Análise da primeira rodada



Mesmo sem Sheilla, Natália e Adenízia, poupadas, o Brasil fez sua parte e atropelou o Quênia. Sem sustos, cumpriu a obrigação de vencer por 3 a 0 o rival mais fraco do grupo. Qualquer análise individual em um jogo tão desnivelado tecnicamente pode ser um exagero.

Ainda assim, foi bom ver Dani Lins mais confiante, usando bastante as centrais. Para um time com tantos desfalques de peso no ataque, usar com eficiência Fabiana e Thaisa é um bom caminho para ganhar corpo neste início de Campeonato Mundial.

Já outros dois importantes rivais brasileiros por um lugar no pódio decepcionaram. Os tropeços da China diante da Turquia e
de Cuba no duelo com a Croácia comprovam que a renovação dos dois times após a Olimpíada de Pequim não foi à altura do nível que possuíam até ali. 

Vale destacar ainda que americanas e russas perderam um set, respectivamente, para tailandesas e dominicanas. Como os resultados da primeira fase são levados para a segunda, as notícias da abertura foram boas para o Brasil.



MaisRecentes

Coluna: Como é estranho ver eliminações em série do Sada/Cruzeiro



Continue Lendo

Coluna: Está na hora de o Brasil olhar mais para “fora”



Continue Lendo

Coluna: Retrospectiva de A a Z do vôlei em 2018



Continue Lendo