A chegada de Jaqueline ao Minas



Chegou a estrela da companhia. A ponta Jaqueline foi apresentada, no início da tarde desta quarta-feira, como principal reforço do Camponesa/Minas para a temporada 2014/2015.

Titular da Seleção, a jogadora chega ao tradicional clube de Belo Horizonte como a esperança para reviver tempos gloriosos que culminaram com a conquista da Superliga, pela última vez, em 2001/2002. Muito tempo, diga-se de passagem.

Apresentação oficial em BH

Apresentação oficial em BH

Nos últimos anos, sem conseguir grandes patrocinadores, o time feminino do Minas apostou em jovens, um dos seus pilares por filosofia, com objetivos mais modestos e sem resultados expressivos.

– Minas tem um projeto forte, prioriza as categorias de base. Eles têm ajudado muito a ajudar a base a crescer e isso é importante para o futuro do vôlei. Trazendo jogadoras experientes vai dar um up para essas mais novas crescerem. As jovens podem crescer vendo a gente jogar. Já vejo uma evolução muito grande, com Walewska, Carol, Mari. A equipe está melhor e espero que a gente possa fazer um campeonato bonito –  disse a jogadora, durante sua apresentação na Arena do Minas.

Jaqueline iniciará os treinamentos na próxima segunda-feira. Na terça, o Minas receberá o Rexona-Ades, em BH, com transmissão pelo SporTV.

– Será que não dava para jogar contra o Sesi, lá pertinho de casa? – brincou, citando o jogo de quinta-feira.

O assunto Jaqueline esteve presente em várias rodas de bate-papo, na segunda-feira, durante o 2º Seminário de Gestão do Esporte, que aconteceu no Teatro Bradesco, na sede do Minas. Andrew Parsons, presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro, antes de iniciar sua apresentação, fez questão de parabenizar o clube pela contratação, dizendo que uma jogadora do nível de Jaqueline não poderia continuar desempregada no Brasil.

O caso da jogadora também fez parte da entrevista que fiz com Renato D´Avila, dirigente da CBV, sobre o fim do ranqueamento (http://wp.me/p1b2tr-249). Jaqueline foi uma das vozes ativas na defesa de mudanças no regulamento do ranking, por julgar que não deveria ter continuado com pontuação máxima após passar uma temporada sem jogar.

– Foi um aprendizado a mais para a minha vida. Sabia que eu iria voltar a jogar. Fiquei emocionada depois que acabou a Seleção, sabendo que poderia ser meu último jogo no ano. Quando me ligaram, aceitei de coração. Nunca tive uma receptividade como essa.

 

 



MaisRecentes

Seleção do Mundial não premiou destaques da final



Continue Lendo

Título coloca a Sérvia no topo após frustração olímpica



Continue Lendo

Supercopa abre temporada masculina mais imprevisível no Brasil



Continue Lendo