Boa ação merece ser divulgada



A contrapartida social da entrada de Eike Batista no vôlei foi iniciada nesta terça-feira. E, como todo projeto que extrapola as linhas das quadras, merece aplausos e divulgação.

Abaixo, informações sobre o pontapé inicial do projeto.

A UPP Prazeres, no Rio de Janeiro, recebeu cerimônia de inauguração de cinco unidades da Escola Social de Vôlei, entregues à comunidade pelo RJX, para promover a inclusão social por meio da prática do esporte.

Cerca de 80 crianças tiveram a chance de conhecer de perto os ídolos do vôlei Bernardinho, Marlon, Lucão e Dante, que estiveram na quadra ao lado do Diretor de Sustentabilidade do Grupo EBX, Paulo Monteiro; da Secretária Estadual de Esporte e Lazer, Márcia Lins; do Secretário Estadual de Segurança, José Mariano Beltrame; do capitão Jeferson Odilon, Comandante da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Morro dos Prazeres; e do Coronel Rogério Seabra, Comandante das UPPs.

– Nós do Grupo EBX temos muito orgulho de participar deste programa de Escolas Sociais de Vôlei. Gostamos de representar a energia e a paixão pelo Rio e esperamos que daqui surjam muitos talentos – comentou Paulo Monteiro, Diretor de Sustentabilidade do Grupo EBX.

Capitão do RJX, o campeão mundial e levantador Marlon estava feliz em meio às crianças da Escola Social.

– É muito bom para a gente poder dividir nossa experiência com vocês. Estamos aqui para fortalecer nossa parceria e interagir sempre que possível. Parabéns a todos pela iniciativa e pelo trabalho – comemorou.

O Secretário Beltrame agradeceu a presença de todos e sublinhou o importante papel da iniciativa privada no processo de pacificação das comunidades cariocas. “Estamos mudando a perspectiva de vida de muitas pessoas e o apoio de empresas como a EBX é determinante.

As demais comunidades pacificadas beneficiadas pelo patrocínio do Instituto EBX são Borel, Mineira, São João e UERJ/Mangueira. Cada unidade da Escola Social de Vôlei instalada nas cinco comunidades atende 144 crianças de 7 a 13 anos, totalizando 720 crianças que terão duas aulas por semana, com duração de 1h cada. Os critérios para escolha das comunidades contempladas levou em consideração a proximidade com o Maracanãzinho (casa do RJX), a presença das Unidades Pacificadoras (UPPs) nas comunidades, e a pré-existência (ou não) de um projeto de voleibol.

O coordenador do Projeto EBX de Voleibol, José Inácio Salles, explica que a ideia é dar a oportunidade da prática do esporte às crianças.

– A Escola Social de Vôlei se propõe a ensinar voleibol, fazer com as crianças se divirtam com o esporte. Além do enfoque social, o projeto poderá dar oportunidades a alunos que demonstrem motivação e habilidades, com padrão de rendimento aceitável, para as categorias de base do vôlei – explica.

 



  • Simone Gomes

    Acho fantástico esse projetos ligados ao esporte, principalmente ao voleibol que é meu esporte favorito.
    Assim como eles possuem esse projeto, aqui em Araçatuba com times femininos e masculinos, a proposta do Vôlei Futuro também vai muito além das equipes de vôlei.
    Trata-se de uma ação social que atua na região de Araçatuba, incentivando as crianças a comparecerem com assiduidade às escolas e melhorarem suas notas, fatores determinantes para ingresso nas equipes de treinamento.
    Os atletas adultos e os técnicos são vistos como referência para as crianças, de forma que seus compromissos no Vôlei Futuro superam as vitórias obtidas: existe um compromisso de conscientização do dever de se formar cidadãos.

MaisRecentes

Vaivém: Jaqueline no Hinode/Barueri



Continue Lendo

Cai o primeiro técnico após UMA rodada da Superliga



Continue Lendo

Luizomar e Rizola não conseguem vaga no Mundial



Continue Lendo