A improvável rodada da Superliga feminina



Já é madrugada de sábado e preciso fazer meus filhos dormirem. Mas deixo o espaço aberto para vocês comentarem.

Que rodada foi esta na Superliga feminina?

Em casa o Sesi perdeu mais uma. 3 a 0 para o Terracap/Brasília. O time vai ladeira abaixo na competição e não me parece capaz de iniciar uma reação. Será que Talmo aguentará a pressão e seguirá no cargo? Nesta sexta ele iniciou o duelo com Jaqueline no banco de reservas.

Já o Camponesa/Minas, que vinha na cola dos líderes Dentil/Praia Clube e Rexona-Ades, perdeu no tie-break para o Pinheiros/Klar, em São Paulo. Certamente um resultado que não estava nos planos de Paulo Coco.

Por fim, o Rio do Sul/Equibrasil esteve a um ponto de vencer o poderoso time carioca. Seria o fechamento de ouro de uma semana que foi iniciado com triunfo sobre o Vôlei Nestlé. Vai ser difícil o time de Spencer Lee dormir. Certamente irá se lembrar no decorrer da madrugada que teve a bola para fazer 17 a 12 no quarto set. Errou e levou a virada. No quinto, chegou a abrir 13 a 10, para levar nova reviravolta no placar. Deve amadurecer após digerir o acontecido. Mas a derrota não apaga uma convicção – Rio do Sul é a melhor notícia no vôlei nacional na temporada. Encara os grandes de igual para igual em seus domínios e prova que não é apenas um orçamento milionário/um elenco estrelado que faz um time competitivo.

Comentem enquanto coloco a molecada na cama.



  • Edu

    Daniel fazendo trabalho hora extra em beneficio dos frequentadores do blog.Abordando os assuntos referidos.Talmo já passou muito do prazo de validade no Sesi e uma intervenção rápida precisa ser cometida pela direção esportiva daquela entidade.Não sou a favor de demitir técnico em plena temporada.Mas o problema é que o Talmo nem deveria ter, pelos dois anos anteriores de saldo de trabalho, assumido essa com o Sesi.Principalmente em função de ter manejado os maiores recursos financeiros da superliga feminina e ter conseguido o prodígio de fazer uma temporada passada com nenhum título e 100% de insucesso entre todos os torneios que disputou.Outro assunto é o jogo gigante que o Rio do Sul fez contra o Rexona que não estava num dia particularmente feliz.No entanto, a estrutura montada pelo Bernardo impera nas adversidades e contando com o apoio de jogadores definidas como reservas e aptas a não fazer feio em quadar. Bonito ver a jovem Giovanna, mais magra e jogando com muita técnica,fazendo o Rio do Sul se superar como também a oposta que fez 50 pontos nas duas partidas entre o Nestlé e o Rexona na mesma semana.Também anima ver a Ju Nogueira cravando a bola , na maior parte do tempo, e livre daquele enrolamento de bandagens fisioterápicas que a cobriam o seu corpo na maior parte do tempo em que se acomodava no banco de reservas que nem entra do Campinas e do Rexona.Um pequeno e simples paralelo pode ser feito na qualidade dos trabalhos desenvolvidos hoje pelo Luizomar e o Bernardo.No ano passado, a terceira levantadoras do Rexona era a Giovanna e a do Nestlé era a Mari Nardi.Uma temporada depois a Giovanna se destaca fazendo o Rio do Sul ser muito competitivo recebendo seus jogos em casa.Quebrando a tradição de jamais ter vencido o Nestlé num campeonato oficial.A Mari Nardi, uma das 3 mais bonitas levantadoras do voleibol brasileiro,é a titular do São Bernardo a equipe que conseguiu vencer apenas dois sets em catorze partidas pela Superliga.Sendo disparadamente o time mais frágil e menos competitivo do torneio.Constatação que poderia se retirar antecipadamente antes do inicio do campeonato.Existe alguma dúvida que o trabalho do Nestlé não esta sendo bem executado nestes últimos dois anos e meio principalmente na prospecção e desenvolvimento de promissores talentos.A derrota do Minas ,diante do Pinheiros, que se acomodava na rabeira e na desclassificação antecipada em tentar um bi campeonato na Copa do Brasil por coloca o campeonato naquela fase da imprevisibilidade.Que venham novas e deliciosas emoções.

  • #Volei #SPFC #Speed

    Daniel, bom dia.
    De todos esses jogos, o de resultado mais improvável foi o do Pinheiros sobre o Camponesa/Minas, o que me traz a sensação de que algo está errado dentro do time.
    As últimas 2 rodadas foram de muito sufoco pras comandadas de Paulo Cocco, principalmente no que diz respeito às atacantes (Mari PB não é definidora como Jaqueline era quando estava em BH, Rosamaria vive uma má fase que só por Deus — não sei por que o PC insiste nela como titular, Tandara retornando de gravidez…). Uma hora, essa bomba iria estourar. E o próximo duelo do Minas é justamente contra o Dentil/Praia Clube, líder do campeonato (tá certo que o Rexona-Ades tem um jogo a menos, que fará no dia 26 — contra o Concilig/Bauru). Se perder, começo a achar que mais uma vez o Minas vai ficar pelo caminho nesta Superliga, o que fará o jejum de títulos aumentar e com certeza o patrocinador vai pensar um milhão de vezes se vale a pena investir nesse time.
    Dos demais resultados, nenhuma surpresa. O Sesi-SP, com um time fraquíssimo em relação às temporadas anteriores, perdeu a segunda seguida em casa (ao todo são 8 derrotas em 15 jogos) e caiu pra 6º lugar. Jaqueline não justificou o investimento que o time fez pra tirá-la do Minas, assim como Rosamaria não justificou ao Minas o investimento feito pra tirá-la do Pinheiros. O Praia Clube bateu em bêbado, 3×0 sobre o Renata/Valinhos com um pé nas costas. Concilig/Bauru precisava pegar o lanterna pra ver se pega no tranco, porque olha… Já Rio do Sul x Rexona-Ades, ganhou quem teve sangue frio na hora H, o que ainda falta para o time do Vale do Itajaí e sobra para as comandadas de Bernardinho.

  • Murasaki

    Não acho que o resultado do jogo entre Brasília e Sesi tenha sido tão improvável assim. Afinal de contas, o time paulista ainda não jogou nem metade do que se esperava dele e não parece que o fará nesta temporada. Os motivos são os mais variados possíveis: levantadoras inexperientes, falta de uma atacante melhor, falta de um esquema tático bem definido, enfim…e o Brasília é um time interessante, mas que pena muito na virada de bola. Se conseguisse melhorar nesse aspecto, já seria um bom avanço.
    Já Minas e Pinheiros provavelmente protagonizaram um grande jogo, pois o tie-break teve o resultado surpreendente de 24/22. Uma pena não ter sido transmitido.
    Por último, o jogo entre Rio do Sul e Rexona gerou muita polêmica por conta do último ponto. Independentemente da última bola, digo que a arbitragem foi muito ruim no tocante à marcação de 2 toques. Entendo que seja uma regra subjetiva, mas o critério do 1º árbitro parecia ser: deixa o jogo rolar, só marco 2 toques se a bola chegar na arquibancada. Por alto, lembro-me de jacas horrorosas da Roberta que não foram marcadas e isso deixa o jogo feio tecnicamente, uma vez que o juíz fez vista grossa demais. Aliás, em relação à questão da levantadora do Rexona, fico me perguntando se não seria este o motivo para ser reserva. Ontem, Thompson mais uma vez fez uma distribuição óbvia, praticamente abdicando das centrais e Roberta demorou a entrar. Ela definitivamente melhorou um pouco a distribuição, mas em muitos momentos foi muito imprecisa, errou quase todas as chinas que levantou. Seria sua osciação na precisão o motivo por ser reserva? Creio que seja possível.

    • Kleber Alves

      Eu tb vi isso. Thompson pecou na distribuição e Roberta na precisão.

  • Edu

    O japa do vôlei, não da PF, já tinha demonstrado ser um juiz bastante instável no decorrer da temporada.Oscilando nas decisões e ignorando a marcação em lances próximos do segundo arbitro.Atitude que os primeiros árbitros preferem respeitar.Deveria ter voltado o ultimo lance já que não havia uma posição clara e evidente, nas três vezes que revi o lance, e sua posição era de costas ao lance.Um jogo pegado de tie break na pontuação de 16 a 15 precisa ter uma finalização cristalina e sem manifestação de reclamação pela parte atingida.Como a regra do voleibol permite essa atitude seria a mais serena e sábia.No entanto,o Rexona soube ser mais cascudo e decisivo para reverter o tie break jogando atrás na maior parte do tempo.Outra coisa é comentar que fase vive a Jaqueline.Além de problemas físicos e respiratórios sua ida ao Sesi já causou profunda conturbação como a transferência do Montanaro para o setor de atletismo por ela exigido a renovação do Murilo no pacote da sua contratação.Pessoa de reconhecida personalidade difícil e temperamental Jaqueline é capaz de declarações exageradas como a de que nunca iria jogar num time brasileiro que não fosse o Osasco.Sua relação com o Talmo já estava fadada ao insucesso como apagar fogo com querosene .Na parte de um treinador que se mostra cada vez mais inapto a treinar um time feminino e suportar a pressão dos resultados negativos mesmo contanto com a disposição dos melhores recursos que poderia existir no mercado do voleibol brasileiro.Jaqueline ainda entrou ganhando bem numa fase em que as jogadoras do Sesi foram obrigadas ou aceitar a mesma coisa do contrato passado ou uma redução de 25% a menos nos contratos antigos,caso da Fabizona para se manter na equipe.Numa hipotética seleção brasileira que começaria jogando a Olimpíada talvez a equipe começasse com Sheilla (em fase apagada),Fabizona,Dani Lins,Garay,Juciely( segundo o ZRG, a jogadora que mais se destacou na ultima temporada de trabalho com a seleção em detrimento a uma Thaisa, em espetacular forma física mas com problemas visiveis de agilidade na locomoção e salto e Natália entrando no lugar da Jaqueline.As líberos seriam a Camila Brait ou até provavelmente a Leia como titular(já que anda numa evolução acelerada na conquista da posição).Na atual circunstancia técnica em que vive dificilmente Jaqueline seria titular e corre ainda o risco ,conforme a evolução da temporada, até o risco de corte do grupo de 12 jogadoras conforme a fase de Natália e Gaby nos seis meses próximos.Como Adenizia hoje tem um bem fora de uma nova etapa olímpica,Já que sua reserva imediata de Osasco, a jovem Saraellen, praticamente anda ultimando em quadra um espaço na rotação titular.O BV, no seu blog, também anda bancando, nas informações de bastidores, que a Roberta provavelmente será a segunda levantadora do grupo.Na atual terceira rodada da Superliga do segundo turno quem anda jogando melhor e a Claudinha desde do inicio da competição.

  • AfonsoRJ

    O Rio do Sul ontem deu uma verdadeira AULA de voleibol. O Rexona venceu na camisa, mas no volei mesmo quem merecia ter ganho era a equipe barriga verde.

  • Murasaki

    Ainda que Voloch realmente acerte em algumas informações, não acho que dê pra levar tudo o que ele diz a sério. Afinal de contas, em 2012 ele disse após o corte de Fabíola que Tandara já poderia se contentar com o corte, pois ele só não havia sido feito oficialmente. Depois, inventou desculpas de que ela era azarona e coisas do tipo.

  • Rodrigo

    Brasília vencer o Sesi não é algo surpreendente, mas o placar foi, principalmente pelo jogo ter sido em SP… O Brasília tem muita dificuldade em virar bolas, minha maior esperança era a Bárbara voltar a jogar como jogou temporada passada no próprio Sesi…. Fabiana tá carregando o Sesi nas costas, tá foda…
    Bauru e Praia fizeram do dever de casa…
    Impressionante essa queda do Minas pro Pinheiros, acho q ngm esperava tal resultado… Lamentável a queda de rendimento da Rosamaria, o Brasil precisa tanto de uma oposta, torcendo muito q a Tandara volte à sua forma física e técnica…
    Rio do Sul mostrou ser muito mais time q o Rexona ontem… Vcs imaginam o Rexona sem a Natalia? A Gabi e a Monique (q oras bolas, é uma OPOSTA) só começaram virar bola pq o bloqueio tava marcando só a Natalia e liberando elas, tanto q qnd a Natalia ia pro fundo, o Rio do Sul pulava na frente…
    Preciso desabafar, o Brasil ta lascado nessas olimpíadas se continuar assim… Toda seleção precisa de uma Oposta q preste! Cade as do Brasil!? Sheilla ngm ouve falar dela, pq ela não ta jogando nem na equipe dela, deveria ter vindo pro Brasil nesse ano… E no Grand Prix e Pan de 2015 oq vimos? Uma Joycinha q não vira uma bola, todas resvalam no bloqueio e dá defesa… Uma Monique q sofre pra botar bola no chão, e qnd pegou uma Russia e um EUA levou mil tocos, foi feio pra ela, sinceramente… Uma Rosamaria instável demais…

    • Kleber Alves

      Monique só jogou bola,quando a Roberta lembrou que ela existe. Tompson tava ignorando-a.

      • Rodrigo

        Tava ignorando pq ela não tava virando bola como a Natalia… A Roberta começou jogar pra ela pq viu q a Natalia já tava marcada demais e a Monique tava ficando livre… E assim msm ela ainda levou uns tocos…

  • Clecio Nunes

    simples o objetivo: no Sesi é só tirar o Talmo e contratar o Wagão, em Osasco o entra e sai de jogadoras prejudica e o time não dá liga, no Minas Paulo Coco deixou o time muito entrosado e dá gosto de ver, Brasilia em ascensão pode dar trabalho, Praia e Rio jogando muita bola merecem estar pelo ou menos nas semi.

MaisRecentes

Dia de aplaudir o Zenit Kazan



Continue Lendo

Praia x Minas e Sesc x Vôlei Nestlé. Quer mais?



Continue Lendo

Agora líbero, Murilo volta a ser relacionado após 8 meses



Continue Lendo