Caiu a invencibilidade brasileira



Não deu. A estreia do Brasil na fase final do Grand Prix ficou bem abaixo do esperado, nesta madrugada, em Tóquio. E a Turquia se aproveitou para vencer por 3 sets a 2, parciais de 25-18, 25-23, 21-25, 19-25 e 15-12.

As parciais mostram como o time titular brasileiro entrou devagar no jogo. Errando no passe, sem conseguir bloquear, falho na distribuição e sem eficiência na finalização das jogadas.  O Brasil dos primeiros sets nem de longe parecia o Brasil que possuía nove vitórias em nove jogos até aqui. As turcas, por sua vez, aproveitaram a instabilidade do rival para abrir. Sonsirma e Ozsoy, principalmente, eram muito acionadas por Naz e correspondiam no ataque. O saque, que funcionava muito bem, também fazia estragos. E rapidamente o placar já estava 2 a 0.

Tandara entrou bem no jogo (FIVB/Divulgação)

Tandara entrou bem no jogo (FIVB/Divulgação)

O terceiro set começou de forma arrasadora. E a Turquia parecia caminhar para um 3 a 0 incontestável. José Roberto Guimarães, então, resolveu colocar meio banco de reservas em quadra. Tandara, Carol, Gabi deram outro espírito para um abatido Brasil e iniciaram a reação. A oposto foi a principal responsável por colocar as bolas no chão e conseguir levar a decisão para o tie-break.

Mas a virada não se confirmou. Dá para tirar lições deste jogo? Algumas.

– É possível quase um time inteiro não “entrar no jogo”. Infelizmente para o Brasil, ficou provado que sim. E aí entra em cena o banco de reservas, que precisa estar pronto. E o do Brasil ainda não tinha sido testado neste Grand Prix.

– Para a definição do Mundial, ficou claro que Carol está à frente de Adenízia neste momento. A jogadora do Rexona entrou no lugar de Thaisa e melhorou o bloqueio brasileiro (fez cinco pontos), que vinha mal na partida. Já a jogadora do Molico/Nestlé, que também estava no banco, acabou nem entrando na partida. Tandara também ganhou pontos e deve ser mesmo a reserva de Sheilla. Ela teve 51% de aproveitamento no ataque e marcou 20 pontos. Vale citar ainda que Zé optou por deixar Natália fora das 12, levando Monique para o jogo.

– O Brasil, sem passe na mão, se transforma em um time comum. Não estou falando aqui nenhuma novidade, apenas mais uma constatação. Fica sem a segurança da bola de meio (Thaisa fez cinco pontos e passou em branco no bloqueio. Fabiana, em quadra o jogo todo, fez oito, um no block), acaba dependente de Sheilla (ainda longe da forma ideal) e sobrecarrega as pontas. Nesta madrugada, Garay foi mal, com apenas quatro pontos. Jaqueline, com dez a mais, ainda se salvou.

Para finalizar, que partida fez a Turquia no saque. Foram 12 pontos e muitas outras bolas que destruíram a linha de passe brasileira. Na pontuação, Sonsirma (23) e Ozsoy (21) lideraram o time de Massimo Barbolini. Percebe-se que essa é a estratégia que mais incomoda a atual Seleção Brasileira, que, no fim das contas, ainda levou um pontinho que pode fazer diferença no hexagonal.



  • Carlos

    A Turquia hoje é o centro do voleibol mundial, tem um campeonato de alto nível, valorização das equipes de base e sem rankings ou limitações ridículas como o Brasil, desde o trabalho do Motta era de se esperar que um dia elas se destacassem no cenário mundial, o problema é que elas se perdem entre elas, deixa só a Neslihan Demir voltar para ver como deixarão de jogar como um time.

  • Fernando Adilio

    É bem complicado a nossa situação.
    Vou destacar algumas coisas que eu achei estranho:
    1º) tanto Jaqueline quanto Garay estavam péssimas no fundo de quadra. Garay quinava e Jaque recebia pro chão.
    2º) Sheilla não parece conseguir alcançar a forma do passado. Perdeu força, velocidade e não dá para viver só das glórias e nome feitos no passado.
    3º) Dani Lins é talentosa com as mãos, mas não tem visão de jogo. Alias nesse jogo foi um show de horror ela e a Fabíola.
    4º) Tandara não pode mais ser banco. Ela entrou no 3º set em andamento e fez 20 pontos. Mesmo acima do peso, ela está voando em quadra.
    5º) Sinto falta da dupla MaPa (Mari e Paula) nas pontas. Elas cresciam qdo o jogo estava complicado. Por mais que Garay seja fenomenal e Jaque dê uma certa tranquilidade no passe, qdo tinhamos MaPa não éramos tão dependentes das centrais.
    6º) Não entendi a inversão de 5×1 no tie-break… ela foi determinante para sacramentar nossa derrota.
    Vamos torcer para que nosso time se encontre e ganhemos as demais partidas em 3×0 ou 3×1.

    • Edu

      A inversão que fechou nosso quarto set que estava parelho e na minha opinião deveria prosseguir no tie break ou colocar o sexteto titular que assistiu o jogo em mais dois sets e escolados no que deveriam aperfeiçoar.Quanto a realocar na equipe a Mari e a Paula Pequeno é uma experiencia nostálgica e saudosista basta que os joelhos de ambas(com as lesões no cruzado) e o vigor físico retroceda uns seis anos apenas.O tempo não para já dizia a canção do Cazuza.

      • Fernando Adilio

        O sexteto titular, não era questão de saber o que deveriam aperfeiçoar depois de ficar no banco.
        Era muito simples, o passe não saia! E quando saia, as centrais estavam marcadas. E Sheilla já não é bola de segurança há um bom tempo.
        Não sei se vc chegou a ver jogos ao vivo da SL, mas a Paula está jogando e pulando normalmente. Aliás, a ultima vez q ela ficou fora das quadras, não foi pelo Joelho operado. 🙂
        Em tempo, não disse q Mari e Paula deveriam voltar… Apenas disse q sinto saudades da época em que as duas voavam em quadra.

  • Mari

    Bom dia!! O jogo de hj mostrou que o Brasil tem banco, Graças a Deus!! Entretanto, mostrou três defeitos: 1- a Garay quando não vai bem no passe prejudica e muito a seleção. Pq ela acaba atacando pra onde o nariz aponta sem objetividade, e isso acaba prejudicando a equipe e a Dani que na maioria das vezes tem que jogar com bolas altas;2- a Camila tem que assumir mais a linha de passe quando a Garay tá na rede, só assim nossa ponteira vai jogar melhor e 3- a Dani as vezes fica lesada em quadra, quase o Brasil toma a virada no 4 set pq ela insistiu com a Gabi e a Akman lá paradinha esperando. Coisas boas: Ótima partida da Gabi, Tandara e Carol…jogaram muito!!! Pena que no final novamente a Fabiola entregou a mariola com aquele saque!! Deu um ódio!! No geral, nada está perdido ainda, mas agora o ZRG tem que começar a pensar em um plano B quando o passe não sai e perdemos a Thaisa. E a Thaisa tb tem que melhorar o bloqueio dela, principalmente quando ela não esta virando as bolas de ataque.

  • Caco

    Grande jogo de Tandara, Gabi e Carol! Acho que isso serve para quebrar aquele estigma de que não temos time reserva. Não só temos boas reservas como, se não fosse elas, o jogo terminaria no terceiro set e o título ficaria muito distante.
    Hoje, nenhuma das titulares rendeu, cometeram inúmeros erros bobos que normalmente não cometem e acho que, se o Zé tivesse colocado todas as reservas para jogar, ganharíamos o jogo.
    Estranhamente, foram as titulares e reservas experientes que erraram muito durante o jogo e nos momentos mais cruciais da partida.
    Garay e Dani Lins estavam totalmente irreconhecíveis; Fabiana e Thaísa, sem presença alguma; Jaqueline e Sheilla, completamente inconstantes. Camila Brait foi a menos pior, mas jogou mal também. Fabíola não contribuiu quando entrou e ainda por cima cometeu um erro de saque no final do tie-break.

  • Rodrigo Coimbra

    Olha eu queimando a língua ai, falei que os jogos seriam 3×1 3×0 e que o único que ameaçaria as brasileiras eram as russas, totalmente enganado. Como eu disse, o jogo é jogado e o peixe na Bahia pescado! Inconformado por não ter assistido e por não ter botado para gravar, esperando o VT.
    O Brasil perdeu a invencibilidade para a Turquia… ???? A única boa notícia é que o banco fez a diferença. Apesar de sentir falta de Suelle e Pri Daroit….
    Acordei no finzinho de Rússia x Japão, e como as japonesas estam defendendo, minha nossa senhora, Malyik Kosheleva e Goncharova desceram o braço com vontade e o Japão botou os ataques pra cima, e olha que as russas tavam agredindo as japonesas, lembro que teve apenas dois pontos onde as japosenas não tocaram (daonde comecei a assistir, no fim do 3ºset) na bola, uma cravada da central que não recordo o nome e uma pipe da Maliyk, de resto, no mínimo tocaram em todas. Jogaram demais e mereceram a vitória!!!!

  • Renato

    Todas as titulares do Brasil renderam aquém do esperado. Erros de passe, ataques marcados e, principalmente, ansiedade e falta de brio das jogadoras intocáveis, na típica situação de pressão de chegar às finais cheia de favoritismo sim. Tandara, Gabi e Carol calaram a boca de muitos, entraram e fizeram a diferença contra uma Turquia comandada por Sonsirma. Tandara mostrou porque merece uma chance na seleção, depois de completar duas superligas sendo a maior pontuadora. Carol mandando muito no saque e bloqueio, suas especialidades. E Gabi virando tudo, mesmo com os levantamentos baixos de Dani Lins (o que aconteceu? todas as bolas estão baixas e nossas jogadoras precisam largar o tempo inteiro). E acho que a história do jogo poderia ter sido outra não fosse a inversão do Zé Roberto no final do 5 set, quando o jogo estava parelho e ainda em aberto! Paciência! Vamos torcer pelo Brasil nos próximos jogos e por uma combinação de resultados favorável! Nossas divas merecem ganhar e não precisam provar nada pra ninguém! Torço pela seleção com Thaísa e Fe Garay comandando a seleção nos próximos jogos. Estarei lá assistindo de madrugada, mesmo que o jogo de ontem tenha sido horrível de assistir! Agora as estatísticas: Tandara fez 20 pontos (!) jogando dois sets e meio. Sonsirma fez 23 jogando cinco sets. Carol fez cinco pontos de bloqueio em dois sets e meio. Thaisa fez 0 e Fabiana fez 1 em cinco sets. O desequilibrio, no entanto, veio do saque: 12 pontos da Turquia e 1 do Brasil, em que a recepção brasileira não funcionou. Pra frente, Brasil! 3×0 na China B.

  • Roberto

    Tem jogadora, que é protegida na seleção, sendo convocada somente pelo nome, porque não tem jogado bem já faz um tempão, nem pelos seus clubes, e é super badalada pela imprensa e maioria da torcida como desafogo, bola de segurança, mas que na prática, é a última opção de ataque, se jogasse pelo menos a metade do que falam, e sempre aparece essa desculpa de que ainda não está em forma, by Daniel, e também não se pode criticar a referida jogadora, porque aparece um monte de fãns contando historinhas e te acusando de querer criticar por criticar.

    • DESEMPENHO

      Roberto, realmente a Sheilla não está numa boa fase desde o Mundial de Clubes de 2012 no qual ela foi a MVP do campeonato. Depois do que ela fez contra as Russas em Londres, precisamos ter cuidado ao analisá-la.
      Sheilla nunca foi uma jogadora de grande alcance e força no ataque, mas os 31 anos que ela acabou de completar pesam no seu desempenho. É nítido que a sua força e alcance na hora de atacar vem caindo. Isso acontece com qualquer atleta em qualquer modalidade. A habilidade não se perde, mais infelizmente a idade chega para todos.

      • Guilherme

        Isso mesmo, Roberto. Não temos que criticá-la. Ela conquistou la o direto de ser insubstituível e, quando entrar em forma, ela voltará a jogar como se tivesse 20 e poucos. Se tivesse a idade de Gamova, que deve ter 21, poderíamos criticar, né? Que povo maldoso que a Sheilinha. Quer que ela, uma oposto completa e especial, pontue mais que Garay e que Thaisa…..rárárá….

  • O jogo de hoje nos mostrou um pouco da seleção meio afobada em todos os sentidos dos fundamentos o peso de uma invencibilidade de 18 jogos junto á uma equipe que jogou a lá Eua estudando como poucos as principais jogadoras da nossa seleção que é o nosso meio uma fabizona e thaíssa totalmente nulas durante toda a partida pricipalmente com o saques do time turco que tirou a nossa principal jogada é uma garay terminando o jogo com apenas 4 pontos realmente foi deplorável mais tenho que tirar o chapeu pro zé pois mudou no tudo ou nada com as peças da reserva [tandara,gabi e carol] e surtiu efeito até por um momento pena que pecou em alguns pontos cruciais do 5 set aí deu uma folga pra as turcas que voltaram a acertar tudo com a sonsirma e ozóil que é muito arrogante na rede mas o resultado de tudo não foi um desatre total por causa de um ponto que parecia impessavél no 3 set e pode mudar totalmente o destino do torneio claro vamos precisar ganhar de 3×0 de china bélgica Rússia e decidir contra o japão a vida!antes torcer por um tropeço da turquia contra japão ou rússia ou uma vitória da mesma por 3×2 novamente a derrota veio na hora que podia agora concentrar e ir com tudo pra cima das chinesas..Diferente de alguns que sempre espera vir uma derrota pra falar eu disse eu falei espero na quadra a resposta aos críticos de plantão.

    • Moura Br

      Achei que o zé podia ter mexido muito antes e talvez até pudéssemos ter ganho o jogo. 20×13 e ele não fez nada, esperou ficar 2×0 para tomar uma atitude.
      Agora méritos totais para a Turquia, sacou com coragem e precisão, atacou com potência e teve um passe que funcionou. Além de ter o jogo brasileiro decore e salteado.

  • Mauricio

    Para ganhar do Brasil, só arriscando tudo no saque e a Turquia foi feliz nisso.
    A Turquia decorou as bolas brasileiras, tiveram um aproveitamento de saque impressionante mesmo forçando muito nesse fundamento; e se valeu de ótima atuação de suas principais jogadoras. Já o Brasil foi previsível, não tinha solução defensiva para as opções turcas e foi presa fácil para o saque forçado turco que errou apenas um no jogo todo. Fica claro que quando entraram as reservas, mesmo o passe chegando B as turcas não tinham a menor idéia do que vinha pela frente e demoraram a se recuperar do susto. Fe Garay não foi bem assim como a Jaque mas a segunda teve oportunidade de se recuperar. Achei que o Zé Roberto pecou em não reconhecer mais cedo o mal dia da Garay. Poderia te-la tirado antes e evitado esse desgaste todo com uma das nossas jogadoras mais regulares. Thaisa vitima do sistema, bem marcada justamente por ser nossa melhor arma ofensiva, sofreu com a distribuição e com o passe ruim. Carol mudou a velocidade do bloqueio e desarrumou o passe turco assim como a Gabi. A Tandara mostrou para o esquecido torcedor o que é ter uma oposta no time e se fosse por mim assumia a posição pois estamos jogando com cinco desde o começo da competição.

  • Juliano

    Foi um alívio este 3 a 2 para elas. Saímos mesmo no lucro, que recepção horrorosa!

    As três com recepção decepcionante. Viramos um time russo e não percebemos?

    Sem recepção, precisamos de jogadoras que jogam com bolas empinadas nas pontas. Aí veio Tandara e deitou e rolou. Show. Jogou muito. Mas só foi a postara entrar para entregar tudo. Ao invés de levantar para a Tandara, foi para a Gabi que errou. Isto sem contar que antes tinha cometido erro de saque no tie. Nunca a Josefa me irritou tanto num jogo.

    Aliás, não sei o que deu no Brasil, que está numa inconstância com as suas levantadoras neste Grand Prix. Nem Dani Lins teve uma boa atuação, mas é indiscutível que, mesmo assim, faz muito mais coisa que a pastora.

    Senti falta de uma jogadora para substituir a Jaqueline. Como não temos, tivemos que tolerar erros absurdos de recepção dela, para não comprometer a tática do jogo. ZR está vendo isto e terá que corrigir esta falha até o Rio, porque mundial não dá mais tempo.

    Tudo bem que as centrais estavam bem marcadas, mas foi muita sacanagem a Thaísa e a Fabiana estarem péssimas no bloqueio no jogo. Carol, a baixinha bloqueadora, fez um estrago e forçou erro da Turquia. Aliás, vencemos o terceiro set mais pela camisa do que pela qualidade. Elas erraram muito neste set.

    Fernanda Garay tem saldo positivo, mas espero uma melhor recepção nos próximos jogos. Ela não é conhecida por este fundamento no Brasil, mas na Turquia foi chamada ao Fener justamente para fazer o fundo. Ou seja, ela evoluiu demais neste fundamento, como se via nas outras partidas, uma pena o péssimo rendimento na partida de hoje.

    O lado positivo foi a entrada das reservas, que aliviaram um pouco nossas apreensões. Só um pouco, porque gostaria de ter visto a Natália no lugar da Gabi. Natália pode não ter passe, mas ela é muito melhor que todas as outras ponteiras na bola empinada nos cantos, isto em razão do tempo que jogou como oposto. Era o que a gente precisa, mas ZR relacionou Monique em detrimento da Natália.

    Brasil, para vencer o mundial, deve superar eventual falha na recepção. Se ela continuar, que as jogadoras treinem a virada nas pontas com bolas altas.

    Queimei a minha língua, mas jamais imaginaria um jogo tão ruim como este. Torço pela recuperação de todos no campeonato pois dá para ganhar, a própria Rússia perdeu hoje para o Japão!

  • Paula Cerqueira

    Infelizmente Zé Roberto ñ enxerga q Sheilla (peso morto) em quadra, significa Brasil sem oposta. Tandara mostrou q Brasil tem oposta. Espero q esse jogo sirva d Lição. Não da para jogar somente pelo “nome” q a jogadora tem e sim pelo momento q vive. Lugar da Sheilla é no banco!!!!

  • renato

    Como pode a carola estar acima de adeniczia sendo que a mesma nem entrou no jogo…. como pode falar isso… estranho né

  • Luiz

    As capivaras perderam? Kkkkkkkkkkkkkk. Agora o grand prix ficou interessante. Mas fiquem calmas, monas. O Brasil vai vencer este campeonato. A vergonha so virá em 2016

    • michel

      Mas esse Luiz não entende nada de nada mesmo.As meninas do Brasil são capivaras porque? Ah! esqueci, elas são filhas da sua mãe e portanto suas irmãs e você é o mais feio da ninhada.Vai caçar o que fazer..Respeite a seleção-elas sempre jogam com amor à camisa do Brasil,já você é um zé-ninguém…

      • Afonso RJ

        Caro Michel: Esse cara é um bobalhão que só quer aparecer. Nem vale a pena responder. Só vai dar mais cartaz. A melhor coisa é ignorar, mesmo porque a insignificância é tanta que só é mesmo notado se alguém polemizar.

        • michel

          Concordo com você Afonso RJ.

      • Luiz

        Aha vai dormir vai! Ou melhor, continue acordada, quErida… ehehehe… continue acordando de madrugada para acompanhar estas capivaras.

  • Edu

    Coloquei meu comentário assim que acabou o jogo na postagem sobre a convocação do Renan.O time como um todo foi muito mal.Não adianta apenas hostilizar alguns lances infelizes e pontuais como da Fabíola que junto com a Sheilla fechou um quarto set parelho.Por mais que reconheça a competência do ZRG ,como a do Bernardo, e convicto há tempos que para a oxigenação do esporte ambos já deveriam ,por estar há mais de dez anos no cargo, ceder seu lugar para novas lideranças na seleção brasileira um quinhão de responsabilidade pesa sobre o treinador brasileiro nessa derrota na madrugada de quarta-feira.Primeiro ao falar um grosseiro e sonoro impropério com a arbitragem(demonstrando ausência de tranquilidade para conduzir a equipe) e por conta dela deveria ter recebido um cartão e a perda de um ponto.Segundo, por tergiversar e não efetuar logo as substituições no segundo set quando todo o conjunto brasileiro estava ruim.Colocar a Fabíola, mais hábil que a Dani nos levantamentos de ponta, com a Tandara e a Gaby ( onde se mostraram eficientes e a Monique fazendo o fundo).Como a feliz entrada,mérito da leitura do treinador, reconheço, de uma descompromissada Carol que já atropelou,com qualidade técnica, de vez o espaço de Adenizia(dez jogos seguidos colocando o pé na quadra apenas para cantar o hino).Entraram muito tarde, na minha opinião, na metade do terceiro set quando a partida começava a fazer água com a diferença significativa de cinco pontos.Depois manter a inversão que conseguiu fechar o quarto set e que estava em ritmo de troca de pontos ou colocar o sexteto titular descansado com a Garay , Thaisa(aproveitando a vantagem do bloque e ataque) e a Sheilla. O trio tinha observado quase dois sets inteiros e estavam mais aptas a readaptar o esquema de jogo na decisão do tie break.

  • Roberto

    Quanto mais eu vejo o jogo da Sheilla na seleção, acho cada vez mais elogiável a atitude da Fabi. Daqui um tempo a Tandara estará velha com 30 anos e ainda será reserva da Sheilla na seleção, aí terão que aposentar não uma, mas duas jogadoras da posição de oposta da seleção.

  • perseverant

    Se são nas derrotas que podemos tirar algumas lições, aqui vão algumas de ontem:
    a) Fabíola continua sem firmeza, bastante imprecisa, falta maturidade, mesmo com a idade já avançada. Acho que deve continuar na reserva, e já tá bom demais.
    b) Carol, apesar de muito criticada pela altura, mostrou, diante de um adversário difícil e numa partida pra lá de disputada, que tem o seu valor. Adenízia não faria jogo melhor do que a Carol.
    c) Jaqueline, dona de um bom passe, mas se apresenta melhor da defesa. Se não passa, em um dia como o de ontem, compromete todo o time, pois o seu ataque também não rende.
    d) Thaiza, Garay e Sheila estiveram ausentes quase que todo o jogo.
    e) Camila Brait, vinha muito bem na competição, mas, quando a coisa apertou, mostrou que ainda não é essa brastemp toda ainda não. Tem que ralar muito se quiser ser comparada a grande Fabi.
    f) Fabiana, apagada, ataque sempre amortecido ou defendido, não foi decisiva.
    g) Tandara, um monstro, questão de tempo para engolir a Sheila, pois a diferença entre as duas, no atual momento, é gritante. A potência da Tandara é única naquele time. Até mesmo a Natália já não está com a força física da Tandara. Por óbvio também que se a Tandara emagrecer um pouco, certamente aumentará de rendimento.
    h) ZRG – penso que foi audacioso em trocar 3 estrelas de uma lapada só. É isso aí, não está rendendo, tem que sair.
    i) Gaby – regular.

  • Mário

    Time que contratou gato por lebre tá com sinal vermelho. Exceto no Brasil, os demais times querem oposto matadora, que pontua, que assume as bolas difíceis e bota no chão. Querem Gamova, Kim (sempre arrasadora mesmo sendo ponta). Precisam de definidoras e não enxergam que as meios tenham esta obrigação. Coitada da tal equipe, que certamente não contratou uma fulana pra composição. Vai se dar muito mal!!!!

    • Roberto

      Comprou um Fusquinha pelo preço de uma Ferrari! KKKKKKKKK.

MaisRecentes

Camponesa/Minas quebra longa invencibilidade em Osasco



Continue Lendo

Placar RedeTV!: Futebol 2 x 0 Vôlei



Continue Lendo

Dentil/Praia Clube e Sesc abrem vantagem



Continue Lendo