Chegou a hora de conhecer o campeão da Superliga



Será conhecido neste domingo o campeão da Superliga Cimed Feminina. A partir das 9h10, no Ginásio Sabiazinho, em Uberlândia, a bola subirá para o decisivo confronto entre Dentil/Praia Clube e Sesc.

O time carioca, em vantagem por ter vencido o primeiro jogo, no Rio de Janeiro, por 3 a 1, terá duas chances para garantir o 13º título nacional. Vencer a partida ou apenas o golden set, parcial extra que será disputada caso as mineiras ganhem o jogo. Para as donas da casa, em busca da inédita conquista, não existe escolha: será preciso vencer ambos, ou seja, quatro sets neste domingo.

Pela vantagem, pela história e pelo desempenho nos playoffs, o Sesc entrará em quadra como favorito. O Praia, com a melhor campanha da fase de classificação, precisará fazer o jogo da vida. Se não sentir a pressão terá condições de festejar em casa.

Gabi em ação pelo Sesc na final contra o Dentil/Praia Clube, no Rio de Janeiro (Divulgação CBV)

Veja o que alguns dos protagonistas da final da Superliga disseram:

PAULO COCO, TÉCNICO DO DENTIL/PRAIA CLUBE

– Precisamos vencer a partida para depois pensarmos no super set. Sabíamos que a final seria decidida no segundo jogo. O Sesc RJ tem a vantagem por ter vencido o primeiro confronto. A dificuldade aumentou, mas o caminho continua o mesmo. Estamos preparados para jogar seis sets. Já passamos por jogos longos e difíceis e estamos focados em vencer esse jogo.

BERNARDINHO, TÉCNICO DO SESC

– Nosso sistema de bloqueio e defesa funcionou muito bem. A gente foi bastante consistente nisso. Podemos esperar um jogo totalmente diferente em Uberlândia, pois elas jogam muito bem em casa. A final em dois jogos é uma tarefa mais árdua e precisamos nos manter concentrados. Estamos trabalhando em cima dos pontos fortes do adversário para tentar minimizá-los. O que falo para as atletas é que temos que manter a intensidade do nosso jogo, prever as dificuldades e nos preparar para elas.

WALEWSKA, CENTRAL DO DENTIL/PRAIA CLUBE

– Treinamos bastante defesa esses dias. Espero que possamos trazer para domingo o que estamos fazendo nos treinamentos. É último jogo da temporada que pode coroar todo um trabalho que vem sendo feito. Fizemos uma grande temporada. Nos preparamos para isso e queremos levar essa decisão para o super set para fecharmos com chave de ouro.

DRUSSYLA, PONTA DO SESC

– As adversárias vão estudar a partida passada e tentar encontrar algum ponto em que nós não tenhamos ido bem. O ginásio também vai favorecer a elas, mas não podemos deixar isso nos incomodar durante a partida. Temos que continuar estudando muito e treinar bastante. É o último jogo da temporada, então vamos deixar tudo de bom e positivo dentro da quadra.

MAYHARA, CENTRAL DO SESC

– Tenho certeza absoluta que elas vêm com tudo. No Rio, entramos com muita concentração então conseguimos inibir e passar insegurança para elas. Jogamos taticamente, do jeito que o Bernardinho pediu e conseguimos a vitória. Aqui, em Uberlândia, será diferente. Na casa delas, com a torcida contra, a batalha vai ser ainda mais dura e será decidida nos detalhes. Vai levar quem tiver mais concentração, mais lucidez, sabendo realmente o que precisa ser feito dentro de quadra.

SUELEN, LÍBERO DO DENTIL/PRAIA CLUBE

– Sabíamos que o Sesc forçaria o saque para as nossas centrais não jogarem e assim o nosso jogo não fluiria como normalmente. Já estávamos trabalhando para isso e continuamos focadas no nosso passe. Não vejo a hora de ver esse ginásio lotado. Acordamos e vamos dormir só pensando na vitória nesse jogo. Estamos treinando e estudando em função do Sesc RJ. O nosso saque e o passe precisam funcionar melhor e isso acontecendo será um bom caminho. Nunca ganhei uma Superliga e esse grupo merece estar nesse lugar. Vou dar tudo para sairmos daqui com esse título

GABI, PONTA DO SESC

– Foi importante termos vencido a primeira partida, mas isso não nos coloca em nenhuma vantagem porque pode acontecer tudo nesse jogo de domingo. Sabemos da dificuldade de enfrentar o Dentil/Praia Clube pela qualidade e a experiência da equipe delas. Elas vão tentar reverter essa situação jogando em casa e com o apoio da torcida. Vamos precisar jogar bem taticamente e sacar muito bem. É incrível jogar minha sexta final seguida e estou ainda mais motivada para conseguir esse título.



MaisRecentes

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo

As duas formas de ver o novo Sesi



Continue Lendo