
    PP, Mari, Gaga, Nathalia, Sassá… Sheila e Tandara. Essa são as ponteiras de Londres

    • Diogo Márcio

      Você que pensa, Jaqueline foi a segunda maior pontuadora no último jogo do Sollys com 29 pontos!

  • Raffael

    Pois é, ainda acho cedo pra cravar a Garay entre as 12 de Londres. Poucas vagas pra muitas ponteiras, e hoje, nenhuma se destaca ante as demais( vejo a Mari num nível um pouco acima). Garay está fazendo um exelente Grand Prix, mas o Zé aposta( e muito) na Natalia, tem a confiança na Jaque, faz questão de ter Sassá no grupo e considera a experiencia da Paula importantíssima. A Tandara faz um ano promissor, mas não a vejo em Londres, pois acho que, assim como em Pequim, o ZRG levará apenas uma oposta de origem e 5 ponteiras. Se for esse o critério, a Garay tem chance de lutar por uma vaga, mas até lá muita agua vai rolar e muito cabelo o Zé vai perder.

  • Afonso (RJ)

    Realmente, esse Grand Prix nos enche de alegria, principalmente com a “revelação” da Fernanda Garay e a recuperação da Natália. Acho que a posição da Jaqueline está seriamente ameaçada na seleção. Na minha opinião, respeito muito as escolhas qua a atleta fez nos últimos anos, mas justamente a sua manifesta prioridade à vida pessoal, a descredencia como profissional. Mas é apenas a minha opinião pessoal. Amanhã, se o Zé Roberto convocá-la em detrimento da Natália ou da Fernanda Garay, confesso que vou ficar decepcionado, apesar de continuar apoiando a sua decisão. Afinal ele conhece anos luz mais de vôlei do que eu.

    Quanto à Dani Lins, é inegável que vem subindo de produção a cada competição. Mas eu gostaria de lembrar uma coisa: ela estava sendo trabalhada não só pela comissão técnica da seleção, como também pelo Bernardinho no clube. Me preocupa a opção dela por jogar logo agora no Sesi (sem desmerecer a comissão técnica do time paulista, mas trata-se de um time em formação). Já li algures alguém dizer com pouca finesse, mas com certa propriedade e humor, que ela fez essa opção pensando com a “perseguida” e não com o cérebro. Não creio que a posição dela ou da Fabíola na seleção estajam seriamente ameaçadas num futuro próximo, mas a ida da Ana Tiemi para jogar como titular no Vôlei Futuro pode resgatá-la de uma eterna promessa e de um infindável banco, para uma séria concorrente num futuro um pouco mais distante. Acho que ela tem capacidade para isso.

    Em suma: diferente do masculino que ultimamente só vemos como promessa real o menino Lucarelli, o feminino tem revelado várias excelentes jogadoras como a Fernanda Garay, Natália, Tandara, a própria Ana Tiemi, Natasha, Priscila Daroit, Suelle, além de outras sabidamente craques que ficam de fora da seleção brasileira, ou por absoluta falta de vagas, ou por estarem com mais idade, mas que brigariam por vaga na grande maioria das grandes seleções do mundo como Camila Brait, Carol Albuquerque, Carol Gattaz, Walesquinha, Walewska, Renatinha, Fofão, Érika, Joycinha, entre outras.

    • Diogo Márcio

      “Como disse antes, é um risco. Não dá para fazer previsão. A Paula se recuperou bem, mas ninguém pode garantir que a Jaque consiga. Mas ela não tem que se preocupar com isso agora e sim aproveitar esses meses pela frente e se dedicar 100% bebê…” – ZRG

      Ela está atuando bem no Sollys, já ganhou dois torneios (Copa SP e Sulamericano) e esta invicta no Paulistão! Ela sempre fica como a maior ou umas das maiores pontuadoras… prova disso foi no úlitmo jogo marcou 29 pontos.

      A convocação que ele deve fazer é do Pré-Olímpico com 14 jogadoras, da mesma forma que aconteceu um ano antes de Beijing. Duas perderam a vaga (Carol Gattaz e Joycinha), é a Walleskinha foi como ponteira!

  • Léo

    Ainda acho que o maior problema do Brasil infelizmente é a levantadora.Tanto a DANI LINS quanto a FABÍOLA são inseguras.Mas o negócio é torcer, porque elas são as melhores levantadoras do país no momento.

MaisRecentes

E vem mais um Zenit Kazan x Sada/Cruzeiro por aí!



Continue Lendo

Após virada incrível no 3º set, Minas avança na Copa



Continue Lendo

O tetra está vivo! Sada/Cruzeiro na semi do Mundial



Continue Lendo