Brasil na semi no Mundial juvenil feminino



Uma boa notícia no Mundial juvenil feminino. Em Lima, no Peru, o time comandado por Luizomar de Moura já está entre os quatro melhores do planeta.

Após a vitória sobre Eslováquia por 3 sets a 0 (25/13, 25/22 e 25/12), a quinta do Brasil no torneio, o passaporte para a disputa por medalhas foi garantido.

Nesta quinta-feira, a seleção brasileira enfrentará a China às 20h15, no último confronto pela segunda fase do Mundial. Com duas vitórias cada um, Brasil e China se enfrentam apenas para cumprir tabela, já que ambos estão classificados para a semifinal do Grupo F.

A distribuição de pontuação é uma ótima notícia. A oposto Sthefanie fez 16 pontos, a ponta Gabriela somou 13, enquanto a  meio de rede Ana Beatriz e a outra ponteira Samara terminaram com 11.



  • Diogo Márcio

    Jogo – http://www.teleperuana.com/2009/02/frecuencia-latina-television.html

    China/Itália e Brasil, já estão classificados. Assisti o jogo ‘Peru Vs R. Dominicana’ (já que o jogo do Brasil não foi transmitido por nenhum canal), achei que a juíza foi muito conivente com as provocações das dominicanas, dava para ver claramente que alguns momentos elas comemoravam de frente para as peruanas e a juíza só chamou atenção no começo do 1° set!
    FIVB precisa investigar o caso da Castillo; se ela não tiver a idade para atuar no mundial, tanto a federação dominicana como ela deve ser penalizadas.

    Denúncia do jornal peruano – http://www.libero.pe/dominicana-brenda-castillo-tendria-mas-edad-de-lo-que-se-permite-en-el-mundial-juvenil-de-voley-2011

  • Afonso (RJ)

    O Brasil é um forte candidato ao título nesse torneio. Aliás, pelo que vi até aqui, é um candidato fortíssimo. E nos deixa com a grata impressão que temos material humano para garantir uma boa posição no ranking pelos anos vindouros. Diferente do Peru e Cuba, que quando suas gerações vencedoras envelheceram o nível caiu acentuadamente.

    Consegui assistir a vários jogos online. Para quem se interessar, mando alguns links oficiais da FIVB:

    Página com os vídeos de alguns jogos da primeira e da segunda fase, e os que serão transmitidos ao vivo pela FIVB:

    http://www.laola1.tv/en/int/fivb/video/283–.html

    Jogos Brasil x Itália e Brasil x Cuba, (primeira fase) na íntegra e com excelente qualidade:

    http://www.laola1.tv/en/int/volleyball/fivb-/fivb-womens-junior-wch-cuba-brazil/video/283-1700-57770.html

    http://www.laola1.tv/en/int/volleyball/fivb-/fivb-womens-junior-wch-brazil-italy/video/283-1700-57412.html

    Jogo Brasil Sérvia (primeira fase) qualidade discutível (câmera fixa no fundo de quadra e sem placar)

    http://www.laola1.tv/en/int/volleyball/fivb-/fivb-womens-junior-wch-brazil-serbia/video/283-1700-57625.html

    Para quem se interessar, há horas e horas de bom voleibol juvenil feminino.

    Parece que Brasil x Eslováquia ontem não teve nenhum tipo de transmissão. Pelo menos eu não consegui achar.

    E hoje à 20hs de Brasilia está anunciada a transmissão de Brasil x China em

    http://www.futbolenvivo.pe/p/canal-1.html

    ou em

    http://www.futbolenvivo.pe/p/canal-2.html

    Geralmente as transmissões nesses links são de boa qualidade, apesar de cheias de anúncios por tratar-se de TV comercial peruana. Espero que seja útil.

    • Diogo Márcio

      Falando em renovação, a Rússia não vai muito bem quando se trata de juvenis no feminino. O mundial ocorre sempre a cada 2 anos, em 2009 a Rússia não participou e esse ano ela não passou da 1° fase. Claro que tem jovens jogadoras na seleção adulta, mas se tratando de uma potência isso já pode ser um sinal ‘meio’ amarelo.

      • Afonso (RJ)

        A Rússia se vale muito da gigante Gamova, que leva uma vantagem enorme por causa da altura. Mesmo assim, não consegue ganhar tudo. Imagino que se não aparecer uma “gigante” como ela, é provável que a Rússia tenha dificuldades.

        O mesmo aconteceu com o basquete russo na década de 70. Eles tinham uma gigante acromegálica Juliana Semenova, que em comparação com as demais jogadoras era uma verdadeira disparidade. Ela era uma jogadora lentíssima, e o time russo simplesmente segurava a bola até ela chegar ao ataque. Depois era só passar para ela, que a cesta era certa. Se o time adversário não fosse rápido na passagem ao ataque e desse tempo para a Semenova chegar à defesa, o toco era certo. Depois que a gigante deixou as quadras, a equipe de basquete russa nunca mais foi a mesma.

        Quem se interessar, pode dar uma olhada nesse vídeo para ver a disparidade da gigante russa, e como o tamanho pode realmente ser uma tremenda vantagem:

        http://www.youtube.com/watch?v=e5PV-B5zRRg

        • Ana

          O pessoal fala da altura da Gamova como se ela só jogasse por causa disso. Gamova é uma das mais completas jogaras da história. Está sempre bem posicionada nas estatísticas de defesa, por exemplo. Ela é muito mais que altura. Por isso é a melhor jogadora do mundo.

          • Afonso (RJ)

            Ninguém disse que a Gamova só joga por causa da altura. Mas jogadoras com qualidade, boas estatísticas na defesa, boa colocação na quadra e recepção existem por aí de monte. Só que como não tem a altura da Gamova… Ou, em outras palavras: a Gamova é ótima jogadora, e o diferencial para as demais ótimas jogadoras, é justamente a ALTURA. E, eu particularmente acho a nossa Sheilla MUITO mais habilidosa que a Gamova…

  • Ana

    O Brasil acaba de vencer a China 3-0. É incrível a “cancha” que essas meninas tem. Mesmo com a oscilação costumeira de times juvenis na hora de decidir elas são perfeitas. Tem tudo para vencerem bem.

  • Ana

    Sheilla pode ser mais habilidosa, mas no tie é Gamova que vira as bolas, faz sua seleção campeã e ganha MVP mundial. Sheilla pisa na linha dos três e manda aviões. Nas suas seleções, essa é a grande diferença entre as duas.

    • Rafael

      Não me lembro do penúltimo campeonato vencido pela Russia!!! Só esse mundial e nada mais. Lembrando que o Brasil estava com duas baixas (Paula e Mari).
      Só pra lembrar também, quem figura entre praticamente todas as finais do que disputa é o Brasil, desde 2007. Não a Russia!
      Que mania de valorizarmos apenas o ruim!!!

      E pra finalizar, a melhor jogadora russa atende pelo nome de Sokolova. É ela quem segura o fundo de quadra, é ela quem enfia a mão no saque, é ela quem ataca qualquer bola e de qualquer ponto da quadra (dos 3 saída, dos 3 meio, alta na entrada, alta na saída, china, bola com dois tempo, etc.). Foi ela quem virou o 24 x 19 em Athenas, e por aí vai.

      A briga pelo título de melhor do mundo é dura: Sheilla, Kozuch, Flier, Wang, Kim, Gamova, etc. Mas este título eu daria a ela, Sokolova.

      • Ana Arraes

        A Rússia venceu os dois últimos mundiais SOBRE o Brasil com Sheilla ERRANDO bolas capitais e Gamova fazendo mais de 30 pontos. Isso é uma REALIDADE.

        Sou uma das maiores fanáticas pela seleção feminina de vôlei. Não perco um jogo. Isso não quer dizer que eu não possa criticar a seleção, o técnico, as jogadoras. Quem não tem esse direito é quem nunca assiste e quer dar pitaco, chamar de “amarelonas”, isso sim.

        Sokolova é uma TOP 3 da história do vôlei. É, para história, do nível de Mireya, Lang Ping e Artamonova. Entretanto, no último mundial e HOJE, Gamova é a melhor jogadora do mundo. Sheilla, apesar de fantástica, é o maior expoente do Brasil. Nunca foi a melhor jogadora do mundo como a imprensa tenta nos enfiar goela abaixo. O mesmo vale para o Murilo, por exemplo. Porque o cara foi MVP de um mundial vira o melhor do mundo. Grande ilusão. Reducionismo.

        Quanto as melhores do mundo parei em Kozuch e Flier. kkkkkkkkkkkkkkkk

  • Paulo Dantas

    No Mundial Juvenil a Itália passou por cima das chinesas sem dó. 3-0. Como as italianas evoluíram ao longo do campeonato. Camera muito bem no levantamento, Diouf pontuando “na boa”, Baggi e Bosetti compondo muito bem, a líbero quase perfeita e Pisani/Bertone muito bem no block. O Brasil ainda é muito favorito, mas tem que ter cuidado.

    Ni jogo do Brasil parecia que venceríamos fácil, mas com 2-0 no placar demos chances as americanas. E sabemos que por mais que não tenham um grande time, não se pode dar chance a times americanos. Eles amam vencer. Foi emocionante, foi legal. Ainda bem que vencemos. destaque para levantadora reserva, Juliana Carrijo, que entrou em todos os jogos para salvar o Brasil e salvou mais uma vez. Inclusive, com 14-14 no tie, ela fez uma bola de segunda à Venturini sensacional.

MaisRecentes

Os duelos da Copa Brasil feminina



Continue Lendo

Lances do clássico Vôlei Nestlé x Sesc



Continue Lendo

Coluna: O maior desafio do Sada/Cruzeiro no Mundial



Continue Lendo