A reação de felicidade pura dos cataris



Mubarak Dahi, central titular do Al-Rayyan, se abaixou e beijou a quadra após a marcação do ponto da vitória sobre o Sada/Cruzeiro. Ali Bairami, outro catari da formação titular e capitão da equipe, esbanjou sinceridade ao se encaminhar para o vestiário.

– Estou sonhando. Jogamos sorrindo, felizes, sem qualquer pretensão. E acho que vamos ganhar muito dinheiro na volta para o Qatar.

O gesto de um e a frase do outro explicam muito bem o sentimento que o Qatar, país sem qualquer tradição, deve ter após se garantir na final do Campeonato Mundial.

É muito difícil tentar entender o que esses dois estão sentindo agora.

 



MaisRecentes

Brasil bateu recordes no Pan. Mas os vôleis ficaram devendo



Continue Lendo

Coluna: Brasil precisa aprender a perder



Continue Lendo

Passe virou a dor de cabeça do Brasil



Continue Lendo