Anotaram a placa?



25-19, 25-12 e 25-10.

Nem o mais otimista torcedor da Seleção Brasileira feminina imaginava tais parciais na vitória sobre os Estados Unidos, na abertura da fase final do Grand Prix.

Tudo deu certo de um lado, tudo deu errado do outro. Normalmente, isso pode acontecer em um set, um período do jogo, ainda mais entre times que se conhecem tão bem. Mas desta vez, foi durante todo o encontro. Um domínio total e absoluto do Brasil. Coisa rara de ser ver.

A frase de Zé Roberto resume bem o acontecido:

– Nem no meu sonho poderia imaginar um resultado desse.

O desempenho quase perfeito deve ter impacto nos próximos jogos, principalmente na cabeça dos rivais. Todos, que já respeitam muito as bicampeãs olímpicas, vão respeitar um pouco mais o Brasil. Do lado verde-amarelo, a armadilha é não subir no salto alto e achar que o GP será moleza até o fim.

Por fim, admito que esperava a escalação de Sheilla como titular, mas Zé manteve Monique, que foi usada durante grande parte da competição.  Ele, assim, está ganhando uma nova opção para a posição, dominada há anos pela camisa 13.

 



  • Rafa

    O tanto que o Brasil jogou foi sem igual. E nos momentos que os EUA esboçavam alguma reação, o Zé Roberto parou o jogo. Tudo funcionou, mas principalmente, todas estavam confiantes.
    A Monique jogou muito, não foi a principal opção de ataque, mas deu muito volume pro time. Defendeu tudo no início do jogo, defendia tanto que não dava pra Dani levantar bola pra ela, porque ela tinha se jogado no chão pra defender. Ela bloqueou muito também, o time todo aliás, e sacou muito. Foi um jogo maravilhoso.

    • Alex

      Não assisti o jogo, mas fiquei muito contente com a vitória avassaladora do Brasil. E pegando gancho do seu comentário sobre a Monique, pensando nos outros jogos que assisti na fase de classificação, talvez o que tenha chamado atenção no jogo dela é justamente a defesa. Ela é um oposta que defende. A Sheila, embora eu a considera a melhor do mundo, a própria reconhece que esse é seu pior fundamento.
      E mais, o ZRG defende a tese que na seleção ninguém tem lugar cativo, mas é justamente o que está acontecendo com ela. Impossível que não tenhamos substitudas para a tal posição, e se ela cair de rendimento, se lesionar ou qq outro motivo, quem joga? Hoje enxergo que o ZRG tem a Tandara como primeira opção para substituir Sheila, tanto que a mesma será treinada por ele no Volei Amil e ainda de quebra ele já está testando a possível reserva da Tandara na posição.

  • Eduardo Araujo

    Alguém pode me falar oq os EUA foram fazer no Japão, tinha droga na bebida delas??

    O Brasil jogou muito bem ontem, no bloqueio e no ataque, com o passe na mão a Dani Lins jogou muito pelo meio, foi um jogo que deu tudo certo.

    Ontem não teve jogo de vôlei, isso ate me deixou chateado para falar a vdd, esperava um jogo duro disputado e pareceu Sollys ou Unilever contra aqueles times da America do Sul, profissional contra amadoras.

    Enquanto no Brasil dava tudo certo, do lado dos EUA dava tudo errado, não acertavam o saque, recepção, levantamento e ataque…

    Quando a recepção funcionava a Glass dava umas bolas horríveis para as atacantes e quando ela acertava a bola as atacantes isolavam a mesma…

    Oq eu achei curioso foi que no segundo set o Brasil deu uma surra nos EUA 25 X 12 e antes do 3 set, a TV loca mostra as americanas dando risadas no banco, como se o jogo estivesse para começar, eu estaria chorando com a apresentação delas.

    Enfim sendo um time B dos EUA um time jovem podem ter sentido a pressão na estreia, pq somente o corpo delas estava na quadra a mente estava longe.

    Quanto ao Brasil que não tem nada haver com isso, jogou bem, concentradas, a Fabi quando foi necessário fez bem o seu trabalho passando e defendendo bem, como eu disse a Dani usou bem os jogadoras de meio e a Gabi foi bem também, enfim o Brasil entrou para o jogo com 200% e os EUA entrou com 15% e acho que nem isso.

    Em relação aos outros jogos eu esperava mais das outras seleções, mas não vi nada de espetacular.

    Eu admito que estava preocupado do Brasil fazer feio, mas acho que vamos ganhar pq não vi nenhuma seleção adversaria que possa fazer frente.

  • PAIVANO

    Uma vitória com V maiúsculo!!!

    O Brasil estudou muito o adversário e conseguio colocar tudo em prática, taí o resultado.
    Se a seleção conseguir manter este padrão de jogo contra os outros adversários, sobretudo contra a Sérvia e a ótima China que também será outra pedreira, os jogos se tornarão fáceis para o Brasil!!!
    Espero sinceramente que a seleção não tenha gasto todas as suas fichas neste jogo e que também estudem e coloque em prática a tática adotada a cada adversário.
    Temos que parar com essa mania de elogiar o sistema tático americano e tudo o mais e tentarmos também ser como eles, jogar com obidiência tática, aí ninguém nos segura!!!

    Vamos Brasil rumo a mais um título, mas com os pés no chão! Nada de já ganhou!!!!!

    Paivano.

  • henrique

    Tamanho nem sempre se leva vantagem mas a tecnica sim que bom que jogadoras baixas para os padroes internacionais como gabi e as clonadas irmas pavao estao se saindo muito bem e calando muitas bocas inclusive a minha tomara que elas retorne a egemonia e mostre a todas rivais porque somos as atuais bi campeas olimpicas boa sorte a elas

  • Hugo

    Não entendo o PORQUE a Dani não coloca bola para Monique. Tudo bem q ela não é a melhor opção de ataque, mas tem créditos para fazer valer o fato de estar no GP. Desconheço algum time/seleção que não põe bola p oposto. Afinal de contas ela tem q ser testada em todos os sentido. Acho ela uma boa jogadora, porém tem q ser trabalhado e testado seu ataque. Qto as demais foram boas, fizeram seu papel, porém são as medalhões tinham a obrigação de vencer dos EUA (B). A Gabi tem demonstrado potencial, só tem q amadurecer o ataque qdo ela é fechada no bloque, a Garay disparado a melhor jogadora de ponta brasileira, seu passe tem q ser trabalhado pois os adversários já descobriram q não é a sua experiência (saca na Garay, rsrs) Fabizona e Taisa, amo vê-las jogando, a Taisa é a the best do Brasil, joga com raça. Fabizinha tem garra e ainda espero vê-la em 2016.

    • Alex

      Boa observação. E pior, o fato de não levantar bola para a Monique demonstra que a levantadora não tem confiança no ataque da oposta. Mas, se ela não for testada nunca saberemos se tem reais condições de estar na selação e ser titular. E digo mais, embora ninguém viva de passado, também não podemos joga-lo fora, e no caso de Monique jamais esquecer a sua entrada no lugar de Joycinha na Superliga 2009/2010 onde o Unilever virou o jogo, levou o título e ela ainda saiu como MVP da partida, depois a ótima superliga que fez pelo Macaé que tinha um volume de jogo muito bom e mais recente o que tem jogado no Praia Clube, levando o clube inclusive ser considerado a sensação da superliga.

    • andré L.

      vc tem olhado as pontuaçoes dos jogos? a monique tá sempre proxima às principais pontuadoras. ela recebe, principalmente, no contra-ataque, na boa, com a lins deixando ela no simples. qual o problema com isso, se tem dado certo?

  • Bernardo

    O que mais me chamou a atenção foi a concentração durante todo o jogo e o baixo n° de erros do Brasil. Quando acabou o primeiro set achei que tinha sido muito fácil e que logo iria complicar, mas a verdade é que o primeiro seria o mais difícil. Otimo ver a seleção jogando como sabemos que tem condição de jogar, o que precisa é ter concentração e errar o menos possível. Que venha a China.

  • Samuel Piauí

    Foi de encher os olhos a atuação da Seleção. Foi quase perfeito! Quanto as jogadoras, todas atuaram bem, dá pra ver nas distribuições da Dani. Quase todas com pontuação parecidas. Continuo achando que o Zé tá muito certo na escalação da Monique. É sim nossa melhor opção como oposta. Pois a mesma, não compromete no ataque, e contribui bastante, bastante mesmo na defesa. Foi espetacular vê-la defendendo bola dificílimas. No geral, fiquei muito satisfeito. A Tandara é ótima no ataque, porém ela tem um percentual abaixo, recebe muitas bolas, mas erra bastante. É normal vê-la como sendo a maior atacante na superliga, pois ela recebe muitas bolas, mais que as outras atacantes. Mas, é uma arma muito boa para os outros jogos, além de Natália. Tô satisfeito com a Monique. Parabéns José Roberto, sempre apostando em atletas que dividem opinião, mas no final compreendemos o real motivo da convocação.

  • Euri

    O que mais tenho gostado no jogo da Monique é o fato de que ela se mostra extremamente regular. Eu sei que tem gente que prefere até a Tandara ou mesmo a Natália como reserva da Sheila ou mesmo como titular, principalmente pela potência do ataque, mas a verdade é que, no pouco tempo de experiência na seleção, a Monique tem mostrado mais maturidade e segurança. Mesmo errando um ataque ou outro, ela não parece se desesperar em quadra. As outras duas parecem estar sempre em alguma crise e acho que elas sempre decepcionam quando precisamos delas na seleção. Ao contrário do que acontece nos clubes. Além disso, com atacantes como a Garay, Fabiana e Thaisa, a seleção precisa mais de uma oposta confiável do que uma oposta superpotente.

    • Perikito

      E quando não tivermos passe e formos obrigados a jogar apenas com as extremidade? Vai ficar tudo nas costas da Garay é?

      • Jairo(RJ)

        Pelo pouco que vi do jogo, acho que guardar a oposta foi uma boa estratégia do Zé. A equipe americana não entrou no jogo e com isso, normal deixar a Monique um pouco de lado.

  • andré L.

    em 2009, um brasil nao tao renovado, detonava uma jovem seleçao americana, com nova comissao tecnica. em 2010, amistosos ganhos, vitoria no mundial, mas perdemos o grand prix.

    a partir de 2010, os EUA aprenderam a jogar contra o Brasil, ja que o ZRG usava a mesma equipe em todos os campeonatos, e deu no que deu. derrotas seguidas salvas pelo bicampeonato olimpico.

    nao acho que existe necessidade de tanta comemoraçao. essa equipe dos EUA, atualmente, é como a Holanda, República Dominicana, etc. espera elas adquirirem metade da bagagem da nossa seleçao e veremos no que dá. se tudo correr como no passado, vem o tri-olimpico em cima delas.

MaisRecentes

Sada/Cruzeiro sai do Mundial com bronze e cabeça erguida



Continue Lendo

Rodada define confrontos da Copa Brasil masculina



Continue Lendo

Dia de aplaudir o Zenit Kazan



Continue Lendo