Brasil x Alemanha: dormi com 2 a 0 e acordei com 2 a 3



– Uma virada como essa contra o Brasil acontece uma vez em 100 partidas.

A frase é do técnico Felix Koslowski, da Alemanha, após a surpreendente vitória sobre a Seleção Brasileira por 3 sets a 2, na abertura da segunda fase do Campeonato Mundial.

Se você viu o início do jogo, cochilou no meio dele e acordou para pesquisar o resultado final, deve estar tão surpreso como eu. E se perguntando: precisava acontecer justamente contra o Brasil uma virada destas?

Depois de fazer 25-14 e 25-19, o Brasil teve 21 a 17 no terceiro set. Tudo caminhava para um triunfo incontestável por 3 a 0, um resultado para dar moral e deixar o time na cola de Sérvia e Holanda, os líderes invictos do Grupo E. O jogo estava controlado, com uma atuação até dominante.

Alemanha levou a melhor diante do Brasil (FIVB Divulgação)

Mas o que aconteceu depois deixa ainda mais interrogações sobre o futuro da Seleção na competição. A virada alemã foi construída com grande colaboração da ponta Lippmann, que terminou o confronto com 36 pontos. O revés no terceiro set (32 a 30), com três match points perdidos, teve um peso importante no psicológico brasileiro, algo que não pode acontecer com um time experimentado como o atual de José Roberto Guimarães.

Outro número que chama muito a atenção. A Alemanha deu 34 pontos em erros para o Brasil, recebendo apenas 14 em troca. E mesmo com essa diferença enorme de 20 pontos a Seleção Brasileira sucumbiu nas parciais seguintes por 25-19 e 17-15.

O mesmo cenário aconteceu diante da Sérvia, que errou muito, mas ainda assim venceu a Seleção por 3 a 0, na primeira fase, vocês devem se lembrar. O ponto é que o time sérvio é muito melhor do que o alemão.

Tandara foi a maior pontuadora brasileira, com 29 acertos. Já a levantadora Roberta foi a novidade na formação titular.

– Esse é uma campeonato longo e desgastante. Agora temos que levantar a cabeça e estudar o que aconteceu. Jogamos muito bem os dois primeiros sets. O terceiro set foi disputado ponto a ponto, o quarto a Alemanha jogou muito bem e no quinto começamos na frente , mas a Alemanha é um time que briga o tempo todo. Vi coisas boas no nosso time e outras que precisamos melhorar. Nosso bloqueio deixou a desejar em algumas situações. O importante é tentar entender essa derrota, pensar no México e vencer todos os jogos. Ainda estamos na briga – disse Zé Roberto.

O resultado deixa a equipe verde-amarela praticamente na disputa pelo terceiro lugar do grupo, ou seja, a última vaga em disputa para a fase final. Sérvia e Holanda, com seis vitórias cada e 18 e 17 pontos, respectivamente, dificilmente não terminarão nos dois primeiros lugares. A briga pela briga pela última vaga ficará entre Brasil, Japão e Alemanha. As japonesas estão atualmente em terceiro, com cinco triunfos e 15 pontos. Brasileiras e alemãs possuem quatro vitórias cada, com 13 e 11 pontos.

República Dominicana, com três triunfos, Porto Rico, com dois, e México, com um, completam o grupo.

Na próxima madrugada, o Brasil terá pela frente o México (1h20, transmissão pelo SporTV 2). É uma obrigação vencer, por 3 a 0 e com vantagem larga de pontos.  Qualquer coisa diferente disso será preocupante.

LEIA TAMBÉM

+ As eleições, quatro anos depois

 

 

 



MaisRecentes

Minas e Dentil/Praia Clube conhecem rivais no Mundial



Continue Lendo

Nova TV, papo com arbitragem e descontração: a apresentação da Superliga



Continue Lendo

Veja como seriam hoje os grupos do Pré-Olímpico para Tóquio-2020



Continue Lendo