Aniversariante Natália desequilibra e coloca cariocas em vantagem



13, 7, 4, 2. Não são os números de Lost, mas sim a quantidade de erros, set a set, que o Rexona-Ades cedeu para o Camponesa/Minas na abertura do playoff semifinal da Superliga feminina, em Belo Horizonte. O placar final de 3 a 1 (25-23, 22-25, 25-22 e 25-15) tem muita relação com eles.

Na primeira parcial, a quantidade absurda de pontos dados de graça só não teve consequência pior pois o Minas foi praticamente um time de duas jogadoras no ataque: Carla (cinco pontos) e Jaqueline (quatro). O outro pontinho no fundamento foi de Mari Paraíba. Nada de pontuar no bloqueio, no saque e com as centrais Walewska e Carol Gattaz… Como não foi um time coeso, o Minas perdeu uma chance rara de sair em vantagem diante da favorita equipe carioca, que, apesar dos erros, conseguia pontuar com todas as suas jogadoras. Natália, a aniversariante do dia, liderava as ações, voltando a atuar na ponta após algumas rodadas.

Ataque de Natália (Marcio Rodrigues/MPIX)

Ataque de Natália (Marcio Rodrigues/MPIX)

À frente no placar, o Rexona conseguiu diminuir quase em 50% os erros no segundo set. Mas isso não foi suficiente para evitar que Bernardinho quase rasgasse a camisa algumas vezes. A raiva do treinador respingava em Regiane, que não foi bem na saída de rede, nos erros de marcação de Juciely no meio de rede e em momentos de perturbação do passe. O Minas, impulsionado pela torcida e por várias defesas de Jaqueline, teve volume de jogo para empatar o confronto.

Mas Natália voltou a roubar a cena, desequilibrando um set que foi parelho em quase todo o tempo. Foram nove pontos no total, mesma quantidade da soma de Jaqueline, Mari Paraíba e Carla, esta última já limitada por dores nas panturrilhas. E o triunfo na parcial praticamente selou o destino do primeiro duelo, já que o quarto set foi um passeio. Times mudados (Bruna e Mayhara titulares no Rio e todas as reservas terminando em quadra pelo Minas) e total domínio do Rexona, que terá duas chances, em casa, para fechar a série e se garantir na decisão.

Antes de dormir, um registro importante. Não ter o desafio eletrônico neste jogo é, no mínimo, injusto com os dois times que estiveram em quadra. A desculpa de que o equipamento foi usado de manhã, em São Paulo, no jogo Sesi x Molico, e não tinha como estar em Belo Horizonte não parece suficiente. Penalty, a criadora da tecnologia, e CBV deveriam ter uma contingência para eventualidades como esta, já que o duelo estava marcado anteriormente para sexta-feira. O mínimo para dar direitos iguais a todos os semifinalistas. E o que não faltou foi erro de arbitragem nesta noite de sábado, algo que o sistema poderia ter ajudado a minimizar.



  • Marta

    Não houve tempo hábil para o transporte do equipamento porque essa gestão da CBV é uma piada de mal gosto e foi a responsável pela marcação dos dois jogos no mesmo dia.

    Sobre o jogo, a imensa quantidade de erros só mostra o baixo nível dessa Superliga que tem tudo para ser perpetuado pelas próximas temporada já que nas primeiras reuniões para discussão sobre o ranking não houve nenhum debate sobre nenhuma mudança que possa tirar nosso voleibol dessa mediocridade.

    • SPORTS IN THE WORLD

      Prezada Marta, falta é profissionalismo na CBV, não adianta contratar consultoria da FGV, contratar este tal de Ricardo Trade, CEO (CEO é o cacete, como diz sabiamente o Ancelmo Gois), expressões em inglês, coisa muito usada por nós brasileiros “para impressionar” os incautos, e por aqueles que no fundo têm é complexo de “vira latas” como diria o saudoso Nelson Rodrigues. O que tem de haver, é PROFISSIONALISMO! Não poderia ter o Sistema da Penalty somente no jogo de SESI x OSASCO em SP. Ou teria o Sistema nos dois jogos ou então em NENHUM DOS DOIS, muito simples e PROFISSIONAL. Em que escola os CEOs da CBV estudaram Organização Esportiva? São sim um bando de burros que nada sabem. Critério igual para as duas semifinais, e ponto. No afã de colocar o merchandising da Penalty, esqueceram do lado TÉCNICO, da imparcialidade, do julgamento igual para as 4 equipes, enfim do RESPEITO, que deveriam ter por todas elas de forma igualitária. São de um amadorismo a toda prova. E o pior nada acontece com eles, por quê? Se são um bando de INCOMPETENTES. Por quê os responsáveis por uma LAMBANÇA como esta não vai para a o olho da rua? Há no mínimo que se dar nomes desta gente incompetente CBV. Quem coordena a Superliga? Quem coloca os juízes? Visibilidade e comprometimento é transparência.

  • Léo

    O MINAS foi ROUBADO descaradamente pela arbitragem. Esse não foi o único problema. Concordo com as declarações super lúcidas da WALEWSKA no fim da prtida. Muitas jogadoras do MINAS sentiram o jogo como a NAIANE, que no final de set só empina bola na ponta; a TICA, sem comentários; e a MARI que, ao meu ver, prejudicou a equipe. Sei que a MARI vem fazendo uma ótima SL mas hoje tremeu. E colocar quem em seus lugares? JU NOGUEIRA? TORQUETE? Não.
    O RIO fez sua parte. NATALIA jogou o que não havia jogado até então. No fim, com as substituições feitas em ambas equipes, prevaleceu o TIME do RIO que é muito superior ao MINAS.
    Tomara que o segundo jogo seja melhor.

    • SPORTS IN THE WORLD

      Caro Léo permita-me discordar, não houve nenhum roubo. Houve sim incompetência por parte dos 2 juízes e dos fiscais de linha mas principalmente de quem os coloca para apitarem. E por quê não teve o tal do Sistema da Penalty? Falta imperdoável dona CBV.

  • Hebert

    Daniel, o que vimos hj foi um desrespeito com as atletas, patrocinadores e torcida. Existiram erros que o sistema ajudaria a resolver, porém os maiores foram de interpretação da arbitragem. Acho que todos aqui gostariam de estar discutindo jogadas, aproveitamento das jogadoras, a torcida que deu um show, mas infelizmente os erros grotescos dos árbitros marcharam o jogo.

    • SPORTS IN THE WORLD

      Concordo contigo em gênero, número e grau meu caro Herbert! Faltou realmente foi RESPEITO.

  • Nubia da Silva Santos

    Primeiramente a arbitragem errou para os dois lados, mas os erros contra o Minas foram em momentos chave do jogo. Segundo que é impressionante como o Bernardinho xinga o arbitro de filho da P#@@ varias vezes e o segundo arbitro não vê ou fingir não vê.
    Em relação ao jogo, acho que o Minas tem uma limitação tecnica, pois se alguma das titulares não joga bem ou se machucar, caso da Mari e Carla respectivamente hj, o time não tem banco.
    O Rio venceu pq tem um elenco melhor, que ajudar o time com maior variações.
    Em relação a jogadora individual, a Natalia jogou muito hj, principalmente no ataque. Esta voltando a ser a jogadora que o Brasil viu nascer para o cenário Nacional, Bom para Seleção.
    Agora vou dizer uma coisa, O que a JAQUELINE está jogando atualmente é brincadeira. Está atacando como nunca na carreira e defendendo esta parecendo a SANO do japão. Tenho uma preocupação em relação a SELEÇÃO a longo Prazo. Pq não vejo no Brasil alguma jogadora perto da capacidade da Jaque de organizar tecnicamente e taticamente sua equipe. E sem uma jogadora como ela, o Brasil não terá condições de jogar como sempre jogo, que foi com bolas rápidas e meios de rede. Ainda mas se fomos pensar que jogadoras como Jaque,Sheila, Fabiana provavelmente estarão no ultimo ciclo olímpico no RIO2016. O que vc acha Daniel Bortoletto?

    • jose herbert arujo

      Concordo contigo. É preocupante.

    • SPORTS IN THE WORLD

      É Nubia, erraram para os dois lados mas concordo contigo, eles erraram em momentos cruciais contra o Minas. Agora, por quê o tribunal da CBV, não vê o tape do jogo e não pune o Bernardinho e não afasta este segundo árbitro cagão, assim como quem o põe para apitar. O futebol não fazem assim? Por que o vôlei não faz o mesmo? Todos para o banco dos réus no Tribunal.

  • Vergonhosa a arbitragem hoje na Arena Minas. Tendenciosa. Ridícula. Garfou o Minas em pontos claríssimos a seu favor. Tecnologia não foi usada no jogo. Superliga de cartas marcadas. Já está tudo definido, já sabemos que o campeão será ou Rexona ou Molico/Osasco. E os demais times (exceção do Sesi) vão cada dia mais definhando, sem patrocínios decentes pra montar times competitivos. O projeto do Brasília já sabemos que vai começar do zero. Uniara e SJC estão quase fechando as portas. SBC fez uma temporada horrorosa. Maranhão, coitado, não passou de 11º lugar. Lamento, mas ano após ano, estou cada dia mais convicto de que essa Superliga só serve pra definir 3º colocado pra baixo, pois os dois primeiros colocados já sabemos quem serão.

  • rafael cruzeiro

    Alguns comentários:
    1. Eu já tinha apostado que Bernado iria retornar com a Natália na ponta, pois a principal arma de ataque do time carioca são os ataques das ponteiras (Gabi e Natália). Entretanto, o time fica capenga, sem oposta. Mesmo assim, apesar do Marco Queiroga ter insistido para o time abandonar a marcação na Regis e se concentrar nos ataques pelas ponteiras, o time mineiro não conseguir barrar o forte ataque carioca;
    2. Ponto, mais uma vez, para Bernadinho e sua comissão técnica, que fazem leitura correta do jogo e promovem as alterações nos momentos e nos modos corretos. Perceberam que a Juciely estava com dificuldade no ataque e deixava espaço entre ela e a rede nos bloqueios, assim como a fragilidade da regis no ataque como oposta; não perderam tempo e mudaram o time para melhor;
    3. O Rexona/Ades/Rio é um time que sempre comete muitos erros, pois arrisca muito (além da histórica fragilidade na recepção);
    4. Péssima noite da arbitragem. É certo que os árbitros cometeram muitos erros para ambos (ataque “bem” dentro do Minas considerado “bola fora”, ataque “bem” fora do Minas, considerado “bola dentro”, toques nos bloqueios em ambas equipes não considerados, dois toques da Waleska não marcado, condução da Bruna, etc). Contudo, os erros pesaram mais no MTC, pois além do time carioca ser mais maduro e não se abalar tanto (com a arbitragem e com seus próprios erros), eles foram cometidos contra o time das Alterosas em momentos cruciais na partida;
    5. Por fim, apesar da péssima arbitragem, jogadoras experientes (Waleska e Gataz) não poder se desconcentrar em razão dos erros. A jaque ainda pediu para o time voltar a jogar e esquecer os árbitros, mas elas estavam nitidamente irritadas. O erro de posicionamento foi no início do set, se fora erro do árbitro ou do time, não importa, era hora de passar borracha e seguir em frente. Espero que elas não levem isso para o próximo jogo e empatem a série.

    • wms

      Concordo inteiramente com seu comentário, especialmente no diferencial do Rio de Janeiro diante dos problemas dentro e fora de quadra. Acho que é por aí que entendemos bem porque o Rio chega ao topo mesmo sem elenco para tal, temporada após temporada…

      A Jaqueline melhorou muito depois do tempo fora das quadras, pois me parece ter mantido em alto nível seu papel de composição dentro da equipe e agora está atacando como nunca. Mas numa semifinal um time precisa mais do que uma jogadora pra chegar à frente…

  • O Camponesa/Minas estava visivelmente mais nervoso que o Rexona,Mari Paraíba não conseguia se soltar,estava mal em todos os fundamentos mesmo no saque fraco.O técnico do Minas muito fraco,demora a fazer uma inversão,a pedir um tempo e espera o adversário ultrapassar para pedir tempo.Sei lá ultimamente o MTC ta ruim nos quesitos comissão técnica,o último Jarbas Soares não deixou saudades.Torço pro Minas,mas se o técnico não sentar e estudar o time do Rio vai perder novamente,as melhores como sempre foram Carla,Jaqueline , Nayane e a Wal..o resto …E pra piorar a situação uma péssima arbitragem,se esta CBV fosse algo sério colocaria o Sr.Anderson Caçador pra caçar 1 ano de férias…mas aqui é Brasil..

    • Léo

      Infelizmente a MARI prejudicou o MINAS. Um técnico que no meio de um tempo pergunta pra sua levantadora: “qual meio (Wal ou Carol) está com você?” pra mim não dá.

    • SPORTS IN THE WORLD

      Prezado (a) Kicte (mt)! Questão de justiça o juiz não foi o Anderson Caçador de MG, este apitou o jogo de SESI x OSASCO, e sim o Paulo Turci do PR. Agora claro que você tem toda a razão o Sr. Paulo Turci foi muito mal mesmo e ainda teve como juiz debaixo o PÉSSIMO Flávio Campos, que não é a primeira vez que este cara prejudica o Minas. A CBV tem de vir a público e explicar porque o Paulo Turci que apitou pouquíssimos jogos em toda a Superliga e é colocado para apitar uma semifinal, ele estava totalmente fora de sintonia, não tinha critérios definidos das faltas de dois toques, totalmente inseguro e o outro este tal de Flávio de SP, com certeza é protegido, porque apita muito e sempre mal, é um dos piores juízes e o que mais apita, não dá para entender isto. Além disto, é grosseiro erra muito e ainda fala de forma ríspida e grosseira quando perguntado sobre alguma besteira que apitou ou seja, ainda por cima é um arrogante e dono da verdade. Daniel quando é que o responsável pelos juízes virá a público mostrar sua cara (de pau) se é que ele tem. E falar alguma coisa sobre estes péssimos juízes e claro também sobre sua HORROROSA direção. Com a palavra dona CBV. Em tempo: que coisa horrível mais uma vez os fiscais de linha de Minas.

    • wms

      De fato, o técnico do Minas foi omisso em sua função, especialmente no quarto set, quando o Rio começou a deslanchar: Com três pontos de diferença já era pra parar o jogo, as meninas estavam pirando nos erros de arbitragem e esquecendo o jogo, Jaqueline sozinha não conseguiu trazer o time de volta ao jogo, mas isso é função do técnico . Sei que o Minas já chegou muito longe na Superliga, mas isso não justifica esse descontrole emocional (3 jogadoras experientes dentro de quadra deveriam ajudar nesse cenário) nem essa apatia do técnico.

  • daniel

    1- Os erros de arbitragem foram muitos e prejudicaram principalmente o Minas.
    2- Fofão não jogou bem e parecia irritada. Achei estranho.
    3- Natália foi espetacular.
    4- Amanda como sempre com seu saque destruidor.
    5- A levantadora Naiane é um talento raro. Inteligente, precisa, veloz.

    • Nubia da Silva Santos

      Concordo 100% Daniel. Acho que se a Naiane for trabalhada com paciência, principalmente pela torcida, tem tudo para ser uma grande levantadora. Acho que sua precisão nas pontas é a melhor da Superliga. Precisa ainda de coragem para arriscar com as meios, mesmo com passe B, para distribuir com maior equilibro.
      A Natalia é uma jogadora ESPETACULAR, o físico que sempre a prejudicou. Torço para manter essa fase para o RIO 2016, pois iremos precisa de jogadora de força. Acho que nessa pegada, ela irá disputar vaga com a Garay para fazer dupla com a JAQUE. Pq a Jaque em condições normais, para mim é insubstituível em qualquer time ou seleção do mundo.

  • Lucas

    Como venho dizendo, os problemas do minas, além dos mtos erros, q se equivaleram aos do rio, são: A INEFICIÊNCIA DAS CENTRAIS (n fizeram nada no 1 set) e A PÉSSIMA INVERSÃO, A PIOR DA SUPERLIGA.LIA, n faz nda, quase. N crava nenhuma bola.n desequilibra. Qem deveria entrar era a ju Nogueira. A jordane é melhor q a torquete. A walewska apareceu bem nos outros sets, já gattaz…bloqueou nada. E isso conplica!
    Porém, o grande problema mesmo do minas e a grande trunfo do rio , está no BANCO!!!
    Além d todos saberem q a diferença do rio p outros times se deve ao técnico e comissão, o banco é outro fator. Todas as jogadoras estão prontas a todo momento. Todas q entram fazem a diferença .se a levantadora reserva entra, pontua . Se a central reserva entra, faz estrago. E assim vai. No minas isso n existe. Só tem a Jaqueline. A carla…faz até demais, pela altura q tem. A mari pb, oscila mto. As centrais…irregulares, e as reservas…INEXISTEM! Outro ponto: o tecnico só veio perceber q era p colocar ju nog e a val , quando tudo estava perdido. BRINCADEIRA, ISSO! Faltou ao time, bloquear mais…e atacar mais.se tivessem outra atacante como a Jaqueline, o time teria ganho. Ou se pelo menos tivessem bloqueado mais. Enfim…é esperar o jogo 2. Seria interessante q , pelo menos, houvesse um jogo 3, mesmo o minas n ganhando. Mas ,pq o time tem potencial p prorrogar a eliminação. O queiroga poderia apostar na val, no lugar da gattaz. E na ju nog, as inversões. E voltar c a jordane.

    • Edu

      Quando o técnico do Minas cismava em insistir com aquela inversão eu já comecei a nominar de inversão kamikaze.Com o fator inclusivo que depender da Lia para virar bolas e quase 100% de chances de absolutamente nada dar certo.Como uma mulher daquele tamanho, próxima de um e noventa, pode ser uma atacante tão inofensiva na rede.Fora, que não defende bem, não tem nenhum bloqueio especial e tem uma passe absolutamente comum.Lia, infelizmente,para ela, principalmente, se destaca como o mais bem tratado alisamento permanente da Superliga feminina.

  • Aline

    VEXAME!!! RIDICULO!!! Tomar SURRA com DEZ PONTOS DE DIFERENCA no ULTIMO SET e DEMAIS.
    Fechar o jogo de forma HORROROSA e tomando 25×15 dentro de casa perante uma torcida que,desacreditada,ja ia abandonando o ginasio, foi pavoroso.
    Se perderam a cabeca dentro de casa e se entregaram ao desespero, esquecendo de jogar volei, fica praticamente IMPOSSIVEL uma virada no Tijuca-RJ.
    Nao da para ser finalista com liberos como TICA e LAIS, que juntas nao chegam aos pes da FABI.

    • Nubia da Silva Santos

      Calma colega. Essa diferença no set não é raridade no vôlei feminino. Em relação as líberos, a Tika é ruim, mas a Lais tem futuro, pois ainda é muito nova. E sua comparação é SEM NOÇÃO, a única jogadora que pode ser comparada com a FABI é a BRAIT. Ainda confio no time do Minas, mas tem que diminui os erros e equilibrar na distribuição para ter chance no Rio.

      • Edu

        Brait jamais chegara ao nível da Fabi.E mesma coisa que exigir que a Fabi se aproxime da beleza física e delicadeza pessoal em forma de charme da Brait.E uma barreira praticamente intransponível.Cada qual é ótima no seu quadrado. Brait é uma ótima líbero que dificilmente chegara a ser excelente como a virtuose Fabi.A que esta mais se aproximando hoje -mais ainda falta – dessa plenitude técnica é a dominicana Brenda Castillo.

      • E digo mais: que os próximos árbitros não metam a mão no Minas como o sr. Turci fez ontem!

    • Companheira, quem decidiu em favor do Rexona foi a arbitragem! Se o Minas não teve forças de reagir, muito foi em função desses ridículos! A Walewska esbravejou ontem quanto a isso. Se tivesse sido o contrário, teria acontecido o mesmo.

  • Marcio T.

    Realmente a arbitragem foi ruim. Não tem como negar que o Minas foi o mais prejudicado, mas não foi a arbitragem quem definiu o jogo! O Minas pelo time que montou chegou no seu limite…Não tem banco para poder mudar o jeito de jogar. Jaque não pode receber todas as bolas importantes, uma hora o bloqueio se acerta e dae é TOCO!!! O Rio apesar de ter jogado abaixo dos outros jogos, soube se impor. Com execução da Natalia as outras jogadoras não renderam o esperado! Acho que a série termina na próxima quinta feira.

  • Daniel vc sabe se o rio esta em negociaçao com alguma oposta???

  • Daniel

    Não acho que a Naiane sentiu a semifinal,ela jogou muito bem,precisa e corajosa.A Mari não foi bem.Mas o pior são as líberos,uma vergonha,a jaque varrendo a quadra e elas olhando p ver se aprende.Bem feito p comissão técnica q não quis renovar c arlene.Podia ter trazido a líbero do uniara q é muito boa.

  • Daniel

    Para quem tem apenas 20 anos,e sua primeira semifinal a Naiane jogou muito,basta lembrar o q a ju carrijo jogou na semifinal passada tendo disputado vários torneios antes,valorizo muito mais ainda a Nai p partida q ela fez…precisamos contratar melhor,até p o bancoooo,levantadoras reservas horrorosas e líberos péssimas

  • jose herbert arujo

    Como alguns falaram aqui o grande trunfo da equipe do rio de janeiro é sem duvida a comissão tecnica. É impressionante as leituras e estratégias que Bernardinho e cia fazem na hora do jogo. Eles não param. E o que é mais impressionante, as jogadoras, mesmo as mais inexperientes se recuperam rapidamente e voltam pro jogo, ou seja, Bernardinho consegue fazer com que elas percebam que podem e que são as líderes do campeonato, e isso com certeza pesa pra qualquer equipe saber que está jogando contra um adversario que está com a auto estima lá em cima. E vejam, mesmo com a equipe sem uma oposta da qualidade de uma Sara Pavah, está conseguindo vencer uma a uma. Parabens Bernardo e cia.

  • jose herbert arujo

    Quanto a jaque, ela é outro nível. Uma das mais completas do vôlei mundial. completa. Prá mim ela e a americana Jordan são as melhores do mundo. Simplesmente fazem tudo dentro de quadra. Parabens mesmo para Jaque e para o Minas por ter segurado esta excelente jogadora.

  • jose herbert arujo

    E complementando meu comentário sobre a equipe do rio de janeiro, vejam que ela comete muitos erros, dando muitos pontos pro adversário e não tem uma grande estrela, com exceção da Fofão e da Fabi, não tem nenhuma jogadora que, digamos, aahhhh espetacular, e mesmo assim vence e vence e consegue ser um time forte e poderoso. Isso só pode meus amigos obra e mão da comissão técnica liderada pelo grande Bernardinho.

  • jose herbert arujo

    E quanto ao equipamento para ajudar a arbitragem, meu Deus, é VERGONHOSO. Até o Lucarelli poderia ter levado pra Minas, kkkk. Pois ele tava em SP e voou pra BH. Dizer que não deu tempo é escrachadamente ridículo. Olha, decepção total com esta CBV. Precisamos comentar isso em sua página no facebook para aparecer pro mundo inteiro esse triste acontecimento. E outra, cadê recursos para adquirir vários equipamentos para todos os jogos das semi e finais? Não tem? ridículo.

  • Lucas

    O grande trunfo do rio e , ao mesmo tempo, problema do minas, é o banco. A juciely sai e a mayhara entra e faz estrago. 5 pontos!!! pontuou em todos os fundamentos. Todas as jogadoras pontuam muito. as reservas jogam mto. Desequilibram. Ao contrário do minas. A lia………..NADA! N FAZ NDA! Um pontinho e mto mal.todos os seus ataques são defendidos. A torquete. Ruim.limitada.melhor a jordane. Será q ninguém percebe q a ju nog pode ser melhor na inversão? ??q a val pode ser uma opção? Mas n quando o jogo tiver perdido, pq n ADIANTA d P.N.O minas poderia apostar até na ju nog no lugar da mari pb. É mais alta e poderia atacar mais…sei lá. ..enfim…poderia apostar. E logo no set 1, pq se n desse certo, teria tempo p mudar.
    Acredito no minas. Mesmo q n vá á final (mto difícil ir) mas tem potencial p levar p o 3 jogo e valorizar mais ainda uma equipe q foi última a entrsr na competição e desbancou os maiores orçamentos do vôlei , no returno (sesi, osasco..praia).

  • Bil

    Estive lá e foi vergonhoso a interpretação e erros da arbitragem contra o Minas, conduções , dois toques por parte do Rio não marcados, prejudicou sim.

    Porém o Minas infelizmente, não tem banco a altura para se recuperar, e apenas a Jaque e Naiane estão acima da média, o Minas precisa urgentemente, contratar melhor e investir mais, s não, vai ser sempre este sofrimento.

    Torço, para que com esta campanha, novos patrocinadores voltem a investir no Minas.

    • Tomara, porque em 2012 o time chegou a essa mesma fase e o que que a Usiminas fez? Diminuiu o investimento!

  • Bernardo

    Fazia tempo que eu não via uma arbitragem tão tendenciosa a favor do Rio de Janeiro. Enquanto continuarem ajudando o time carioca não em como ele ficar de fora da final. Infelizmente o Minas foi roubado.

  • jose herbert arujo

    Alguem sabe dizer se o rexona vai contratar alguma jogadora oposta para o mundial de clubes? Espero que sim, pois uma coisa é jogar a superliga sem oposta, outra coisa é jogar um mundial contra os times europeus sem oposta. Se não levar uma oposta de nível, podem apostar que nem do mirador elas vão ganhar.

  • Edu

    A arbitragem foi duvidosa.Como também foi mentirosa de forma pública no jogo do Liberatti em que o arbitro principal alegou apoio no recurso técnico e as câmeras mostraram que o mecanismo não identificou nada e nem o arbitro o consultou assumindo uma decisão na presunção pessoal.Prevaleceu o melhor conjunto do RJ.Como a deficiência da preparação física do Minas com a jogadora se condoendo em dores no meio do terceiro set.Na negligencia do treinador do Minas em insistir com a atleta nessa situação tortuosa.Na opção de uma inversão suicida com jogadoras inaptas para esse papel.Como demonstrar que o Bernardo defenestrou de vez a Andreia Laurence da equipe do Rexona.Andreia sofreu uma temporada de lesões.Jogou razoavelmente bem entrando na final da Sulamericana. Começou como titular na partida seguinte e retirada no decorrer do jogo.Numa das entradas quando fez uma boa virada e ia sacar foi substituída .Estrilou de forma pública com o Bernardo na frente da cameras na alegação “até jogando bem você me tira”.Que até aparou de forma elegante a situação.Moral da história, a titular da posição na temporada ,Bruna,perdeu a posição na avaliação do Bernardo e ele emenda o time com a Natália ou outra jogadora .Andreia nem mais é relacionada para o banco. E dificilmente continua no time para a próxima temporada.

    • Edu

      Pelo visto não errei a respeito da exclusão técnica e pessoal da Andreia, nem sendo mais relacionada para o banco, no time do Rexona.No seu instagram pessoal essa semana numa mensagem direcionada ao filho único pequeno de forma pública : “E é pra vc que peço desculpas por estar longe por nada que valha a nossa distancia”.Precisa dizer mais….

    • SPORTS IN THE WORLD

      Caro Edú muito grave esta sua observação quanto ao juiz principal ter alegado apoio na tecnologia e as câmeras terem mostrado que o mecanismo tecnológico não funcionou. Sinceramente eu não poderia ter visto pois me encontrava no ginásio José Liberatti e realmente não vi. Mas o assunto é grave e a CBV deveria apurar isto direitinho. E se constatado a leviandade punir o juiz.

      • Edu

        Não vai haver punição alguma.A própria transmissão mencionou que o sistema não registrou o lance como bola fora e o arbitro fez uma demonstração manual após o lance que escorou sua decisão , de bola fora,alegando a conferência no uso do recurso do sistema.Mas afinal se o próprio sistema não acusou bola fora senão na alegação inverídica pública do arbitro em delegar sua decisão no uso do recurso tecnológico.No Grand Prix do Japão ,do ano passado, o arbitro principal assumiu uma decisão contraria a exibida no video check e refletida no telão para a arena e a regra prevalece a decisão do arbitro.Independente do que evidencie o recurso tecnológico.No Japão o ego do arbitro prevaleceu mais do que corrigir um decisão equivocada.

  • JSG

    E saiu a definição do campeão europeu e último classificados para o mundial de clubes, o Eczasibaçe(time de Assuman,Demir,Larson,De La Cruz,Poljak,Furts, uma verdadeira constelação). O Kraanodar possui (garay,kosheleva,sokolova,fabiola,podskalnaya) e o volero (Rychliuck,Mamadova,Rabadhizieva,Kuprianova,Ninkovic). O time japonês e o dominico eu não conheço. O que eu quero frizar com isso é que os três europeus possuem centrais altas e grandes opostas (pontas) definidoras. O Rexona precisa de uma boa oposta urgente(como a Kelly Murphy,Hooker ou a Jovem e surpreendente Boskovic) pq se não não terá grandes chances nesse mundial. Outra alternativa seria procurar logo após o termino da superliga aproveitar a grande forma da Jaqueline e a contrata-la para disputar o mundial. Assim Gabi e Jaqueline fazem a dupla de ponteiras e Natalia passa a atuar como oposta. Se o time for com Régis na ponta ou com bruna de oposta não terá nenhuma chance. O que seria melhor . Jaque e gabi nas pontas e natalia de oposta ou gabi e natalia nas pontas e uma grande oposta(ainda a ser contratada).
    Pra mim o Eczasibase chega como favorito, pois possui uma ótima definidora De La Cruz e uma ponteira completa em todos os fundamentos q é a Jordan Larson.

    • rafael cruzeiro

      Não só o Rexona, mas o Brasil precisa preparar urgentemente uma oposta para herdar a posição quando a titular parar. É a posição mais carente no volei nacional. Já perdemos muito com a saída dos melhores liberos do mundo (serginho e fabi), vamos também precisar de alguém para, na hora do “vamos ver”, colocar a bola no chão. O quadro é tão preocupante que os quatro times semifinalistas jogam praticamente sem opostas de confiança. Minas e Rio usam ponteiras, SeSi , uma central e Molico, uma jovem ainda irregular (apesar de ter realizado ótima partida no sábado).
      Quanto ao mundial de clubes, o Rexona para ter chances precisará não somente de uma oposta (a jaque realmente seria uma boa solução, passando nati para oposta), como também de uma central mais alta e, talvez, uma levantadora, dependendo das condições físicas da fofão. Porém, vai esbarrar no ranking e na pontuação.

      • Roberto

        Eu posso estar enganado, mas duvido que contratem alguém, vai com esse time que enfrentou o Minas mesmo.

    • rafael cruzeiro

      o Eczasibasi é sem sombra de dúvida favorito, não somente pelos ótimos fundamentos de suas jogadoras, mas também pela altura, pois é um time muito alto. Segundo dados divulgados na internet, só a título de comparação:
      Eczasibasi: Larson – 1,88; Bethania – 1,88; Furst- 1,92; Maja – 1,94; Demir – 1,87; Assuman – 1,80.
      Rexona-Ades: Gabi – 1,80; Natália – 1,84; Carol – 1,83; Juciely – 1,84; Andreia – 1,83; Fofão – 1,73 (Regis – 1,91; Bruna – 1,82 e Roberta – 1,85).
      Assim, mesmo considerando o enorme talento das brasileiras e o fato de o time carioca jogar com mais velocidade, fica muito difícil enfrentar um time tão alto. A entrada da jaque aumentaria o volume de jogo, mas não aliviaria em relação à altura do time (Jaqueline – 1,86). Portanto, ainda, sob minha ótica, precisaria de uma central mais alta para desafogar as ponteiras (o sonho seria a Fabiana – 1,94 ou Thaisa – 1,93). No entanto, esbarraria no ranking e na pontuação.

  • Sergio

    Gosto de tecnologia, quando ela funciona 99%. Ter uma tecnologia que lhe dar uma margem para erro, creio que é a mesma coisa que ter em quadra juizes competentes. Como a CBV aceitou um sistema que lhe dar margem de 30 cm para mais e para menos, podendo acarretar erro, como ocorreu no SESIxOSASCO, CRUZEIROXMINAS.
    Sou a favor da tecnologia, desde que ela não apresente ERROS GROTESCOS!!!!!!

    • SPORTS IN THE WORLD

      Concordo contigo Sérgio. E é um ABSURDO que se coloque a tecnologia numa semifinal de um campeonato profissional como é a Superliga, antes de testá-la em torneios de menor expressão e só colocar a tecnologia na Superliga quando tiveram 100% de acerto devidamente testado. Mas o pior mesmo Sérgio foi a utilização da tecnologia somente no jogo de São Paulo entre SESI e OSASCO e no de BH entre Minas e Rexona não teve tecnologia. Mais uma IMBECILIDADE técnica da CBV, não existe desculpa para tamanha IRRESPONSABILIDADE. Onde fica o critério de IGUALDADE para os 4 times participantes da semifinal. Sinceramente o Minas ou o Rexona caso perdesse poderia tranquilamente recorrer ao STJD e anular este jogo, já que a CBV anunciou publicamente que haveria tecnologia em todos os jogos das semifinais e na final. Dá-lhe CBV. Só VERGONHA!

  • Barney

    Daniel, duas coisas:

    1) Vc sabe quando vai acontecer as convocações para a seleção adulta? No site da CBV diz que os treinamentos já começam na semana que vem, mas por enquanto nada…

    2) E essa edição do Montreux sem Brasil e sem a própria Suiça, que sempre participa? Que coisa estranha né? =~

    • Daniel Bortoletto

      é esperar o fim da Superliga. poderia haver uma convocação sem os finalistas, mas não houve divulgação.
      isso não quer dizer que atletas já não saibam. Pan, por exemplo, precisa de preenchimento de um credenciamento e muitos já fizeram

  • “Doidinha por vôlei”

    Daniel realmente temos de reconhecer que o Rexona tem mais time que o meu Minassss, é fato! O Minas ja fez uma Africa chegando à semifinal, tá bom demais sô!
    Agora acho que o jogo foi manchado por uma arbitragem horrorosa dos senhores Paulo Turci do PR e Flavio campos de SP, sem falar nos péssimos fiscais de linha que temos aqui em BH, já disse isso antes, eles são fraquíssimos. Mas sem comentários a não utilização do tal Sistema Tecnológico da fabrica de bolas, me recuso a dizer o nome. Acorda CBV, que palhaçada é essa, anuncia uma coisa e coloca o tal Sistema somente no jogo de São Paulo. Ô CBV presta a atenção sô, quanta BOSTA num jogo só e de tanta importância. O vôlei não brasileiro merece tanta burrice, tanta incompetência, e tanto descaso. Faltou foi respeito pelas duas equipes no jogo aqui de BH e também pela competição como um todo. Organização ZERO, dona CBV.

  • “Doidinha por vôlei”

    Brabo mesmo foi a parcialidade do Marco Freitas, dizem que ele tem ligações familiares com o Bernardinho, será verdade? Só sei que ele torce descaradamente para o Rexona, o que é deplorável. Como é que a poderosa coloca estes comentaristas (?) Marco Freitas, Nalbert, Carlão (este sujeito acima de tudo, é um assassino do idioma pátrio. Meu deus como ele é burrinho, coitado dá pena). Pergunta que não quer calar: Qual é a formação acadêmica destas “toupeiras ambulantes”, um bando de burros que fugiram da escola, e só jogaram vôlei, não possuem sequer o 1º grau, e a Globo e o SPORTV, entregam microfones nas mãos deles, para jorrarem asneiras e mais asneiras, além de serem tendenciosos e imparciais. Não comentam nada da parte tática do jogo, parecem não saber. Da parte técnica, repetem sempre o básico e tome “désmico”, “pipe pra lá”, “chutada pra cá”, “meio atrás” (Carlão) e o Nalbert outro horroroso como comentarista, só faz elogiar fulana está muito bem no jogo, sicrana está arrebentado esta garota tem muito futuro. E o tal do Marco Freitas “ele se acha”, mas é um chato de galocha que faz uma cola da estatística da CBV e fica dizendo: fulana tem tantos bloqueios, beltrana é a maior pontuadora da Superliga, sicrana tem tantos pontos de ataque ou então fica naquele DIDATISMO nojento , chato mesmo, como se nós telespectadores que acompanhamos o vôlei diariamente há séculos, fossemos um bando de meninas (os) de 10, 11 anos que estamos vendo o jogo de vôlei pela primara vez. Em primeiríssimo lugar eles precisam é voltar para a escola e aprenderem o Português, e depois a comentarem vôlei.

  • “Doidinha por vôlei”

    Agora digam-me senhores e senhoras, que é aquilo no fim do jogo no Minas? Os juízes são escoltados, devidamente protegidos por 4 , 5 seguranças particulares de terno preto creio que são do Minas. Estão copiando esta coisa RIDÍCULA do futebol. Digam que isto é mentira, por favor, pobre vôlei brasileiro a que ponto chegamos. Proteção para os juízes. Afinal protegê-los de quem?

    • Fernando

      Bem, estão marcando o sepultamento do Vôlei Brasileiro, isso que os aparelhos nem foram desligados ainda.

      A Gestão da CBV estava ruim, depois ficou péssima, agora está pior ainda.

      Só estamos perdendo com essas barbáries

  • “Doidinha por vôlei”

    Daniel alguém viu em algum momento do jogo o locutor ou o Marco Freitas criticarem o péssimo Sistema de Tecnologia, que não funciona, “JAMAIS DE LA VIE”! A Globo e o SPORTV não deixam mesmo. Só criticam o que querem, de preferência em matéria do Fantástico. Alguém já ouviu um comentarista do vôlei na Globo ou no SPORTV, criticar uma má substituição feita pela Bernardinho ou pelo ZRG? Alguém já ouviu um deles tecer uma critica ao Sistema de Jogo empregado por um técnico em uma má atuação daquela equipe? NUNCA, “nunquinha mesmo”. Então o que eles fazem é comentário? Praticamente são dois locutores, as vezes tres narrando o mesmo jogo, são somente opinadores, sem opinião formada de nada. Infelizmente a verdade que que eles não têm nenhuma INDEPENDÊNCIA, são meras “vaquinhas de presépio”.

    • Juiz ruim

      O sistema deveria ter o acionamento de uma luz de uma cor para indicar bola fora e de outra cor para indicar bola dentro. Ao se acionar uma luz somente para indicar bola fora e não para bola dentro, gera-se a dúvida de, em caso de bola dentro, o sistema ter realmente funcionado (captado a bola). É o que pareceu em alguns lances.

MaisRecentes

Definidos os grupos do Mundial masculino de clubes



Continue Lendo

As quartas de final do Paulista masculino



Continue Lendo

Bruninho e Renan analisam conquista



Continue Lendo