Brasil não dá chances para a Bélgica em SP



Um susto no início do jogo. E depois uma lavada. Assim pode ser definida a vitória do Brasil sobre a Bélgica por 3 sets a 0, parciais de 25-17, 25-16 e 25-14, nesta sexta-feira, na abertura da etapa de São Paulo do Grand Prix.

Foi a quarta vitória em quatro jogos do Brasil no torneio, caminhando tranquilamente até aqui para a classificação para a fase final, que acontecerá em Omaha, nos Estados Unidos. Neste sábado, às 10h, o duelo será contra a Tailândia. No domingo, no mesmo horário, confronto com a Alemanha.

Zé Roberto começou o jogo de hoje com Dani Lins, Joycinha, Gabi, Fernanda Garay, Juciely, Carol e Camila Brait. Considerando que Jaqueline, que estava no banco de reservas, teve um princípio de pneumonia há algumas semanas, dá para considerar esse time a força máxima atualmente.

Comemoração brasileira no Ibirapuera (FIVB Divulgação)

Comemoração brasileira no Ibirapuera (FIVB Divulgação)

E até o 11º ponto do set inicial parecia que havia algo errado na equipe. A virada de bola estava bem abaixo do normal, falhas na relação bloqueio-defesa e uma sensação de que a Bélgica, mesmo sem Van Hecke, sua principal jogadora, poderia aprontar. 0-4, 2-6, 4-8… A diferença, porém, começou a cair quando Carol marcou dois pontos no bloqueio e passou a ser mais acionada por Dani Lins no meio.  A virada aconteceu antes do segundo tempo técnico. E daí para frente as europeias não incomodaram mais.

Carol, personagem de outro texto, que será publicado mais tarde, terminou o primeiro set com seis pontos (quatro no ataque e dois no bloqueio), liderando o Brasil.

Do segundo set em diante, o time esteve mais equilibrado. Gabi foi uma boa opção nas jogadas pelo fundo, Juciely e Fê Garay também cresceram no ataque e bloqueio. O resultado foi o domínio total da equipe brasileira. Até o público deu uma relaxada. A empolgação voltou no fim do segundo set, quando Jaqueline fez sua estreia no GP entrando no lugar de Garay.

No último set, mais mudanças. Monique entrou na saída de rede, com Natalia formando a linha de passe com Gabi e Camila Brait. As belgas até chegaram a esboçar uma reação na metade da parcial, mas nada que ameaçasse a vitória brasileira por 3 a 0, já com Ana Tiemi, Barbara, Jaqueline, Sassá e Adenízia também em quadra.



  • Gabriel Pires

    Mais do que um time nós temos um elenco monstruoso.

  • AfonsoRJ

    Acredito que essa opção por dividir a seleção para disputar duas competições simultâneas deva fazer parte de alguma estratégia da comissão técnica, talvez tendo já em vista o ano que vem. Meu medo é que perca as duas.

    Desculpem o desabafo: Como sempre a transmissão daqui foi uma M***A. Teimam porque teimam em transmitir pontos e mais pontos com a câmera de fundo de quadra e ainda por cima em movimento. Não dá pra ver P***A NENHUMA. O terceiro set então foi quase a metade dos pontos. Será que não se tocam? Basta olhar para os ginásios, onde os melhores lugares são no meio da quadra. Imagino o TERREMOTO que seria se transmitissem um tempo inteiro de um jogo de futebol com câmeras por trás do gol.

  • JSG

    Excelente Vitória do Brasil. Carol segue chamando minha atençao e sendo a jogadora mais regular do time. Impressionante Como ela compensa a baixa estatura com saltos potentes e tempo de bloqueio. Foi uma Vitoria tranquila, apesar do inicio irregular. Joyce e Natalia seguem com problemas no ataque. Gabi se vira bem nas pontas. Garay nao comprometeu. Brait foi bem. Dani poderia ser melhor. Jaqueline foi aclamada a sua altura, com status de Grande estrela conhecida pelo publico. Monique melhorou no ataque . Pelo pouco que atuou foi melhor que na etapa passada. Sassá e Tieme nao deu pra fazer nenhuma analise concreta.
    O trio do Rexona (Gabi, Jucy e Carol) segue fazendo a diferença nesse inicio de Grand Prix.
    No mais, gostei do Luis Roberto Como narrador. Muito melhor que Luis Carlos Junior. Alem de ser mais sereno, Luis Roberto demonstrou está por dentro da seleçao. Até relatou suas observaçoes nos treinos da seleçao. POR um instante me lembrei daquele Brasil x Cuba de 96 narrado por ele.

  • Soares

    Qual a matéria sobre a Carol. Sou muito fan da carol

    • Daniel Bortoletto

      Calma. Estava entrevistando as pessoas

  • Luis Carlos

    Ansioso para materia com a Carol!

  • Alex Lima

    Joycinha…
    O que vc faz na seleção???
    Pq o Zé ainda acredita nela???
    Rapadura pra quem não tem dente!!!
    Pra que tanta altura se não faz por onde?!?
    Ou é toco ou é balão!!!
    Sásenhora!!!
    Oposta: Uma vaga pra se definir!!!

    Paula Borgo e Rosamaria… Se liguem pq depois de 2016 Haverá vagas.

  • ALINE

    Os EUA vem fortíssimos para o PAN 2015 em TORONTO.
    ADAMS, FAWCETT, Hildebrand, LICHTMAN, LLOYD, PAOLINI, VANSANT, JENNA e NATALIE HAGGLUND forma um timaço!!!
    O Brasil vem muito forte também, vai ser choque de monstro.
    MACRIS como titular no PAN será muito interessante. Ela vem jogando muito tanto na SUPERLIGA quanto na seleção.

  • Bernardo

    O jogo foi meio chato. A Bélgica é muito fraca, ainda mais sem Van Hecke. A melhor coisa foi ver os CABELOS LISOS DA GABI KKKKKKKKKK
    O Zé podia ter colocado por mais tempo as reservas em quadra como Tiemi, Sassá, Jaque, Bárbara, até para elas ganharem ritmo.

  • jefferson

    Pq a band não transmitiu o jogo gente deixaram a desejar eles hein falando que iriam transmitir o primeiro jogo mais não passaram nada , outra observação Carol joga muito tem tudo pra ganhar o titulo de melhor bloqueadora do grand prix

MaisRecentes

Dentil/Praia Clube e Sesc abrem vantagem



Continue Lendo

Corinthians faz melhor jogo na Superliga



Continue Lendo

Coluna: A imprevisível Superliga feminina



Continue Lendo