Brasil 0 x 3 Coreia. E não é Primeiro de Abril



Bem difícil acreditar no que os olhos estavam vendo.

É muito fácil, em um momento como esse, descer a linha em quem perdeu, ainda mais pela forma com que a derrota incontestável aconteceu. Criticar técnico, todas as jogadoras, dirigentes e pronto. Eu seria aqui aclamado por 95% das pessoas. E alguns iriam pedir ainda mais ênfase nas críticas.

Mas acho que o momento é propício, sim, para uma reflexão. O que acontece com a Seleção feminina de vôlei?

É fato, ninguém duvida, que o time está jogando mal. Já vinha demonstrando instabilidade no Grand Prix. Mas em Londres esses altos e baixos aumentaram consideravelmente.

Difícil apontar uma ou outra jogadora que esteja se salvando. Em alguns momentos dos três primeiros jogos da Olimpíada, eu, me colocando no papel de técnico, tive vontade de trocar o time todo junto. E logo depois, ainda insatisfeito, senti  vontade de mudar as sete novamente.

Parece que uma peça em tarde/noite ruim contamina a outra que está ao lado. Deveria ser o contrário. Se uma consegue ir bem, as outras deveriam se contagiar.

Muitas vezes as expressões faciais dizem tudo. Uma olha para outra tentando entender. “Você sabe onde meu jogo foi parar?”. Ninguém desaprende. Mas é possível ninguém se entender em quadra.

Contra a Coreia, até gostei da defesa, para não ser injusto. Tivemos volume, geramos contra-ataque, fizemos as orientais atacarem mais vezes em busca de um mísero ponto. Mas os demais fundamentos deixaram muito a desejar. E, numa Olimpíada, não se ganha do segundo time mais fraco do seu grupo quando quase toda a engrenagem do time está mal. Mas se perde para esse mesmo rival por 3 a 0, como visto nesta quarta-feira.

Deixando aspectos técnicos e táticos de lado, a pergunta “O que acontece com a Seleção feminina de vôlei?” pode ser feita sob a ótica dos cortes de Mari e Fabíola. O grupo que está em Londres ainda sente?

À distância, me parece que sim. Não sei precisar se muito ou pouco. Eram queridas, por muito tempo titulares, tinham ascendência sobre o grupo.

Mas dizer que somente esse aspecto explica tudo, como tenho ouvido nas redes sociais,  é ser simplista ou comodista ao extremo. Não gosto de pensar no “se”. Se a Mari estivesse lá, perguntam os fãs, seria diferente? Talvez. Mas ela não está. E a recuperação deste time vai precisar acontecer sem ela.

No papel, a situação é bem clara. O Brasil é o QUINTO colocado, com dois pontos. EUA (9), Coreia e China (6) e Turquia (4) seriam hoje as classificadas para as quartas de final. A Seleção ainda vai encarar China e Sérvia, lanterna que ainda não pontuou. Vencer os dois jogos (sem tie-break) passa a ser obrigação para, no mínimo, avançar.  Depois, um jogo só, mata-mata e talvez outro espírito em quadra. E, a frase mais batida, tudo pode acontecer.

Vai ser difícil esse time dormir hoje. Espero que a reflexão, ao menos, leve para essa equipe, que não é qualquer uma, uma atitude diferente em quadra daqui para frente.



  • lucre

    Me esclarece uma coisa Daniel , segundo o que ouvi durante as transmissões se classificam 4 equipes em cada grupo , é isto mesmo ?

    • Daniel Bortoletto

      isso

  • Luiz

    “Se” a Mari estivesse lá, o resultado poderia ter sido o mesmo, mas temos que falar a verdade: a inversão de rede com ela e com a Dani Lins estava maravilhosa no Grand Prix. Paremos para pensar: O Zé levou a Tandara como oposto reserva no lugar da Mari. Mas, no jogo de hoje ele colocou a Natália para fazer esta função. Conclusão: Nem nos jogos, e nem nos treinos Tandara tem se dado bem. Então, o corte da Mari não foi o mais correto.

    Estou certo?

    • Fabio

      Luiz, pensei exatamente isso! Pra mim está corretíssimo.
      O Zé quis driblar a opinião publica querendo dizer que Natalia barrou a Mari, quando na verdade foi a Tandara que tirou a vaga da Mari.

      Mas não adianta chorar, o jeito é se conformar.

      • Luiz

        É isto mesmo. Não há mais nada a fazer.

        • Héllenne Vivian

          Tandara na minha seleção jamais jogaria!Com essas levantadoras? Luiz, mesmo a Mari entusiasmada não iria funcionar, você poder perceber o quanto que a Paula Pequeno teve dificuldade contra as americanas e a Jaqueline sendo bloqueada, só querendo jogar pelas pontas e ai bloqueio agradece.Não é de hoje que as seleções estudam as adversárias, esse grupo como dizia um narrador da extinta TV Manchet está:”Marcado, marcado, marcado…”Precisamos dar chance para quem faz uma Superliga boa, quem tem garra e não afina em finais e com recursos, mesclando com as que fizerem transião de renovação, por que tivemos jogadoras boas no passado e que nunca vestiram a camisa da seleção porque Bernardinho tinha sua panelinha. Zé Roberto também tem, algo ocorreu que ele dispensou a Mari, precisamos do saque dela, mas mesmo assim ela não estava rendendo, agora levar a Natália voltando em recuperação é confiar demais em grupo que me parece ter perdido o prazer de jogar : Fabi(líbero), Fabiana e Sheila, pergunto aos que tem acompanhado a Superliga, quem estaria nessa seleção?Tenho certeza que no mínimo 3 boas seleções montaríamos.

          • Fernando Neves

            A verdade é que depois da aposentadoria da Fofão, s seleção desandou. São jogadas óbvias demais. Olha a dificuldade da Sheila conseguir virar uma bola. A CBV precisa urgentemente realizar um trabalho na base para formar levantadoras o mais rápido possível, senão vai ser sempre o mesmo filme.

    • Naty

      Luiz, também percebi isso hoje. Quando vi a Natália entrando como oposta ficou claro a insatisfação do Zé com a Tandara, que teve sua chance nos dois primeiros jogos e como não correspondeu nem entrou contra a Coreia. Mesmo achando que ela (Tandara) não é jogadora de seleção, o técnico poderia ter deixado ela jogar mais vezes, afinal ela preferiu ela à Mari. Além do mais, a Natália entrou e não fez nada, não atacou uma bola sequer. Acho que a Tandara seria mais útil que a Natália numa situação daquelas, né? O que adianta colocar uma jogadora se ela não pode fazer nada dentro de quadra? E, sabendo dessas limitações, por que ele ainda insistiu em levá-la? Se ele realmente não for usá-la nos jogos quero ver o que que ele irá dizer para todos, porque nos últimos tempos ele só falava o quanto a Natália é fundamental para seleção.

      • Naty

        Falar do “se” é muito fácil….
        Mari podia ir e arrebentar, como também poderia ir e não jogar nada, como foi na Superliga…ou já esqueceram do papelão que ela fez no RJ?…..
        O ZRG arriscou….dessa vez pode não estar dando certo, mas arriscar e encarar um desafio é para vencedores…..não é a toa que ele é bi campeão olímpico….
        tem gente que fica só esperando o tropeço dos outros para extravasar as frustrações….

        • Héllenne Vivian

          Concordo Naty, eu quero que esse grupo limitado leve a medalha de ouro, pra isso elas precisam apenas jogar o nosso voleibol: cobertura quase perfeita, poder de superação ao perder 2 sets e virar no tie-break, tirar diferença de placar, bloqueio que a Thaisa e Fabiana vinham apresentando em outros campeonatos, saques poderosos da Thaisa, não perder contrataques e velocidade.

        • Nathy

          Eu não estou desmerecendo o trabalho do Zé. Respeito tudo o que fez e representa no vôlei. Também acho que ele tem que arriscar, sim, mas o que adianta ele levar uma jogadora se recuperando fisicamente, fora de ritmo e que tem limitações por causa disso? Até há umas semanas dos jogos, os saltos que a Natália dava eram contados por dia.
          Eu não criticaria o corte da Mari se fosse para ele levar uma jogadora que estivesse “voando”, porque a Mari não estava bem há algum tempo. Durante a superliga, ela sofreu com lesões recorrentes e também não se apresentou bem. Não é desculpa, porque tem jogadores que mantém o bom desempenho mesmo lesionados e com dores. Não sei se o resultado seria diferente se a Mari estivesse lá, é difícil dizer, mas também acredito que não. Afinal, não basta uma jogadora para se formar um time vencedor.

          • Carlos

            é, mas tem gente pior que a Mari ali. Para mim tinha q estar Gabi e Brait, Mari já seria lucro. Mas levar Tandara e cortar a Mari, doeu até a raiz do cabelo.

          • Fabio

            Gente vocês viram a mesma superliga que eu? A Mari não estava 100% mas não foi esse desastre todo! Não esqueçam que o Unilever foi vice-campeão! Coisa que nem a Garay nem a Paula foram! Isso é radicalismo. Unilever perdeu pro melhor time somente, que por sinal contava com a Hooker, jogadoraça!

          • Caco

            Fábio, segundo me consta, Superliga e Olimpíadas são duas coisas completamente diferentes…

          • Caco

            Decepcionante! O que vier agora é lucro… Se não conquistar os 3 pontos contra a China, já era. O ponto perdido, ou melhor, doado para a Turquia no primeiro jogo pode fazer total diferença no final. Por que o Zé cortou a Mari? Não estou defendendo a atleta em si, mas se é para não colocar a Tandara, que levasse a Mari. Em Olimpíadas tudo muda. Viram a atuação do vôlei masculino? Também não estavam jogando nada e estão se recuperando em Londres. Grandes jogadores se superam nesses momentos. E a Fabíola? Se nem Ricardinho com 2 meses de treinamento consegue decidir os jogos, a Fernandinha consegue? rsrsrs

          • Fabio

            Ok Caco, mas no momento em que usam a superliga como justificativa para cortar a Mari, estão fazendo a mesma confusão! Então serve de parâmetro pra corte mas não pra permanência? Que lógica é essa?

          • lucre

            QUERIDA VC ESTÁ COMENTANDO ISTO HOJE QUE UMA ÚNICA JOGADORA NÃO FAZ A DIFERENÇA QUE JOGO VC VIU ?

            PORQUE JOGAR CONTRA CORÉIA É JOGAR CONTRA KIM , SINAL QUE UMA ANDORINHA SÓ FAZ MESMO VERÃO !

        • Calio

          Eu não concordo com teu raciocinio…

          Primeiro q não estamos em laboratório para arriscar… isso é vida real, ele é tecnico de uma seleção, representa uma nação, deve pensar, e muuuito bem, antes de tyomar qualquer decisão. Me parece q n ocorreu isso. Houve algo A MAIS.

          Outra, ainda q natália fosse uma semideusa, ela está muito tempo sem atuar… não será em 10 dias q ocorrerão milagres – óbvio. É raciocínio lógico.

          Tandara não tem atuação, não tem levada, decisão. Se for pra levar alguem para ficar no banco, q leve qualquer um, mas deles os que, historicamente, tiveram boas atuações. Tandara é jogadora de superliga, não de olimpiada. Não aparece.

          Em se tratando de levantadora, existe alguma lógica para afastar a melhor levantadora da superliga nacional? Se a maior COMPETIÇÃO NACIONAL não revela jogadoras na posição, onde acharemos?

          Não existe lógica, coerência e técnica nisso. Por mais que seja um bicampeão olimpico, deve existir bom senso. Se for pensar assim, por que mari não seria convocada? ela é campeã olimpica tmbm, e fez ótima atuação em pequim 2008? quanto a tandara….só superliga…

          Brait foi a melhor libero da última superliga, como pode um técnico afastar de sua equipe uma revelação, que ta “quente”, saiu do forno?

          Nessas confusões, não aposto em história, títulos, se assim for boa parte da seleção cairia por terra. E mari seria levada. Ou apostamos corretamente e inserimos na seleção as melhores jogadoras da maior competição nacional, ou incluimos pelo historico delas.

          E quanto ao laboratorio… nem cientistas fazem apostas dessa insensatez… Bola fora, Zé Roberto.

    • Rosa

      Pensei a mesma coisa, Mari foi mal na liga…..mas entrou bem na inversão com Dani Lins e ZRG não tem confiança pra colocar Tandara no jogo. Sheilla, segue intocável, mesmo errando. Pq o Zé não arrisca, colocando a Tandara??? Sei que ela não entrou bem no 1º jogo, mas tem que dar ritmo, pra ver aonde ela pode chegar, pior do que tá não fica…………do jeito que está, vai ser difícil se classificar.
      Essa discussão entre Paulo Coco e Mari, só trouxe prejuízo ao Brasil.

  • OSA

    Foi Humilhante perder pra esta porcaria de Coreia
    Nem o time de novas perderia este jogo

    E essa Fernanda Ferreira, num joga nada, fica forçando as jogadoras, não roda o jogo, não tem leitura, hj ela afundou o time
    A Danielle Lins foi menos pior, conseguiu o milagre de melhorar o time
    Mas Paula Renata Pequeno e Jaqueline Carvalho estavam terriveis, não viravam uma bola sequer

    Enfim hj foi uma Mancha Negra pra historia do Voleibol Brasileiro

    Muito Obrigado
    Jose Roberto Guimarães, por ter levado as piores jogadoras pra Olimpidas
    e deixado as melhores no Brasil

  • Aline

    O grande culpado de tudo: ZE’ ROBERTO GUIMARAES!!! O ridiculo do Ze’ acabou com a selecao feminina psicologicamente, os cortes crueis, dramaticos e inexplicaveis, acabaram como espirito de grupo do time… O corte de FABIOLA em favor da pipoqueira amarelona da DANI LINS e o corte de CAMILA BRAIT para que NATALIA fosse fazer turismo em LONDRES foram de uma crueldade tamanha que acabou com o espirito de equipe. Nao ha’ alegria nas jogadoras, elas estao tensas, incomodadas… Um time sem espirito de equipe nao conquista nada e o Ze’ e’ o responsavel por isso. Ele fez a mesma coisa com a equipe masculina que foi campea em 92, criou um clima ruim, de conflito e o Brasil foi um fiasco em 96.

    • Luiz

      Este foi o problema. Os cortes da Tandara e da Fernandinha não abalariam o time. Ao cortar duas jogadoras quem vinham com o time há muito tempo, ele passou a menságem errada. Ele acabou mostrando para as jogadoras que elas são descartáveis. É só ver o tempo que o grupo do masculino levou para aceitar o Ricardinho. Hoje, eles já estão mais soltos.

      • Héllenne Vivian

        Não tinha refletido sobre isso Aline, concordo. Constato essa apatia de muito tempo, principalmente na Sheila, mas há algo de errado no grupo sim, vendo por essa ótica ele não precisava ter feito esses cortes dessa maneira e sim após fiasco na Copa do Mundo de 2011, ter observado as jogadoras (não convocadas) pelos menos umas 30 e ir fazendo amistosos (deixando descansando as que vinham com regularidades) até o Pré–Olimpíco(mesclar as observadas e as já testadas) e dizer: para Londres vão apenas as 12 melhores e fazer os cortes com muita antecedencia e formar o grupo e ir tendo amistosos até Olimpíada.Planejamento errado, tempo ele teve para isso.

      • Débora

        o corte de Mari e Fabiola é o motivo do desempenho pífio da seleção?acordem, ambas estavam na copa do mundo e no grand prix e a seleção tbm foi patética nos dois campeonatos, o problema é que deixaram problemas extra quadra atrapalharem o desenvolvimento da equipe, o problema é ter uma oposta que nao roda bolas, uma meio de rede ( Fabiana ) que desde que saiu do Rio simplesmente nao joga, o problema é uma Jaqueline fraca no ataque e pecando na única coisa que prestava, o passe…o problema do Brasil nao é cortes…o time ja vinha péssimo desde antes, nao culpem só o Zé, pq nao é ele quem entra em quadra…um time cheio de campeãs olimpicas…cada o talento?a vontade? chamar o jogo pra si?elas sao rodadas e experientes…culpar técnico? acho querer minimizar o problema e nao querer culpar todas as jogadoras que estão muito mal.

        • Patricia

          Não foi tão pífio no grand prix pois fomos vice

          • Héllenne Vivian

            Isso mesmo Patrícia, no Grand Prix, tivemos apenas 2 derrotas para as campeãs do mesmo:

            1 Fase: Brasil 1–3 Estados Unidos 25–20/ 18–25/ 18–25/ 23–25

            Fase Final: Brasil 2–3 Estados Unidos 19–25 /20–25/ 25–20/ 25–13 13–15

            Fomos as únicas que fizemos frente às americanas, as parciais dizem tudo. Logo pífia campanha não procede, só ressaltando que vi as nossas meninas parando a Hooker, tanto que na fase final quem acabou com o jogo foi a MVP: Megan Hodge.

  • Isadora

    Daniel, muito bom seu post. Sóbrio, realista e, de certa forma, melancólico.

    Sobre o que você colocou dos cortes, tenho a mesma impressão. Acho que os cortes de Mari e Fabíola desestabilizaram o pouco que restou da estabilidade do time. Que merecimento teve a Fernandinha por jogar 5 jogos, sem responsabilidade alguma, e já entrar numa Olimpíada de titular? Dani, sempre tão questionada, tá respondendo melhor a pressão. Mari, ao meu ver, não faz falta. Não mudaria situação de jogo. Já Fabíola,teria mais condições de fazer isso.
    Falta entrosamento, falta garra, falta alguém que grite e afronte os adversários.

    As única opções no banco do Zé para o ataque são garay e adê.. é deprimente. As duas meninas, Tandara e Natália, não podem ser crucificadas. O erro está na escolha das 12, começou tudo errado aí, o que não justifica a apatia do time.
    Agora, é vencer ou vencer. Como disse a Jaque na entrevista que deu após o jogo: “é engolir o choro e ir pro pau.”

    • Annie

      Mari sozinha não, mas bote ela e a Gabi, e a Fabiola pra levantar pra elas, q vc veria o desafogo do Brasil.

    • Héllenne Vivian

      Muito bom Isadora foi o que em outras linhas quis dizer acima.

  • Carlos

    Nossa que pena tenho dessas meninas! Eu tinha as minhas dúvidas se elas seriam fortes como os meninos do Bernadinho, agora tenho a certeza que não são! Quando vejo a Tandara e Natália lá sem jogarem, penso: mas pq o ZRG não levou a Mari e a Camilla Brait? Pq não a Gabi?
    Nossa a Fabí não defende nada e a Jacque, apesar de não atacar bem, defende mais do que ela!!!!!
    Não acredito na reação delas, saíram chorosas demais Daniel, vamos trabalhar o ciclo 2016.

    • Héllenne Vivian

      Carlos no Brasil tem mais jogadoras que seriam melhores que a Mari e Camila Brait. Foi perfeita sua observação da Fabi e a Jaqueline.

    • Luiz Santos

      É Carlos, ainda bem que nem as meninas nem o Zé pensaram como voce. Engoliram o choro, foram pro pau e desceram a lenha nas americanas! O Zé entende “um pouquinho” disso, quem diria heim?

  • Luiz

    Se lembram do corte da Mari em 2007? Se lembram como a seleção se comportou no Grand Prix três semanas depois? É só ver os jogos de Londres – parece até reprise. Se o resultado final for o mesmo também, nem pegaremos pódio.

  • Naty

    Algo estranho com essas meninas….muito triste ver campeãs olimpicas jogando tão mal….até Thaisa hoje foi mal….não consigo nem criticar….
    Como você disse Daniel, é muito fácil criticar….os fanáticos vão dizer que Mari mudaria tudo, mas acho que jogadora nenhuma salvaria nada ali….
    Bom, eu chorei quando a Jaque deu entrevista….

    • Luiz

      “os fanáticos vão dizer que Mari mudaria tudo.”

      Não mudaria, mas a inversão de rede com ela e Dani Lins foi maravilhosa no Grand Prix. Se lembra do primeiro set contra a Itália aqui em São Bernardo?

      Se você não lembra, veja. Comece a ver apartir dos 25:30 minutos quando ela entra como reserva:

      http://www.youtube.com/watch?v=utt09KD8yrA&feature=relmfu

      • Annie

        Olimpiada é outra coisa. Tudo pode mudar. Veja duas jogadoras que arrebentaram na última superliga: Jaque e Tandara, não estão jogando nada na olimpiada.

        • Luiz

          Por isto mesmo. Em 2007 a Mari estava toda capenga, mas nas olimpiadas de 2008 arrebentou.

          • Naty

            Queria ver se Mari tivesse ido e o Brasil estivesse perdendo do mesmo jeito….falar do “se” é muito fácil….dizer que a inversão com a Mari estava maravilhosa é um pouco de exagero…..vamos com calma….
            Uma andorinha só não faz verão….o time tem que estar em sintonia….e com Mari ou sem Mari, o time não estava…..

          • Annie

            Complementando, olimpiada é tão outra coisa, q Fernandinha jogou bem no grand prix, e virou quase unanimidade. Já na olimpiada não tá bem.

      • Guilherme

        Perfeito Luiz. Td mundo tinha q ver e rever o final desse set pra saber quem o tecnico deixou no Brasil alegando que ela estava sen cindicoes tecnicas….kkkkkkkk…quem tah bem eh a Jaaquetoco, a sheilla, a fabiana, a tandara…a natalia, que jah mostrou tao impirtante eh pra selecao….contra os EUA, passou pel REDE, recebeu mal e atacou tao bem qto a jaquetoco….e tem fente que acreditou que, diante de tanta animacao do ZRG, teramos no Brasil uma jogadora decisiva e fenomenal como Hooker, Gamova…..kkkkkkkkkagora, chupem aqueles q nao querem ver a realidade….sem Mari, sem podio. Sempre foi assim. E antes de falarem bobeira, vejam o video sugerido pelo Luiz?..ah, depois desse final de set estrondoso, ela nao retornou como titular, viu? Eh ibacredtavel, mas eh assim que diziam que ela nai estava aproveitando as oportunidades….kkkkkk

        • Luiz

          O mais espantoso deste final de set é que as palavras do narrador acabaram sendo proféticas. Antes do ultimo ataque da Mari, a Jaqueline fica no bloqueio, então a Dani da a bola pra Mari que solta uma pancada. Aí o narrador diz: “É bola pra quem vira! É bola pra quem vira!” kkkkkkkkkkkk Ele já estava prevendo o que seria a Jaqueline nesta olimpiada.

          Beijo, Mari!

          • Héllenne Vivian

            Luiz, ficou super claro pelas imagens,kkkk

    • ANA

      “Uma andorinha só não faz verão”? Diz isso para a Kimreia

      • Luiz

        Perfeito. E só a presença dela já assusta. Ontém a levantadora Coreana divou! Sempre que achavam que a bola ia para a Kin, ela soltava no meio. Kim só atacou os pepinos.

        • Naty

          Como vocês falam besteira…..não sabem nem interpretar um comentário…Mari podia entrar no Brasil que nada mudaria, porque o time todo está fora de sintonia, nada funciona….o jogo não sai…
          Kim pode ter feito mais pontos, mas o time todo delas jogou bem (tinha várias andorinhas ali)…..jogou para a melhor jogadora deles….mas se os outros fundamentos não funcionassem, Kim também não faria milagres….

  • Carol

    Disso que dá cortar Fabiola, Mari, me poupe mais Tandara e jogadora de seleção? avá’ até eu jogo melhor que ele, pelo visto so os meninos que vão trazer medalha para o Brasil.

    • Carol

      * ela

  • Carol

    Daniel , ouve alguma razão para a Fabiola ser cortada? Agradeço já a sua resposta (:

  • Fabio

    A Culpa é da Mari! kkkk

    Até longe ela tem culpa, coitada!

    Brincadeiras a parte, Daniel, até gosto da sua posição.
    Agora esse papo de “emocional” já me cansou. Temos que admitir que a seleção que está em Londres é tecnicamente inferior a muitos adversarios. As melhores jogadoras não estão em boa fase e o Zé apostou na loteria levando Tandara novata e Natalia quebrada. Toda aposta tem riscos, e ele apostou no cavalo azarão.

    Não vejo esta seleção reagindo. Hoje mesmo vi um Zé Roberto desesperado, sem banco, sem ponteiras . Não vejo uma jogadora fria, agressiva e corajosa o suficiente pra botar os pingos nos is. Continuo achando que a base dessa seleção deveria ser a mesma de Pequim, substituindo apenas aqueles que já pediram pra sair. Bernardinho fez basicamente isso e olha só o resultado!

    • Nathy

      Pois é. Até fora, dão um jeito de botar a culpa na Mari: o grupo tá abalado por causa do corte dela. Vocês acham que o Zé não considerou isso antes de dispensá-la?

      • Fabio

        Nathy, eu não sei o que o Zé considerou nos cortes. Todos foram bizarros e sem muitas explicações objetivas. Aconteceram no aeroporto, na lavanderia, na padaria, etc.

        Assim fica difícil apoiar as decisões do técnico.

        Eu, como torcedor, sinto falta de uma jogadora no perfil da Mari, mas é claro que ela poderia estar lá e o time ainda assim ser um fiasco. Agora verdade seja dita, o time do Grand Prix não estava bom, mas não dava tanta vergonha como esse nas Olimpíadas.

        Somos apaixonados por vôlei, e claro que vamos sempre questionar, cobrar, criticar, crucificar, etc. Quer ser técnico sem pressão do povo, só sendo técnico de país como os EUA, que não dão bola pro volei. O Zé sabe mais do que ninguém que está entre a cruz e a espada, fez cortes polêmicos e pagou pra ver. Não é um coitadinho, teve coragem e sabe o que aguarda caso tudo dê errado.

    • Héllenne Vivian

      Concordo Fábio, lamentável essa falta de banco.

  • Eduardo Araujo

    Eita coisa feia, agora me expliquem uma coisa, o ZR convocou a Fernanda no lugar da Fabíola, td mundo sabia que a altura da mesma seria um problema para a seleção, mas muitos comentarias falavam que ela levanta melhor que a Fabíola e daria segurança ao time, não vi ela levantando isso tudo, achei que o Brasil teria que treinar uma nova defesa com a Fernanda na rede, somente tendo 3 meses para isso, fora a falta de entrosamento que a mesma teria com as colegas, mas hj quando ela finalmente estava jogando bem o ZR tira ela pq a mesma estava tomando vários overs das atacantes da coreia, será que somente ele não viu que isso iria acontecer??? se vai tirar ela quando a mesma esta jogando bem por causa do tamanho então pra que levou?? pra fazer compras???
    Mesma situação da Natalia, levou pra que??? como vai pegar ritmo de jogo senão joga??? nesse caso levasse a Mari como oposta e colocasse a Tandara como ponteira, assim como ela jogou essa temporada no Sollys teríamos ao menos uma atacante que da porrada na bola!!!
    Agora no 2 set a fabi estava dopada, fez varias defesas ótimas, mas no 3 set voltou ao normal, ainda acho que a Brait seria melhor e ninguém pode falar da recepção do Brasil, pq acreditem temos a melhor recepção do torneio ate o momento!!!
    Não sei se o Brasil vai fracassar, mas grande parte da culpa é sim do técnico ele que convoca ele que treina e ele que escala as jogadoras!!!
    Mas esperar oq de um técnico que da uma entrevista para o Sportv falando que para um time ser campeão olímpico tem que ter ajuda dos deuses do vôlei, quando os técnicos mais vitoriosos do Brasil como Muricy, Bernardinho, o grande Tele falavam que para ser vitorioso tem que ter trabalho, treino e dedicação, ou seja oq esperar de um técnico que não confia no próprio trabalho !!

    • Héllenne Vivian

      Perfeito seus comentários Eduardo.

  • Darci

    Confesso que fiquei triste de ver a nossa seleção levar aquele passeio da Coréia.

    Quero acreditar na nossa classificação, mas fica difícil diante de tanta apatia e ineficiência. Esta equipe, hoje, não consegue ser a sombra do que foi no Grand Prix, apesar de toda a instabilidade demonstrada em tal competição.

    Tínhamos uma equipe talentosa e capaz de superar momentos difíceis. O que foi feito dela?

    Sexta, vou torcer e, talvez, sofrer muito de novo.

  • Leonardo

    Boa noite a todos só gostaria que alguém por favor me responda se a Nathalia não está bem pra ser titular, pois, devido a sua recente cirurgia qual o motivo de levar uma atleta que não pode definir a partida quando mais precisamos dela ?

  • bruno

    faltou mari,essas ponteiras e opostas nao viram uma bola é revoltante ver esse time que ganhava tudo agonizar por uma vaga nas quartas,no caso das levantadoras o futuro do volei brasileiro é assombroso!!!

  • Rafa

    Parece que alguém rogou uma praga sobre a seleção feminina!!
    Não tem lógica a falta de produtividade das jogadoras…
    Concordo com você, Daniel, elas não desaprenderam a jogar.
    Uma frase do Marco Freitas, do Sportv resume bem a situação em que o time se encontra.
    Em certo momenteo ele falou que a Kim parecia estar jogando contra um time juvenil tamanha a facilidade de atacar…

    Pra mim esse momento da seleção começou no momento que nossas ponteiras começaram a se lesionar. TODAS machucaram-se em algum momento no ciclo olímpico. E elas não conseguiram retornar com constância pra seleção. Somado a isso, a indefinição das levantadoras até o último momento tirou a confiança de Fabiana, uma jogadora espetacular que não está decidindo mais. E pra piorar Thaisa nao consegue bloquear nessa olimpiada…

    A situação está feia mas ainda acredito que temos condições de subir no pódio, mas a reação das meninas deve ser veloz e drástica se elas querem mesmo defender o título.

    • lucas

      subir ao pódio? Caia na real, o Brasil não vai nem passar pra próxima fase.

      • Héllenne Vivian

        Se continuar jogando voleibol (aquecimento) não passa mesmo, mas acredito que não será fácil 3×0 na China e na Sérvia, as chances são remotas com essa apatia e erros infantis.

      • Pedro Henrique

        Nunca diga nunca! Mania de brasileiro ser pessimista. Elas só não subirão ao pódio quando no último dia de jogo elas tiverem em último ou penúltimo. ESPERANÇA É A ÚLTIMA QUE MORRE!

        • Guilherme

          Eh….igual esperar no ultimo momento pra inscrever a imprescindivel Natalia…vai nessa de esperanca, com esse tecnici maluco q deixou algumas jogadoras sefinidoras no Brasil. Alias, a sekecao volrarah bem cedo pra casa….kkkk

  • nani

    Sim o técnico tem grande parte de culpa….Ele fez escolhas erradas, levar uma jogadora que esta sem ritmo de jogo e outro que não fez parte do ciclo olimpico (fernandinha). Pra mim foi os dois erros do Zé Roberto. Deixar a Mari com experiencia olimpica para levar a Tandara e Natalia…..isso não tem explicação e pelo que parece as jogadoras ficaram chateadas com o corte dela….estão jogando sem alegria, o melhor que o Zé faz é sair da seleção e dar lugar a um treinador mais novo…

    • Héllenne Vivian

      Não concordo quando se fala em experiência. Exemplo, Atlanta 1996 quer mais experientes que Ana Flávia que desde os 15 anos já integrava a seleção, Ana Moser desde o juvenil?Quer mais experientes que elas que conheciam as manhas cubanas? Desde as categorias de base se conheciam as cubanas e cairam nas provocações cuabanas(falta de experiencia não foi e nem falta de experiencia olimpica).Tem que levar quem joga bem no momento e não vai jogar bem um dia!Competições exigem preparo e dedicação para vir resultados e não achar que a medalha vem por WO.A questão que a tática não está correta jogo a jogo, melhor momento do Brasil foi o 3 set contra as americanas, só faltou parar a Destinee Hooker e mesmo assim as vencemos no set.O time precisa ter prazer em defender o país e manter o título.

  • Aline

    Mari nao iria fazer a diferenca nessa equipe, afinal de contas na COPA DO MUNDO a MARI foi pessima, o problema e’ o tecnico. Ze’ ROBERTO acaba com a equipe, foi campeao em 92 no masculino e acabou com a equipe dando vexame em 96. A mesma coisa aconteceu no feminino acabou com a equipe… E’ a especialidade dele. Hugh McKeaton , tecnico dos EUA e Barbolini, tecnico da ITALIA, poem esse Ze’ no chinelo.

    • Luiz

      Na Copa do mundo a Mari estava com um problema no abdomem. Já no Grand Prix deste ano ela jogou bem melhor. E foi a única digna no jogo contra os EUA aqui em São Bernardo. O resto tremeu.

      • Annie

        “O resto tremeu” É isso aí, Luíz.

        • Héllenne Vivian

          Não concordo que estes técnicos põe Zé no chinelo, a seleção americana conseguiu reunir um plantel onde as reservas estão altura das titulares e ele vem alternado algumas jogadoras, mas é mérito da Lang Ping que revelou boa parte delas e dos países que possuem clubes, a Hooker até bater na paralela bem está fazendo, onde foi que ela aprendeu? Brasillllllllllll; o voleibol italiano sempre foi forte em clubes, em seleção vem se destacando a pouco tempo , com uma boa safra de jogadoras, mas mérito delas também, lembrando que em Olimpíada estes não ganharam nada e Zé sim.A Mari faria diferença no saque, mas foi acertado seu corte, o que não foi acertado foi a maneira e as que ficaram na lacuna das não convocadas.

          • Naty

            Perfeito!

  • Rogério Reis

    Sinceramente a única surpresa até o momento foi a vitória sobre a Turquia. Quem acompanha o volei feminino mundial sabia que a situação da seleção brasileira era muito difícil. Mari não faria diferença, acho que nem Fabíola. José Roberto Guimarães errou ao não começar uma renovação mais ampla no início do ciclo olímpico. Talentos nós temos, e quem realmente assiste a Superliga sabe disso. Tentar tirar uma levantadora da cartola há um mês da olimpíada mostra bem como foi nossa preparação.

    • Annie

      O velho na seleção é o Zé. É ele que deve sair. Veja o exemplo do masculino. Bernardo está valorizando os experientes e apostando neles, que estão correspondendo, e são mais velhos que as meninas experientes do feminino.

  • César Castro

    Boa noite a todos

    Até como torcedor, a gente amadurece. Em derrotas como essa, eu já chorei, já fiquei deprimido e já xinguei jogadoras, técnicos e até o vento.
    Mas a gente amadurece.
    Eu só pude ver o terceiro set.
    Vi a Coreia virando bola facinho. Vi coreanas dançando no banco. Etc, etc, etc.
    Enfim, vi o que todo mundo não queria ver.
    ……………………………………….#………………………………………………………..
    Mas vi também as brasileiras se esforçando pra jogar bem, tentando se motivarem e disputando cada bola como se fosse a última.
    A seleção está mal, mas ninguém que use a cabeça de verdade, sem bairrismo e vaidades tolas, é capaz de dizer que quem ficou no Brasil mudaria “de certeza” o panorama atual.
    ………………………………………#………………………………………………………….
    O ZRG precisa trabalhar o emocional das jogadoras e retrabalhar nesses 02 dias a parte técnico-tática. Ele, mais do que ninguém, está preparado pra isso.
    Nós torcedores precisamos apoiar como também dar pitacos, mas usando o respeito que nossas jogadoras merecem.

  • Beto

    Triste, mas esse foi o pior jogo que vi da SFV desde, pelo menos, 2002.

    Ninguém se salvou. Não dá para apontar uma jogadora que teve garra, que buscava as outras jogadoras do time, que pedia atenção.

    Foi impressionante. Uma jogadora sacava muito bem, quebrando a recepção do time adversário. A bola voltava para a quadra brasileira. Tínhamos tudo para fazer o ponto. O que acontecia? Ao voltar, a bola caia na quadra BRASILEIRA.

    Eu nunca vi isso acontecer com SFV. É uma situação desesperadora, triste, decepcionante, frustrante!

    O time não tinha confiança nenhuma. O time não sorria. O time, em momento algum, teve lampejos de que iria TENTAR reverter a situação. Parecia para todas as jogadoras que a derrota iria acontecer de qualquer jeito, independente se jogassem bem ou mal. A derrota estava ali, estampada na cara de cada jogadora.

    Qual foi última vez que vimos a Thaisa sacar tão mal? Qual foi a última vez que vimos a Thaisa não marcar um só ponto de bloqueio? Qual foi a última vez que vimos o time errar dois saques flutuantes seguidos? Qual foi a última vez que a jogadora de meio não se entender com a levantadora? Qual foi a última vez que vimos que a levantadora jogar cinco vezes seguidas para a mesma atacante?!

    Complicado. Este time não tem mais ânimo, a moral está baixíssima.

    Nós como torcedores perdemos as esperanças, porque sabemos que os outros times estão jogando o fino da bola. E não temem em nada o Brasil.

    Pra nós, SFV, ficou dificílimo.

  • Juro que torci, mas a coisa era meio óbvia, conforme previ no meu último comentário.

    Continuarei torcendo contra o óbvio, já bastante duradouro:

    O problema não está nas jogadoras, mas no técnico, que não conseguiu criar nada de novo num time cuja criatividade vai bem além das suas limitações. Luizomar e Bernardinho que o digam.

  • César Castro

    Em tempo, Daniel, sua lucidez e equilíbrio enquanto jornalista só fazem ratificar minha convicção não apenas de seguir seu blog, mas de torná-lo leitura diária, obrigatória e prazerosa.

  • Adriana

    Estou em choque, rindo de desespero! Nunca pensei em ver a SFV assim, mortas, sem vontade. Temos ótimas jogadoras (algumas outras…bem, prefiro não comentar) capazes de decidir um jogo contra equipes fortissimas (como já aconteceu várias vezes antes), porem hoje não conseguimos ganhar nem da Coréia. O que me faz pensar, sera que determinada jogadora que foi cortada por causar desintendimentos no grupo (não engulo a desculpa da “parte técnica”) causava mesmo essa situação?. Pq o que me parece é que seu corte desmoronou todo o grupo.
    Enfim, não trate como Logan Tom quem te trata como Jaqueline, minha opinião é que o bi foi adiado para talvez daqui mais 4 anos!

  • Annie

    O fato de tantas jogadoras de bom gabarito estarem jogando mal é culpa da comissão técnica. ZRG foi desastroso nesse ciclo olímpico. No começo, desrespeitou as campeãs olímpicas valorizando jogadoras recém surgidas,  como se elas fossem superiores às campeãs de 2008. Instigou a disputa pelas posições como se todas tivessem o mesmo nível e bagagem. Desrespeitou demais Fabiola e Juciely, ao cortar as duas de surpresa em pleno aeroporto. Desrespeitou demais a Mari, de quase 10 anos de histórias incríveis na seleção, que tem lenha pra queimar ainda lá. Cortou-a também de repente, da lavanderia pro quarto. Por fim cortou a Brait em Londres. As outras jogadoras ficaram chocadas, e se sentiram desrespeitadas por tabela, vendo suas companheiras sendo tratadas desse jeito. As meninas têm agüentado tudo e engolido tudo caladas, passivamente. ZRG virou um tirano. A tristeza e o abalo estão se manifestando em quadra. 
    No masculino, Bernardo valoriza seus atletas, e está mostrando que veterano não é sempre sinônimo de ultrapassado, pode ser sinônimo de experiência e confiança. Depende do comando. 

  • Logan

    Mas a Natália saiu da quadra sorrindo. Ela é realmente fundamental para o astral do grupo.

    Não quero ver sorriso na cara de ninguém desta seleção. Quero ver é fogo no olho.

    • Luiz

      Eu também não entendi. Quando ela entrou na ultima inversão de rede no terceiro set, ela também estava sorrindo na rede mesmo depois de a seleção ter tomado um ponto feio. Me lembrou o Robinho pulando no colo do Zidani depois de ser eliminado pela França na copa do mundo.

      • marcos monteiro

        A Garay também estava rindo.E a Jaquetoco batia o pezinho no chao cada vez que errava,Umas graças.(deve ser por causa do Ary Graça).

  • Ana

    Meu comentário é o seguinte: Cade o Sérgio Roswell que jogava volei com sei la quem e sabia tudo de tudo, e previa uma ótima seleçao com a Dandara? Esquecendo um pouco da historia do emocional, dos cortes traumaticos, acredito que enquanto todos no volei evoluíram, nós contínuamos jogando a mesma coisa, não evoluímos, paramos no tempo. É a mesma coisa com a Daiane dos Santos que continua com a mesma apresentação e seus duplos twists carpados e seu brasileirinho há duzentos anos, ganhou uma medalha daquele jeito e achou que iria continuar ganhando fazendo a mesma coisa, não evoluiu e se acomodou. Acho que esse pode ser o caso da seleção feminina de volei, todas se acomodaram… Enfim.. não sei, não trabalho com volei, não sou especialista, sou só uma apaixonada pelo esporte e me esforço para acompanhar o esporte. Não sinto falta só da Mari, sinto saudade da Walewska, da Fofão, da PP4 e da Sheilla de 4 anos atrás.
    Acho que não da pra ficarmos tanto na especulação se elas estao tristes por causa disso e daquilo e sim buscar entender por que se acomodaram e nao evoluiram.

    • Logan

      Não é questão de evolução. É de envelhecimento também. Sua comparação com Daiane dos Santos não faz sentido: ela é uma senhora do esporte de meninas que chegam ao auge aos 16 anos. Daiane fez muito só pelo fato de competir em Londres. O auge dessa seleção foi há quatro anos e muitas não conseguiram manter o mesmo vigor por lesões e outros problemas. Cirurgias pesam. Idade pesa. Tem que saber se cuidar muito para se manter em alta num esporte com o vôlei.

      Daniele Scott-Arruda é raridade. Artamonova também.

      • mari diva

        Pelo amor de Deus, so falta falar que esse time ta velho. Podem procurar desculpas onde quiserem, mas nao na questao da idade das atletas. Toda a base da equipe que tinha seus 20 e poucos anos em Pequim, ta com 28, 29 anos agora. Isso eh estar velho??? Alem de Dani Scott e Artamonova, temos Sokolova, Picinini, a propria Logan Tom, todas com mais de 33 anos e em belissima forma fisica. O problema é essa comissao, que ha anos destroem os ligamentos das atletas. TODAS as ponteiras desse ciclo olimpico se contundiram seriamente em algum momento. E isso sim, nao eh normal. Quanto a idade, todas elas, se bem preparadas, ainda poderiam jogar mais uma olimpiada. Ze roberto e Paulo Coco deveriam ganhar o premio Nobel da Quimica. Conseguiram em 4 anos transformar ouro em merda!

        • Kinha

          “Ze roberto e Paulo Coco deveriam ganhar o premio Nobel da Quimica. Conseguiram em 4 anos transformar ouro em merda!”

          Ri litros aqui!

  • LEANDRO

    Daniel, concordo com você, é muito fácil “bater em cachorro morto”, mas a realidade é que os maiores culpados disso tudo é o Zé Roberto por não promover a renovação do time depois de Pequim e do Ary Graça.

    • Annie

      Renovar? Tirar Mari, Sheilla e Paula? Tá louco? Tem que mantê-las e mesclar com novas, porém novas certas, como Gabi, não Tamdara. Bernardo manteve Giba, Dante e Murilo e mesclou com wallace e Vissotto, por exemplo.

      • Raphaela

        Concordo plenamente. Tem que manter as experientes e mesclar com as novas que são craques.

      • Concordo Mari, Sheilla, Adê e Thaísa devem ficar, já o resto que fiquem só em seus clubes.

    • Héllenne Vivian

      Leandro as americanas não tinham conquistas expressivas porque eram estudantes de educação física(universitárias em geral) e raras as que seguiam em clubes e constante mudança de técnicos e é de conhecimento geral que voleibol não era valorizado como basquete e beisebol, porém de uns anos para cá tem crescido muito o voleibol , até clubes sendo montados em muitos estados; o que eu quero dizer que a culpa não é do Zé e do Ary, este último até culpo em parte, vai um pouco além, é do governo que inclui educação física de forma alienada, sou de um colégio que era assim: meninos jogavam futebol, futebol , futebol ( o ano todo), os meninos que não gostavam ficavam vendo o jogo, quando o professor bem queria dava uma bola de vôlei para estes passar tempo. Para nós meninas, era handebol e eu louca para jogar basquete, mas não deixavam. Tanto para meninos e meninas a avaliação era o que?Isso mesmo: teste de Cooper, só nos jogos estudantis da cidade que se formavam os times, eram panelinhas você nem sabia como se inscrever, é preciso deixar o estudante escolher as modalidades para trabalhar e incentivar, até mesmo se quiser praticar todas as possíveis também incentivar, tive uma colega que foi vice-campeã mundial de karatê (primeira competição internacional dela), mas foi na escola que ela praticava? Não, foi na academia que o pai tinha.Precisamos fazer Leite Moça´s, BCN´s, Rexona´s, Ulbra´s em todos os Estados Brasileiros, não só concentrar o times no sul e sudeste e ano a ano as mesmas equipes, só modificadas pelo ranking.Com um trabalho sério nas escolas, até mesmo esses atletas de destaque indo lá fazer palestras, sonho em ver TV só de vôlei, porque grandes atletas do volei não serão conhecidos porque falta mídia especilizada(parcela de culpa do Ary , Nusmann e cia), volei só se tornou pouco mais popular graças a Luciano do Valle; exemplo: podem consultar no google: Vera Mossa, ninguém vai encontrar de cara só falando da Vera, vai sempre aparecer associada a ser mãe do Bruninho e ex-esposa do Bernardinho, não vão saber de cara que foi com 15 anos a uma Olimpíada, fez parte da primeira geração profissional de fato, ou seja, cobramos muito para um dia esquecê-las.Peço desculpas por girar no assunto, o sono também contribiu (risos), a renovação também depende de nós, se mostrarmos para nossas crianças o esporte como caminho lindo e nele oferecer preenchimento que algumas gerações buscavam e enveredaram para as drogas, criminalidade e etc.

      • Darci

        De fato, a prática esportiva nas escolas brasileiras é uma piada de péssimo gosto!

  • Paulo H.

    O grande culpado é o técnico. Convocou errado, escalou errado e acabou cavando a própria cova. Não sabe mais o que fazer, e está totalmente perdido e sem opções, pois ele mesmo não as levou.
    Temos uma levantadora previsível, fraca tecnicamente e baixa. Paula Pequeno e Jaqueline não aguentaram a pressão. Fabi, está perdida no meio do ataque que não ataca, da recepção que não recebe, da levantadora que só manda bola quadrada pras atacantes. Thaisa, não ataca, não bloqueia, não defende… Dani Lins, só entra pra fazer a inversão ou quando a vaca já foi pro brejo…. Tandara, foi pra esquentar o banco de reservas. Fernanda Garay, entra no time porque o técnico já não sabe qual erra mais, ou a Jaqueline ou Paula Pequeno, e mesmo assim, não dá conta. Fabiana, perdida no meio do time, não ataca e nem defende direito. Sheilla, talvez a mais competente, mas não rende porque Fernandinha não é uma levantadora com capacidade técnica e insiste em jogadas previsíveis e lentas. Adenísia e Tandara, só foram pra fazer volume, pouca capacidade de decisão. Natália, convocada por compaixão; só entra pra sacar e nessa última partida foi colocada já com o time esperando o tiro de misericórdia, e até ela entrar no ritmo que o Zé Roberto deseja, já estaremos eliminados.
    Há alguns anos que não vejo uma seleção feminina tão perdida assim….Desse jeito, é melhor voltar pra casa…

  • SOU + SELEÇÃO

    É lamentável a atitude dos brasileiros em relação aos nossos atletas e técnicos. Não vejo nenhum problema em criticar o desempenho de um atleta durante um jogo, o que é lastimável é ofender de forma pessoal, é falar do caráter e da vida pessoal (que não tem nada a ver com jogar mal).
    Ainda mais lamentável é usar a internet para ofender atletas, (que, aliás, é coisa de gente covarde, porque nenhum deles tem peito de falar isso pessoalmente, se escondem atrás de um nome falso) como aconteceu com a judoca Rafaela Silva via twitter (volta para jaula que é seu lugar macaca), ou como fizeram com Jaqueline postando um comentário (Ela não serviu nem para segurar o menino na barriga, vai servir para jogar) Que Absurdo!!! Que coisas terríveis de se dizer a um ser humano!!! O que isso tem a ver com esporte?
    Vendo tais atitudes só consigo pensar como a maioria do povo brasileiro é muito pobre de espírito e sem nenhuma consideração pelo próximo!!! Atleta não tem obrigação de ganhar medalha, eles apenas precisam lutar até o fim. “Isso já faz deles grandes vencedores!”
    Os brasileiros deviam demonstrar tal indignação na hora de cobrar retidão e resultados dos nossos políticos, que roubam nosso dinheiro que deveria ser destinado para esportes e educação. Quem tem que cobrar alguma coisa de nossos atletas e técnicos são os patrocinadores, que pagam o salário deles e não um bando de desocupados que deviam estar estudando ou trabalhando para se tornarem alguém na vida.

    • Naty

      Concordo…aqui mesmo tem muita gente exagerando nas críticas as jogadoras, à comissão….respeito em primeiro lugar….exigir, cobrar, faz parte….e é claro que é terrivel ver as jogadoras perdendo e sabendo que podem jogar melhor….deve ser muito frustrante para elas…

      • Héllenne Vivian

        Ofender e humilhar atletas não devem ser considerados e ainda bem que há moderação nos poupa de ler tais absurdos. Me aborreço vendo os erros bobos das jogadoras, porque quero que acertem, eu acompanho desde garota a evolução do voleibol, as madrugadas na BAND era habituada, vi Leila jogar muito no Grand Prix de 1995, vibrou e no qual saimos perdendo e,m 2 sets para as americanas que renovaram e vieram forte(Tonya Williams e Elaine Oden arrebentando), porém empatamos, eu chorei com esse empate em sets, no final perdemos, mas só essa vibração e superação valeram mais que o título, quando vejo uma representação posterior jogar mal, sem aquela garra cobro muito, mas respeitando as atletas e como foi dito por Sou+Seleção: não temos essa gana de fiscalizar e cobrar dos nossos representantes na política.Realmente elas não tem que ganhar medalha alguma, mas devem representar muito bem o Brasil e elas lutaram, mas não mostraram tudo que elas sabem.

  • lucas

    A entrevista da Thaisa pro SporTV depois do jogo mostrou muito bem o que todos nós sabemos: As jogadoras que foram cortadas (Mari e Fabíola) foram as responsáveis pela queda de rendimento do grupo… As meninas não engoliram o jeito com que Zé tratou as garotas com história na seleção de maneira tão brutal.

    e pra quem nao viu a entrevista, Thaisa deu uma bela cutucada nos levantamentos e nas ponteiras que nao viravam bolas… sem falar nomes, é claro.

    E pro pessoal que ta comentando acima falando que Mari e Fabíola não fariam diferença, acordem. Elas, juntamente com Sassá, foram fundamentais durante esse ciclo olímpico e não mereciam isso.

  • robert rj cidade de deus

    Daniel,há um tempo reparei algo que vem me incomodando,o padrão de escolha de ponteiras nas equipes brasileiras em geral seja em clube ou seleção está muito abaixo do que é o vôlei feminino hoje em dia,no brasil jogadora que possui mais de 1,85 de altura são 90% das vezes centrais,sei que temos jogadoras de muita habilidade mas a seleção necessita de ponteiras nesse perfil também..Outra coisa é o saque,se o brasil em pequim tinha as jogadoras no auge da forma e os mais variáveis saques de diferentes modos mas bastante efetivo,nesse ciclo só se vê o brasil passando a bola pro outro lado,jogadoras experientes errando saques infantis..Mas isso é fruto do mal planejamento que vem desde o Pan americano quando o Zé roberto resolveu levar a seleção feminina principal para os jogos (competição que poderia ganhar ouro com o time B tranquilamente) para que duas semanas depois elas jogassem uma Copa do Mundo dificílima e nem conseguir uma classificação antecipara para os jogos olímpicos!!LAMENTÁVEL…

  • João

    TIME SEM ATAQUE, SEM BLOQUEIO, SEM PASSE, SEM NADA…

  • daniel

    Um dia muito triste. Doeu ver o sofrimento delas no fim da partida. Gostaria apenas de elogiar a coragem e o respeito que tiveram ao dar entrevista logo após o jogo. Muitos teriam fugido.

  • João

    Acho que o Brasil irá se classificar – em 4º lugar… Pena que vai pegar a Rússia e irá para casa mais cedo… é uma pena que todos nós já esperávamos isso… O(S) problema(S) do time é (são), principalmente, o ataque, devido à falta de vontade de ganhar… Isso mesmo!!! Uma coisa é ter vontade de ganhar e a outra bem diferente é querer ganhar… Elas querem ganhar, mas a falta de vontade, de garra de sangue nos olhos reflete neste ataque que é simplesmente o pior da competição. Já assisti aos outros jogos e vejo como as ponteiras passadoras são decisivas. Vejam, por exemplo, os EUA, que hoje entrou com uma ponteira reserva e não alterou em nada seu rendimento, vencendo a China por 3X0, sem contar com outras seleções que têm ponteiras simplesmente fantásticas como Kim (Koreia), a China e todas as outras, menos o Brasil… A Jaqueline até tenta, mas é umas das piores ataques do mundo; não entendi o que aconteceu com a Paula, pois parecia a Jaqueline; Já a Fernanda Garay, que parecia ser a solução, foi bloqueada seguidas vezes e teve que ser substituida pela Paula; e pra piorar, Natália, que não atacou nenhuma bola até agora… Dá pra piorar???? Como é que se leva para as Olimpíadas um time sem Ataque…Esse é o problema: o espírito de ataque, pois Cuba anos 90 nunca teve o melhor passe dos campeonatos que disputou, mas vencou quase todos eles… Se elas despertarem o espírto agressivo, de atacante mesmo, estou certo de que ganharão até dos EUA, mas enquanto tiverem medo de atacar, de vencer com vontade, nao serão classificadas e terão o pior rendimento do Brasil em 20 anos!!!! O que vocês acham???

    • Guilherme

      Desculpe, mas nao creio seja falta de vontade de ganhar. Eh falta de competencia das atacantes. Privilegiou se a recepcao, o fundo de quadra (com Jaquetoco, principalmente), se esquecendo que jogo se ganha com bola na quadra do adversario. Pequim mostrou isso, com Mari e Paula, q nunca foram boas passadoras (enbora Mari tivesse termibado as Olimpiadas em sexta melhor recepcao), mas excelentes atacantes, q duvidiam, pontuando na mesma media q a oposta, Agora, eh tarde. A m. tah feita….

      • João

        É muito complicada a situação do volei feminino… Dificilmente eu vejo esta seleção indo longe com a Jaqueline em quadra… E não é implicância minha não… Eu jogo volei e tenho 1,66 e consigo atacar razoavelmente bem… Ela tem 1,86 (caramba!). Ela ataca como se tivesse a altura da takeshita, a menor em quadra… Infelizmente, é o que eu digo: falta vontade, garra, como se via nas seleções de 96, 2000 etc… Não levar a Mari foi uma das piores decisões tomadas pelo técnico e o que é pior, levar Jaqueline e Natália pelos motivos já discutidos e rediscutidos nas redes sociais. Pra vc ter uma ideia, o Marco Freitas diz que falta uma derrubadora de bola… Mas quem seria essa jogadora????? Jaqueline?? Paula? Garay? Natália? Tandara? Sinceramente, nem a Sheilla está jogando mais, atacando pra fora algumas vezes e errando bolas que eu nunca a vi errar. Para mim, desde 1996 este foi o pior jogo da seleção feminina de volei!! Concorda?

    • Mauricio

      tb andei pensado muito no que vc disse sobre “a vontade de ganhar e querer ganhar”. parece que esse time não quer mais provar nada a ninguém, depois do ouro de 2008. se em 2004 foram chamadas de amarelonas, 2008 lavou a alma de duas, três gerações do vôlei feminino.

      londres 2012 tá parecendo as merecidas férias que elas não puderam curtir em pequim.

      mas vou parar por aqui porque o emocional anda prevalecendo sobre o meu racional e não quero falar besteira e cometer injustiça.

      • João

        Isso mesmo!!! O time não tem garra, vontade… As atacantes estão visivelmente com medo de errar e erram… No voleibol não se pode jogar com medo do adversário ou ele te engole por 3X0… É isso que está acontecendo: jogar com medo a farão voltar para casa mais cedo… Somente com uma mudança de atitude e espírito de equipe é que elas poderão superar esta crise…. Se passarem para as quartas pegarão a Rússia e aí……. Só uma milagre para salvá-las

  • marcos monteiro

    Se o time não joga porque esta sentido com o corte de duas jogadoras então tem que cortar o salario delas.Onde esta o profissionalismo dessas criaturas?Quer dizer então que elas decidiram ser eliminadas da Olimpíada por causa do corte da Mari e da Fabíola?Se isso for verdadeiro que essas criaturas nunca mais vistam a camisa da Seleção Brasileira.Com o Marco Aurélio foi a mesma coisa, e incrivel ,o tecnico da Turquia foi mandado embora depois de um jogo em que a SFV perdeu para a Coréia.

    • lucre

      Uma coisa precisamos entender não estamos lhe dando com robôs as meninas tem sentimentos , vi a entrevista da Sheilla no final da superliga 2010 quando após a conquista , foi perguntada pelo repórter o segredo de estar tão bem e ela respondeu , estou de bem com a vida , feliz com todo grupo e isto se reflete na quadra .
      Sabe fico pensando que no nosso mal dia , no dia da insegurança , da insatisfação , da tristeza , tivesse uma câmera filmando o nosso momento de pressão , quantas bobagens cometeríamos .

      Outra pergunta me ocorre o ZRG é formado em psicologia ? Porque o Conselho Regional de Psicologia deveria provover um protesto contra nosso treinador , visto que ele se sentiu tão capacitado para substituir uma profissional da área e ele mesmo “cuidar” da cabeça das meninas! FICA A DICA!

  • Douglas

    Não me lembro nunca de ter visto o Brasil perder pra Coréia. Pelo menos desde qdo acompanho vôlei.
    Volto a repetir: É ridículo essa panela sem explicação q o Zezão Roberto montou. Uma líbero que não defende e passa NADA (e tem gente q acha q aquela bola q pegou com pé a faz a malhor kkkkkkkk), leva uma atacante q não joga há 8 meses, com coisa q vai entrar e resolver e uma levantadora mão de pedra, Dani Lins. É de rir né.
    Não quer dizer q se Mari, Fabíola Alexandre Oliveira e Camila Brait ganharia fácil. Mas com certeza não seria tão vexatório como foi. Novamente o Zezão pagando caro por suas escolhas. São coisas totalmente sem explicação. A Fabíola tinha um bom entrosamento com todas as atacantes. A Mari pode não tá no melhor de sua forma, mas é experiente, poderia entrar e decidir. Ela tem personalidade. É TOTALMENTE ridículo e lamentável. Nunca vi uma panela tao mal feita. Lamentável!

  • Sidnei

    Tem que demitir este técnico Zé Ruela no saguão!!

  • Marcio

    2012 acabou hoje. Lamentavel. E que a CBV reflita com calma a respeito da proxima comissao tecnica, que vai ter que começar tudo do zero. Sugestao: Hugh McCuteon. Se a CBB trouxe o Magnano qual o problema de a CBV trazer o kiwi/yankee?

    • Carlos

      Boa ideia!! O ZRG é um excelente técnico, mas acho que fez opções erradas e eu confiando nas escolhas dele. Fala sério! Vou dormir para esquecer!! Força meninas do Brasil!!

    • lucre

      Meu querido Márcio, pra mim toda esta cagada do ZRG tem o dedinho podre do Ary Graça , visto que assim com o ZRG já divulgou, todas as decisões que toma são comunicadas e aprovadas pelo Gracinha ….. Aliás a seleção está uma gracinha!

  • Adriano

    Daniel, não teria porque ser 1º de abril. O Brasil perdeu por 3 x 0 para um time limitado, mas muito esforçado, muito organizado, que tem se apresentado bem nessa competição, que conta com uma excelente jogadora e outras que cooperam para que ela possa matar os pontos. Mas o Brasil é um time desorganizado, apático, claramente os problemas técnicos refletem o emocional. Porque o Brasil tem jogado não só muito abaixo: ele tem errado as coisas mais simples, mais básicas (coisas como as que dava pra notar errarem Argélia e Grã-Bretanha quando se enfrentaram). Então, é isso. Acho que o Zé Roberto, a comissão como um todo, e as jogadoras, estão plantando o que colheram.

    Vale lembrar que o Brasil ainda depende só de si para se classificar (são umas continhas meio chatas de fazer, envolvendo rateio de sets e tudo mais, mas me dei ao trabalho), contanto que vença os dois próximos jogos por 3 x 0. Mas isso torna-se quase irrelevante num momento como esse.

    A título de curiosidade: alguém lembra qual foi a última vez que o Brasil havia perdido por 3 x 0 para a Coréia? Foi a última vez que o Brasil *perdeu* para a Coréia. Foi no GP de 2003, quando Brasil estava num grupo de 6, tendo como principais adversários da época China e Rússia (que acabariam sendo campeão e vice daquele torneio). O Brasil perdeu para a Rússia, mas ganhou da China (bicho-papão naquela época, ganhou tudo em 2003 e foi campeão olímpico no ano seguinte), precisando apenas vencer a Coréia para passar de fase. O Brasil perdeu para a Coréia por 3 x 0 na ocasião. Alguns dias depois, o técnico Marco Aurélio Motta foi mandado embora e Zé Roberto Guimarães assumiu o comando da seleção.

    • marcos monteiro

      O Marco Aurélio foi boicotado pelas jogadoras ,todas elas comandadas pela Sucurini.

      • Adriano

        Ninguém desconhece isso. Mas o boicote já vinha desde 2002. Ele caiu em 2003 quando o Brasil não se classificou pra fase final do GP, após perder o jogo da Coréia.

  • Russo

    Queridos, preciso dividir algo SUBLIME com vocês! Parem de sofrer, de se martizar, amarguras NO MORE…. Deu no programa do Galvão Bueno no Sportv: O Brasil será bicampeão olímpico no voleibol feminino em Londres pois pasmem!!! segundo Marcus Vinícius Freire, chefe da delegação brasileira, o nosso contrito treinador José Roberto Guimarães passou a mão num CORCUNDA ao desembarcar na capital inglesa. Fato esse que também ocorreu há exatos 20 anos atrás em Barcelona quando os rapazes levaram o ouro! BIZAAAAAAAAAAAARRO……………..

    • Nathy

      Mas a grande questão é: a credencial tá cruzada pro lado certo???

      • lucre

        Pode parecer BIZARRO , mas quando na premiação do grand prix quando vi a Mari entre a Juciely e a Fabiola que foram cortadas tive a exata previsão que o ZRG a cortaria visto que ele é muito superticioso .
        Vai saber o que tem movido este treinador!
        Mas é um absurdo crer que um treinador deste gabarito acredite em supertições!
        Mas depois das cagadas que Faz é o que resta !

  • Afonso RJ

    Crônica de uma morte anunciada…

    A grande maioria de nós, como bons torcedores, tínhamos esperanças de uma boa participação da SFV nesses jogos olímpicos. Mas o retrospecto recente mostrava o contrário. A lógica mostrava que pelo andar da carruagem não dava nem pódio. E a lógica está se confirmando. E da pior forma possível, pois ate mesmo a nossa classificação está seriamente ameaçada.

    Não vejo culpa em ninguém. Todos deram o melhor de si. Tanto a comissão técnica quanto as atletas. Decisões difíceis foram tomadas, mas não creio terem sido as causas diretas do insucesso até aqui. Acho que o mau resultado não permite explicações simplistas, mas é resultado do somatório de fatores, entre os quais o desgaste no relacionamento das atletas, contusões recorrentes, a queda do rendimento individual de algumas peças e principalmente a falta de uma substituta à altura da nossa levantadora.

    Acho que essa olimpíada “já era” para a SFV. Agora é curtir os últimos jogos que faltam e pensar na renovação para 2016.

    Só mais algumas considerações: No masculino, não foram poucas as críticas ao Bernardinho, muitas delas virulentas, por levar jogadores experientes. O que se falou sobre a convocação de atletas como Giba, Rodrigão, Dante e Escadinha não esté no gibi. Foram poucas boas. Chamaram o Bernardinho de “paneleiro”, o Bruninho de “amarelão”, o Vissoto de “enganador” entre outros absurdos . Agora, com o “show” da SMV sobre os russos, são só elogios pela sábia decisão de levar jogadores experientes, a recuperação física de atletas tidos como “acabados” e tudo o mais.

    Tudo isso ilustra como criticar é fácil para quem está de fora, e que as mesmas decisões polêmicas que qualquer treinador é obrigado a tomar podem ser motivo de execração ou de endeusamento dependendo de resultados que nem sempre são seu resultado direto.

    • SOU + SELEÇÃO

      Excelente!!!

    • Naty

      Perfeito! “É um somatório de fatores”.

    • Adriano

      Você REALMENTE acredita que todos deram o melhor de si?

  • Edson Pelegrino

    Um dia Jaque faz 2 pontos,hoje a Paula fez 1…e assim a gente vai indo!

  • Sarah

    Resumidamente é o seguinte: Zé Roberto “dungou” ao cortar a Mari

  • L

    Realmente quem acabou com o espirito de campeas das meninas foi o”TERRORISMO” usado pelo ZeRoberto. Ele torturou as jagadoras fazendo cortes relampagos, sem explicacoes e com tamanha crueldade: Fabiola, no saguao do aeroporto. Mari, na lavanderia da concentracao. Camila Brait teve que viajar a Londres para ser cortada logo depois. ZeRoberto agiu como Ozama Bin Laden criando um clima tenso, desagradavel e de infelicidade dentro da equipe. Com essas atitudes o ZE fez as jogadoras se sentirem umas “merdas descartaveis”, que a qquer momento poderiam ser jogadas fora como um papel higienico sujo. A injustica de levar uma jogadora que estava ha mais de 1 ano sem jogar e que nao conquistou sua vaga em quadra pesou bastante. Pois Natalia tirou a vaga de uma jogadora que estava 100% fisicamente para fazer turismo em Londres.Natalia tirou a vaga da Camila Brait p/ entrar p/ dar saquezinhos ridiculos? Dani Lins tomar o lugar da Fabiola tbem nao da p/engolir, Dani Lins fez uma pessima Copa do Mundo, uma pessima Superliga, quase nao jogou no GP e tirou a vaga da Fabiola: as jogadoras nao engoliram esse corte… Com essa panela toda e esse clima de terrorismo nao tem como ter conjunto e jogar como uma equipe. ZE abusou demais, alem disso ainda convocou Tiemi e Suelen para a selecao B,sendo que as 2 nunca deveriam vestir a camisa da selecao. Usar a selecao p/ treinar o time de Campinas? Lamentavel!

  • Luciano

    Olha que ironia. O Zé Roberto levou a Fabiana para o Fenerbarhce da Turquia e deixou ela no banco, ficou pior do que quando foi. Em compensação ele fez da Kim a melhor jogadora na atualidade, deixou a Sokolova com uma moral elevada e ainda por cima teve a Logan Ton para seu time. Hoje a Coréia da Kin forçou o Brasil a ser 4º do grupo, ante ontem os USA da Logan Ton derrubou o Brasil, e nas oitavas a Rúsia que vai ser primeira da outra chave acabará com as chances da nossa seleção.
    Podem escrever isso que falei..

  • Paula

    Li os posts e em muitos se fala que o Zé deveria ter apostado na renovação. Concordo com vocês, mas tenho um pouco de dificuldade de visualizar em nossa Super Liga esses jovens talentos que alguns aqui mencionaram. Identifico as seguintes atletas:
    – Gabby, certamente é um destaque. Surpreendeu o Unilever, fez bonito na Copa Yeltsin e na Copa Panamericana, tendo apenas como problema o fato de não ser muit alta.
    – Claudinha, uma boa levantadora, ousada.
    – Thaisinha, ótima atacante, mas com problema de altura maior que o da Gabby.
    – Priscila Daroit, boa ponteira, mas que se não estou enganada, teve uma contusão séria recentemente e está voltando agora.
    Vocês conseguem identificar outras?
    Hoje na seleção temos a base titular dos dois times que estão sempre na final da Super Liga, a anos. São as jogadoras de volei com os salários mais altos e muito disputadas entre as equipes. Sendo assim, a priori estamos jogando com as melhores do Brasil. O que me leva a refletir: será que o nosso melhor está atualmente bem longe do que é o melhor em nivel mundial?

    • Raphaela

      Paula, não acho que o Zé teria que ter feita renovação. As jogadoras que estão jogando são o nosso melhor no momento, não são velhas como muitos dizem. Salvo engano, não tem nenhuma acima dos trinta. Acho que as mais velhas são Sheilla e Fabiana e têm uns 29 anos. O erro foi na escalação mesmo. A renovação tem que ser feita agora e aos poucos. Não se troca o time inteiro de uma vez, o time não deve ser inteiramente novo no Brasil 2016. O ideal é gente nova e experiente junta e sempre assim. Essa é minha opinião.

      PS: Veja a Russia. Tem jogadora indo para a 5° olimpíada.

    • Annie

      Certíssimo, Paula. A gente tem poucas jogadoras novas a altura de fazer o Brasil ser bi olímpico. A gente ainda precisa de Mari, Paula e Sheilla.
      Quem tá atrapalhando de uns anos pra cá é ZRG, com péssimo planejamento do ciclo e péssimo modo de lidar com as campeãs olímpicas, de Pequim 2008 pra cá.

  • Fabio

    O jogo hoje foi tão absurdo que até o Marco Freitas, comentarista do SporTV, esqueceu a fama de chapa branca e esteve prestes a meter o pau em todo mundo. Disse que faltava uma atacante de atitude, que finalizasse, etc.

    Ele fala muita pérola, morro de rir. Outro dia disse que a Jaqueline não tinha obrigação de atacar! Kkkkk
    Ou seja, Jaqueline é libero-passadora que vai pra rede, posição nova que o Brasil inventou.

    No jogo de hoje, quando questionado pelo narrador sobre a entrada de Nathalia na ponta, ele ficou mudo! Foi constrangedor, como se o narrador tivesse entrado em um assunto tabu!

    • daniel

      O minuto de silêncio do Marco Freitas foi constrangedor.

      • Luiz

        Realmente. Ficou claro que ele não quis responder sobre a entrada da Natália.

  • Caco

    Decepcionante! O que vier agora é lucro… Se não conquistar os 3 pontos contra a China, já era. O ponto perdido, ou melhor, doado para a Turquia no primeiro jogo pode fazer total diferença no final. Por que o Zé cortou a Mari? Não estou defendendo a atleta em si, mas se é para não colocar a Tandara, que levasse a Mari. Em Olimpíadas tudo muda. Viram a atuação do vôlei masculino? Também não estavam jogando nada e estão se recuperando em Londres. Grandes jogadores se superam nesses momentos. E a Fabíola? Se nem Ricardinho com 2 meses de treinamento consegue decidir os jogos, a Fernandinha consegue? rsrsrs

  • Raphaela

    É ! Mais uma vez digo: os cortes estão sendo traumáticos.

  • pastora zefinha

    Irmãos e Irmãs,
    Meos amigos e Minhas amigas,
    convoco a todos para uma corrente de oração,vamos todos orar e Jejuar
    para que deus escute nossas orações,e nos de a vitoria, em nome de jesus!
    por que um tecnico que diz que”os deuses precisam conspirar” para que a equipe ganhe o ouro olímpico,é por que é o cumulo da incompetência!
    Já ao final da partida entre brasil e russia o reporte perguntou a bernardinho!
    oque mudou no time por que jogarão tão bem?
    bernardo disse treino,dedicação,trabalho etc,etc,etc…
    Ja zé acha que para um time ganha alguma coisa “os deuses precisam conspirar”
    Deve ser piada isso né ?

  • ANA

    Daniel, Fabíola, Mari e Camila com certeza não iam ajudar a vencer mas que seria menos humilhante seria. Ia ter bem mais luta isso é fato, comemoração não ganha jogo.

  • Sarah

    Concordo plenamente!!!O povo brasileiro precisa ter mais educação, e respeito pelas pessoas.
    Criticar o desempenho é uma coisa, ofender pessoalmente é outra! Se as pessoas querem ser respeitadas tem de aprender a respeitar!

  • Luiz

    Frase do Marcos Freitas durante o jogo:
    “o problema é que as outras seleções tem uma jogadora que é viradora de bola quando a coisa aperta, já o Brasil não. Esta jogadora não está aqui”

    O que ele quis dizer?

  • Joau

    Outra coisa, as pessoas falam um monte sobre levantadores no masculino em cada derrota , mas, amigos, a diferença é de chorar! Bruno e Ricardo (embora não em grande forma física) são muito, muito melhor! Não há absolutamente nenhuma comparação!

  • Felipe

    “Ou seja, Jaqueline é libero-passadora que vai pra rede, posição nova que o Brasil inventou” AMEEEEEEEI KKKKKK

  • Daniel:

    Imagino quanto seja duro para você observar a rápida perda de qualidade no time feminino, principalmente, quando o masculino faz o inverso quase ao mesmo tempo. Embora você nem tivesse nascido, permita-me levá-lo numa viagem pelo Túnel do Tempo Volibolista.

    A diferença está nas formas com que os técnicos encaram o Volibol. O Zé chegou ao cenário com uma proposta de renovação, bem sucedida, em 1992 com o masculino, estacionou nela; mas quem começou dar cara de vencedor ao volibol feminino brasileiro foi o Bernardo.

    Depois trocaram de lugar, mas mantiveram as suas estratégias, a de Renovação Estacionária pelo Zé, e a de transição pelo Bernardo. É aí que mora a grande diferença entre eles, porque enquanto começamos a cada vez mais rotularmos as funções dos jogadores nas renovadas estratégias por um lado, por outro, houve um olhar mais apurado da essência volibolista de cada jogador, tanto do atacante quanto do levantador.

    Bernardo deve ter começado a jogar numa época em que o esquema 3×3 (3 cortadores e 3 levantadores) estava começando a transformar-se no 4×2, consagrado pela seleção japonesa no México em 68.

    Deve ter aprendido, com o seu professor de escola, como um levantador resolvia o problema de bolas a um palmo do chão, quando a “manchete” ainda não havia sido inventada. Reparei que o Bruninho, filho dele, conhece o toque de 4 dedos, de baixo pra cima, num dos aquecimentos da seleção.

    Bernardo foi levantador numa época em que cortador apenas recebia e cortava, ou alta, ou rápida e baixa (a Mexicana), de acordo com o bloqueio adversário, e em qualquer das três posições da rede. Não havia esse negócio de ponteiro, oposto e central especialistas. Por exemplo, o que impede um Vissoto de bater uma bola rápida na 2 e um Lucão de bater uma alta na 1 ou na 3?

    Na última superliga brasileira pude observar que tanto a Thaísa quanto a Adenízia, ambas do Osasco, bateram verdadeiros foguetes do fundo, com aquele impulso de um só passo, comum aos centrais. Na final, ao perceber essa tática do Luizomar, a expressão do Bernardo misturou raiva e alegria. Raiva pelo fato de não ter pensado nisso antes dele, e alegria por constatar que mais alguém estava inovando o volibol brasileiro com truques do passado.

    Curiosamente, também pude observar no saque uma inovação vinda do outrora, tanto no Rodrigão quanto na Thaísa. Ambos possuem, quando acertam, saques mortíferos que têm características semelhantes, por misturarem o famoso Saque por Cima, comum aos anos 50, 60 e 70; com o Saque Arremesso, surgido nos anos 40 e usado largamente nos 50.

    A diferença entre os saques do Rodrigão e da Thaísa está na impulsão, porque enquanto o dele traz parte do movimento do Viagem, usado pela primeira vez por Renan em 84, o dela tem algo do Saque Balanceado, mais usado pelas chinesas em 68.

    Talvez, as soluções estejam nas “novidades” que ainda possamos extrair do passado, melhoradas no presente, mas para que elas venham não podemos mais perder tempo com técnicos estáticos na criatividade, como o Zé Roberto, pertencente a um museu recente.

    Aproveito também para pedir a você, jornalista, que intervenha com os seus colegas narradores que insistem em falar erroneamente “Saque Viagem Balanceado”, ao invés de “Flutuante”, que é o correto, porque o primeiro, além de não parecer nem com um nem com outro, já existentes, o segundo apenas flutua, como o nome indica.

    • Annie

      Uma coisa q Bernardo fez no Unilever foi deixar a Valesquinha no fundo pra passar no lugar da Mari, que entrava pra ficar na rede. E assim por diante. Já q ZRG ñ confia na Mari pra passar, podia fazer esse esquema pra ñ perder uma atacante brilhante como ela, porque Mari ñ deve ser reserva da Sheilla, e vive-versa. Precisamos das duas atacando.

      • Annie:

        Aí é que está o grande engano. Enxergar no jogador apenas uma das qualidades que ele deveria obrigatoriamente ter além das demais. Nem Waleskinha tem que ser aproveitada pelo que rende só na defesa, nem Sheila e Mari devem ser aproveitadas somente pelo que atacam. Todos os jogadores têm que dominar os fundamentos. Já houve um período em que certas equipes atuavam no esquema 6×0, com todos cortando, e aquele que estivesse na posição do saque faria a infiltração para levantar.

        Era uma forma de ter sempre três atacantes na rede. Nessa época não tinha esse negócio de especialista em defesa ou em ataque. Ou fazia as duas coisas direito ou ficava no banco. Levantador não recebia saque adversário. Quando muito, fazia cobertura de bloqueio, como ocorre hoje, ou participava dele diretamente, caso estivesse em posição de rede.

        Eu sempre cobria a rede com uma lona preta, para desenvolver a recepção nos meus times. A bola só era enxergada depois que passava a rede. Pode parecer meio esquisita a coisa, mas os reflexos aprimoravam rapidamente e eu tinha sempre cinco líberos na recepção.

        Esse truque da lona quase todos os meus colegas conheciam. Só não usa isso quem não quer.

    • Darci

      Obrigada. Adoro ler sobre vôlei e aprender sobre o assunto.

      Infelizmente, nas escolas em que estudei não se praticava vôlei e, morando em cidade do interior, nunca tive acesso ao esporte por meio de uma escolinha ou clube.

      Assisto aos jogos do Brasil desde o início da década de 90 (noventa) e amo o esporte desde então. Por isso, tento ler e aprender mais sobre ele para poder avaliar melhor as partidas.

      Gosto quando as pessoas compartilham o conhecimento que têm e as idéias que têm acerca dessa modalidade esportiva.

      • Darci:

        A história do volibol brasileiro é riquíssima, principalmente na criatividade para invertar tipos de saques, ou mesmo truques de bloqueios, ou ainda, formar barreiras para esconder o sacador. Quando o Santos tinha aquele timaço de futebol nos anos 60, o de volei não ficava muito atrás e ambos faziam excursões à Europa.

        Como o saque antes era dado só na chamada Zona de Saque, que ficava à direita da quadra, o Paulo Russo inventou um esquema para formar uma parede com os outros 5 jogadores para que o time adversário não enxergasse o sacador. Depois de um tempo a FIV proibiu o artifício e os centrais pagam até hoje por aquela iniciativa.

  • Walzi

    Pode apagar as velas, beijar a viúva e fechar o caixão. Esse time não classifica. Sem espiríto de grupo chega a lugar nenhum.

  • leandro

    Daniel, na minha opinião a seleção já está eliminada, não matematicamente claro. O que você acha?
    O Brasil vai ter que torcer para que a Coréia ganhe da Turquia de qualquer jeito, 3 x 0 ou 3 x 1. Depois a Turquia pega os EUA, ou seja, derrota certa. A pontuação máxima que elas podem fazer é 7.

    O Brasil vai ter que ganhar da China e da Sérvia com pontuação máxima, 3 x 0 ou 3 x 1. Se ganharmos um jogo de 3 x 2 e o outro de 3 x 0 ou 3 x 1 estaremos eliminados.

    A situação se complicou, ainda mais que a China é mais time que a Coréia. Aquele ponto perdido na vitória sobre a Turquia pode fazer a diferença.

  • Os atletas que estão em Londres não têm culpa de NADA! Só há um culpado: o Estado. O estado que não promove a massificação do esporte. O Estado que acabou com a Educação Física nas Escolas. O Estado que acabou com a Educação Física nas Universidades. O Estado que mudou a grade curricular do professor de Educação Física, já que agora, ele entende bastante de humanismo, mas desconhece a parte técnica que antes existia no curso! O Estado que não cria estrututa humana, instalações físicas, orçamentárias e adminitrativa.
    É o Estado o responsável pelas vergonhas que passamos em cada Olimpíadas.
    É o Estado o culpado por se gastar tanto dinheiro em cima de um pequeno grupo que se repete sempre em cada Olimpíadas, pois não há outros atletas, já que o Estado não proporcionou o surgimento de outros.
    É o Estado, sim, o culpado, sempre! Deve-se lembrar que a prática esportiva também é saúde e, portanto, dinheiro no bolso do Estado, desde que praticado de determinada forma.
    Não se culpa a iniciativa privada, pois esta não obrigação de promover a prática esportiva na infância e adolescência. Não é ela a responsável por formentar essa cultura no povo. Ela pode ajuda, mas é o Estado o responsável inicial.
    Estamos perdidos, pois é esse Estado que temos, do qual dependemos, que tem a responsábilidade de massificar o Estado.
    Agora, perguntem: o Estado tem algum plano para resolver esse problema crucial? Não tem. O Estado sabe do problema? Sabe. E aí? Estamos perdidos. Se até agora temos passado vergonha, preparem-se para o vexame que será 2016, no Rio.

    • leandro

      concordo

  • Luiz

    Para quem diz que a Mari não faz falta. Vejam como estava a inversão de rede do Grand Prix deste ano sempre que ela entrava com a Dani Lins. Vejam e digam se em Londres Natália ou Tandara fizeram isto:

    O clip é rápido:

    http://www.youtube.com/watch?v=lBtG-V-vx7E&feature=relmfu

    • Luiz

      Nossa! Os ataques da Mari neste ultimo Grand Prix foram tão bons que nem da para ver a velocidade da bola. Eu mesmo postei o link do vídeo e eu mesmo estou abismado.

      Que inveja, ehim, Zé Roberto! kkkkkkkkkk

  • L

    O Ze e’ o grande culpado de tudo, com atitudes egoistas, tiranas e ditatoriais ele desgastou as jogadoras fisica e psicologicamente. Por egoismo e por uma vinganca pessoal o Ze resolveu levar o time A para o PAN/2011, tudo por vinganca contra as cubanas que derrotaram o time dele na final do PAN/2007, no Rio de Janeiro. Resultado: o Brasil venceu Cuba no sufoco na final por 3×2, muito desgaste fisico e psicologico desnecessario poucos dias antes da Copa do Mundo, mas a vinganca do Ze’ era mais importante do que a Copa do Mundo. Com isso ele tambem prejudicou os times do UNILEVER e do SOLYS, que sao as equipes que mais investem no voleibol feminino, nao liberando as atletas para disputar o MUNDIAL de CLUBES, que era uma competicao rapida de apenas uma semana e valia um TITULO MUNDIAL para o BRASIL, mas p/o Ze’ a sua vinganca no PAN era mais importante. A selecao foi para a COPA DO MUNDO cansada e desgastada, o resultado foi um “grande FIASCO”, perda da vaga olimpica e mais desgaste para disputar a repescagem sul-americana. Se em 2011 foi decepcionante, 2012 ja’ comecou muito mal pelas convocacoes POLEMICAS. Ze’,egoista, usou a selecao para treinar seu time de Campinas e,alem disso, convocou jogadoras que nao conquistaram sua vaga dentro de quadra jogando bom voleibol, casos de: ANA TIEMI, SUELEN, JU NOGUEIRA e NATALIA ZIGLIO. Convocacoes sem merecimento mechem com a cabeca das jogadoras, afinal de contas p/ ser convocada nao basta jogar bem? Tem que ser protegida do tecnico? Ou seja, o Ze’ nao tem um criterio justo ja’ para a convocacao, mas o pior estava por vir. Os cortes do Ze’ pareciam cenas de filme de terror, onde as pessoas podem ver suas cabecas rolando a qualquer momento sem nenhuma explicacao. A selecao que ja’ estava muito desgastada emocionalmente com a sequencia de partidas nao muito boas, ficou sobre extrema tensao com os PES-NA-BUNDA que o Ze’ deu. O modo como o Ze’ ia cortando as jogadoras fazia elas se sentirem menosprezadas, usadas, desnecessarias, descartaveis. Sem nenhuma justificativa ele ia passando o rodo em situacoes muito constrangedoras. Na volta do Grand Prix, no saguao do aeroporto, FABIOLA e JUCIELY receberam um cartao vermelho frio e cruel sem qquer explicacao do tecnico, outro dia, de noite, quando as altetas ja’ tinham ido para seus quartos descansar, foi a vez de MARI levar seu PE-NA-BUNDA na lavanderia da concentracao. Mas eu acho que o pior corte de todos foi o da CAMILA BRAIT, ele criou falsas esperancas nela, fez a menina viajar ate’ LONDRES, iludindo a coitada, fazendo ela pensar que teria alguma chance, mas no fundo ele sabia que CAMILA estava fora, pois mesmo nao estando 100% ele nunca teve real intencao de trocar NATALIA pela CAMILA BRAIT. BRAIT foi a LONDRES e logo depois foi cortado, chorou muito e com razao, pois o Ze’ fez ela sentir o clima das OLIMPIADAS em LONDRES para depois corta-la, foi como tirar doce de uma crianca. Ja’ estamos no meio da competicao de volei e NATALIA ate’ agora nao justificou sua permanencia em LONDRES. As outras jogadoras sao seres humanos, tem sentimentos, vendo suas companheiras, amigas sendo tratados como lixo descartavel, cortadas de forma cruel e sem satisfacao, ficam insatisfeitas e tristes. Elas veem que nao podem confiar no tecnico, pq o tecnico e’ um traira. Alem disso, o Ze’ tratou Natalia como uma DEUSA, uma SALVADORA DA PATRIA, com isso ele acabou com o espirito de equipe, pois todas as outras jogadoras, titulares ou nao, foram tratadas como menos importantes, pq NATALIA era mais importante que o resto da equipe inteira: isso e’ espirito de equipe? Por mais que eu goste da NATALIA, a presenca dela nas olimpiadas foi prejudicial ao grupo, talvez em 2016, mas agora nao era o momento dela. O corte da Fabiola, campea e melhor levantadora da superliga, que deixou ate’ a craque Fernanda Venturini em segundo lugar nas estatisticas, que por varias vezes foi jogada na fogueira para salvar os apagoes da DANI LINS, tbem nao foi bem digerido pelo grupo, Fabiola sempre conquistou sua titularidade socorrendo as amareladas da Dani Lins, alem disso Dani Lins nao foi bem nem na Copa do Mundo e muito menos na Superliga, no Grand Prix, praticamente so’ jogaram Fabiola e Fernandinha, Ze’ Roberto nao expos a Dani Lins, que quase nao participou dos jogos. Ze’ Roberto cortou a Fabiola por motivos pessoais, ele nunca gostou dela, tanto que ele insistia com TIEMI e DANI LINS, deixando Fabiola como apenas terceira opcao, desde o inicio do ciclo olimpico. Infelizmente Ze’ acabou com o psicologico das jogadoras fazendo terrorismo e agora nao ha’ muito o que fazer a nao ser cortar o mal pela raiz: TROCAR O TECNICO!

  • Péssima a atução da seleção Brasileira feminina de vôlei,ao meu ver não há liderança neste time,nos momentos mais dificil da partida as atleta mais experiente não levanta o astral do time,uma de sua companhera erra um lance elas se limita dar um tapinha na mão,diferente da Seleção americana que uma de sua companhera erra um lance todas se abrasam no meio da quadra elevando o moral da atleta que errou.

  • Luiz

    Dizem que o Zé Roberto é muito superticioso, e que ele sempre recorre à numerologia até mesmo para escalar a seleção. Então, acho que ele deveria parar de se consultar com esta numeróloga, pois ele cortou a camisa 7 da seleção. O número 7 na numeroligia é o número da sorte. kkkkkk

    Eita, Zé Roberto! QUE FASE!

  • Luiz

    Alguém gostou da propaganda da Pantene com a Jaqueline que está passando nos intervalos das transmissões dos jogos?

    Acho que a Pantene vai tirar do ar já, já. (risos)

  • Luiz

    Já galhofei demais aqui. Agora falando sério:

    Alguém sabe quando será a Copa dos campeões de vôlei? Como é que as seleções se classificam?

  • Wanderley Junior

    Dia triste ontem.

    O ZRG e suas escolhas sem lógica. Deu no que deu.
    Esquece e bola pra frente. 2016 vai ser aqui.

  • marcos moura

    Falam as más linguas que a Mari enquanto treinava para as Olimpiadas teria brigado feio com o
    PAULO COCO, e o mesmo ameaçou demitir-se do cargo, caso não houvesse uma punição para a
    mesma, sendo assim, o ZRG a cortou da seleção…………procede essa má lingua???

    • Luiz

      Parece que é verdade sim. O escandalo do Paulo Coco foi na frente de um monte de gente.

  • Rogerio

    Caro Daniel,

    Assisti a todos os jogos da seleção feminina e acho que a parte técnica merece uma análise mais profunda. A seleção está comentendo erros básicos…parece que as meninas desaprenderam…bizarro.

    Por exemplo, o desempenho da levantadora Fernandinha está prejudicando toda a equipe. Sua distribuição de bola equivocada….não coloca as ponteiras pra jogar….não desafoga com a Thais e Fabi (aqui entendo tb a falta de entrosamento)….um exemplo GRITANTE foi no terceiro set contra a Korea…a fernandinha levantou uma bola na ponta para a Adenizia….e o ataque foi nas arquibancadas do estádio…ridiculo. No pedido de tempo, o técnico Zé Roberto chamou a atenção da Fernanda, com essa palavras “Como vc levantou uma bola pra Adenízia na ponta, sabendo que ela bate mal de mão esquerda ?? Como ?? Essa bola é rápida no meio!!” ….

    Pra piorar…a rede com a Fernandinha vira uma avenida….

    Outro problema é a atuação da Thais….mal posicionada…não conseque bloquear!!!!

    Erros de saque e erros não forçados acusam o péssimo momento psicológica da equipe

    Falta tudo pra seleção….porém…se melhorar o aspecto mental…podemos fazer um bom jogo…se será suficiente para vencer a China e depois classificar…sinceramente não sei…

    Abs

  • lucas

    A verdade é que os cortes de Fabiola e Mari foram decisivos pra acabar com esse time… a própria entrevista de Thaisa pro sportv após o jogo demonstra isso muito bem. Vejam.

  • Léo

    Coloca a NINA e a CARMINHA nesse time que vai dar certo!

  • romano

    pow, esse blog/site não é atualizado não ??? assim não dá, o masculino e feminino jogaram e aqui nada. Cade a cobertura e o trabalho?

    • Daniel Bortoletto

      Não gosta, não volte. É simples, meu caro. Não vou ficar dando satisfação da quantidade de trabalho e de minhas obrigações profissionais no LANCE!, que vão muito além de um blog. Um abraço e boa Olimpíada.

MaisRecentes

O tetra está vivo! Sada/Cruzeiro na semi do Mundial



Continue Lendo

Uma vaga aberta na semi do Mundial: a do Sada/Cruzeiro?



Continue Lendo

Sada/Cruzeiro sofre com o “próprio veneno” no Mundial



Continue Lendo