CBV confirma mudanças nas finais da Superliga



A Superliga 2014/2015 terá modelo de disputa diferente para homens e mulheres.

No masculino, os clubes aprovaram as finais em melhor de três jogos. No feminino, os participantes resolveram manter o regulamento atual, com a decisão em partida única.

Falta agora negociar com a Globo, para saber se ela encontrará espaço na grade para transmitir todas as partidas decisivas do torneio masculino. Mas foi o risco calculado que os times assumiram correr.

Como já escrevi na minha coluna da última semana (http://blogs.lancenet.com.br/volei/2014/09/14/coluna-de-domingo-semana-de-decisao-para-a-superliga/), prefiro o formato de playoff que a Superliga masculina terá.

Outra decisão tomada foi em relação ao rebaixamento. Os dez primeiros colocados (serão 13 participantes em cada naipe) se garantem na edição seguinte, ganhando o “reforço” do vencedor da Superliga B. A última vaga passará a ser disputada pelos times que ficaram em 11º, 12º e 13º, além dos participantes da Segunda Divisão. Deste torneio sairá o 12º time que jogará a elite em 2015/2016. A intenção da entidade é fixar em 12 o número de equipes nas futuras edições.



MaisRecentes

Mais seguro, Brasil vence e está nas finais da Liga das Nações



Continue Lendo

Vaivém: Mais uma campeã da Superliga no Osasco/Audax



Continue Lendo

Na estreia de Lucas Lóh na Liga das Nações, Brasil se recupera



Continue Lendo