Brasil e Cuba, de novo



Para não repetir o que muita gente já falou na TV ou já escreveu na internet, minha análise da final latina entre Brasil x Cuba será posição por posição.

Vejam, opinem, reclamem ou concordem:

Levantamento

Pelo grau da torção no pé, Bruninho não jogará. Marlon mostrou na semifinal o porquê era o titular. Tem um estilo mais rápido. arrisca algumas jogadas surpreendentes e está com fome de jogo. É melhor do que Hierrezuelo. O cubano é mais vibrante e tem presença no bloqueio.

Oposto

O Leandro Vissotto que detonou a Itália é melhor do que a promessa Hernandez. O brasileiro vinha devendo até aqui, mas mostrou a força no ataque que o time precisava. O canhoto cubano é corajoso, salta muito, mas ficou devendo na semifinal.

Pontas

Chave do jogo. A condição física do Murilo é preocupante. Ele voltou a sentir dores na panturrilha direita contra a Itália. Dante é experiente e sabe o caminho dos títulos. São técnicos. Murilo ainda está muito bem no saque e ambos são garantia de bons passes. O problema é que Leon e Leal são fisicamente mais fortes, tem o vigor da juventude e uma impetuosidade impressionante. O braço da dupla é pesado tanto no ataque quanto no saque. Duelo dos mais interessantes.

Centrais

Rodrigão e Simon são os melhores no bloqueio. Não necessariamente nesta ordem no Mundial. O brasileiro começou muito bem, mas o cubano é acima da média. Já Lucão e Camejo são promissores, oscilam ainda justamente pela inexperiência e têm mais a mostrar.

Líbero

Mário Júnior e Gutierrez são promissores. O brasileiro se beneficia por ter dois ótimos passadores ao seu lado e sabe que ainda está devendo na defesa. Já o cubano precisa cobrir Leon, principalmente, que deixa a desejar no fundamento. Pode ficar sobrecarregado.



MaisRecentes

Baixa importante em Taubaté: Otávio passa por cirurgia



Continue Lendo

Em jogo mais pegado, Brasil bate Holanda de virada



Continue Lendo

Vaivém: Itapetininga contrata central americano



Continue Lendo