Coluna: A fábrica russa de atacantes não fecha nunca?



Fala, pessoal. Tudo bem? Coluna publicada neste domingo, 13 de setembro, no LANCE!.

Kimerov. Anote este nome na lista de gigantes russos que podem tirar o seu sono nos próximos anos.

Ele é mais um “produto” de uma fábrica que parece produzir em série uma quantidade interminável de atacantes altos e fora de série.

O oposto completou 19 anos na última sexta-feira e festejou em quadra, na cidade de Tijuana, no México, uma das sedes do Campeonato Mundial juvenil. Marcou 11 pontos na vitória sobre a Polônia, na estreia russa na competição. Kimerov tem “apenas” 2,15m, três centímetros a menos, por exemplo, do que Muserskiy, aquele mesmo que mudou a história da final olímpica entre Rússia e Brasil em Londres-2012.

Kimerov em ação contra a Polônia no Mundial sub-21 (FIVB Divulgação)

Kimerov em ação contra a Polônia no Mundial sub-21 (FIVB Divulgação)

Estou em Mexicali, a outra sede da competição. E o nome de Kimerov já é comentado nas rodas de discussão de técnicos e adversários. E o papo não se restringe à altura fora dos padrões internacionais. A revelação em escala industrial de atacantes tem transformado a Rússia em um fenômeno.

Dois anos atrás, na Turquia, os russos derrotaram o Brasil na final do Mundial sub-21. O oposto Poletaev, na ocasião com 18 anos, fez a diferença e foi eleito o melhor jogador da competição. Já havia desequilibrado também na conquista do mundial infanto (sub-19) naquele mesmo ano. Hoje poderia estar lutando pelo bi em terras mexicanas, mas já faz parte do grupo adulto que disputa, no Japão, a Copa do Mundo em busca da vaga olímpica na Rio-2016. É reserva de Mikhaylov, seu ídolo no esporte. Não se enquadra na lista de gigantes, já que possui 1,97m. Segundo as estatísticas da Federação Internacional, o jovem alcança a bola a 3,60m para atacar, atrás apenas de Muserskiy no elenco russo. Um dado preocupante para qualquer bloqueio rival.

E assim o mundo do vôlei, boquiaberto, busca formas para tentar neutralizar a altura e a potência dos russos.



MaisRecentes

Brasil terá dupla europeia pela frente na fase final



Continue Lendo

Não dá pra achar normal jogar duas vezes em 13h



Continue Lendo

Mais seguro, Brasil vence e está nas finais da Liga das Nações



Continue Lendo