Coluna: A tecnologia brasileira veio para ficar?



A Coluna Saque trocou o domingo pela segunda nesta semana, nas páginas do LANCE!. O tema foi até sugerido nos comentários do blog: o uso da tecnbologia para ajudar a arbitragem. Não vai acabar com todos os erros, mas a tendência é diminuir bastante.

Os árbitros ganharam ajuda da tecnologia nas semifinais da Superliga. O sistema desenvolvido pela Penalty, empresa de material esportivo, precisou de oito anos de testes e US$ 5 milhões. Ele já foi utilizado no torneio masculino no fim de semana: Sada/Cruzeiro 3 x 1 Minas e Funvic/Taubaté 1 x 3 Sesi.

Uma notícia, antes da implantação, festejada por atletas, técnicos, torcedores, a própria arbitragem e também por este escriba. Porém, o momento de comemoração merece uma pausa para reflexão: é necessário analisar os contras, já que os prós são muito claros.

Na sexta-feira, o clássico mineiro não se livrou de polêmicas mesmo com a tecnologia do “Sistema Penalty D-Tech” em uso. Tanto que o representante da empresa precisou dar explicações durante a transmissão pelo SporTV. Para quem não viu, uma necessária explicação. Diferentemente de outros sistemas já utilizadas no vôlei, que requerem paralisação do jogo e análise de replays pelos árbitros, a tecnologia brasileira é mais simples, não necessita de julgamento humano e marca bola dentro ou fora. Toques na rede e invasões, por exemplo, seguirão dependendo do olhar dos árbitros.  Um pequeno monitor é acoplado no poste da rede, na área dos juízes, e fica com a tela vermelha quando uma bola sai, resultado de cálculos matemáticos e imagens de seis câmeras espalhadas pela quadra. Fácil de entender e também de interpretar, certo? Sim.

Agora um detalhe que não sabia e precisou ser explicado pela Penalty quando uma bola, no clássico mineiro, saiu demais, visível até para quem usa óculos como eu, mas o monitor do árbitro não ficou vermelho. A tecnologia detecta erro quando a bola toca até 25cm de distância de uma das linhas da quadra. Ou seja: mais do que isso ela não funciona e deixa a decisão 100% com os árbitros e os bandeirinhas. Neste caso, é de “bom tom” que eles tenham total convicção da marcação. Deixando mais claro esse funcionamento para juízes, técnicos e jogadores aposto em um bom resultado da utilização.

Para ficar ainda melhor e justo para todos os participantes, Penalty e CBV precisam entrar em acordo para utilização da tecnologia do início ao fim da Superliga.



MaisRecentes

Quem fica com as últimas vagas na Superliga masculina?



Continue Lendo

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo