Coluna de domingo: A trégua na briga entre CBV e FIVB



Coluna publicada neste domingo, 8 de março, no LANCE!

Dia 12 de dezembro de 2014: “Em solidariedade aos nossos jogadores, ao nosso técnico multicampeão e em respeito ao torcedor brasileiro, a CBV, por decisão do presidente Walter Pitombo Larangeiras, comunica que não realizará em solo brasileiro a fase final da Liga Mundial, prevista para acontecer no Brasil em julho de 2015. A CBV não compactua com as práticas desenvolvidas pela FIVB e toma essa atitude para resgatar o respeito que o Brasil tem e merece no cenário esportivo internacional”.

Dia 6 de março de 2015: “Entendemos agora ser hora de priorizarmos o projeto olímpico. É olhar para frente, para 2016. Retomamos as negociações assim que tivemos a informação que estaríamos fora da Copa do Mundo. Não poderíamos comprometer um planejamento que está há três anos mantendo o Brasil no pódio das competições e que encerra o ciclo olímpico jogando em casa”.

Menos de quatro meses e algumas reuniões foram suficientes para essa guinada radical no discurso da CBV. Fim do enfrentamento e volta da paz na relação com Ary Graça e a Federação Internacional? Como já escrevi anteriormente, a trégua vai sempre depender do movimento seguinte do outro lado. No caso específico da realização das finais da Liga Mundial, no Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, a CBV recuou. Já tinha contrato assinado, direito de televisão vendido e multa rescisória salgada em caso de rompimento. Tudo isso, é claro, além do lado esportivo, citado na nota oficial de sexta-feira. Disputar as finais na sede olímpica, um ano antes dos Jogos, é certamente um teste que não poderia ser desperdiçado. E não será mais.

Mas a queda de braço nos bastidores ainda não acabou. Bernardinho (10 jogos), Mario Júnior (6) e Murilo (1) seguem suspensos após confusão no Campeonato Mundial da Polônia. A CBV prometeu apelar, mas até agora o Painel Disciplinar da FIVB não publicou nenhum novo posicionamento. Eu não me surpreenderia com um abrandamento nas punições, principalmente na do treinador.

E assim, voltaríamos a ver dirigentes posando juntos e dando tapinhas nas costas uns dos outros em eventos oficiais? Talvez, mas para inglês ver.



  • Igor

    Pelo jeito a CBV anunciou a desistência sem ao menos saber as consequências negativas, essa nova administração é fraca demais.

  • Billy

    É…pelo jeito tudo vai acabar em pizza mesmo…Estou torcendo muito para que o Brasil conquiste o título da Liga Mundial 2015 diante da nossa torcida.

  • “Doidinha por vôlei”

    Uai sô! Vergonha! Vergonha! Vergonha! Era melhor os senhores Toroca (tem de ser chamado pelo apelido feio mesmo de Toroca, mais ou menos como o governador aí do Rio, “Pezão”), e neuri (o nome tem de ser escrito com letra minúscula sim, do tamanho da intelijumência dele), a CBV ficar calada e aceitar todas as maldades feitas pelo Ary Graça contra o Brasil no mundial da Polônia e cumprir com as punições arbitrárias impetradas por ele e pronto. Para que a”fanfarronice”, para que jogarem para a torcida e depois voltarem atrás? Coisa típica de brasileiro covarde e sem sangue nas veias. Típica dos políticos em Brasília. Acabando como sempre tudo em PIZZA. Uma nojeira tudo isto. Viva o vôlei brasileiro, seus técnicos e seus jogadores. Porque o resto é resto mesmo e tá acabado. “Ôces não tem mesmo é vergonha na cara”. E viva meu Minas, 3×0 em cima do Brasil Kirin, que venha o SADA.

MaisRecentes

Joelho afastará Gabi das quadras



Continue Lendo

As primeiras transmissões da Superliga na TV



Continue Lendo

Vaivém: Thaisa jogará a Superliga



Continue Lendo