Brasil sem nenhuma premiação individual no Mundial



Vice-campeão mundial, a Seleção Brasileira juvenil feminina ficou fora da premiação individual da competição.

A campeã Itália levou três prêmios, entre eles, o principal: Bosetti foi eleita a melhor jogadora do mundo na categoria. Confira todas as premiadas:

MVP: Caterina Bosetti (Itália)
Maior pontuadora: Lise Van Hecke (Bélgica)
Melhor atacante: Caterina Bosetti (Itália)
Melhor bloqueadora: Zhou Yang (Itália)
Melhor sacadora: Lise Van Hecke (Bélgica)
Melhor levantadora: Di Yao (China)
Melhor passadora: Lucia Nikmonova (Eslováquia)
Melhor líbero: Natalie Hagglund (EUA)



  • Afonso (RJ)

    Na maioria foram justas as premiações.
    Só não sei se a Bosetti merecia ser MVP. Deu muito avião e tomou muito toco no jogo com a China, que foi o que eu assisti, além do jogo contra o Brasil.

    Só uma pequena lembrança: Italiana com sobrenome Diouf? Italiana chamada Zhou Yang? Na hora que interessa a já tradicional xenofobia desaparece como que por encanto, né? Me lembro uma vez em Fuimiccino, que quase morri de dó de uma menininha asiática que teve a entrada negada e estava sendo sumariamente deportada… Quem te viu, quem te vê.

    • Diogo Márcio

      Dentre as jogadoras italianas achei a Bosetti melhor, pois ser MVP não é só o ataque, pois inclui os outros fundamentos tbm! Pior seria se fosse para Diouf ¬¬’
      Quem disse que a xenofobia acabou? Quem dera! Piccinini cutucou Costa Grande e outras jogadoras que se naturaliza em outro pais.

      • Raffael

        Picci quer a seleção só pra ela. Ela tem que ser a mais badalada, a mais bonita, a mais fotografada. Tanto fez que a Aguero hoje não faz mais parte do selecionado italiano. Costa tambem não tera futuro nessa seleção não… Lady Picci não deixa…TUDO DELA!!!

        • Paulo

          Quanta bobagem! Piccinini é, segundo as próprias italianas, como Lo Bianco, Del Core, Gioli, extremamente cordial. Quem a julga pela “cara de arrogante” devia julgar a Mari pela cara de pastel. No entanto, todos sabemos que é o jeito dela.

          Piccinini nunca criticou Aguero. Apenas “pediu” a camisa 12, que sempre foi dela, ao voltar para seleção (o número estava com a Aguero). Fora isso elas não tiveram problema algum. E quem sosmos nós para dizer que ela não tinha direito? Ela defende a seleção desde 96, ninguém ali teria mais direito de pedir uma “camisa” do que ela.

          E desde quando alguém criticar naturalização é xenofobia? Escola já! Criticar naturalização é um ponto de vista, um direito. Eu, por exemplo, sou contra. Acho errado a Aguero ter sido bi-campeã por Cuba e defender a Itália. XENOFOBIA é destratar, ter aversão a estrangeiros. Não é uma opinião. É um preconceito.

          • GRACA

            Parabéns pelo comentário, Paulo! A ignorância das pessoas desvirtua as opiniões. Na onda do politicamente correto, não podemos ter uma opinião própria que logo somos tachados de RACISTAS, HOMOFÓBICOS e XENOFÓBICOS. Sou totalmente contra racismo, mas não é pq critico um negro que estou sendo racista, ou um homossexual que estarei sendo homofóbica… As pessoas estão muito apelativas e não sabendo o limite entre o preconceito e a crítica.

          • Diogo Márcio

            Palavras ditas pode ser mais que uma simples opinião, ou um direito que todos cidadões podem exercer. Nelas podem esconder um preconceito que a pessoa tem, mas que ela não quer emitir. Por ela ser famosa, se tornaria alvo fácil de capas de jornais e da justiça, que ‘tenta’ combater esse problema na Europa! O problema dela com Aguero vai além das quadras, é todo mundo sabe o que ela realmente fez com a cubana ;D
            Mari pode ser um pastel, mas que muitos brasileiros queriam ser pasteleiro, a isso tem rs

  • Bia Ferraz

    A Zhou Yang é uma central chinesa, deve ter havido algum engano.

  • AJ

    Geeeente, Piccinini agora é racista… É cada uma.

  • Afonso (RJ)

    Só queria esclarecer um ponto:
    Quando me referi a xenofobia, quis falar da política oficial de imigração européia, sempre extremamente restritiva, com raras excessões, e não de preconceitos pessoais. Basta ver o número de brasileiros sumariamente impedidos de entrar na Espanha. E, em contraste, a crescente presença de descendentes de estrangeiros ou atletas naturalizados em seus quadros esportivos. Tem negros e asiáticos jogando em seleções de futebol inglesa, holandesa, francesa, alemã, portuguesa (lembram do Eusébio?) e até suíça. No vôlei, a Itália importou Aguero e agora Diouf. A seleção masculina francesa também tem africanos. Até Zidane, apesar de branco é filho de imigrante argelino.

  • graca

    Quem foi p/ la’ de preconceituosa nas premiacoes foi a FEDERACAO PERUANA DE VOLEIBOL. A imprensa peruana passou a semana inteira pegando no pe’ de BRENDA CASTILLO, porem BRENDA liderou as estatiscas a COMPETICAO TODA, e nao so’ nas estatiscas, mas ta’ na CARA que CASTILLO foi a melhor libero da competicao e uma das melhores do mundo. O que nao pode e’ uma premiacao deixar de ser dada a melhor da posicao simplesmente por BIRRA. Afinal de contas fica ate’ constrangedor para essa LIBERO dos EUA que recebeu o premio recebe-lo pq ta’ registrado nos jogos, nos videos, nas estatisticas e PRINCIPALMENTE na MEMORIA dos torcedores quem ralemente foi A MELHOR: BRENDA CASTILLO.
    Parabens a BOSSETI tao jovem e tao tecnica, e ela ainda vai disputar o mundial INFANTO pq e’ a mais nova do TIME ITALIANO.

MaisRecentes

Seleção masculina terá logística complicada na Liga das Nações



Continue Lendo

Seleção feminina jogará em Barueri na Liga das Nações



Continue Lendo

Sábado dos visitantes na Superliga masculina



Continue Lendo