A noite do recorde



20 vitórias consecutivas e uma nova marca histórica de invencibilidade na Superliga feminina.

O Molico/Osasco bateu o recorde que pertencia à Unilever, ao vencer na noite de sexta-feira o Banana Boat/Praia Clube, no José Liberatti. Um 3 a 0 com cara de 3 a 2, como bem definiu Mari após o duelo.

Apesar do excesso de erros (alguns juvenis), a partida foi boa. Dois sets com parciais de regra antiga, alternância de sobra e alguns belos lances. E venceu quem deixou de cometer falhas na hora H.

Só para situar quem não viu a partida, dois momentos-chave do jogo. Com set point no segundo set, Spencer Lee fez uma troca simples na rede para aumentar um pouquinho o bloqueio. Saiu a levantadora titular Juliana Carrijo, entrou a reserva Camila Torquete. O saque funcionou, o Praia conseguiu o contra-ataque para fechar, mas Camila cometeu dois toques em uma bola fácil. Já no terceiro set, foi a vez de Juliana cometer dois erros (um dois toques e um levantamento muito ruim) já na reta final do set. Erros que poderiam ter mudado a história do jogo. Vale citar ainda de erros de saque de Mari e Mayhara também no fim dos dois últimos sets, os vários passes espirrados de Tássia, Mari, Monique e Herrera, além de um toque na rede numa bola de cheque de Natália que fecharia uma parcial…

Para não parecer um crítico que não enxerga virtudes, dois pontos:

– Mari está com fome de jogo. Foi bem no ataque em alguns momentos, chamou a responsabilidade em outros, demonstrou irritação com erros, questionou arbitragem. Nitidamente está querendo provar que pode jogar mais. Foram dez pontos, segunda melhor marca do Praia. Pode ajudar muito nos playoffs.

– A central Natália fez seis pontos no block e 13 no total. Talvez seja a jogadora com a bola mais entrosada com Juliana Carrijo. Foi muito bem no jogo.

Ah, e o Molico/Osasco, novo recordista?

O time sofreu no início com a instabilidade no passe de Sanja, que se recuperava de uma virose. Caterina Bosetti também pecou no fundamento em alguns momentos, mas foi mais regular e virou bolas importantes no ataque. Sheilla foi outra que alternou altos e baixos. E quando um trio tão importante não está brilhando, bola para Thaisa. E Fabíola fez isso, ajudando a central a chegar a 18 pontos (5 no bloqueio).

Agora com oito pontos a mais do que o Vôlei Amil e nove à frente da Unilever, o Molico/Nestlé não perderá a liderança, mesmo que baixe a guarda em alguns momentos da reta final do returno. Já a briga pela segunda posição vai ser intensa até o fim, assim como nas posições logo abaixo. Sesi (38), Banana Boat/Praia Clube e Brasília (34), Pinheiros (32), São Cristovão/São Caetano (28), Barueri (26) e São Bernardo (24). Briga intensa pelos playoffs.



  • Hugo

    Muito bom o jogo, o Praia merecia um pontinho, porém, desperdiçou demais as oportunidades. O time não esta jogando solto, esta apenas querendo o resultado. Uma boa psicóloga resolve o problema, as meninas precisam entender que os resultados serão consequência de um bom jogo, e de uma postura mais preparada para as adversidades, o que sobrava no praia na temporada passada, parece que falta nesta, que é a frieza nos momentos de adversidade.

    Ps: quem viu a olhadinha da Sheila cumprimentando a Mari no final do jogo, nem aquele beijinho básico de “somos amiga” não teve, pelo jeito elas não se bicam mais (no bom sentido)rsrrs.

  • A. Barreto

    MMMMAAAAARRRRRRIIIIIIIII
    Jogadora de muita categoria (o que foi aquela diagonal (super)curta no final do 3º set…)
    Quando todos acham que o vôlei da Mari já acabou, ela mostra que tá viva e que tem muito a incomodar ainda.
    Torço demais pra essa guerreira…
    #GoMari #GoPraia

  • Nat

    A lôra tá de volta!!
    Seguraaaa que a Mari tá vindo.
    O Praia precisa se organizar melhor ainda, mas tá começando a virar time de verdade.
    A Tássia tá errando demais na recepção e líbero tem que segurar as pontas ali; a Ju parece que fica nervosa e comete uns erros, precisa caprichar mais nos levantamentos, já que a outra levantadora não tá nada legal; e a defesa tem que dar mais suporte, a cobertura tem que melhor. Se o Praia ajustar isso, vai dar muito trabalho, pq a Mari e a Herrera tão entrando no ritmo muito bem e as centrais são muito boas.

  • Sassá

    A MARI TÁ MUITO BEEM, pra quem recém recebeu alta, tá mostrando muita vontade.
    Se continuar assim, vai ter muito “tooooma filha” (ontem foram dois na Sheilla). Só acho que a Mari tem que receber mais bolas, a levantadora parece que esquece que ela tá em quadra as vezes, e a maioria das bolas foram uma jacas.
    A MARI TA RENASCENDO!

  • Guilherme

    Parabéns pelo comentário. Você é o maior e o melhor, no meu entendimento, por manter uma razoabilidade incrível, não puxar saco de determinadas atletas que ganham tanto espaço sem merecimento e criticar, querendo derrubar outras que não são queridinhas da mídia.
    Considero espetacular o retorno de Mari. Afinal, depois de tanto tempo fora de quadra, de tantos devaneios de críticos insensíveis, ela provou que é profissional e que está, como você disse, com fome de bola. Tomara que a levantadora treine muito e consiga utilizar mais a Mari no ataque. Depois de um primeiro set, onde igualou à Thaisa em pontuação, ela retornou recebendo pouquissimas bolas. Ficou nítido a falta de entrosamento com a Ju – que é boa, nova e precisa treinar muito para saber bem utilizar as boas atacantes.
    Torço para que Spencer tenha percebido isso e notado que o retorno de Mari à titularidade deveria ter ocorrido no início do returno, para obter maior ritmo de jogo e poder enfrentar as grandes equipes (dois últimos jogos) voando em quadra. E que, agora, ele (o técnico) forme o trio tão esperado para esta SL: Mari-Herrera e Glass (que retornará daqui a alguns dias). Caso não o faça, correrá, novamente, grande e sério risco de manchar sua tão bela história construida com sério e importante trabalho no voleibol brasileiro. E daí, será tarde e não terá desculpas. Avante Praia, com Mari a mil por hora!!!

    • Bernardo

      Concordo com você, Guilherme! Mari é talento puro! Deve ser titular, sem dúvida. Com a volta da Glass, acredito que o Praia engrene de vez. A Juliana teve um dia atípico, mas a atuação da Tássia foi ridícula para uma líbero do porte dela, pois pode render muito mais.

      Herrera parecia insegura e sem confiança em alguns momentos. Se o Praia se ajustar, é bem possível que consiga a vitória contra a Unilever. Talvez uma formação com Mari, Glass/Herrera e Monique, Natália e Mayhara seja ideal, considerando que a Monique contribui com muito volume de jogo e é bem técnica no ataque.

  • Guilherme

    Me surpreendi com os erros que a Juliana cometeu, ela sempre jogou bem, mas ontem…
    Sesi deve ganhar do Molico Osasco (Fabiana e Ivna tão arrebentando), além das ponteiras crescendo.

  • Luiz

    Nossa! Mas, para falar bem da Mari foi TANTO sacrifício, que seria melhor não ter falado. Que martírio! Que sofrimento! Que penalidade!

  • Cami

    Mari! Voltando com tudo! Lindos ataques no jogo. E quem diz q ela é fria no jogo, viu q ela tava pegando fogo ontem! Espero q ela continue crescendo e q a equipe do Praia melhore. Quem viu a Sheilla fugindo do bloqueio da Mari em quase todas jogadas… e teve ate uma chamada do Luizomar na Sheilla pra ela estar inteira no jogo! Pareceu mesmo 3×2 ! Adorei o jogo, a superliga só cresce quando as jogadoras estao tao afim de ganhar e mostrar seu talento.

  • Minha nossa como a Ju Carrijo jogou mal ontem,tava dando até raiva ve as jacas que ela mandava pra todo mundo,pra Mari nem se fala…E a Tássia,tava parecendo jogadora de time escolar..muito fraca,pra esta sim vai comprometer o time nesta temporada,sou mais a Verê do Brasília!Pra mim o Spencer cometeu erros também,deveria ter tirado a Mari quando o time tva pra fechar os sets..o passe dela comprometeu o final dos sets..deveria ter colocado a michelle pra reforçar o fundo de quadra,ele me tira herrera..não da pra entender…Não sei talvez seja melhor o Spencer fazer que nem o técnico do minas e pedir pra sair,acho que ja teve muito desgaste ali,pois as jogadoras continuam apáticas,não correm atras das bola ,ficam ali paradas esperando a bola vir redondinha….meu palpite é que nesta SL o praia fique em 6 lugar..podendo estar atrás do Brasília volei.

  • CCCP

    Mari, querida! Deu gosto te ver em quadra ontem… Tua disposição, garra, chamando a responsabilidade, dando murros no ar… Continue mostrando essa vontade toda que você já já vai se tornar referência no Praia! Muitas vitórias viram ainda, pode ter certeza. Jogando com esse espírito ninguém pode contigo!

    • CCCP

      Errata: Onde escrevi “viram” leia-se “virão”. Bolshoe spasibo.

  • wms

    As atuações da Juliana e da Tássia não foram normais. Elas não são tão inconsistentes, em geral. Aquelas jacas da Juliana não são vistas todo dia, mas ainda assim, o jogo dela com a Mari é, de longe, melhor do que a Camila. Falando na levantadora reserva, ela conseguiu errar outro levantamento para a Mari (com tem sido sempre, o problema é que dessa vez era num momento inadimissível para erros), e provou mais uma vez que essa temporada não é pra ela.
    Claro que é uma questão subjetiva, mas concordo com “Kicte(mtc)” no tocante às entradas da Michele no lugar da Herrera. Naqueles momentos penso que o melhor seria tirar a Mari do passe mesmo, especialmente porque a Carrijo tem mais entrosamento com a Herrera, e porque o entrosamento com as Centrais (que precisam de bons passes pra atacar) é ainda melhor.
    O toque na rede da Natália naquele setpoint não deve tirar o brilho da atuação dela, que foi mais uma vez ótima. Acho que essa justiça deve ser feita pelo menos agora, porque na hora do jogo fiquei inconformado (vou usar essa palavra, pra manter o nível, hehe) e considerei aquele erro infantil o carimbo de uma merecida derrota.
    Mesmo com esses “poréns” o emocionante jogo ainda acendeu aquela esperança de ressurgimento nos torcedores do Praia, e nos torcedores do Osasco aquela crença de que “esse ano vai”.

MaisRecentes

Zenit campeão com méritos. “Cubanos” dominam premiação



Continue Lendo

Sada/Cruzeiro sai do Mundial com bronze e cabeça erguida



Continue Lendo

Rodada define confrontos da Copa Brasil masculina



Continue Lendo