Centrais comandam vítória sobre a Alemanha



A Seleção Brasileira feminina conquistou uma importante vitória em busca da vaga olímpica em Londres-2012, já que as americanas parecem que não vai bobear (bateram a Coreia por parciais de 25-10, 25-12 e 25-13).

Pela terceira rodada da Copa do Mundo, triunfo verde-amarelo por 3 a 1 sobre a então invicta Alemanha (25-21, 23-25, 25-23 e 25-21). Os dois times agora têm campanha idêntica, com as alemãs ainda à frente.

A notícia ruim foi a contusão da ponta Fernanda Garay, que torceu o tornozelo direito. Segundo a comissão técnica do Brasil, não houve fratura, mas o prazo de recuperação é de uma semana. Ou seja, ela vai perder vários jogos, o primeiro contra a Coreia, na terça, às 4h.

Alguns pontos positivos merecem ser comemorados na atuação de hoje. O principal é a atuação das centrais Fabiana e Thaisa. A capitã brasileira foi eleita a melhor do jogo, depois de marcar 16 pontos, 13 deles no ataque em 18 tentativas. No bloqueio, ela marcou três vezes. Já Thaisa pontuou uma vez mais no block e somou mais 12 no ataque em 17 tentativas.

Tanto José Roberto Guimarães quanto Giovanni Guidetti, técnico da Alemanha, apontaram a dupla como o diferencial do jogo.

Mari, que voltou a ser titular, anotou 12 pontos, dois a menos do que Sheilla. Se essa dupla ganhar confiança, arrisco a dizer que o jogo do Brasil pode melhorar uns 30%.

Em outros jogos, chamou a atenção o set perdido pela desfalcada Sérvia para o Quênia na vitória por 3 a 1. Eu, que imaginava ver esse bom time no pódio, já desisti. A Itália levou um susto, vencendo as dominicanas por 28 a 26 no primeiro set, mas depois dominou o jogo e faturou em sets diretos. Por enquanto, a Azzurra assumiu a condição que a Sérvia tinha para garantir uma das vagas olímpicas.  Por fim, a China bateu o Japão no tie-break para se manter na briga pelo top 3.

 



  • Álvaro Médio

    O Brasil foi uma equipe instável, irregular e perdida também nesse jogo, infelizmente essa é minha análise.
    A Alemanha só não venceu porque, apesar de ter boas jogadores, ainda não tem um time de volume e caixa para vencer seleções de ponta mesmo quando estas não jogam 100%.
    Mari e Sheilla erraram muito, Paula também não esteve bem. As centrais conseguiram se sobressair (mas não me animo com isso pros próximos jogos).
    Dani Lins, limitada como sempre, não comprometeu (o que já é grande coisa).

    Daniel, vc sabe dizer como se dá a distribuição de vagas olímpicas no vôlei feminino? Além das três vagas da Copa do Mundo e da vaga da Grã-Bretanha (anfitriã), como são disputadas as demais vagas?

    • graca

      Alvaro a vantagem de conseguir a vaga agora na COPA DO MUNDO esta’ no fato de que a equipe pode fazer um palnejamento melhor de treinamentos e ficar tranquila pois ja’ estao garantidas nas olimpiadas, pois as repescagens acontecem ja’ no ano das olimpiadas, e alem de desgastarem mais o grupo de jogadoras, com um torneio a mais, ja’ sao muito em cima das olimpiadas.
      Abaixo vai a distribuicao de vagas:
      SEDE: 1 vaga para o Reino Unido
      COPA DO MUNDO: 3 vagas

      REPESCAGENS CONTINENTAIS:
      AMERICA DO NORTE E CENTRAL: 1 vaga
      AMERICA DO SUL: 1 vaga
      AFRICA: 1 vaga
      ASIA/OCEANIA: 1 vaga
      EUROPA: 1 vaga

      Ultima chance – REPESCAGEM MUNDIAL: 3 vagas num torneio disputado no JAPAO com as equipes melhores colocadas no RANKING MUNDIAL e que ainda nao tiverem conseguido a vaga.

      • Mauricio

        a gente podia fazer um bolão das repescagens continentais e mundial, logo após a copa do mundo!

  • graca

    Que atuacao fenomenal das centrais Fabiana e Taisa, num jogo muito nervoso contra um adversario invicto, no qual a derrota poderia significar ficar praticamente fora do podium, ate’ que enfim Dani LINS pos as gigantes para jogar. Num jogo contra a forte equipe alema, vice-campea europeia, em que as ponteiras estavam tendo dificuldade de por a bola no chao, nao fosse a bela atuacao das centrais o Brasil amargaria mais uma derrota. O aproveitamento das centrais foi muito acima da media: Fabiana a MVP do jogo teve incriveis 72% de aproveitamento no ataque e marcou um total de 16 pontos na partida, Taisa, a segunda melhor do jogo teve aproveitamento de 70% no ataque e marcou um total de 18 pontos, ja’ as ponteiras tiveram um aproveitamento de: 47% para PAULA, 35% SHEILA e somente 27% para MARI. FABIZINHA foi fundamental para que Dani Lins pudesse usar mais as centrais, alem de defender como uma leoa, teve aproveitamento excelente no passe de 79%, pondo a bola nas maos da levantadora para trabalhar com velocidade.

    • graca

      As estatisticas da partida nao mentem: Aproveitamento de ataque: FABIANA 72%, TAISA 70%, PAULA 47%, SHEILA 35% e MARI somente 27%. Aproveitamento de passe: FABIZINHA 78%, PAULA 62% e MARI novamente por ultimo com 56%. Resultado: FABIANA MVP da partida e MARI a pior em quadra!
      Fabiola entrou bem e ja’ foi logo pondo FABIANA para atacar no meio-de-rede, ousada como sempre.

      • alex

        Nossa, é impresssionante como tens raiva da Mari!

  • Afonso (RJ)

    As alemãs são nossas freguesas de caderninho. Não ganham do brasil há 5 anos, apesar de uma seleção forte e inúmeros jogos. Tanto que no início do jogo a mim me pareceu que entraram nervosas respeitando muito o Brasil, que entrou focado e abriu bastante o placar. Depois, as alemãs se acalmaram e o jogo foi mais ou menos equilibrado até o fim.

    Me chamou a atenção que as alemãs ganharam o segundo set, e estiveram à frente do placar em boa parte do terceiro e quarto set. O Brasil venceu, não de forma categórica, mas porque foi melhor nos momentos decisivos da partida. Gosto de pensar que foram méritos do Brasil, mas se foi “tremida” da Alemanha ou ambos, honestamente não sei. Com a palavra os mais entendidos, ou menos passionais que eu.

    Mas valeu pela boa partida, principalmente das nossas centrais que juntamente com a Dani Lins parecem ter finalmente reencontrado seu jogo. Gostei muito da distribuição do jogo por parte da nossa levantadora. Mari cometeu alguns erros bobos. Sheilla, na minha opinião ainda bem abaixo do que pode render mas um pouco melhor. O Zé deu um “puxão de orelha” nela colocando a Tandara em quadra, mas a verdade é que ela pouco fez de melhor que a titular.

    Pena a contusão da Garay. Vai fazer falta para o time. Só falta ter algum comentário aqui nesse blog, mais uma vez grafado em maiúsculas, atribuindo a culpa ao Zé.

    Essa madrugada, pela primeira vez em um bom tempo, senti ter um vislumbre do que essa seleção pode render. Para mim ainda falta muito para o brilho que nos deu o ouro olímpico, mas se continuar na ascendente, como costuma fazer no decorrer da maioria das competições, já me deixa um pouco mais otimista em relação à conquista da vaga olímpica.

  • Mauricio

    Daniel, concordo com teu post anterior sobre o sinal de alerta, mas ainda podemos acreditar nessa equipe, numa possível medalha de ouro e na classificação para Londres.

    Todos ficamos preocupados quando um time que joga junto há tanto tempo, em tantos campeonatos, ainda demonstra um desentrosamento infantil, enquanto vemos seleções como EUA crescerem. Entretanto, pergunto: será esse o auge da seleção americana? será que ela chegou no grau mais alto de sua preparação, antes das Olímpiadas? Ou será que Hooker e cia ainda têm mais a mostrar nas próxima competições?

    O jogo de hoje contra a Alemanha mostrou que o time pode melhorar, apesar da “bruxa” das contusões de nossas ponteiras. Natália, Jaqueline e Garay já se machucaram, fora a Mari que supostamente estava machucada.

    Enfim, é a chance da Paula Pequeno que, neste jogo, teve dois desentendimentos leves (o que espero ser normal numa equipe que precisa colocar a cabeça no lugar): com a Dani Lins (ainda bem que ela não a xingou como fez com a levantadora do Volei Futuro num jogo contra o Pinheiros) e com Zé Roberto (não gostando nada de ser substituída).

    Torcemos!

    • Daniel Bortoletto

      acho possível o bi olímpico também, mauricio

    • Fernando Adilio

      Maurício eu também acredito que o brasil possa trazer o ouro nas olimpiadas.
      Agora quanto ao desentendimento com a Dani, eu achei bastante complicado, porque a Paula está fazendo papel de atacante, e resolvendo tudo no fundo de quadra… Quantas vezes não vemos ela se jogando na frente da Fabi pra fazer o passe e defesa???
      Agora quanto ao ZRG, ela tem que entender a hierarquia, por mais que ela não goste… As estatísticas mostram que ela estava melhor do que todas as ponteiras, em todos os fundamentos, mas não estava rendendo o tanto que rendeu no PAN.

    • Raimundo

      A seleção dos EUA está tentando fazer o mesmo caminho que o Brasil fez, ganhar a copa do mundo e olimpiadas

      • Joao Paulo

        Brasil não ganhou a copa do mundo….

  • Naty

    Olha, eu acho que a seleção até melhorou, mas não acho que as centrais foram tudo isso não…jogaram bem no ataque sim…mas o bloqueio brasileiro tá uma vergonha…..a Fabizona esqueceu desse fundamento há muito….teve uma cena em que a Fabizona sobe totalmente sem tempo no bloqueio numa bola de fundo de uma das alemãs….minha nossa…..os pontos de bloqueio que o Brasil fez foram bloqueios fáceis….não teve nenhum daqueles bloqueios de falar: “nossa, que leitura”……tudo bem que a levantadora alemã tava bem, mas isso não tira a responsabilidade das nossas jogadoras….
    E a Sheila? Não sei se o problema é ela e a Dani Lins……sou fã incondicional da Sheila…queria muito vê-la jogando o que sabe….ela é excepcional…pra mim a mais habilidosa e técnica atacante do mundo…mas tá dificil viu…..

  • klaus

    O Radamés Latari disse algo que me deixou um pouco mais aliviado com relação à atuação da seleção e que condiz com o que o Zé Roberto disse em uma entrevista.O técnico da seleção disse que o Brasil precisava jogar com mais velocidade se quisesse se manter no topo e hoje ouvi esse comentário do Radamés, ao dizer que as nossas ponteiras estão sofrendo um pouco mais, em especial à Sheila e que por isso essa queda de rendimento.O problema é que ao jogar com velocidade, a Dani está levantando as bolas muito baixas nas pontas.O ideal é que sejam mais altas.Espero mesmo que seja uma mudança que o Zé Roberto esteja fazendo na seleção e que os resultados aparecem mais à frente.E aí, o que vocês acham?

    • Mauricio

      Klaus, não acho que a solução sejam bolas mais altas na ponta. O Brasil campeão em Pequim jogava com a Mari e a Paula Pequeno nas pontas, porém com “chutadas”, bolas rápidas. E aí está o mérito da Fofão, que ora aliviava as centrais, ora aliviava as ponteiras.

      A Thaísa é uma excelente central, mas é mais lenta que a Waleswka, que era alta, forte, veloz e ainda ajudava na recepção. Se analisarmos, temos hoje um jogo mais pesado, diferentemente das americanas.

      O forte do Brasil nunca foi jogo alto. A Mari gosta de chutadas porque não é seu estilo bater como uma russa ou cubana.

      Talvez o Brasil esteja encontrando seu jogo, uma vez que a Dani Lins está conseguindo trabalhar, primeiramente, com a Fabizona e a Thaisa. Para tanto, o passe (o grande problema dessa seleção?) precisa sair perfeito. Tendo a dizer que a Sassá vai ficar na equipe eternamente. hahahaha. Que assim seja!

      • klaus

        Mauricio, eu não disse que o Brasil tem que jogar com bola alta na ponta, claro que não, até porque para jogar com velocidade essa bola deve ser chutada na ponta, do jeito que você disse.A questão é que essas bolas da Dani Lins estão chegando muito baixas e com isso nossas ponteiras estão ficando embaixo da bola.É só ver como a Sheila não está conseguindo abrir e na maioria das vezes não consegue atacar com aquela potência de sempre.O ponto em questão é que o Zé Roberto está tentando fazer com que a Dani jogue no estilo da Fofão, mas o problema é que a Dani não está conseguindo ter a precisão que a Fofão tinha.Espero sinceramente que o técnico da seleção consiga isso, pois assim o Brasil tem grandes chances de conseguir o bi-campeonato olímpico, até porque o time americano não é essa unanimidade toda.

        • Mauricio

          concordo que a dani lins anda errando muitas bolas para a sheila.

          acho que deagora até londres, só nos resta torcer, fazer oferenda, promessa ou seja lá o que for, para a dani melhor a sua precisão. afinal, ela será a titular e o zé roberto irá insistir nela sempre. acho que não há mais tempo de mudar de jogadora dessa posição, mesmo porque podia detonar a confiança da dani e perdê-la de vez.

          as cartas estão na mesa. agora é torcer e torcer. é o mínimo que nós, amantes do vôlei, podemos fazer.

  • Vitor

    O Brasil ganhou, beleza. Mas voleibol mesmo não jogou. Eu estou impressionado com a dificuldade das nossas atacantes de ponta em colocar uma bola limpa no chão. Tirando a Thaísa e a Fabiana, que quando estão num bom dia, fazem a diferença, as outras atacantes vão penando para superar bloqueios e defesas. Em contra partida, os adversários passam com uma certa facilidade pelo nosso bloqueio. A Thaísa fez lá aqueles 3 pontos seguidos importantíssimos no 4º set e foi só. Nos outros 3 sets ela fez apenas 1 ponto e cansou de passar em branco. E é em branco mesmo, com dificuldade até pra amortecer. A Weiss cansou de deixar as atacantes no simples ou até mesmo sem bloqueio nos 2 primeiros sets principalmente. A Fabiana então, fez vergonha ontem pulando fora de tempo por diversas vezes.

    Até que nesse jogo deu pra relembrar um pouco daquela seleção que nos encantou. Uma pena que a irregularidade que as sombra também tenha aparecido com frequência. Abriam 4, 5 pontos e logo em seguida erravam até a Alemanha empatar o jogo.

  • Diogo (Oz)

    Também acho que as centrais foram o nome do jogo, esperava que a Thaisa ganha-se como MVP do jogo. As alemãs dando uma de caribenhas é provocando muito na rede, é a Mari no finalzinho do 4° ela respondeu o afronte. Gostei bastante do jogo, só espero a “volta” da Sheila.

    Destaque do jogo foi a cravada que Thaisa fez, literalmente achou petróleo!!!

    Engraçado que todos falavam porque seleções teoricamente fracas estão na CP, onde poderia jogar seleções que ficaram de fora, exemplos: Rússia, Turquia, Cuba. Quênia ganhou 1 set da Sérvia, tive que reler pois não acreditei kkkkkk

  • maria auri

    O jogo foi bom. Foi muito difícil. Isso pq a recepeção é manjada,é ruim.As adversárias de peso já sabem que a mari e a paula tem medo dos saques adversários por isso sempre mandam pra elas. Fora isso a seleção está boa. Vai melhorar. Só precisam de mais regularidades e malandragem no ataque. Concordo com quem diz que a levantadora é fraca e me faz sentir saudades da fofão e da Venturini.Quando as coisas tá ruim, não depende muito dela para se conseguir um equilibrio. Precisa de “paradas obrigatórias”. Pergunto: será que é verdade que a Veturini ou a Fofão vai voltar à seleção? Elas tem condições de disputar as olimpíadas? Tenho sua palavra Daniel. Mandai.

    • Daniel Bortoletto

      Elas não voltarão, Maria

      • Raimundo

        Isso ainda vai dar muito que falar (Venturini)

  • Rodrigo Cavalcante

    Paula Pequeno não pode ser titular em grandes jogos… Não vira bola, não põe bola no chão… Ou é toco ou a bola amortece facilmente no bloqueio adversário!

  • Rosa

    Mari e Sheilla sempre foram os pilares dessa seleção. O mau momento delas, Mari por contusão e Sheilla sabe-se lá Deus pq, é o motivo do BRA está tão mal no ataque.

MaisRecentes

Minas espera Hooker ainda em outubro



Continue Lendo

Vaivém: Vôlei Nestlé confirma apresentação de peruana



Continue Lendo

Vaivém: Polonesa é esperada em Barueri



Continue Lendo