Atuação redonda do Brasil na prévia de clássico com a Sérvia



A Seleção Brasileira feminina conquistou a segunda vitória no Mundial do Japão diante da República Dominicana, na madrugada deste domingo. E quase sem sustos, o que é uma ótima notícia.

Em Hamamatsu, triunfo por 3 a 0, parciais de 25-15, 25-20 e 25-22. Uma atuação segura, com a relação saque-bloqueio funcionando muito bem antes do esperado duelo com a Sérvia, nesta segunda, às 7h20 (de Brasília), certamente valendo o primeiro lugar do Grupo D ao fim da primeira fase e com a importante vantagem de não levar derrotas para a etapa seguinte.

O bloqueio foi responsável por 14 pontos, um número bem considerável para apenas três sets. Bia e Tandara fizeram quatro pontos cada no fundamento.

O saque, além de quebrar o passo dominicano em grande parte da partida, garantiu seis pontos diretos para o Brasil.

Com 15 acertos, Gabi liderou a Seleção na pontuação, um a mais do que Tandara e quatro acima do que Fernanda Garay.

Garay no ataque diante das dominicanas (FIVB Divulgação)

– Estou vendo uma melhora na nossa velocidade, na dinâmica de jogo e no sistema defensivo. Tivemos uma quantidade de bloqueios importantes na partida e o nosso saque foi preciso. A entrada da Peña mudou um pouco o jogo porque ela passou a virar as bolas tanto na entrada quanto na saída de rede. Essa vitória foi primordial para nossa continuidade na competição – analisou José Roberto Guimarães, que repetiu o titular da estreia contra Porta Rico: Dani Lins, Tandara, Gabi, Garay, Bia, Carol e Suelen.

Sobre o duelo com a Sérvia, Gabi destacou um tripé importante do time europeu, que neste domingo atropelou o Quênia (25-16, 25-9 e 25-8).

– Amanhã teremos um jogo muito importante contra a Sérvia. É um dos times favoritos nesse Campeonato Mundial. Duas jogadoras fazem a diferença na equipe delas, a Boskovic e a Brankica. A Rasic, central, também é uma grande jogadora. Vamos estudar o time delas para buscar essa vitória – comentou Gabi.

Contra as sérvias, a defesa brasileira precisará ser consistente como foi em boa parte parte do jogo deste domingo. Julgo esse fundamento o mais importante para a Seleção ir longe no Mundial. Se não é o time fisicamente mais forte e mais alto do planeta, o Brasil pode ser um das equipes que mais mantém a bola em jogo.

LEIA TAMBÉM

+ Brasil em mais uma final no Mundial masculino



MaisRecentes

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo

As duas formas de ver o novo Sesi



Continue Lendo