Atuação redonda do Brasil na prévia de clássico com a Sérvia



A Seleção Brasileira feminina conquistou a segunda vitória no Mundial do Japão diante da República Dominicana, na madrugada deste domingo. E quase sem sustos, o que é uma ótima notícia.

Em Hamamatsu, triunfo por 3 a 0, parciais de 25-15, 25-20 e 25-22. Uma atuação segura, com a relação saque-bloqueio funcionando muito bem antes do esperado duelo com a Sérvia, nesta segunda, às 7h20 (de Brasília), certamente valendo o primeiro lugar do Grupo D ao fim da primeira fase e com a importante vantagem de não levar derrotas para a etapa seguinte.

O bloqueio foi responsável por 14 pontos, um número bem considerável para apenas três sets. Bia e Tandara fizeram quatro pontos cada no fundamento.

O saque, além de quebrar o passo dominicano em grande parte da partida, garantiu seis pontos diretos para o Brasil.

Com 15 acertos, Gabi liderou a Seleção na pontuação, um a mais do que Tandara e quatro acima do que Fernanda Garay.

Garay no ataque diante das dominicanas (FIVB Divulgação)

– Estou vendo uma melhora na nossa velocidade, na dinâmica de jogo e no sistema defensivo. Tivemos uma quantidade de bloqueios importantes na partida e o nosso saque foi preciso. A entrada da Peña mudou um pouco o jogo porque ela passou a virar as bolas tanto na entrada quanto na saída de rede. Essa vitória foi primordial para nossa continuidade na competição – analisou José Roberto Guimarães, que repetiu o titular da estreia contra Porta Rico: Dani Lins, Tandara, Gabi, Garay, Bia, Carol e Suelen.

Sobre o duelo com a Sérvia, Gabi destacou um tripé importante do time europeu, que neste domingo atropelou o Quênia (25-16, 25-9 e 25-8).

– Amanhã teremos um jogo muito importante contra a Sérvia. É um dos times favoritos nesse Campeonato Mundial. Duas jogadoras fazem a diferença na equipe delas, a Boskovic e a Brankica. A Rasic, central, também é uma grande jogadora. Vamos estudar o time delas para buscar essa vitória – comentou Gabi.

Contra as sérvias, a defesa brasileira precisará ser consistente como foi em boa parte parte do jogo deste domingo. Julgo esse fundamento o mais importante para a Seleção ir longe no Mundial. Se não é o time fisicamente mais forte e mais alto do planeta, o Brasil pode ser um das equipes que mais mantém a bola em jogo.

LEIA TAMBÉM

+ Brasil em mais uma final no Mundial masculino



MaisRecentes

Sesi joga melhor, bate Sada/Cruzeiro e fatura Supercopa



Continue Lendo

Seleção do Mundial não premiou destaques da final



Continue Lendo

Título coloca a Sérvia no topo após frustração olímpica



Continue Lendo