A Superliga começou e as gringas brilharam



Galera, bom dia!

Animada a primeira parte da rodada de abertura da Superliga feminina, hein?

O Sollys/Nestlé, mesmo sem Sheilla e Adenízia, ainda era favorito contra o Vôlei Amil. Acho que quase todos vocês concordam com isso.  E o resultado de 3 a 1 para as campineiras, dentro do José Liberatti, pode ser tratado como uma pequena zebra, sim.

Quando cheguei em casa após o dia “95% Mano Menezes”, como tratei no Twitter, liguei a TV e o quarto set estava prestes a começar. Ao ver a vantagem do Amil no placar, imaginei que o efeito Vasileva tivesse influenciado. Me enganei, já que ela foi reserva. A mesma formação que havia sido atropelada pelo Sollys nas finais do Paulista estava em quadra.

Um jogo marcado por parciais estranhas, né: 25-11 para o time de Osasco no segundo set. Logo na sequência Amil devolve com 25-14. Quando isso acontece, o grande culpado são os erros,  já que não existe este desnível técnico monstruoso entre as equipes.

Pri Daroit e Ramirez, com 15 pontos cada, lideraram a equipe de Zé Roberto.  Já as atuais campeãs mundiais do Sollys admitiram um apagão geral e reclamaram de falta de paciência. Acho mais honesto do que simplesmente jogar a culpa nas ausência (importantes demais, diga-se de passagem) de Sheilla e Adenízia.

Dando uma olhada nos demais jogos na rodada, uma coincidência “assustadora”. Assim como Ramirez no jogo descrito acima, as estrangeiras se destacaram na vitória da Unilever sobre o São Cristovão/São Caetano (25-13, 25-20 e 25-18) e do Banana Boat/Praia Clube sobre o São Bernardo  (21-25, 25-17, 25-14 e 29-27).

No Rio, a canadense Sarah Pavan fez 15 pontos (11 no ataque, três no bloqueio e um no saque) e liderou o time de Bernardinho ao esperado e tranquilo triunfo. Logan Tom atuou apenas no terceiro set, mas com ótima atuação ofensiva: sete pontos.  Já em Uberlândia, a cubana Herrera teve uma atuação acima da média, anotando 33 pontos na vitória do Banana Boat/Praia Clube sobre o São Bernardo. Olho neste time mineiro, muito bem montado e que vai dar trabalho para os grandes. A caribenha atacou 52 bolas, colocando 30 delas no chão.  Como comparação, Renatinha, oposto do time do ABC, atacou 50 vezes, com 17 pontos no fundamento.

Por fim, queria entender como o Sesi perdeu um set por 25 a 8 para o Pinheiros, na vitória por 3 a 1? Espero que alguém que viu o jogo me explique, por favor. Ingrid, com 17 pontos, liderou o Sesi, seguida por Fabiana (14). A maior pontuadora do jogo e, que desta vez não é gringa, foi Andreia, com 22 acertos.



MaisRecentes

Sesi joga melhor, bate Sada/Cruzeiro e fatura Supercopa



Continue Lendo

Seleção do Mundial não premiou destaques da final



Continue Lendo

Título coloca a Sérvia no topo após frustração olímpica



Continue Lendo