“Amistoso” na véspera das finais comprova regulamento ruim



Sexta-feira, antevéspera da final do Campeonato Mundial. O jogo de abertura da rodada dupla reúne o Brasil quase todo reserva versus os Estados Unidos apenas com suplentes.

Um anticlímax total em Turim, na Itália. Uma nova comprovação de que a Federação Internacional de Vôlei precisa refletir sobre o regulamento das próximas edições da competição.

O Mundial, oito anos atrás, também na Itália, foi alvo de um caminhão de críticas ao permitir que uma partida entre Brasil e Bulgária fosse marcada pela vontade de ambos perderem, já que o derrotado teria uma sequência com rivais melhores e logística menos cansativa. Até hoje lembro daquele dia em Ancona, quando vi in loco a torcida dar as costas para a quadra e vaiar os dois times.

Uma mancha histórica para o vôlei!

Aquilo fez a FIVB alterar a fórmula de disputa, mas ela ainda permite que um clássico como Brasil x Estados Unidos valha tão pouco, a ponto de os técnicos deixarem seus astros na reserva, escondendo o jogo para um provável reencontro na final.

Evandro se destacou na vitória sobre os EUA (FIVB Divulgação)

É ruim para quem joga, para quem assiste, para quem transmite, para quem investe… Ou seja: ninguém ganha com um amistoso de luxo às vésperas da semifinal.

Vale citar ainda a coincidência de datas das semifinais do Mundial masculino com o início do Mundial feminino no Japão. Ruim também dividir a atenção dos fãs, com o calendário de um sobrepondo o do outro.

Falando no jogo em quadra, o Brasil encerrou a invencibilidade dos Estados Unidos por 3 a 0 (25-20, 25-18 e 25-19). Um jogo morno, bom apenas para dar ritmo para os atletas do banco.

A frase de Evandro, maior pontuador do duelo com 19 acertos, ao fim do jogo ao SporTV, reflete a importância que o jogo não teve.

– Dá para dizer que o Expressinho do Brasil está bem.

PS: Para comprovar como o regulamento é falho, o segundo jogo do dia precisou de apenas um set para ser definido. Com a vitória da Polônia sobre a Itália por 25 a 14, a definição da chave aconteceu. Os poloneses ficaram em primeiro e enfrentarão os Estados Unidos, às 16h15, neste sábado. Antes, ao meio-dia, Brasil e Sérvia farão a primeira semifinal.

Em resumo: apenas um set em dois jogos valeu neste sexta-feira.

LEIA TAMBÉM

+ O desafio na Seleção no Mundial feminino

 

 



MaisRecentes

Coluna: O Brasil queria receber os Pré-Olímpicos de vôlei. Mas…



Continue Lendo

Coluna: Minas e um dia histórico para o vôlei nacional



Continue Lendo

O tremendo desafio de Minas e Dentil/Praia Clube no Mundial



Continue Lendo