As derrotas nos EUA e o futuro de Jaqueline



A Seleção Brasileira feminina terminou a série de amistosos contra os Estados Unidos sem vitória.

Na madrugada de domingo, novo revés por 3 sets a 2. E agora José Roberto Guimarães irá usar as observações que fez para definir o grupo que iniciará a disputa do Grand Prix, que servirá como preparação para o Campeonato Mundial da Itália.

A grande pergunta é: Jaqueline terá espaço entre as 14 jogadoras?

Difícil ter certeza antes do retorno da delegação para o Brasil. Mas as portas, que sempre estiveram abertas para ela mesmo depois da inativiade pré e pós-gravidez, ficaram bem mais fechadas após o episódio do aeroporto.

Ouvindo gente próxima ao grupo brasileiro, alguns detalhes a mais sobre o caso.

Com o primeiro voo para os Estados Unidos cancelado, a delegação se hospedou em um hotel próximo para viajar no dia seguinte. A jogadora, então, pediu para dormir em casa, com o filho. Zé Roberto pediu para que ela permanesse com o grupo, mas Jaqueline insistiu em sair, contrariando a posição do treinador. E a relação, assim, pode ter desandado de vez.

Jaqueline era uma opção tática importante na Seleção, principalmente pelo volume de jogo. Zé Roberto, agora sem Fabi, poderia sempre fechar o grupo com uma líbero apenas (agora Camila Brait) e usar a ponta como uma opção de emergência. Pode perder essa oportunidade e ter de convocar uma líbero reserva ou moldar uma outra atacante, mais passadora, nesta função. Vale lembrar que nos EUA estavam Fernanda Garay (tem bom passe), além de Natália e Gabi (essas mais instáveis no fundamento). Não incluo Tandara nesta lista, por ela ainda estar se recuperando de contusão.

 



MaisRecentes

Brasil bateu recordes no Pan. Mas os vôleis ficaram devendo



Continue Lendo

Coluna: Brasil precisa aprender a perder



Continue Lendo

Passe virou a dor de cabeça do Brasil



Continue Lendo