Atitude antidesportiva rende punição ao técnico Renan Dal Zotto



Renan Dal Zotto não estará no banco de reservas do Brasil na partida contra os Estados Unidos, nesta sexta-feira, às 12h (de Brasília).

Ele fui punido pela Federação Internacional após um vídeo comprovar atitude antidesportiva durante o tie-break da partida contra a Rússia, ontem. O técnico brasileiro joga uma bola na quadra durante um ponto praticamente ganho pelos adversários. A presença da bola poderia ter feito o árbitro voltar o ponto, algo que beneficiaria o Brasil. Mas o lance não foi invalidado, apesar da reclamação do próprio Renan e de alguns jogadores.

O comunicado oficial da FIVB fala em “conduta imprópria” de Renan e promete ações mais severas em caso de qualquer reincidência.

Renan foi punido pela FIVB (DVV/Sebastian Wells)

Durante a transmissão do jogo, ontem, eu tinha ficado com a impressão de que algum gandula tivesse perdido o controle de uma bola.  Como não houve qualquer replay na transmissão oficial, o fato sequer foi discutido no pós-jogo.

Os vídeos das câmeras do sistema de desafio, porém, deixam claro o erro de Renan Dal Zotto. E a punição, para mim, é justíssima. Vejam e tirem as conclusões.

Vale lembrar ainda que a punição de Renan não é a primeira a treinadores neste Mundial. Na fase anterior, Julio Velasco pegou um jogo de suspensão após distribuir “bananas” na comemoração da vitória da Argentina sobre a Polônia. Durante o jogo, ao reclamar de uma marcação da arbitragem, ele foi flagrado dizendo que o “dinheiro falava mais alto” em algumas decisões da FIVB.

Não existe defesa para a atitude do técnico brasileiro. Faltou fair-play. Sobrou aquela malandragem para poder levar vantagem a qualquer custo.

A CBV divulgou uma nota oficial, julgando a decisão exagerada, já que Renan não teria tido a intenção de fazer isso. Veja na íntegra:

“Foi uma partida extremamente tensa, nervosa, onde nós estávamos perdendo de 2 a 0 e foi necessária uma superação sobre-humana para virarmos e vencermos um jogo que poderia ser decisivo para nossa trajetória na competição. Nos últimos pontos, tomado por uma adrenalina enorme, no auge da tensão da reta final do jogo, acabei soltando uma bola, de forma não intencional, que foi em direção à quadra. E, mesmo que essa bola não tenha interferido em nada, nem mudado o andamento do jogo, a Federação Internacional achou por bem me suspender em uma partida. Não concordamos, foi uma punição rigorosa, mas respeitamos a decisão”, disse Renan.

Para mim a resposta de Renan é equivocada. Seria muito melhor assumir o erro. Renan, como comandante, deveria ter feito um pedido de desculpas. O exemplo vem de cima, sempre disseram meus pais. E para ter como cobrar os comandados é preciso ser um modelo de conduta.

LEIA TAMBÉM

Virada do Brasil sobre a Rússia é inesquecível

 



MaisRecentes

Coluna: Minas e um dia histórico para o vôlei nacional



Continue Lendo

O tremendo desafio de Minas e Dentil/Praia Clube no Mundial



Continue Lendo

Coluna: Sinal de alerta com as chuvas no Brasil



Continue Lendo