Asiáticas lideram fase final do Grand Prix



Nos dois duelos entre Europa x Ásia, pela primeira rodada da fase final do Grand Prix, melhor para as asiáticas.

Na abertura da rodada, a China, mesmo tendo poupado quatro titulares, derrotou a Bélgica, sem Van Hecke, sua principal estrela, por 3 sets a 1. Pelo mesmo placar, o Japão, dono da casa, surpreendeu a Rússia, no encerramento do primeiro dia de disputas do hexagonal decisivo. E assim China e Japão lideram com três pontos cada, seguidas por Turquia (dois) e Brasil (um).

O que esses resultados querem dizer?

1) O primeiro, nada. Foi o jogo, pelas circunstâncias já citadas acima, mais fraco até aqui. Chinesas e belgas são candidatas a perderem todos os próximos jogos, terminando em quinto e sexto na classificação final. Quem perder pontos para elas irá se complicar na briga pelo título.

2) Já o triunfo japonês me surpreende bastante e vai ser decisivo para embolar a briga pelo título. Como já haviam mostrado na etapa de SP, as russas erram demais. Hoje foram 28 pontos de graça para as japonesas, uma quantidade excessiva. Além disso, o saque, que sempre foi uma arma do time, não tem feito estragos.  As nipônicas, por sua vez, foram bem mais eficientes para quebrar o passe russo e assim compensaram o bloqueio que pouco pontua. Kimura, com 17 pontos, liderou o Japão. Kosheleva (23) e Malykh (19) foram as maiores pontuadoras da Rússia.



  • hicham

    A Rússia como sempre irregular.Após o primeiro set achei que elas venceriam,mas não foi o que aconteceu na sequência do jogo.Só melhorarão com a Sokolova e Gamova de volta mesmo.

  • filhodedavid

    Olá Daniel, bem pertinente a sua observação sobre as asiáticas, pois Japão, China e Turquia são asiáticas, mesmo a Turquia competindo pela Europa, culturalmente ela é asiática e a maior parte do seu território fica na Ásia, só uma pequena parte na Europa.

  • A Sokolova, vendo essas atacantes incapazes de recepcionar, provavelmente vai pedir 3 caminhões de dinheiro e apto,é simplesmente inacreditável o passe russo.Parecem amadoras tal a dificuldade nesse fundamento. Se continuar assim não tem Gamova que dê jeito. Jà desesperado o treinador russo colocou a Goncharova para passar no final do quarto set. Foi um festival de passe quinado.Não consigo ver a Russia como favorita no mundial mesmo com o retorno de jogadoras importantes.Sem passe, nenhuma seleção joga atualmente, veja o exemplo do Brasil.

    • Roberto

      Não é pagar pau pra elas, mas a Sokolova e a Gamova sempre carregaram o time da Russia nas costas, e se melhorarem um pouco só o passe, quero ver segurar. Só a presença delas em quadra já é um fator determinante de intimidação, principalmente a da Gamova.

  • Aline

    O Japão joga num esquema tático ÚNICO, totalmente diferente das demais seleções:
    1. Pra começar a única jogadora titular japonesa com mais de 1,80m é a ponteira Saori Kimura;
    2. O técnico Masayoshi Manabe escalou um time sem CENTRAIS DE OFÍCIO: 5 PONTEIRAS, 1 levantdora se revezando com a reserva durante os sets e a líbero.
    3. Como é difícil ter jogadora alta no Japão, Manabe escalou o que tinha de melhor em caráter defensivo. Escalou as melhores defensoras com ataque rápido. Parecia um time de LÍBEROS atacando em extrema velocidade.
    No primeiro set, vitória apertada das gigantes russas, nos demais sets, passeio do Japão.
    A Rússia sem Gamova não vai longe!!!
    Não é de hoje que é uma característica do Zé ser lento nas substituições… Ele costuma deixar a maionese desandar e faz substituições muito lentamente, qdo já não dá mais chorar pelo leite derramado e reverter o resultado.
    Prova disso é que o único jogo em que as reservas puderam realmente jogar foi contra a Rep.Dominicana.
    Nos demais jogos, só as titulares, e em muitos sets sequer houve a inversão do 5×1, que é comum em muitas seleções.
    Mas não achei que o Brasil jogou mal, jogou o normal que costuma jogar. Só que a Turquia estudou muito bem as titulares brasileiras, material para estudo não faltou, afinal o Zé só joga com as titulares…
    Barbolini fez um excelente trabalho tático, pois o time turco soube como explorar os pontos fracos de cada jogadora e marcou muito bem as jogadas principalmente de Thaisa e Garay.
    Carol, Tandara e Gabi entraram bem e evitaram o 3×0.
    Vejo Carol cada vez mais empenhada em disputar o mundial e se distanciando de Adenísia.
    Passei a madrugada por conta do vôlei, dando breves cochilos nos intervalos entre as partidas.
    Foi uma pena a novata oposta e sensação belga Lise Van Van Hecke, não ter jogado contra a China.
    Lise é uma Kim Belga.Segundo o técnico belga ela está com fortes dores no joelho por ser máquina de pontuar no saque,bloqueio e ataque. Ela tem que pular muito em todos esses fundamentos. Por isso ela foi poupada contra a China, para ver se ela pode jogar mais pra frente.Ele acho que ela vai ser capaz de jogar a fase final,mas prefere preservá-la e não escalá-la em jogos seguidos.

  • Aline

    Resumo do primeiro dia: as seleções que passaram melhor venceram!
    Por quê? Porque conseguiram jogar… Sem passe fica difícil, todo mundo está sendo estudado e bem marcado, quando não é no bloqueio, é na defesa, como as nanicas japonesas venceram as gigantes russas!

  • Edu

    As russas parecem desinteressadas na competição.Dificilmente uma jogadora russa tem menos de um oitenta e cinco e conseguiram fazer estragos moderados com um blogue pequeno e esforçado como o japones .As levantadoras e as liberos também deixam bastante a desejar na transição da recepção para o passe.Cada vez mais me reforça a negativa impressão de como foi indelicado e absolutamente inoportuno o ZRG( que anda muito destemperado como o impropério sonoro proferido contra a arbitragem).É um assunto interno do vólei russo.Quase como um treinador daquele pais esmiuçar uma crise de vestiário envolvendo duas jogadoras da seleção em pleno encerramento da Superliga.Com o treinador russo nomeando ambas e fazendo considerações a respeito desse fato intimo e pessoal.Impossível registrar que quanto mais o treinador russo tentava remendar sua equipe contra as japonesas mais belas jogadoras entravam em quadra.Hoje a Russia é disparadamente primeiro, segundo e terceiro lugares no quesito mulheres bonitas das seleções femininas do vólei mundial.

  • Elizabeth

    Aline, vc realmente entende de vôlei! Vc é jogadora? Gostei muito de seus comentários.

  • Luiz Rodrigues

    Confesso que fiquei um pouco decepcionado com nossa seleção, afinal, quem viu os jogos do Brasil na primeira fase dificilmente imaginaria que elas pudessem jogar tão mal como jogaram contra a Turquia. Fica o alerta, o Brasil é hoje a melhor seleção do mundo, mas quando não consegue jogar bem pode perder para qualquer seleção mediana da atualidade, lembram-se da derrota para a Coréia por 3×0 nas Olimpíadas. Hoje não perderam de 3×0 para a Turquia por sorte, pois pelo que apresentarem nos 2 primeiros sets (ou não apresentaram) mereciam ter perdido por 3×0. Desculpem minha opinião, mas Natália e Tandara não me convencem, são jogadoras que tanto jogam bem em alguns momentos como erram feito iniciantes em outros.

MaisRecentes

A velocidade do Sesc, com Thiaguinho, impressiona



Continue Lendo

O novo conceito da FIVB para 2018



Continue Lendo

Apenas Lebes/Canoas faz o dever de casa na rodada



Continue Lendo