Brasil sofre dura eliminação no Mundial juvenil



Bastava vencer a Índia, no Maracanãzinho, para a Seleção Brasileira masculina juvenil garantir um lugar na semifinal do Mundial. Mas ela não aconteceu.

A derrota por 3 sets a 2, parciais de 36-34, 22-25, 21-25, 25-17, 16-14, tirou o time da casa da disputa por medalhas.

Um ponto final em uma campanha instável. Na primeira fase, derrota na estreia para o Japão por 3 a 2. Depois, triunfos sobre EUA (3 a 1) e Bulgária (3 a 2). Na segunda etapa, depois da empolgante vitória sobre a Sérvia em sets diretos, dois tropeços diante de argentinos e indianos decretaram a eliminação.

O técnico Leonardo Carvalho lamentou a queda:

– Não tivemos calma e força para fechar o quarto set, que deixaria o jogo em nossas mãos. Todo jogo que vai para o quinto set é decidido nos detalhes. Nós erramos muito.

Nas semifinais, a Sérvia vai duelar com a invicta Rússia, enquanto os argentinos buscarão vaga na final contra os Estados Unidos.

O revés deve ser bem estudado, com calma, sem busca por um culpado. Mas nos últimos anos o Brasil perdeu espaço nas categorias de base.



  • ola daniel
    essa geracao parece q nao foi “abençaoda”. no mundial infanto eles tambem nao ficaram entre os 4 melhores (9º lugar, se nao me engano). mas nao ha porque se desesperar, uma vez que resultados nas categorias de base NEM SEMPRE garantem sucesso no alto nivel. muitos e muitos atletas ficam pelo caminho, em todas as modalidades.
    mas parece que esse eh um dos produtos que a CBV mais alardeia e vende sempre q pode, nao eh?
    se ela optasse pela MASSIFICAÇÃO e nao pela ELITIZAÇAO da modalidade, talvez a preocupaçao nem fosse tao grande com essa equipe, mas… fazer o que?
    tudo isso eu digo aqui, mas ja ouvi de prestigiados profissionais como os profs joao crisostomo e caca bizzocchi
    um abraço
    prof ms fabio l gouvea

  • Afonso (RJ)

    Apesar de eu achar que era possível que o Brasil vencesse a Índia, para mim não foi nenhuma surpresa a eliminação do mundial juvenil. O time realmente teve altos e baixos. Conseguimos vencer a Sérvia e os Estados Unidos, e perdemos para Japão e Índia. Ou seja: vencemos os mais fortes e perdemos para os mais fracos. Eu não conheço os jogadores, a comissão técnica nem acompanhei de perto esse campeonato, mas me parece que tem alguma coisa errada aí.

  • Daniel, na sua opinião quais são as causas dessa queda do time brasileiro no sub-21, uma vez que nos últimos 9 mundiais ficamos no pódio? Foi apenas um tropeço, ou estão havebdo falhas no trabalho de base?

  • Adriano

    Acho que nada muito diferente em relação à derrota da seleção juvenil feminina: não é uma grande geração. Acho que dali se pode tirar o ponteiro Lucarelli, do Minas, como destaque, que lembra bastante o Samuel. De resto, não sei se há gabarito suficiente para se chegar a uma seleção adulta. Acho difícil. A diferença é que há equipes melhores no juvenil do masculino do que o do feminino – por isso, a seleção feminina foi mais longe.

    Agora, num certo sentido, há também um componente emocional em jogo. A tarefa do Brasil era fácil: derrotar a Índia, pior time do grupo, para passar às semis, sendo que já havíamos batido a Sérvia, e com muita facilidade. Engraçado que na primeira fase do campeonato, foi parecido: ganhamos com mais facilidade dos EUA, time mais forte do grupo, e sofremos contra os mais fracos – Japão e Bulgária. É um time instável.

  • Luciano

    Assisti a alguns jogos pela net, mesmo não sendo uma boa transmissão, mais ontem optei por ver o jogo do Sesi contra o UPCN, até acreditava que ganharia da Índia pois bastaria uma vitória por qualquer placar(a princípio deveria ser de 3X0, mais como a Argentina perdeu da Sérvia por 3X2 qualquer placar serviria.. heheh classificamos a Sérvia). Não acho que foi injusto não, essa geração não tem nada de excepcional, nem conjunto, nem técnico nem individualidades, apenas um bom jogador Lucarelli de 1,92. Sei que na semi final não passaríamos da Rússia que será campeã. No último mundial o Brasil foi campeão ganhando de Cuba com o Leon e sendo o nosso jogador Maurício o melhor da competição e jogadores na super liga atual como Murilo Radke, Renan Isaac, o outro Maurício e outro técnico tb. O que mais me preocupa é a ascenção da Argentina nas categorias de base e já dando sinais de maturidade na categoria principal assim como no basquete e da Rússia que será campeã na Juvenil e seu time principal ainda beira a faixa etária dos 23 24 anos e nosso time principal com mais de 30.
    Ok

    • Rubens

      Lucarelli tem 1,96. O grande destaque dessa geração, tb aposto nele. E já mostrou seu bom jogo em jogos adultos tb na SL. Entrava em muitos jogos no Vivo-Minas e sempre bem.

      Otávio também é bom ,apesar de nao ter feito um grande mundial, talvez por conta da contusao da mao pouco tempo antes do campeonato. Vamos ver seu desenvolver. Os outros nao temos muito o que falar, pois nem a SL jogam ainda. Pelo Mundial não chamaram atenção, mas acho que faltou ao Brasil também técnico, achei a equipe mal treinada, sem volume, sem bloqueio. Brasil foi longe muito por conta de individualismo, quase sempre do Lucarelli. Claro que não me parece uma geração muito boa, mas acho que poderia ser melhor treinada também.

      • Rubens

        “Longe”, né. rs Mas o nível de defesa do Brasil era tão fraco que nao deveria nem ter passado do primeira fase. O único grande jogo do Brasil foi contra a Sérvia, ali jogaram como gente grande. Quando uma equipe não é repleta de valores individuais fortíssimos, cabe ao técnico fazer um ótimo conjunto e o Brasil não tinha.

  • Paulo Roberto

    Esperava mais dessa seleção, tenho um conhecido que jogava nessa seleção mas acabou não estando na convocação final, o líbero Guilherme Gentil, porém mesmo assim esperava mais, derrotas contra times fracos e principalmente muitos erros que custarão as vitórias, mas não é pra se desesperar.

MaisRecentes

Joelho afastará Gabi das quadras



Continue Lendo

As primeiras transmissões da Superliga na TV



Continue Lendo

Vaivém: Thaisa jogará a Superliga



Continue Lendo