Coluna de domingo: A fórmula que dá mais chance aos menores



Quem nunca deu um sorrisinho maroto ao ver uma zebra DAQUELAS nas quadras, campos, piscinas e pistas? Para mim é uma das essências do esporte.

No vôlei, com abismos financeiros entre grandes e pequenos, está cada vez mais difícil ver uma zebraça DAQUELAS. No cenário nacional, a Copa Brasil se transformou no ambiente perfeito para os tais azarões aparecerem.

No torneio masculino, o poderoso Sesi, com seu esquadrão de selecionáveis, caiu na primeira rodada, em casa, ao perder para o Canoas. É até cruel comparar os investimentos entre os dois. Por isso a zebra DAQUELAS dos gaúchos merece muitos aplausos. No feminino, o Dentil/Praia Clube, que sonhava com voos muito altos na temporada 2014/2015 ao investir em Tandara & Cia., foi atropelado na mesma fase pelo bom Pinheiros, com direito a um sonoro 25 a 11 na abertura do triunfo por 3 a 0. Outro duelo que comprova que apenas um orçamento bem mais polpudo não é garantia de sucesso diante de rivais bem treinados. Por pouco, outra diferença abissal de investimento não aumentou a minha lista. O Molico/Osasco precisou de cinco sets para vencer, em casa, o Brasília, evitando uma precoce eliminação na primeira fase. Seria uma zebraça DAQUELAS, por mais que o time candango conte em seu elenco com atletas com passagem pela Seleção (Paula Pequeno e Michele).

Todo o cenário acima só ganha dramaticidade em uma competição de tiro curto, eliminatória, como a Copa Brasil. Na Superliga, um tropeço ou outro pode ser compensado no decorrer da longa fase classificatória, algo semelhante ao sistema de pontos corridos do Brasileirão de futebol.

E esse fato me faz ver mais graça atualmente na Copa do que no início do segundo turno da arrastada Superliga.



MaisRecentes

Brasil bateu recordes no Pan. Mas os vôleis ficaram devendo



Continue Lendo

Coluna: Brasil precisa aprender a perder



Continue Lendo

Passe virou a dor de cabeça do Brasil



Continue Lendo