Anotou a placa, Rússia?



25 a 10. Com direito a placar tão dilatado no segundo set o Brasil atropelou a Rússia, nesta quinta-feira, em Bangkok, na Tailândia, por 3 a 0, garantindo presença na semifinal do Grand Prix.

Numa atuação irrepreensível, a Seleção fez seu melhor jogo na competição. Uma partida com todas as titulares atuando em alto nível, algo que se espera ver novamente nos Jogos Olímpicos. As demais parciais terminaram em 25-22 e 25-21.

José Roberto Guimarães fez apenas uma alteração no time titular que havia batido a Tailândia, na véspera. Léia entrou na vaga de Camila Brait. E jogou demais, dando estabilidade ao passe e aparecendo bem também na defesa, seu principal fundamento. A briga pela vaga de líbero na Rio-2016 segue muito acirrada entre as duas. Com a linha de recepção estável, Dani Lins pôde distribuir bem as bolas no ataque. E quem brilhou nas ações ofensivas foi a oposto Sheilla, que colocou 14 das 22 bolas que recebeu no chão, um aproveitamento de 63%, altíssimo quando se enfrenta o alto time russo.  Foi a maior pontuadora do Brasil e do jogo. E deu a impressão daquela Sheilla decisiva de Londres-2012.

Sheilla e Léia, protagonista na vitória brasileira (FIVB Divulgação)

Sheilla e Léia, protagonista na vitória brasileira (FIVB Divulgação)

Mas o restante do time também apareceu bem na pontuação: Thaisa marcou 13 (quatro no bloqueio), Natália fez 12, Fernanda Garay pontuou dez vezes, com a capitã Fabiana fazendo mais oito. No fim deu para Zé Roberto colocar Jaqueline e Juciely em quadra.

Já a Rússia, tadinha, teve apenas Goncharova com dois dígitos na pontuação: 12. Mas vejam bem: ela recebeu 31 bolas no ataque e colocou apenas dez no chão. Sentiu falta de Kosheleva, oficialmente cortada por lesão nas costas, e de uma linha de passe capaz de receber os saques brasileiros.

Nesta sexta-feira o Brasil folga na rodada. Vai acompanhar de camarote o aguardado Estados Unidos x China. Vitória americana eliminará as asiáticas, que hoje perderam para a Holanda no tie-break, com 31 pontos de Sloetjes. Caso esse resultado realmente aconteça a Seleção terá as holandesas como rivais na semifinal de sábado. Já a Rússia fará o confronto direto pela vaga com a Tailândia, dona da casa que costuma dar muito trabalho no confronto com as europeias.



  • Senhor Omar – Trágico

    Léia tem de ser titular.

  • L. Mesquita

    Sempre achei que o adversário mais perigoso e traiçoeiro do grupo do Brasil na Olimpíada é a Korea de todas a Kim’s. A Kim líbero, a Kim oposta, a Kim central e é óbvio, a mais famosa delas, a Kim ponteira-passadora MVP Olímpica. De 2012 para 2016, o time da Korea evoluiu e não depende tanto da Kim Yeon Koung como dependia em Londres quando fez 3×0 no Brasil. A oposta Kim Hee-Jin era uma central que virou oposta à la Muserskiy na Rússia, essa oposta é uma excelente bloqueadora e tem pontuado muito no ataque também dividindo a responsabilidade com a Kim Yeon-Koung na pontuação. A central Kim Su-Ji é outra novidade no time da Korea em relação a 2012, rápida no deslocamento de bloqueio e muito boa sacadora. As líberos da Korea são um show à parte, Kim Hae-Ran e Nam Jie-Youn costumam jogar revezando entre si. Assim como o Japão, acho provável que a Korea também venha com duas líberos para a Olimpíada. A Korea despreza o Grand Prix, prefere ficar treinado focada na Olimpíada. No Pré-olímpico Mundial, o técnico Lee Jung-Chul jogou com o regulamento debaixo do braço para se classificar e testou todas as suas jogadoras reservas, nas partidas contra o Kazaquistão e a Rep.Dominicana ele pôs todas as reservas p/jogar. A Korea de 2016 não é tão dependente só de uma jogadora, apresenta mais conjunto e, portanto, são mais perigosas e estão que nem mineiro, querendo comer quieto, pelas beiradas, sem chamar muita atenção no cenário mundial para dar tudo na Olimpíada.

    • Senhor Omar – Trágico

      Korea não ganha nada. Nem chance de medalha tem…pra ficar focando em olimpiada.

  • will

    Eu fico impressionado com a quantidade de anti torcedor brasileiro ou crítico do vôlei das meninas do Brasil tá no caminho certo de se encontrar e ganhar corpo como um todo hoje por exemplo jogou muito bem com os fundamentos aparecendo,tá faltando Kosheleva sim é uma grande perda no lado russo ao que diz respeito do ataque mas hoje se ela estivesse ou não, o resultado seria a vitória do Brasil pois errou muito pouco e quando o Brasil entra em quadra com a cabeça no lugar racionando as jogadas é difícil de perder .
    O ruim é chegar e depois criticar mas tá faltando isso ou aquilo não o que tem que ser na Olimpíada vai ser de acordo com o que já foi planejado não adianta querer botar um pedestal a seleção dos EUA, China entre outras se realmente não conseguirem aquilo que elas precisam,acho que o Brasil tá no caminho certo que foi muito importante essa semana de treinos antes da fase final pra equipe realmente ganhar mais na técnica do seu passe e ataque pois aí cresce o seu bloqueio dentro da partida.Hoje ainda vejo pelo plantel as americanas e chinesas em vantagem mais o Brasil tá aí e não precisa mostrar mais nada pra ninguém é a atual BI campeão olímpica e está na briga por medalhas independente de como chega na hora do mata a mata é o que vale dentro dos jogos,se a final do Grand Prix se concretizar EUA e Brasil vai ser um grande teste de luxo pro zé roberto.

MaisRecentes

Praia x Minas e Sesc x Vôlei Nestlé. Quer mais?



Continue Lendo

Agora líbero, Murilo volta a ser relacionado após 8 meses



Continue Lendo

E vem mais um Zenit Kazan x Sada/Cruzeiro por aí!



Continue Lendo