Alguém ainda duvida do Minas?



Nesta semana, resolvi elogiar o Camponesa/Minas após a vitória sobre o Pinheiros (o post está aqui: http://blogs.lancenet.com.br/volei/2015/01/21/com-jaqueline-e-mari-paraiba-em-alta-minas-comeca-a-incomodar/). Como prêmio, recebi alguns elogios impublicáveis (foram parar na lixeira). Será que eles voltarão a ser postados após o 3 a 1 das mineiras sobre o Molico/Osasco?

Minas em alta (Divulgação Alexandre Arruda)

Minas em alta (Divulgação Alexandre Arruda)

O Minas vive momento iluminado na competição, queiram alguns admitir ou não. E não é preciso ir longe para fazer a análise. Vejam a tabela: no returno, o time de Marco Queiroga fez três jogos, vencendo Dentil/Praia Clube, Pinheiros e Molico, quinto, quarto e terceiro colocados na Superliga, respectivamente. Na sequência, vai duelar somente com Sesi e Rexona-Ades, os líderes. Já sairá no lucro antes de ter uma série, em tese, bem mais fácil. Se beliscar mais um triunfo contra os dois favoritos vai ficar em posição mais confortável para roubar o lugar de alguns dos rivais já batidos anteriormente (atualmente Minas é o sexto, com 27 pontos, três a menos do que o Praia, cinco atrás do Pinheiros e, quem diria, sete do instável Molico).

Esta série positiva foi possível com a arrumação do time feita por Queiroga, já citada no post anterior. Vale lembrar que no primeiro turno, nesta mesma sequência de jogos, o Minas levou cinco 3 a 0 e era lanterna da Superliga. Chegou Jaqueline, o técnico fixou Naiane no levantamento, apostou numa formação com três pontas e a história começou a ser escrita.

Contra o Molico, o Minas foi inteligente no saque, minando (sem trocadilho) set após set a linha de passe paulista. Chegou a um ponto do jogo que Luizomar, depois de usar todas as opções mais lógicas com Samara e Gabi, deixou a oposto Ivna passando, ao lado de Mari e Carcaces. E nenhuma das formações, diga-se de passagem, deu segurança para Diana armar as jogadas (Dani Lins, se recuperando de lesão, fez apenas uma passagem no primeiro set).

Diferentemente do jogo anterior, Mari Paraíba e Jaqueline não lideraram o time na pontuação. Carla, jogando como oposto apesar da baixa estatura, foi a maior anotadora, com 22 pontos, todos no ataque. Se não se destacaram tanto assim na pontuação, a dupla de musas deu muito volume de jogo ao Minas, além de segurança de sobra ao passe.

Vale destacar ainda a maturidade mostraram pelas jovens Naiane (já citada aqui e no outro post) e Laís, líbero eleita a melhor em quadra. Apenas 20 e 18 anos, respectivamente, e candidatas a revelações da competição.

Por fim, um comentário sobre o Molico. Já são sete pontos atrás de Sesi e Rexona-Ades, os líderes. Pensar na primeira posição já parece utopia. Luizomar precisa achar uma formação titular consistente para este returno, para chegar aos playoffs no nível que se espera de um time cheio de estrelas.



MaisRecentes

Vaivém: Site crava volta de Hooker ao Osasco



Continue Lendo

Brasil não toma conhecimento da Argentina



Continue Lendo

Termina a parceria campeã olímpica de Alison e Bruno Schmidt



Continue Lendo