Coluna: Brasil precisa aprender a perder



Somos maus perdedores. É fato! E, nós, brasileiros, precisamos assumir tal rótulo para o entendimento das próximas linhas deste texto.

O término da Liga das Nações de vôlei ratificou a minha tese. E por diferentes motivos.

No torneio feminino, a Seleção Brasileira teve mais de um time completo de desfalques. Alguma atletas com problemas médicos relevantes, outras alegando motivações familiares para pedir um período maior de férias e também jogadoras nitidamente sem um foco adequado para a importância de vestir a camisa verde-amarela. Tudo isso somado aumentou consideravelmente o grau de dificuldade de José Roberto Guimarães na montagem de uma equipe competitiva. Ainda assim, o Brasil esteve a um set de ser campeão.

A derrota para os Estados Unidos fez explodir, então, o nosso sentimento de “não saber perder”. Esqueça toda a campanha construída até o 2 a 1 diante dos Estados Unidos na final. Estávamos prontos para voltar a malhar A, B ou C. E assim fizemos, confirmando a tese de que por aqui o segundo colocado é o primeiro dos últimos. Se não ganhamos está tudo errado, nada presta, é hora de trocar tudo e todos.

Já no torneio masculino, a tese do “não saber perder” foi vista também dentro de quadra. Na semifinal, diante dos Estados Unidos, em Chicago, o Brasil também esteve a um set de avançar para a disputa do ouro, mas levou a virada. Até aí, tudo aceitável, levando em consideração o poderio americano, o fator casa, etc. O problema veio no dia seguinte. O resultado adverso fez o time brasileiro entrar para a enfrentar a Polônia, na disputa pelo bronze, já derrotado. O semblante dos atletas era de total abatimento desde os primeiros pontos, contrastando com a fome do time B polonês. O 3 a 0 a favor dos europeus foi uma verdadeira aula de como encarar (ou não) o confronto pela medalha de bronze.

“A Polônia quis mais do que nós”, resumiu o levantador e capitão Bruninho.

Brasil

Brasil na derrota para a Polônia (FIVB Divulgação)

Pelo segundo ano seguido, o Brasil terminou em quarto na Liga das Nações masculina, por não saber digerir uma derrota na semifinal, na véspera. Não soube perder. E na sequência acabou sendo derrotado de novo, no dia seguinte, e de uma maneira até vexatória.

Sintomas desta maldita síndrome do “não saber perder”. Não conseguimos admitir que do outro lado da quadra existe um time até melhor do que o nosso. Muito menos conseguimos assimilar um resultado ruim sem escolher vilões. Para depois tripudiar, ofender e esculhambá-los nas redes sociais!

O Pan-Americano de Lima vem aí, entre 24 de julho e 11 de agosto. E mais uma vez iremos exercitar nossa cultura de “não saber perder”. Só vale o ouro! Os pobres mortais que ousarem perder serão rotulados, humilhados e tratados com desdém. Mesmo com uma prata ou um bronze pendurados no pescoço. Uma triste realidade!

TEXTO PUBLICADO NO LANCE! DESTE DOMINGO, 21 DE JULHO



MaisRecentes

Quem fica com as últimas vagas na Superliga masculina?



Continue Lendo

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo