Coluna: CBV no aguardo de Bernardinho



Pessoal, bom dia. Passado um período turbulento, o blog está de volta. O tema é a renovação (ou não) de Bernardinho com a Seleção masculina.

A permanência de Bernardinho na Seleção masculina de vôlei por mais um ciclo olímpico voltará a ser discutida nesta semana. O treinador e os dirigentes da Confederação Brasileira esperam se encontrar, no Rio de Janeiro, até quinta-feira.

Este foi o prazo acertado entre os dois lados em outubro. Há duas semanas Bernardinho estava em Manila, capital das Filipinas, comandando o Rexona-Sesc no Campeonato Mundial. Ao retornar para o Brasil com o quinto lugar, ele pediu mais um tempo para refletir e discutir o assunto com a família. Enquanto isso já iniciou a participação em mais uma edição da Superliga, com duas vitórias, em busca do 12º título. Na sexta-feira, o time carioca entrará em quadra, pela terceira rodada, contra o Genter/Bauru, no interior paulista.

Técnico conquistou o ouro olímpico no Rio (Divulgação)

Técnico conquistou o ouro olímpico no Rio (Divulgação)

A entidade não esconde o desejo de renovar o contrato do bicampeão olímpico até os Jogos de Tóquio, em 2020. E diz não trabalhar com um plano B, mesmo discurso utilizado antes da renovação com José Roberto Guimarães na Seleção feminina, sacramentada na última semana de setembro. Bernardinho, por sua vez, diz estar muito desgastado por conciliar o comando do Rexona e a Seleção masculina desde 2001. O filho Bruninho e a esposa Fernanda Venturini já repetiram o discurso dele em entrevistas concedidas após o título olímpico, em agosto, mas não abalaram a confiança da CBV em manter o treinador no cargo, aceitando “dar o tempo que Bernardinho quiser” para a decisão. Em seu plano estratégico, a entidade colocou como prioridade máxima a manutenção dos dois comandantes das Seleções adultas.

Caso o “feeling otimista” da CBV esteja certo, Bernardinho terá pela frente seu sétimo ciclo olímpico consecutivo como técnico: foram dois com a Seleção feminina (bronze em Atlanta-1996 e Sydney-2000) e quatro com a masculina (ouro em Atenas-2004 e Rio-2016 e prata em Pequim-2008 e Londres-2012).



  • Klaus

    Não consigo imaginar a seleção sem o Bernardinho.É o melhor técnico do mundo e tem tudo pra conquistar mais títulos pela seleção.Ainda mais agora com o Leal .

  • Willian Garcia

    Baita técnico ( o melhor da história) mas é hora de renovar. Acho que a CBV errou ao renovar com JRG, ou baita treinador e multi campeão, mas temos que renovar.

MaisRecentes

Vaivém: Vôlei Nestlé confirma apresentação de peruana



Continue Lendo

Vaivém: Polonesa é esperada em Barueri



Continue Lendo

A zebra aparece em Belo Horizonte



Continue Lendo