Brasil para Muserskiy e acaba com jejum diante dos russos



Desta vez, nem as provocações do maluco beleza Spiridonov e muito menos os 2,18m de Muserskiy tiraram o Brasil dos trilhos. Lúcida, regular e irrepreensível em alguns fundamentos, a Seleção derrotou a Rússia, após dois anos de jejum, por 3 sets a 1, parciais de 26-24, 22-25, 25-23 e 25-22.

Resultado que já coloca o Brasil nas semifinais da Liga Mundial, antes mesmo do duelo com o Irã, nesta sexta-feira. Resultado que também vai colocar um ponto de interrogação na cabeça dos rivais, já que as atuações em 2014, até então, não credenciavam a equipe de Bernardinho ao título.

Alguns números são importantes para explicar o que foi o jogo. Vamos a eles:

–  13 pontos fez Muserskiy, muito pouco para quem vem desequilibrando o cenário mundial nos últimos anos. Foram dez no ataque, três no saque e NENHUM no bloqueio. Aqui, dois parênteses devem ser abertos. 1) A distribuição de Bruninho, talvez uma das melhores que eu já tenha visto do levantador, quebrou o block russo, que chegava atrasado em vários momentos da partida; 2) O bloqueio brasileiro fez seu difícil dever de tocar em bolas de ataque do gigante. E isso certamente tirou a confiança do central.

– 23 acertos de Wallace. É o que se espera dele, que tem um baita potencial, em grandes jogos. Decisivo na virada de bola, sem se abater em uma sequência de bola pra fora/bloqueio recebido… O homem da bola de segurança que todo time precisa ter.  Que ele use essa atuação como divisor de águas para jogos deste nível.

–  5 pontos de bloqueio e outros 9 de ataque. Murilo voltou a ter destaque não apenas por sua regularidade no passe. E ter um ponta que vira (além de ajudar demais os centrais no block) com certeza facilitou a distribuição de Bruno, que não precisou sobrecarregar o seu oposto ou forçar bolas pelo meio por insegurança nas pontas.  Ver o melhor jogador do Mundial de 2010 assim é um alívio.

– 13 pontos de Sidão, 12 de Lucão. Os centrais brasileiros apareceram para o jogo. O primeiro ainda foi importante em várias passagens pelo saque, enquanto o segundo tinha a ingrata tarefa de cruzar com Muserskiy na rede, ou seja, tem ainda mais méritos pela pontuação conseguida.

Números positivos à parte, faltou um jogador na rotação titular com maior regularidade: Lucarelli. Foram oito pontos, todos no ataque, mas baixo aproveitamento e muitos erros no saque. O jovem ponta ainda está devendo.

Por fim, o que mais dizer sobre Spiridonov? Ele entrou no segundo set e foi importante para o empate russo, ajudando todas as já conhecidas armas: ataque regular, bom volume de jogo e muitas provocações. Grita, faz gestos, encara todo mundo… Uma atração à parte e outro mérito da atuação brasileira: se segurou e não caiu na pilha do Tintin russo.

 



MaisRecentes

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo

As duas formas de ver o novo Sesi



Continue Lendo