Coluna: Bronzeadas, mas também decepcionadas



Com um dia de atraso para esperar o último dia do Mundial, a Coluna Saque está no ar.

O bronze certamente não era a medalha que o Brasil foi buscar na Itália. Voltar com ela na bagagem acaba sendo um prêmio de consolação amargo para quem tinha tudo para conquistar o inédito e tão aguardado título mundial.

O choro de algumas jogadoras, ainda em quadra, em Milão, me deu exatamente essa sensação de que o terceiro lugar foi pouco, muito pouco para quem estava em viés de alta, como gosta de dizer um grande amigo aqui no LANCE!. A invencibilidade de 11 jogos até a semifinal de sábado, ter vencido o Grand Prix com autoridade (inclusive com triunfo sobre a mesma seleção americana), ser o atual bicampeão olímpico e não ter mais a algoz Rússia pelo caminho são fatores, na minha cabeça, que faziam o time brasileiro sentir o ouro cada vez mais próximo. A tal conjuntura ideal que se transformou em pesadelo no sábado, após o categórico 3 a 0 aplicado pelos Estados Unidos. E fez com que o terceiro lugar fosse apenas uma obrigação.

Vejo essa “insatisfação” com o bronze como boa notícia. Times acostumados com as vitórias e com os títulos não devem aceitar menos do que o primeiro lugar. E isso não quer dizer menosprezo. Ainda mais quando essas equipes vitoriosas sabem que têm potencial e não veem na concorrência um adversário que esteja um patamar acima.

O Brasil deixa a Itália com uma dolorosa constatação para a segunda metade deste ciclo olímpico: não é invencível, apesar de ter um histórico recente muito mais vencedor do que os principais rivais. Além disso, nem sempre os regulamentos permitem reviravoltas, como esse mesmo time fez nas finais do Grand Prix, ao perder para a Turquia na fase final. Situação que EUA e China, quase eliminadas na 3 fase, viveram na Itália até se transformarem em finalistas.

Para o trio olímpico, EM CASA, a lição precisa ser aprendida.



  • Oguienkho

    As amarelas bronzeadas agora vão ter pela frente USA e Rússia para assusta las em 2016 nas olimpíadas do Rio. USA e RUS podem voltar ainda mais reforçadas para as olimpíadas. O Ouro será tomado do Brasil em seu próprio território. As adversárias terão muito tempo para orquestrar contra o Brasil. KKKKKKK Ainda tem a China que quase toma o OURO das ianques.

    • Mari

      Nossa que desagradável é vc!!

    • Rafael

      Sinto em lhe informar, mas Rússia?????????

      Foi possível comprovar que tanto no masculino quanto no feminino a seleção russa não é aquela coia toda não, pelo contrário, deixa bem a desejar! Totalmente dependentes de um ou dois jogadores. São adversários duros os russos, mas longe de serem os melhores.

      OS EUA É A MELHOR SELEÇÃO FEMININA DE VÔLEI SEM DÚVIDA. E A MASCULINA SÓ NÃO GANHOU NO MASCULINO TAMBÉM POR CONTA DE PONTEIROS LESIONADOS E PQ TAMBÉM SÃO MUITO JOVENS AINDA, APESAR DE TEREM LEVADO O TÍTULO DA LIGA MUNDIAL 2014.

      • Paula Cerqueira

        Rafael, meu caro. Nesses 2 anos muita coisa pode acontecer. E não descarto a Rússia.

        Exemplo: A cubana Rosir Calderón, já é russa, já está naturalizada e já pode ser convocada!!!!!!

      • Oguienkho

        No Mundial masculino a Rússia apresentou importantes desfalques que fizeram falta: libero campeão olímpico Verbov, um dos melhores passadores que foi titular na Liga Mundial e Copa dos Campeões:Sivozhelezov. Taras Kthey que foi o capital em Londres. Central Volkov e o oposto Mikhaylov – o MVP de Londres. Todos estavam se recuperando de contusões ou cirurgias e ficaram fora do Mundial da Polônia. Li em entrevista que já esta cogitado a volta do exímio passador Tetyuhin para as olimpíadas do Rio 2016. O jogador continua jogando em alto nível e este ano ajudou o seu club a ser campeão mundial aqui no Brasil. A Rússia pode ficar tranquila porque tem os melhores jogadores. Já no feminino a própria Sokolova já afirmou que volta para as olimpíadas. Gamova reconheceu que não estava em forma e não era a volta de retornar. Mas fica a lição para ela. Acho que Marichev será demitido do feminino. As centrais que Marichev queria neste mundial ficaram de fora: Morozova, Shlyakhovaya. Com um bom técnico e a federação russa diminuido o tanto de jogos em suas competições em ano olímpico…os russos serão imbatíveis aqui no Brasil.

        • Roberto

          Concordo, a Rússia possui o melhor material humano, se se programarem exclusivamente pensando em Rio16, são favoritos.

          • Rafael

            HAHAHAHA, melhor material humano???

            Sem dúvida que a Rússia é uma das melhores seleções do mundo, mas não acredito nessa força toda não. Isso é o que vocês, torcedores fanáticos da Rússia desejam!!

            Pra começar esse Taras Kthey é um dos piores ponteiros que já vi. Não passa nada e não vira bola, vide a liga mundial desse ano. Tetyuhin melhora o fundo de quadra, oferecem mais consistência, mas não vai resolver jogo sozinho e até Rio 2016 ele está com quase 40 anos. Não acredito que seu rendimento será o mesmo que foi em Londres, mesmo sendo um exímio jogador. Mykhaylov perdeu a titularidade para o Pavlov que jogou nesse mundial. Ou seja, o máximo que a Rússia ganharia seria uma maior consistência na recepção. Só Tetyukhin e o Byriykov são ponteiros mais técnicos. Rússia com Sokolova ganha no fundo de quadra, mas mesmo assim não vejo a seleção russa párea para EUA e Brasil. Na copa dos campeões a seleção russa contou com Sokolova e elas mesmo assim perderam para EUA e Brasil.

            A Rússia pode contar com um maior número dejogadores, mas nem todos se sobressaem melhor tecnicamente do que jogadores de outras seleções. A Rússia não tem por exemplo ponteiros excelentes e jovens como Lucarelli (BRA) e Sander (EUA). E não adianta falar no Ilynikh, porque aquele ali parece mais uma ameba em quadra.

            Por tanto, meus caros, é certo que a Rússia venha melhor e mais equipada. Mas não tenho dúvida nenhuma de que EUA e Brasil não estarão inferiores.

            Sou muito mais América do que Rúsia, com aquele voleibol arcaico de bolas altas, saque forte e bloqueio pesado. Polônia e Itália tem muito mais probabilidade de evoluírem tecnicamente.

    • Aline

      A melhor seleção do Campeonato NÃO FOI CAMPEÃ por culpa desse Zé Mané:
      1. É um ABSURDO o time campeão olímpico em Londres, tendo trocado apenas sua líbero(Fabi pela Brait), perder para um time americano muito inferior ao de dois anos atrás, na final em Londres a levantadora titular era a Lindsay Berg,inteligente e de toque refinado, a oposta era Hooker e as ponteiras eram Larson e Logam Tom.
      2. O Brasil tem reservas melhores que os EUA, nossas reservas venceram facilmente as reservas americanas por 3×0, mas o CABEÇA-DE-BAGRE do Zé não soube usar isso como trunfo pois sabe nem quando nem como mexer no time.
      3. O Zé mais atrapalhou do que ajudou em Londres, se fosse por conta dele, o Brasil seria desclassificado já na primeira fase. Não fosse a liderança da Capitã Fabiana e as jogadoras fecharem o grupo entre elas, o Brasil nunca chegaria ao Ouro pela lógica do Zé Mané.
      4. O ouro em Londres foi bom por um lado, mas ruim por outro, pois o Zé ficou com as HONRAS DA VITÓRIA e permaneceu INTOCÁVEL NA SELEÇÃO!
      5. Porém, no MUNDIAL, a INÉRCIA do Zé no banco de reservas matou a seleção, pra que reservas, se não sabe como e quando usá-las? Confiar muito só num time titular é prejudicial, pois qual é a saída se o time titular falha e o técnico não sabe quando e como usar o que tem no banco?
      6. Já passou da hora da SUPERSTIÇÃO! Zè é muito supersticioso: PASSAR A MÃO NO CORCUNDA EM LONDRES ou LEVAR NATÁLIA AMULETO “NÃO SÃO GARANTIA DE TÍTULO’!!! Menos SUPERSTIÇÃO e mais PROFISSIONALISMO, POR FAVOR!!!
      7. Desgastar o time titular no GRAND PRIX inteiro e não dar chance de as reservas mostrarem serviço é ridículo, até porque dá material suficiente para os outros times estudarem o Brasil, porque não usar o Grand Prix para testar alternativas para sair do sufoco? Ou a confiançaa no time titular era tão grande assim que não admitiria um possível sufoco?
      8. Porque não dar liberdade para a levantadora usar as CENTRAIS mesmo com passe B? Nossas CENTRAIS estão entre as MELHORES DO MUNDO, são acima da média e não podem ficar sem receber bola como ficaram na semifinal. Se as centrais não recebem bola, as ponteiras ficam marcadíssimas e o Brasil acaba!
      9. Dani Lins errou na distribuição, errou na trajetória das bolas, principalmente nos contra-ataques, não arriscava por medo do Zé ou por insegurança própria? Qualquer uma das hipóteses é culpa do técnico que não deu tranquilidade a ela para arriscar ou então que não a substituiu por Fabíola. Era obrigação do Zé mexer na posição de levantadora, não é o cérebro do time?
      10. Mas o que esperar de um técnico que é o primeiro a perder o controle emocional, e com isso, faz o resto do time ficar descontrolado? Zé desconcentrou o próprio time, logo no primeiro set, ao reclamar de um “fora de posição” do time dos EUA, com o Brasil começando com 2-0 no placar. As americanas rodaram e fizeram 5-2 sem esforço. Apenas porque o Brasil desconcentrou-se. A partir dali nada deu certo.
      11. Como as jogadoras do MELHOR TIME DO MUNDO aguentam um CABEÇA-DE-BAGRE no comando? É a mesma coisa que TER UMA FERRARI COM MOTOR DE FUSQUINHA… Depois do corte pré-Londres algumas jogadoras não pensaram em pedir dispensa? Pois bem, o momento é agora! Não vai ser com Zé no comando que algo irá mudar nessa seleção!!!
      Escurraçar a CLAUDINHA no VÔLEI AMIL e chamá-la de BURRA de forma ENFÁTICA E AGRESSIVA ficou muito marcado na nossa memória!!!

      • Oguienkho

        E vc viu o que técnico da Rússia fez em Londres? ele sumiu da quadra no 4 e 5 sets. As russas ficaram sem apoio diante da pressão do jogo na hora decisiva . Ovinchinnikov tinha jogadoras no banco para fazer meras trocas com o efeito de desestabilizar o Brasil. Poderia colocar uma Merkulova no bloqueio numa determinada passagem ou em combinação com uma sacadora vinda do banco. No 4 set ele demorou uma eternidade para colocar Artamanova na recepção e o Brasil teve tempo de empatar no 4 set. A RUS deveria ter vencido o jogo por 3 x 1. O técnico russo foi omisso e foi culpado pela derrota. Era centralizador não víamos ninguém da comissão técnica participando, dando dicas, referencias para as jogadoras. Ele ficou literalmente inerte. A Sokolova foi a verdadeira técnica naquela partida: dando instruções, cantando o jogo, fazendo o fundo de quadra, atacando. A Rússia era o time para ser campeão em Londres, mas foi mau conduzida por um Ovinchinnikov desajustado mentalmente, tanto é que após os jogos ele se suicidou em uma quarto de Hotel. Já o JRG é cínico. Dentre os 2 técnicos que não ajudaram suas seleções a ganhar o titulo, o dirigente russo em Londres 2012 foi pior. Uma jogadora como Artamanova – mestra na recepção deveria ter entrado desde o inicio do 4 set, quando o passe russo começou a apresentar algumas falhas. Foi bem feito o Brasil não ter ganho esse Mundial.

        • Edu

          Técnico de voleibol cometer suicídio não e privilégio da seleção russa e se não houve contato pessoal e avaliação psicológica pública é irresponsável caluniar uma pessoa que não esta nem mais viva.

  • Felipe

    Tanto no masculino quanto no feminino o time tem que vibrar mais, agora espero caras novas para ambas principalmente no masculino, lembrando que renovar não é rejuvenescer a equipe.

  • JR

    Infelizmente o ouro não veio. Pra mim em particular, foi mais dolorido que a prata do masculino. Mas tb foi uma honrosa medalha de bronze, simbolizando tb a luta dessa Seleção, não vendo isso como derrota, fracasso, pois perder tb faz parte do esporte. E somente os campeões, como elas, que dão a volta por cima.

    Agora é ver o q não deu certo e tirar lições para a segunda e mais importante parte do ciclo, com Copa do Mundo e Jogos Olímpicos. Me preocupa é ver as outras seleções apresentando jovens valores com futuro, como a chinesa da semifinal, a Diouf, a Hill, entre outras.

    Parabéns pelo bronze e vamos em frente, Brasil!

    • Mari

      Concordo contigo JR…a renovação brasileira tanto no masculino quanto no feminino está preocupante….
      O Brasil no feminino deu sorte pq elas foram campeãs em Pequim muito novinhas, então o ciclo pra Londres não foi tão ruim, mas para o Rio tá brabo…
      Muita gente fala que as jogadoras estão indo jogar no exterior com preocupação, mas eu vejo com uma boa possibilidade para aprenderem a jogar com times mais altos e com qualidade. Acho q outra q deveria jogar fora seria a Dani Lins e a Thaisa, pra aprenderem e se aperfeiçoarem. Tb deveria deixar o Brasil a Tandara e a Natália, sobretudo a Natália, que não recuperou a sua forma física e acaba sendo mimada, toda vez faz uma superliga mais ou menos e é convocada pra seleção. O ano q vem o Zé tem que usar as mais novas jogadoras. Convocar a Rosamaria, Bia, Carol, Macris, Ju Carrijo, Samara, Priscila Daroit, Ivna, Lara, Regiane e manter a Tandara, Leia Camila…dar um descanso pra Fabiana, Thaisa, Dani Lins, Fabiola, Fê Garay, Sheilla…não precisamos mais de Grand Prix…e sim da Copa do Mundo no ano q vem que ainda não temos.

      • MEU PONTO DE VISTA

        Regiane? Ju Carrilo? Fala sério.

  • Mario

    Dar descanso? Por favor, tem é que acabar com as donas das vagas e começar do zero. ZRG não conseguiu satisfazer o ego e ganhar mais dinheiro ao pensar que conseguiria este título. Agora já era. Não tem mais espaço pra este time. Viola no saco e fazer o que outros times já fizeram há tempo: renovar de fato. Não há sobrevida pra time que insiste em jogadoras midiáticas que só querem aparecer e aumentar seu valor no mercado. Opostas maravilhosas surgem em outras seleções, com apenas 17 anos! Pontas como Zhu,com menos de 20, e como Hill, 20 e poucos…e o Brasil aqui, chorando com uma mimimi que quer emprego milionário pressionando os clubes por meio da imprensa (ridículo!). Assim, estão acabando com o gosto pelo que resta do vôlei brasileiro!

    • Mari

      Dar descanso no sentido de que já deu!!!
      Mas convenhamos, elas ainda tem pelo menos uma lenhazinha pra queimar e como o a renovação não foi feita a partir do ano passado vai ser difícil conseguir qualquer coisa nas Olimpíadas.
      Mas vc concorda comigo que não precisamos mais do Grand Prix né? Rsrsrs

      • Mario

        Ok, concordo sim! Mas ZRG quer juntar títulos. Não importa quais, porque ganha dinheiro e fama com isso (ele e aquele bando de sangue-suga como o cara que de tanto puxar já conseguiu o mesmo timbre de voz). Na verdade, este era o resultado justo para as Olimpíadas, porque logo depois já teria havido pressão pra mudanças, pra renovações…mas, como houve sorte lá, o “dono” do time ganhou força pra fazer o que quisesse. Agora as coisas mostraram o que são. Não tem supremacia brasileira. Há, daqui pra frente, se não houver busca de novas profissionais, o fim de uma era. Assim como foi Peru, foi Cuba…

  • André

    Daniel, você viu o abraço emocionante entre Sheilla e Fabiana após a conquista? Chorei junto com elas naquele momento. Me deu uma impressão de despedida, algo assim… Você tem alguma informação sobre o assunto??

    • Daniel Bortoletto

      Provavelmente o último mundial. Não creio em nada mais do que isso

      • marcian

        Mereciam o ouro no mundial essa equipe, enfim, deram muitas alegrias. Espero que apareçam novas jogadoras, que não fiquemos na nostalgia, daqui uns anos, de não termos aquela Sheilla, aquela Fabiana, aquela…

    • Aline

      Creio ser o último Mundial da Sheilla, mas não o último da Fabiana.

    • Alex Lima

      Com certeza foi o último mundial de Fabiana, Sheilla e Jaqueline. São maravilhosas e já nos deram tantas alegrias, mas… Um mundial não veio. Força meninas.

    • Tive a impressão de tipo, a Sheilla agradecer pela luta com amigona dela que é a Fabizona e tipo, eu entende o gesto como se a Sheilla dissese pra Fabi: ” agora é com você amiga”!

      Esse foi o último Mundial de Sheilla, Fabizona ainda tem mais um, se ela assim desejar.

      Sheilla mostrou que é inteligente, sabe que não tem o mesmo vigor. Guardou suas forças para a Semi-Final e Final que acabou sendo a disputa do 3º.

      Deu um banho em habilidade, cada bola que a Sheilla conseguia virar de maneira inteligente, que não tem preparação física que faça alguém jogar desse jeito, é talento realmente!

      Além de utilizar da Pype e atacar melhor, mas uma das nossas grandes jogadoras de todos os tempos do nosso voleibol, com certeza deve dar espaço para as demais após as Olimpiadas do Rio, o ciclo é fechado de acordo com o intuito máximo que são as Olimpiadas, Sheilla definitivamente não deve fazer parte dos planos.

      Mas me sinto tão orgulhoso por poder ter acompanhado a trajetória dessa geração, que hoje ainda contamos com Jaque, Sheilla, Fabizona.. era tão bom acordar em 2005, 2006 e por ai de madrugada e ver essas citadas anteriormente e PP4, Mari, Fabizinha e outras. Vou sentir saudades dessa geração, só tenho a agradecer a elas. Um abraço a todas elas! e um muito obrigado!

      acho que o Zé como tem um time voltado para o bom passe e ataque com as centrais, poderia ter investido sim em uma Suelle por exemplo, pra preencher essa lacuna. Acho que falta hoje um Sassá, pessoa que saca bem, estabiliza o passe, porém tem habilidade mas não força. Acredito que o jogo de Natália se equivale com o de Gabi, ai é ter mais do mesmo no Banco.

      Infelizmente se não fosse os problemas que a Natália teve ao longo desses anos… ela simplesmente destruiu em 2010… ficou faltando essa Natália hoje, uma grande atacante, que estaria em alto nível e seria fundamental para o Brasil…

      Bola pra frente, mas acredito que altura não é tudo, mas se deve olhar mas para a base, passaram tantos anos, e nunca mas tivemos uma craque como a Mari, que surgiu e arrebentou com tudo, 37 pontos em uma semi final olímpica..
      uma maravilhosa Sheilla Castro, que viarava tudo e esbanjava categoria, se pararem pra ver,hoje o time do Brasil jogou contra um pilar da Geração da Cate Bosetti… e No Brasil, do mundial daquela época, nas seleção não temos ninguém.

  • Fernando Lopes

    Parabéns atletas e comissão técnica da seleção brasileira de volei feminino (e masculino também). Obrigado por todas as conquistas que têm nos presenteado – e foram muitas. O ouro seria o ideal, mas valeu o bronze. Queria saber o que conquistaram esses urubús que criticam em todas as derrotas. Em relação a 2016 vejo os USA como nossos grandes adversários – pela equipe que possuem e por crer que não engoliram 2012. Nos eliminaram e conquistaram o mundial mas querem dar o troco em nossa casa. Após 2016, com aposentadoria de algumas jogadoras brasileiras, creio que serão elas a melhor seleção no volei feminino. Essa administraçäo imunda da CBV está fazendo nosso volei regredir.

  • Marcelo

    Quanto será que pagaram para o Marco Bonitta pelo jogo de hoje? O mesmo técnico que ontem contra a China tenta duas atacantes e quase ganha da China, hoje deixa a Lo Bianco na rede e nem inverte o 5 x 1? Há algo de Ari Graça no ar…

    • Oguienkho

      com certeza.

  • Jailson

    Os que gostam de criticar sempre achará uma forma negativa de apresentar qualquer questão.O bronze foi muito importante.

    Vídeo da Jaqueline:Vejam esse 1:59 antes de criticar.
    https://www.youtube.com/watch?v=KmK62uqFKEk

    • Mario

      kkkkkkkkkk rainha da mídia! Que é isso, se fazendo de vítima ainda? Que coisa mais ridícula! Coisa de quem se acha a última bolacha do pacote. Aliás, duvido que os japoneses, após terem visto esta moça fazendo 3 pontos numa semifinal e errar a bola mais importante, que daria vitória no segundo set e faria as brasileiras retornarem com tudo para o terceiro set, jamais manteriam a proposta de 500 mil dólares por 6 meses de trabalho no Japão. Então, que tal ela procurar patrocinadores e fazer algo produtivo, montando um time, como fizeram Ricardinho, Leila, Paula P4. Estes, sim, que merecem todo nosso respeito.

  • manu

    Fiquei com pena da Italia. Para elas esse Bronze valeria muito. Para o Brasil é apenas a recordação de um tropeço. Onde uma seleção com um favoritismo monstruoso nem na final chegou.

  • Alex Lima

    Renovação NOW… Tanto no masculino qnd no feminino pra não termos dor de cabeça depois das olimpíadas. Pq não começar a treinar e apostar fichas na Mara Leão, Carla, Andressa, Bia, Rosamaria, Ellen, Paula, Roberta, etc… Temos tantos talentos precisando de lapidação. Da um descanso pra essa meninada e bota as novinhas pra rodarem!!!! Depois mescla a experiência com força jovem. EUA foi uma prova disso.

  • César Castro

    O bronze foi uma conquista muito emocionante. Pra mim, foi uma resposta madura de um time que hj sabe dar a volta por cima. Isso é muito importante vez que é uma prova que hj elas acreditam mais nelas mesmas.
    O Brasil fez um campeonato mundial que foi melhorando a cada fase. Jogaram 13 jogos e só perderam 1.
    Na fase final, teve destaque individual em todos os fundamentos e chegou no pódio, sem falar que recentemente ganhou olimpíada, dois GPs e a copa dos campeões.
    Elas se emocionaram no final do jogo porque estão cansadas, decepcionadas pela derrota na semi e algumas porque sabem que estão escrevendo as últimas páginas de uma das histórias mais lindas do esporte brasileiro.
    Eu sou muito grato pelo campeonato e por essa medalha, fiquei muito orgulhoso de como o Brasil foi representado.
    O q faltou? Encontrar saídas para quando as centrais não forem efetivas (sem passe). Essa me pareceu a grande lição.
    Agora, é olhar pro futuro. São menos de 2 anos pro Rio e já sabemos o que esperar.
    Acho que o time está no rumo certo e nas mãos certas e ninguém que ficou no Brasil faria diferença (nem em quadra, nem no banco).
    Infelizmente, já conheço o nível da “torcida” brasileira e as patadas vem a galope, falando mal de A a Z, enaltecendo os outros times e toda sorte de impropérios tão volúveis quanto os elogios em dias de vitória.
    Valeu Brasil!

  • Tiago

    Uma coisa ficou mais do que clara: o novo voleibol é feito de altura e velocidade.O comentarista do Sportv, Marco Freitas, foi enfático em afirmar que está surgindo uma nova maneira de jogar vôlei. Tenho acompanhado o campeonato desde o início e, fiquei encantado com as novidades apresentadas pelas seleções da Sérvia, Itália, Eua e China.Meninas que mal completaram vinte anos, dando um verdadeiro show. Zhu(China), Boskovic( Sévia), Valentina Diouf(Itália) e Hill( Eua), são a nova cara do vôlei mundial.Se o Zé Roberto continuar que esse esquema conservador, eu acho quem em 2016 a vaca vai pro brejo em terras tupiniquins!

    • Tiago

      Uma coisa ficou mais do que clara: o novo voleibol é feito de altura e velocidade.O comentarista do Sportv, Marco Freitas, foi enfático em afirmar que está surgindo uma nova maneira de jogar vôlei. Acompanhei o campeonato desde o início e, fiquei encantado com as novidades apresentadas pelas seleções da Sérvia, Itália, Eua e China.Meninas que mal completaram vinte anos, dando um verdadeiro show. Zhu(China), Boskovic( Sévia), Valentina Diouf(Itália) e Hill( Eua), são a nova cara do vôlei mundial.Se o Zé Roberto continuar com esse esquema conservador, eu acho quem em 2016 a vaca vai pro brejo em terras tupiniquins!

      • Alex Lima

        Tantas jogadoras altas no Brasil precisando de incentivo e treinamento. Valores esquecidos… Tem uma menina no Rio com quase dois metros de altura. Helllllooooooou

  • Andre

    Rindo muito sobre o prêmio “inventado” por Zé Roberto : “Fair play”. Como o Ary nao inventou para o Bernardo? kkk
    Como fazer papel de bobos na frente do mundo.

  • Alex Lima

    Nossa!!!! Zé Roberto dizendo que o destino não quis ver o Brasil campeão. Que é sina e acredita muito nisso!!! Bah!!! Depois dessa… Sei lá!!!

    • Fernando

      Eu vi ele falando isso, disse que quando o destino nao quer, tem que abaixar a cabeça e tirar o time de campo.

      Ele sugeriu que fosse criado o prêmio Revelação do Ano: Já tava tudo esquematizado pra Natália ganhar.

  • Luiz

    A renovação de ponteiras da seleção é com a Nanica Gabi e e quebrada Natália. Enquanto isso, China, EUA e Sérvia revelaram boas bonteiras, assim como no masculino com EUA, Polônia. O vôlei brasileiro ficando pra trás.

    • Fernando

      A Natália ta toda estragada, chei de cirurgia, toda desengonçada em quadra!

      Segundo o Zé Roberto, ela é oq melhor há no mercado mundial para 2016, promessa.

      • Alex Lima

        Tem Rosamaria, Ellen, Paula, Drussyla… Tem muitas jogadoras… Basta querer!!!

  • Edu Pacheco

    Torcedor brasileiro só quer saber de vitória. E pior. Não consegue enxergar vurtude nas outras seleções. Méritos totais a seleção americana que no jogo contra as brasileiras numa final antecipada souberam nos anular a perfeição. Afinal se o saque não entrasse tirando Thaisa e Fabiana do jogo, se a levantadora não jogasse com tanta velocidade nas pontas minando nosso bloqueio e a defesa não colocasse tantas bolas pra cima provavelmente seria o Brasil o dono do placar de 3×0 não? Temos de reconhecer que neste dia específico da semifinal não conseguiríamos vence-las. Quanto a renovação concordo que temos de começar a pensar urgente. Mas para este mundial quem entraria em quadra e faria um trabalho melhor? E quanto as críticas e algumas ofensas ao Zé Roberto, meu Deus, alguém aqui ainda lembra que o cara é tricampeão olímpico? Que com absoluta certeza no dia que ele sair da seleção sobrarão convites para treinar outras equipes nacionais? Portanto colegas do blog mais respeito ao profissional sério que ele é, e que mesmo um tricampeão olímpico pode ter seus dias ruins e não conseguir sair de uma situação que o adversário provoca.

    • Marcelo

      Claro que o Ze é tri-olimpico mas que este premio fair play é piada é piada mesmo.

    • Fernando

      Nossa vamos comer essas 03 medalhas olímpiadas dele a vida inteira.

      Esporte é momento, o próprio ZRG já usou essa justificativa para cortar a Mari e PP4.

      Temos um grande arsenal no Brasil, o ZRG não usa por que não quer. Ele só convoca pra seleção medalhões e amuletos, pqe ele segue tudo que os Orixas falam pra ele.

      Viu a entrevista dele hoje? Disse que foi culpa do destino, que era pra ser, e coisas do tipo, deu asas ao misticismo.

      Enfim, espero que a renovação acorra realmente. Adenizia, Natália, são ruim até na superliga quem dirá numa seleção né?

      Gabi pode ser mais utilizada, Garay já começou a fase “Paula Pequeno da vida” um jogo bom e outro péssimo.

    • logan

      Ninguém faltou com respeito com o ZRG neste blog. Ele é um técnico excelente e você está certo quando diz que saindo da SN ele vai receber outras propostas. Sim, é mais que justo. Mas assim como gerações passam, técnicos também passam, e o rodízio é salutar.

      O ZRG está nesta seleção desde a frustração em Atenas, ele teve todo o mérito em arrumar a atual geração que chegou voando em Pequim (foi o melhor time da história do vôlei feminino), mas ficou claro que apesar do título em Londres, havia um desgaste importante. Ali foi perdida a oportunidade de mudança. Algo que ficou escancarado nesse mundial. Eu não esperava que uma Bia da vida fosse convocada para um Mundial, mas eu gostaria de ver ela e a geração dela jogando e ganhando bagagem no GP. Por quê não?

      Eu sou da ideia que, assim como deveria acontecer na política, um técnico só poderia ficar à frente da seleção por até dois ciclos (oito anos), porque é o tempo de se desenvolver e trabalhar bem com uma geração.

      • Mario

        Meu, me diga quem de fato surgiu de novo nesta seleção de ZRG? Faz quanto tempo que Sheilla é única e insubstituível (dona da vaga)? Quem são as pontas que podem mudar o jogo, assumindo o ataque e responsabilidade quando não dá certo (como não deu contra EUA e não tem dado com Turquia, por exemplo) com as meios? Enfim, acho que estão, acima, preocupados também com isso. Porque amamos o voleibol e tememos que esta ansia de ZRG em ser o grande técnico, coloque em risco (como está colocando, de fato) a renovação decente, totalmente na contramão de outras seleções, que nos mostraram agora neste mundial.

        • Fernando

          Infelizmente ninguém tá chamando a responsabilidade. A Garay não é jogadora que leva um time nas costas. Para as centrais jogarem tem que ter passe, no nosso caso sem passe elas somem.

          A Sheilla não consegue jogar com times rápidos. Tá na Hora de por a Tandara e Gabi pra assumir responsabilidades.

          Natália e Adenizia devem ser cortadas.

  • Patricia

    O que dá mais tristeza é saber que duas seleções inferiores como USA e China chegaram mais alto que a nossa, que mesmo ficando com o bronze continua a ser a melhor de todas. Não culpo as jogadoras e sim Zé Roberto, extremamente nervoso desde o início do mundial, certamente isso influenciou muito no comportamento do time, podem ver os vt’s dos jogos, as meninas entravam tensas, nervosas e com MEDO desde o primeiro jogo. A obrigação de ganhar o mundial foi demais e fez com que jogassem sem a alegria e leveza característica da nossa seleção, além disso, o fato de estar muito estudada por outras seleções e não apresentar nada novo, colaborou para a derrota contra a seleção americana que nada mais é que uma boa seleção veloz. Acredito que se o Brasil jogasse contra as americanas com nosso time reserva teríamos ganhado porque jogam tão veloz quanto elas, pena que ZR não é nem um pouco ousado. O Brasil precisa de juventude e ousadia para mesclar com as titulares, só temos Gabi e nada mais. Na ânsia por vitórias, ZR coloca Dani Lins, Garay… pra jogar Montreaux kkkkkkk enquanto outras seleções testam jogaras, sem falar na panelinha, ninguém entra e ninguém sai kkkkk Lembrando ainda o tempo que o ZR perdeu em 2013/2014 treinando jogadoras baixas e acima de 28 anos quando poderia ter chamado jogadoras sub-23 com potencial para o futuro. Há coisas erradas que precisam mudar e espero que o ZR tenha a humildade de reconhecer e corrigi-las. É duro aceitar uma derrota quando se sabe que é superior.

    • Alex Lima

      Concordo!!!!

    • Fernando

      Ah Patricia, concordo com você.

      Mas no fundo no fundo, sabemos que vai ser assim sempre. O Zé sempre deixará a Superstição e os Orixás em primeiro lugar.

      Infelizmente se o nosso jogo com as centrais não funcionar, já era. Concordo com você que o Futuro está nas jogadoras SUB 23 e na preparação de Reservas que possam dar uma nova cara ao time, se encaixar ao jogo rápido que vem sendo adotado pelos EUA e China.

      Em 2016, vai estar bem pior para nós, pois EUA, China e Turquia estão melhorando demais e sabendo utilizar o time todo e estão dando rodagem as reservas e imprimindo varios ritmos de jogo.

    • Fabrício

      Ohhh conversinha fiada agora dizer que Brasil mesmo com o Bronze é superior à seleção dos EUA.

      Nesse mundial a seleção americana foi, sim, SUPERIOR À BRASILEIRA. Não adianta fazer uma campanha avassaladora e depois na hora do vamo ver levar um capote de 3 x 0. ACORDA!!

      Aceita que dói menos. Desde 2010 que a seleção americana vem evoluindo absurdamente e seria uma questão de tempo até conquistar um título importante. Perderam nas olimpíadas, certo, mas agora elas possuem um título muitíssimo importante e que as brasileiras não tem.

      E dizer que falta jogar com velocidade e que o time B do Brasil ganharia da seleção A americana…hahahaha isso é comentário de torcedor fanático que não sabe analisar voleibol.

      Brasil perdeu, e devemos reconhecer que os EUA agora, no momento dominam o ranking e são superiores, sim!!

      Não adianta também culpar o Zé Roberto. Ele teve falhas mas como os demais técnicos também tem. Acredite, não havia nada que ele pudesse fazer para mudar a situação naquele momento. Os EUA jogaram como nunca, mostraram tremendo controle psicológico e fizeram história! Simples assim.

  • Jaque

    Parabéns ao nosso vôlei por sempre estar no pódio! Seja no masculino ou no feminino. A derrota para os EUA foi muito dolorida, sim, mas acredito que veio em razão de uma melhor preparação americana para o jogo. Todos acreditávamos muito na conquista desse mundial. Todos davam como certa a conquista brasileira, acho que as próprias jogadoras assim pensavam, mas… Infelizmente não veio! Acompanho o vôlei desde a época de Ana Moser, Ana Paula, Leila, e quantas derrotadas doloridas já sofremos! Não temos que encontrar culpados! Nas Olimpíadas de Londres os EUA eram favoritíssimos ao título e deu Brasil, 3×1, um espetáculo de jogo! Ninguém ficou dizendo que as americanas foram amarelonas! As brasileiras também não são, não foram. O vôlei é um esporte muito dinâmico e lindo e amado! Amo o vôlei e os nossos atletas!
    Que elas nunca desistam de lutar e que em 2016 calem novamente a boca da crítica ingrata, que somente valoriza o futebol e a medalha de ouro!
    Vamos que vamos, que a vida não pode parar!!! Sucesso, meninas!!!

    • Alex Lima

      As meninas dos EUA em Londres não amarelaram.. Pratearam se de medo! Hj em dia não ganha o melhor time, nem a melhor campanha…. Ganha quem possui tática, estratégia no momento decisivo. É isso o nossos técnicos não conseguiram colocar em pratica. Infelizmente!!!

    • Fernando

      concordo, que venham mais derrotas e vamos enaltecer o Zé Roberto.

  • Edu

    Foi bom ler os comentários para não cair mais na redundância.O Mundial já estava definido como o primeiro ciclo até a Olimpíada do 2016.Neste ínterim, foram dois Grand Prix e um torneio de Montreux.Um estilo de jogar focalizado nas centrais.Na media do resultado,dependendo do ponto de vista, uma escala abaixo de três mundiais.Do outro, uma equipe que consegue se manter em alto nível e na hegemonia entre as três melhores por mais de dez anos.Uma justiça que há se atribuir ao Kirally é com a menos técnica das seleções estadunidenses dos últimos oito anos ele obteve um título inédito. Utilizou cerca de trinta e cinco dias de desclassificação de Grand Prix para afinar uma equipe de contou com quase 50 jogadoras no seu período de preparação.O Doug Beal, maior técnico do seculo XX ao lado Julio Velasco, segundo a FIVB, já preconizava:a seleção masculina ainda é muito jovem(tinha acabado de vencer a liga mundial) e precisa evoluir; a feminina esta muito bem encaminhada e vai dar frutos agora e deve ganhar o próximo ciclo olímpico.Se alguém entende de planejamento isso e um atestado claro de excelência, fora o premunitório.O ZRG até tentou utilizar alguns meios diferenciados.Melhorou o trato com o grupo se desculpando por algumas atitudes e ingerências pessoais.Fez uma equipe forte e competitiva .Porém, definitivamente marcada nesse ciclo final.Na partida contra os EUA demonstrou profunda desconfiança de suas reservas.E na excursão contra o time estadunidense por aquele pais perdeu cinco vezes consecutivas esse mesmo time.Fez algumas substituições pontuais, colocando a Jaqueline e elevando bastante o nível da equipe.Todavia,não manejando a equipe como tentou fazer o técnico italiano, principalmente contra a seleção da China.Mesmo sendo fragorosamente encurralado no jogo contra a seleção dos EUA.Se considerarmos o ciclo de dois anos pós olimpiada não ha duvidas que a equipe brasileira foi a mais regular e vencedora desse período.O problema ,pelo estilo de jogo adotado e diante do voleibol praticado pela seleção estadunidense é presa fácil no duelo tático, que prevalece,nesse sentido, sobre o técnico. Como fica difícil cada vez mais entender, principalmente, pelo não desempenho em quadra da Natália no grupo.Vislumbrar agora o futuro com necessidades especificas de uma ponteira mais ágil na casa dos um e noventa de estatura.Nem que seja preciso recrutar pelo menos algumas meninas do vólei de praia para uma peneira.A necessidade urgente de uma oposta de competição em virtude do declínio crescente e regular da Sheilla.E como o Marcos Freitas disse, por se tratar da nova realidade do voleibol mundial feminino, uma jogadora de força na casa próxima dos dois metros que tenha capacidade e potencia para atacar de fundo bolas de desafogo e segurança.Na minha opinião de leigo, para finalizar, um treinamento anual especifico com as quatro melhores levantadoras do pais.Colocaria a Jaque Silva nessa função por ser mestre e melhor jogadora da posição do voleibol brasileiro em todos os tempos.Hoje uma levantadora precisa associar a capacidade técnica, raciocínio tático, capacidade real de auxiliar no bloqueio.sacar bem e não dar vexame em caso de defesa.Uma saturação de informações que a colocam como ponto nevrálgico e decisivo no seio da equipe.

  • Henrique

    Um bronze doloroso, ainda mais sabendo que o Brasil era muito superior pelo menos em relação à China, como demonstrou naquele 3×0.
    Em relação aos EUA, acredito que são multiplus os fatores que pesaram contra nossa seleção: questão física, o jogo do Brasil não encaixou com o das americanas, a seleção brasileira estava muito lenta, problemas no passe, levantamentos equivocados, ou seja questões técnicas as quais não entro em detalhes pois não sou profissional do esporte, sou apenas telespectador.
    E um último fator que eu acho até mais importante, o lado psicológico. Ora, o Brasil é Bi campeão olimpíco em cima das americanas, que nunca ganharam nada importante, não poderiam deixar elas crescerem no jogo, sendo que elas já haviam mostrado fraqueza contra as italianas, deveriam ter sido exploradas estas deficiências. Era hora de empurrar o time americano para as “cordas”. Faltou “sangue nos olhos” para as brasileiras, como no jogo contra a China.

  • Mario

    Não volto mais ao assunto, porque está claro que o Brasil colheu o que ZRG plantou: manter sua panelinha, convocações de jogadoras choronas e midiáticas. É cômica a declaração dele ao desembarcar no Brasil: “Ficamos em terceiro, perdendo só um jogo, menos do que o time campeão”. Que é isso, Zé Mané? Então foi absurda também a conquista das Olimpíadas de 2012. Ou aí não tem nada a ver??? Santa hipocrisia!!!!!!!

MaisRecentes

Joelho afastará Gabi das quadras



Continue Lendo

As primeiras transmissões da Superliga na TV



Continue Lendo

Vaivém: Thaisa jogará a Superliga



Continue Lendo