Coluna de domingo: A final de sempre e o problema olímpico



Pessoal, Feliz Páscoa para todos vocês. Abaixo, minha coluna publicada hoje, dia 8 de abril, no LANCE!.

Unilever e Sollys/Nestlé vão decidir, no próximo sábado, pela oitava vez seguida a Superliga. Mais do mesmo. Filme repetido. Eu já sabia. Final mais do que esperada. Escolha à vontade sua definição predileta para o maior clássico do país, sem esquecer de que ambos os times merecem a posição que ocupam no cenário nacional.

No balanço das decisões, as cariocas levam ampla vantagem: 5 a 2. Independentemente do que acontecer no Maracanãzinho, a mudança no placar acima é o que menos me importa.

Na última semana, entrevistei José Roberto Guimarães (textos estão aqui no meu blog). Ele, que iniciará nos próximos dias os treinos para a Olimpíada de Londres, vai pegar um grupo que, individualmente, preocupa para a campanha em busca do bi. Na atual Superliga, nenhuma selecionável titular chama a atenção por viver fase espetacular. Pior. Pilares do ciclo olímpico anterior estão longe da melhor forma, tecnicamente falando.

Vejam o exemplo de Mari, na minha opinião a principal jogadora da Olimpíada de Pequim. A ponta da Unilever está sem confiança no ataque, seu melhor fundamento, e continua sem constância no passe, o seu pior. Já Sheilla e Fabi, companheiras de time e Seleção, se recuperam depois de início apagado, mas também estão distantes do que já mostraram em outras ocasiões. Sem falar na indefinição na posição de levantadora. Fabíola, do Sollys, terá chance de mostrar no sábado que amadureceu para assumir de vez a titularidade da Seleção.

A final da Superliga é a chance para as selecionáveis deixarem um pouco da descofiança de lado. Não só a minha, mas também a de Zé Roberto.

 



  • Rose

    Acho que a Unilever será campeã da superliga.
    Realmente a seleção não terá tempo para um reação fantastica p/ as olimpiadas e se disputar uma medalha será lucro.

  • Vilma

    Daneil, concordo com tudo que disse, pra mim tambem a Mari foi a melhor jogadora da seleção nas olimpiadas de Pequim, e tenho a imprensão que ela e a atacante de ponta de confiança do Zé Roberto, como ele disse em entrevista pra vc olimpiadas e momento e a Mari no comando do Zé quando em esta em forma fisica ideal sempre foi a Mari que conhecemos e acredito que quando ela se apresentar a seleção vai mostrar serviço. Gostaria de saber de vc Daniel, quantas atletas serão convocadas para essa preparação para Londres. Obrigada

    • Daniel Bortoletto

      Não sei, Vilma. Talvez umas 16.

      • Adriano

        Outra questão, Daniel, sobre a qual não vi ninguém tratar. Nós sabemos se vão 12 ou 14 jogadores pra Olimpíada? Porque isso faz toda a diferença do mundo.

        • Daniel Bortoletto

          14

  • betoven

    Então vc virou vidente tbm Daniel? “Eu já sabia”, então sabia que o RJX iria perder, hoje?? E na próxima sexta, qual é o resultado?? E o fim do mundo, será nesse ano??? Abços!!!

  • @alcidesxavier

    Vejo com naturalidade, é a hora das “reservas” da Olímpiada passada assumirem a vaga. Em 2000 Leila, era banco e 2004 já assumiu a titularidade… acredito que algumas jogadoras irão assumir esse papel, exemplo nítido Jaqueline! É indiscutível a temporada que ela vem fazendo, Fabíola; Brait e Adê vem no embalo, e Tanda morde por fora se a Sheilla não aguentar. Mari dedicando-se acredito que consiga fazer dupla com Jaque na ponta, porque PP4 tá boa no clube, seleção só como amuleto!

    • Kaio

      Amuleto e a Sassá.

      Sheila ruim poderia por a Mari na saída com PP4 e Jaque nas pontas.

      • Mateus Duarte

        Concordo com vc Kaio…Paula e Jaque…Mais segurança no passe e mais vibração e quadra… É o que a seleção precisa… Elas estão muito mortas… Até pq a Paula foi a única que se salvou na copa do mundo… Já a mari fez o brasil perder a vários sets por começar jogando nos mesmos, e sassá teve que contornar(rsrs)…

    • Hit

      -Mari não está passando a bola regularmente, assim como não está atacando.
      -Paula cresce em alguns jogos. Mas só em alguns. Precisamos de uma ponteira mais regular.
      -Sheilla teve uma relativa melhora, mas não voltou a ser referência mundial como era antes (se é bola de segurança do Rio, isso já é outra história). Ao menos está sacando melhor.
      -Thaísa está sempre chegando atrasada no block das bolas de ponta e sacando muito pior do que sacava. Se não vira bolas no ataque, fica com sua moral lá embaixo, fica cabisbaixa e não joga nada. Como torcedor do Sollys, é muito desanimador ver ela desse jeito, mas é a realidade.
      -Fabizinha ainda dá pro gasto na defesa, mas no passe é inferior a Brait. Pelo menos é uma jogadora que passa respeito às colegas e no time do Rio acho que é o elo afetivo entre Sheilla, Mari e o resto. Sim, porque as demais no máximo se abraçam e pouco mostram alegria.
      -Dani Lins não me passa a menor confiança. Não pelo fato do Sesi ter caído nas quartas, mas é outra que quando o time começa a cair, não mostra raça e força.
      -Fabíola também não passa confiança, mas sua sintonia com Thaísa, Adenísia e Jaqueline melhoraram nessa temporada.

      Por essas razões, concordo com você, Alcides. A força da seleção terá que vir do banco.

      • Guedes

        Boa noite, eu não entendo, a Fabiola é lider das estatisticas, desde o começo da super liga, ficou 6 jogos fora e queira ou não o Sollys perdeu nos jogos que ela não estava, o time tem o melhor ataque da competição, isso significa que pelo menos ela esta fazendo o trabalho dela correto e mesmo assim as pessoas falam que não confiam nela, então Daniel oq ela tem que fazer para confiarem nela?

        • Daniel Bortoletto

          ser mais constante, mostrar que amadureceu…

        • Adriano

          Líder nas estatísticas não quer dizer absolutamente nada, vamos combinar. Especialmente pra avaliar levantamento. O Ricardinho não tá no top 10, e aí? Quer dizer que tem 10 levantadores na SL melhores que ele?

          Pra ser justo com a Fabíola, acho, sim, que ela vem fazendo uma boa SL. Óbvio que o time em que ela está ajuda muito. Mas daí a achar que ela não precisa provar mais nada quanto a ser titular da seleção ou, mais que isso, uma levantadora do nível que nós esperamos, acho que são outros 500. Tanto ela quanto a Lins. As duas têm muito a provar, ainda. Já se passaram 3 anos e eu me pergunto: o quanto elas evoluíram de lá pra cá?

  • Ana

    Que bom que pelo menos no masculino teremos uma final inédita! E quando ao Paulo Coco hein? Depois de todo aquele discurso politicamente correto parece que os rumores que surgiram elam verdadeiros e ele realmente dispensou a Sykora e a Clarisse durante a concentração e as duas tiveram que voltar de ônibus para Araçatuba…

    http://instagr.am/p/I-iBpLH3RF/

  • Afonso RJ

    O retrospecto internacional do Brasil no volei feminino na temporada 2011/2012 é realmente preocupante.
    1 – No Grand Prix perdemos a final para as americanas, num torneio em que várias seleções não se apresentaram com a força máxima.
    2 – No Mundial fizemos a pior campanha dos últimos tempos. Nem pódio deu.
    3 – Perdemos a final do mundial juvenil para a Itália.
    4 – Tanto Osasco quanto o Unilever fizeram campanhas ruins no Mundial de Clubes quanto no torneio de fim de ano na Suíça, respectivamente (mesmo o Osasco desfalcado e o Unilever em fase de entrosamento).
    5 – Conseguimos o ouro no Panamericano de Guadalajara numa final contra Cuba, num torneio meia bomba em que os Estados Unidos levaram a seleção B.
    6 – Perdemos a final da Copa Yeltsin para a China com a seleção B.
    7 – Perdemos o primeiro lugar no Ranking da CIV para os Estados Unidos
    8 – Até agora não conseguimos “carimbar o passaporte” para Londres, apesar das oportunidades, e devemos conseguir apenas porque nossos adversários continentais jogam um vôlei primário.
    Isso tudo como resultado da queda de rendimento de nossas jogadoras, contusões e também da melhora técnica de nossas principais adversárias.
    É realmente para ficarmos preocupados com as Olimpíadas. Nas entrevistas que o Zé Roberto tem dado, para mim ficou claro que ele também está bastante preocupado, mas mantém a confiança dizendo que “Olimpíada é momento”. É bom mesmo que haja uma “reviravolta” no desempenho de várias atletas, ou iremos a Londres apenas no papel de figurantes (o que a julgar pelo momento é o mais provável).

    • César Castro

      Afonso, o que nos serve de consolo é pensar que elas também não vinham bem antes de Pequim…

      • Guedes

        No grand prix o Brasil jogou pior do que os EUA, com muitas bolas lentas, no mundial o Brasil não tinha elenco muitas jogadoras estavam machucadas, para ter ideia chegamos a jogar varias vezes com 2 liberos a fabi como libero e a camila como uma ponteira passadadora, para vc ver como estava a situação.
        Não vejo uma superioridade tao grande das outras seleções para vc ter ideia Italia e Russia não conseguiram se classificar para o mundial, sendo a italia convidada.

  • Mauricio

    Queria ver a MARI de volta à saída. É nítido o incomôdo e ineficiência dela na posição de ponteira-passadora. Pelo que temos visto, a sua potência no ataque não anda suprindo a deficiência na recepção… Será que a TANDARA não está melhor?

    Tomara que a NATALIA possa se recuperar a tempo de Londres. Será que ela teria chances Afinal, ZRG deveria pensar em formar uma base para 2016 também.

    E acho que a PP4 está longe de seu desempenho de Pequim…JAQUELINE e GARAY estão um passo à frente.

    E a WALESKA está 100% fora da seleção?

    Com relação às levantadoras…hmmm… torço para a FABIOLA colocar a cabeça no lugar, ganhar experiência nessa final. Aliás, ao contrário da DANI LINS, ela atuou com as principais atacantes da seleção no time do OSASCO, ou seja, chega com um entrosamento um pouco melhor (apesar de ainda bater cabeça com a TAISA).

    Bom, vamos ver o desenrolar das próximas semanas e torcer pelo melhor dessas meninas.

  • Mauricio

    Daniel, você poderia voltar ao BOLÃO, agora das selecionáveis…hehehe

    1) DANI LINS
    2) FABIOLA
    3) CLAUDINHA

    4) FABIANA
    5) ADENIZIA
    6) TAISA
    7) JUCIELY
    8) WALEWSKA (já sei que ela não quer mais estar na seleção, mas só para deixar registrado).

    9) GARAY
    10) JAQUELINE
    11) PAULA PEQUENO
    12) SASSA
    13) NATALIA
    14) MARI

    15) SHEILLA
    16) TANDARA

    17) FABI
    18) CAMILA BRAIT

  • Mauricio

    WALEWSKA deu uma cravada no ultimo jogo contra o RIO que me impressionou. Mostrou que ela não pode ficar fora da seleção de jeito nenhum! E ainda por cima ajudaria na recepção, que é o grande problema da geração atual. Pô, Daniel, vamos fazer algum barulho para ela voltar à seleção!

  • César Castro

    Sinceramente, eu não vejo problema em a final se repetir. Pelo menos, esse ano a final repetida não denuncia falta de investimento de outros clubes, campeonato fraco nem bipolaridade na divisão das estrelas. Gente, alguém discorda que Osasco e Rio de Janeiro estão na final porque foram as equipes mais competentes?
    O Vôlei Futuro e o SESI possuíam ótimos planteis, foram times valentes aguerridos e o Minas mesmo com investimento menor chegou às semifinais…
    Osasco e Unilever fizeram valer sua tradição e estão aí por seus méritos. Olhando por esse ângulo e olhando para essa temporada, a final repetida não é motivo de demérito muito menos de preocupação.
    Já quanto à nossa seleção….
    Bem, é o que temos… Olha, por mais que seja duro entender, essas garotas são muito boas, mas nenhuma, hoje, é fora de série (principalmente com a contusão da Natália).
    O Zé Roberto é competente, mas não é mágico. A seleção tem muita dificuldade de se impor em momentos decisivos e isso é um fato… Parece estar claro que não haverá mudanças expressivas no tocante à escalação (nem entendo pq tantos ficaram surpresos com a convocação da Sassá e da Dani — surpresa para mim seria se elas não fossem convocadas…) Ou alguém acha que daqui a pouco não vai ter um post aqui mesmo falando que a Paula e a Garay estão indo pra Saquarema?

    Será que levaremos o BI?

  • Ismael

    Não concordo com muita coisa que é falada aqui ! Acho que o Zé pode sim ficar com o pé atrás, mas nós não !

    Pessoal para mim a seleção titular esta na minha cabeça e é um timaço ! Em 2007 foi um ano para esquecer e em 2008 dominamos. Pq não pode acontecer novamente ?

    Zé é experiente e vai fechar esse grupo para o ouro olímpico ! Somos muito mais time que Itália, China… no mesmo nível Brasil, Eua e Rússia

    Confiança… temos grandes jogadoras !

    O que mais me deixa de boca aberta é como o povo fala da Paula e da Mari ! Paula foi a ponteira mais regular na temporada de 2011 na seleção ganhando jogos sozinha e a Mari fica claro que o momento é de não estar contente com o time e com a levantadora. ( alguém acha que ela esqueceu os comentários da Venturini após Atenas ? )

    As ponteiras titulares nesse momento são Jaqueline e Mari, mas a Paula vai brigar muito pois ela não gosta de banco !

    • Mateus Duarte

      Concordo… Paula joga muito mais que mari( no geral)… E o time, tem sim, que ser baseadono que foi campeao em pequim…

  • Welmer

    Bem, eu gosto muito do trabalho do Zé Roberto Guimarães, mas temo que continue insistindo com a Dani Lins como titula na seleção. Nas últimas temporadas com a seleção, ela sempre começou como titular, mas acabou perdendo posição para Fabíola, e isso dificultava o desenvolvimento e o entrosamento da seleção. Gostaria que ela começasse os próximos torneios com a Fabíola como titular, pois acho que ela vive um melhor momento e daria mais consistência ao jogo da seleção. Eu também gostaria que para esse Grand Prix ele mesclasse a seleção levando jogadoras mais jovens, como a Priscila Daroit e a Gabi, para dar mais rodagem internacional a essas jogadoras e deixasse jogadoras como a Paula e a Mari fazendo trabalho de recuperação em Saquarema, da
    “fraca” temporada que fizeram, para que possam chegar em Londres em melhor fase. Não sei quantas jogadoras podem ser inscritas nas olimpíadas, mas se forem 14, essa seria a seleção pra mim:

    Levantadoras: Fabíola (titular) e Dani Lins;
    Ponteiras: Jaque (titular), Fê Garay (titular), Paula Pequeno, Mari e Sassá (ou Natália, se estiver recuperada);
    Opostas: Sheilla (titular) e Tandara;
    Meios-de-rede: Fabiana (titular), Thaísa (titular)e Adenízia;
    Líberos: Camila Brait (titular) e Fabi;

    Pra mim essa seria a melhor seleção para as olimpíadas.

  • Luciano

    Vocês não perceberam que o Bernardinho não está enhum pouco preocupado em ajudar a seleção feminina. Ele quer é ganhar a Super Liga, pois colocou a Venturini de levantadora, e a Mari de ponteira e quando ela está no fundo saca e sai para não prejudicar na recepção.
    Agora é pensar no ciclo 2016, com a levantadora Priscila do Mackenzie, a ponta Gabi do Mackenzie com a Nathália do Rio em forma, a Tandara de oposta, a Camila Brait de líbero, a Adenízia de meio e mais uma não muito alta mais bem ágil que possa surgir, quem sabe né..hehehe

  • Jailson

    Murcia contrata Carol Albuquerque até o final da temporada ( play offs )

    fonte: voleymurcia.es,vôlei sem fronteiras

  • Ana

    Há quatro anos eu AMAVA discutir Venturini x Fofão, Mari x Paula… hoje, pra mim, é chato. Quando começa esses assuntos eu rapo fora.

    Até porque, quem assistiu vôlei por anos, sabe que Fernanda sempre foi mais talentosa que Fofão, que é mais esforçada do que qualquer coisa. O mesmo vale para Mari, que em termos de talento e versatilidade, é muito superior à Paula. Mas, para grande mídia e para quem vê no pessoal o mais importante, Fofão é a esforçada, humilde, que foi campeã olímpica, portanto é a melhor, Venturini é a arrogante fracassada por não ter um ouro olímpico. Mari é a sem expressão do 24×19, Paula a raçuda, guerreira. Quem vê com olhos técnicos sabe que Paula não sabe sacar e só ataca na 4. Enfim, discussões passadas. Hoje estão todas na merda.

    Mari, pelas escolhas erradas que fez na vida, em seguir Sheilla, está no pior fase de sua carreira. Não evoluiu nada com Bernardinho, como muitos achavam, passa as partidas praticamente no banco, está desmotivada, fraca fisicamente. Vai ter que correr muito se quiser ser titular em Londres. Pena, para ela e para a seleção.

    Paula está longe da excelente forma que estava em Pequim. Irregular, à sombra da Garay no VF, com um físico que não passa nenhuma confiança.

    Venturini voltou pelo nome. A idade a transformou em mediana para baixo. Nessa fase final fez levantamentos dignos de Albuquerque no seu auge, levantando para a antena.

    Fofão dispensa comentários. Poderia ter se aposentado pós-Pequim, “por cima”, preferiu se humilhar, passar vergonha na Blausiegel e agora sem clube.

    • Fernando Adilio

      KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
      Mari mais versátil que Paula???
      Me fale que época foi essa, pois eu não me lembro.
      Paula é muito mais truqueira no ataque. E no fundo de quadra, não dá pra comparar as duas.
      A Mari é oposta. E cada dia que passa, ela prova que não tem habilidades, nem vontade de continuar sendo ponteira.

      E outra, Daniel, dizer que Mari foi melhor que a PP nas olímpiadas é complicado, hein.
      Paula ficou no top 10 em todos os fundamentos, exceto saque. (Bloqueio, ataque, passe, defesa)

      • Ana

        Se alguém que joga de ponta, oposta e central; ataca bem na entrada e saída, não for mais versátil do que quem só joga de ponteira e SÓ ataca na entrada, não sei o que significa ser versátil.

        Agora, veja, versatilidade não se refere ao modo de atacar, truqueiro ou porradeiro, e sim a um conjunto. E não quer dizer que Mari seja melhor que Paula. Não disse isso. Alguém pode saber fazer várias coisas, no entanto um que é excepcional em uma coisa pode se destacar mais. Um centroavante sem habilidade mas que faz gol a beça é, muitas vezes, muito mais lembrado que um meia bom em todos os fundamentos, no futebol, por exemplo.

    • César Castro

      Quanto baixo astral, Ana!

      Também não é pra tanto. Temos tudo pra dar a volta por cima!!!

  • Renato Barbosa

    A situação da seleção brasileira não será nada fácil mesmo. Como muitos aqui já citaram , as principais peças da seleção não estão bem , nem mesmo em alguns jogos fáceis da superliga.
    A competição realmente melhorou , mas creio, que não chega testar ao máximo o potencial das jogadoras. Estava olhando alguns videos da campanha vitoria em pequim , e percebendo que a questão da levantadora foi primordial para o sucesso da seleção. Não querendo desmerecer as atuais levantadoras , mas Fofão deu um outro ritmo , um diferencial a seleção , como fez Ricardinho na masculina. Jogadas velozes, variações , entrosamento, enfim, um fator surpresa. Hoje, a seleção joga normal . Fabíola , na minha opinião ,chega mais próximo ao jogo de fofão ,mas apenas por arriscar mais outras jogadas.
    Tomara que a seleção brasileira retorne ao caminho de vitórias , pois a atual situação está complica. O que mais me preocupa é que as outras seleções devem vir muito fortes e com jogadoras em melhores fases . Vamos torcer !

MaisRecentes

Duas gratas surpresas na Superliga



Continue Lendo

Minas espera Hooker ainda em outubro



Continue Lendo

Vaivém: Vôlei Nestlé confirma apresentação de peruana



Continue Lendo