Coluna de domingo: A volta por cima de Marco Aurélio Motta



Pessoal, a coluna Saque publicada neste domingo, dia 24 de junho (dia particularmente especial para mim).

Dez anos atrás, a Seleção Brasileira feminina vivia uma das fases mais turbulentas de todos os tempos. Após as principais jogadoras se rebelarem contra o técnico Marco Aurélio Motta, um time B, com  Paula Pequeno, Sheilla e Sassá, disputava o Mundial da Alemanha e caía precocemente. O insucesso, a crise institucional/política, as constantes alfinetadas via imprensa e a pressão das insatisfeitas derrubaram o treinador, que nunca mais teve espaço no cenário nacional.

Na distante Turquia, país que o acolheu em parte desta década pós-crise, ele deu a volta por cima. No sábado, classificou a seleção pela primeira vez para disputar as finais do Grand Prix, vencendo sete de oito jogos. No início de junho, o maior feito: carimbar o passaporte turco para a Olimpíada. Prêmios mais do que merecidos para Motta.

Em 2002, eu era o setorista de vôlei do LANCE! e acompanhei de perto a crise. E sempre achei que o massacre público que ele – responsável por formar, no fim da década de 80, a geração de Ana Moser, Marcia Fu e Fernanda Venturini – viveu foi desproporcional e cruel. Marco Aurélio Motta sofreu calado por muito tempo, preferindo não colocar mais lenha numa fogueira que já ardia. Chegou a pensar em processar Fernanda, que disse que ele tinha um “caráter duvidoso”.
Mas também admitiu que errou com algumas atletas e poderia ter lidado com a situação de forma diferente. Antes do Mundial, ganhou apoio da CBV e por pouco não eliminou a China (que entregou um jogo na véspera para enfrentar o Brasil). Mas a pressão para sua saída só aumentava, sob o pretexto (correto, diga-se de passagem) de que a campanha para Atenas-2004, sem as principais estrelas da época (Fernanda, Virna, Érika), estava em risco. Caiu e foi substituído por Zé Roberto Guimarães.

Por uma incrível coincidência, os dois irão se enfrentar na abertura dos Jogos de Londres. Vai ser legal acompanhar este momento.



  • Adriano

    Respeito tua opinião, mas não acho que tenha sido desproporcional e cruel. Acho que as críticas que ele sofreu foram compatíveis com o trabalho que ele apresentou.

  • dan

    Corrigindo DANIEL, a Turquia venceu sete em NOVE jogos, só perdeu para Cuba e hoje para Alemanha, num jogo muito estranho.
    Agora o Brasil vai enfrentar a Turquia antes de Londres, vai ser agora nas finais do Grand Prix e diga-se de passagem a Turquia pegou adversárias do nível dela para baixo e mais pegou JAPÃO E CORÉIA DO SUL DUAS VEZES, esses dois times asiáticos estão se preparando para as olimpíadas, então só aí somaram 12 pontos, mais enfrentando ARGENTINA, CUBA E uma desfalcada Sérvia, calro que elas se classificariam, a Alemanha também não é nem uma grande potência e como já estava classificada fez jogo mole com as alemães.
    O Brasil é que só pegou pepino nesse Grand Prix, sinceramente não entendo essa divisão de grupos da FIVB, como a Turquia enfrenta DUAS vezes JAPÃO, CORÉIA DO SUL E CUBA, enquanto o Brasil só enfrentou TIMES DIFERENTES com exceção da Itália, que é muito mais forte do que esses trÊs tiems juntos!

    • Daniel Bortoletto

      sim. o texto foi publicado no jornal de hoje, antes da última rodada do GP.

    • Raffytcha

      Pois é dan esse sistema de divisão de grupos da FIVB pra mim não tem fundamento nenhum, favorecem uns e desfavorecem outros! Nunca entendi, acho q devem jogar as moedinhas pra cima e formar os grupos, só pd (rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrrs) Gostaria muito de saber como é feita essa divisão. Sabe responder Daniel Bortoletto?

      • Daniel Bortoletto

        divisão pelo ranking mundial, com uns critérios meio estranhos

  • daniel

    O que aconteceu naquela época ninguém sabe ao certo, mas é muito estranho um time inteiro se rebelar contra um técnico. Inclusive uma jogadora de comportamento irrepreensível como a Fofão. Além do mais, o estopim da crise foi Elisângela, reconhecida por todos como uma pessoa doce e de fácil convivência.
    A passagem dele pela seleção não foi boa, longe disso. No primeiro ano com todas as titulares não conseguiu nada e ainda promoveu estranhamente Karin Rodrigues a oposta titular, enquanto Elisângela ficava no banco. Depois da debandada, cometeu um dos maiores absurdos que já vi na história da seleção: Luciana Adorno era titular e Sheilla reserva. Tudo bem que aquela Sheilla ainda não era a que viria a encantar o mundo, mas quem acompanhou aquele fatídico Campeonato Mundial viu que em todos os jogos, Luciana Adorno, oposta titular, era ineficaz, afundava o time e só depois Sheilla entrava e tinha a missão de fazer o time correr atrás. Por mais que discordemos de algumas das escolhas atuais de ZRG, nunca houve nada parecido com isso. Essa preferência por Luciana Adorno era algo estapafúrdio, tamanho o abismo técnico entre as duas.
    Isso não quer dizer que ele não seja um grande técnico, mas sua passagem pela seleção foi desastrosa em todos os sentidos e sua saída mais do que justificada. Aliás ocorreu tarde demais e atrapalhou o caminho brasileiro rumo a Athenas-2004.
    Marco Aurélio deu a volta por cima e faz um grande trabalho na Turquia, podendo inclusive beliscar uma medalha em Londres. Acho até que seria um bom nome para a seleção brasileira para o pós-Londres, apesar de achar improvável ou até impossível que isso ocorra. Hoje ele está melhor na seleção turca do que ZRG na brasileira, mas isso não abona a lambança feita no seu período como técnico do Brasil. Boa sorte a ele!

    • Leonardo

      Nao acho que ele fez lambanca na selecao brasileira, ele simplesmente nao teve tempo para trabalhar. Alem disso, achei tbem cruel e desproporcional o massacre feito a ele. Vale lembrar que no mundial de 2002, mesmo com todo o boicote das jogadoras e a equipe desfalcada ele so’ perdeu para a CHINA num jogo disputadissimo no tie break, que foi campea olimpica em 2004 com esse mesmo time. Ele tbem foi o responsavel por lancar PAULA no time titular, que seria MVP olimpica me 2008. Ele mesmo com tudo conspirando contra, lancou jogadoras novas na selecao brasileira e no pouco tempo que esteve la’, contribuiu sim, de alguma forma. Na TURQUIA ele entrou p/ a historia: conseguiu classificar a primeira equipe de esporte coletivo turca seja no masculino ou no feminino, para uma olimpiada. Ainda conseguiu classificar a TURQUIA pela primeira vez p/ as finais da LIGA, nao adianta querer diminuir os feitos deles, pois enquanto os proprios brasileiros desdenham dele, na TURQUIA ele e’ muito respeitado.

      • daniel

        Não desdenho dele não. Ele tem história e ainda muito futuro. Repito que seria um ótimo nome para o futuro da seleção brasileira. Mas não há como apagar o fiasco quando comandou a seleção. Ele pegou a base do time bronze em Sidney-2000, com Fofão, Virna, Walewska, Érika, Elisângela e não conseguiu fazer o time render. Isso é fato. Depois envolveu-se em uma confusão com Elisângela. Depois atletas que nunca brigaram com nenhum técnico resolveram abandonar a equipe. Não lhe espanta o fato de uma atleta como a Fofão ter pedido dispensa por problemas com o técnico poucos meses antes do Campeonato Mundial?
        Já que o Daniel Bortoletto cobriu aquele período, poderia (mas não sei se deveria) esclarecer melhor os fatos para a gente.
        Simplesmente, acho que ele administrou muito mal uma situação que acabou saindo do controle e tomando proporções gigantescas. Isso pode acontecer com qualquer pessoa tanto na vida pessoal quanto profissional. Entendo, por isso continuo achando que ele é um grande técnico, e que viveu uma fase negra no comando da seleção. O seu fracasso não apagou suas conquistas anteriores, assim como seu atual sucesso na Turquia, e que sucesso, não apaga o fracasso anterior no Brasil. São fatos. A vida segue, ninguém é perfeito e um feito futuro não abona nem desmerece um evento anterior, é isso que eu acho.
        E Mundial e Olimpíada não são competições teste para o futuro, são os torneios do presente. Claro que fiquei animado de ver naquele Mundial atletas com Paula Pequeno, Sassá, Fabi e Sheilla, mas a sensação como torcedor era de revolta. Revolta por ver o Brasil, que tanto lutou e sucumbiu nos anos anteriores contra uma equipe cubana imbatível, disputar o Campeonato Mundial com um time B e desperdiçar sua primeira grande chance de consagração. Nós que até aquele momento nunca havíamos ganhado nada além de Grand Prix, tivemos que engolir uma até então inexpressiva e claudicante Itália como campeã do mundo.

      • Raffytcha

        Desculpe discordar Leonardo mas ele não lançou jogadoras novas na seleção, ele não teve é opção!!! O time considerado titular até então se debandou, então a consequência foi acelerar essa renovação. Fato!

  • Josie

    Bom relembrar Marco Aurélio na seleção. E por isso, pergunto : foi confidencia a Turquia perder para Alemanha ou quiseram colocar pressão na seleção brasileira ? Como eh o relacionamento dele com a Cvb ou com o ZRG já que foram oponentes na turquia ?
    Daniel, qual outro time usa esse sistema de 2 liberos ? Podemos descartar a Tandara? Ela e juciely nao estão tendo chances … Juciely tudo bem, me parece mais jogadora de clube, mas Tandara apesar de pesada gostaria de ver jogar

    • Daniel Bortoletto

      A Turquia usa duas líberos

      Pela quantidade de chances que elas estão tendo, sim

    • Leonardo

      JOSIE nao queira por lenha-na-fogueira, ja’ vi entrevista do MARCO AURELIO falando bem do ZE’, nem tudo no volei e’ guerra… Ja’ basta o conflito Bernardinho x Ze’.

  • matheus

    O grande prix desse ano foi bem descabivel algumas seleções como a China e Turquia pegando adversários bem mais fáceis ! A fórmula dessa disputa precisa mudar , que tal os moldes da liga mundial seria uma boa ?!
    Daniel você sabe se a Globo vai transmitir os jogos de madrugada?

    • Daniel Bortoletto

      não sei, Matheus

    • Leonardo

      Nao vejo nada de errado no sistema do GP, no final das contas so’ ganha o melhor! Nao e’ por acaso que o Brasil e’ recordista de titulos, nao e’ mesmo?

  • marcos monteiro

    Ele sempre me pareceu uma pessoa decente.A forma como ele saiu da SFV é que foi indecente.Mas o tempo de Deus é diferente dos homens,e quem na época armou a sua saída, hoje caiu no esquecimento.

    • Raffytcha

      Só se for na sua cabeça q elas estão esquecidas marcos. Elas estão na ativa ainda, umas aqui no Brasil e outras até na Europa! Uma delas é a Fofão q duvido eu, q os fãs do voleibol brasileiro não gostariam q ela estivesse em Londres!!!

MaisRecentes

Bento fora da Superliga. Castro já comemora vaga



Continue Lendo

Semana positiva das Seleções adultas



Continue Lendo

Coluna: O polêmico teste na regra do vôlei



Continue Lendo