A apresentação da Unilever



Na manhã desta segunda, estive no Centro de Treinamento do Exército, na Urca, para a apresentação oficial da Unilever para a temporada 2012/2013. O evento, criativo e sem as formalidades das tradicionais entrevistas coletivas, não contou com a participação de Logan Tom, que ainda não conseguiu visto de trabalho e é esperada somente na sexta-feira.

A líbero Fabi dividiu a função de mestre de cerimônia com Bernardinho. E a dupla não fez feio na apresentação das demais atletas e integrantes da comissão técnica.

Foi anunciada também a campanha da Unilever para aproximar ainda mais os fãs do time, com o slogam “Se você tem orgulho do Rio, vai sentir o mesmo desse time”. A ativação começará com eventos pela cidade.

Sobre as entrevistas que fiz, vou pinçar algumas frases e assim vocês podem comentar vários assuntos:

BERNARDINHO

“Tenho um sonho para 2016: poder ver Gabi e Natália como titulares da Seleção. Gabi tem de se tornar uma grande passadora. E a Logan pode ser um referencial para ela neste aspecto. No ataque, guardadas as devidas proporções, ela parece a Mireya, uma pequena que salta muito”

“Natália ainda não está apta para jogar. Ela atacou duas vezes em um mês conosco. Hoje é quase a nossa terceira líbero”

“Sollys está um pouco fora da turma” (sobre os favoritos ao título)

FABI

“Logan vai ser uma parceria incrível e vai agregar muito volume de jogo ao nosso sistema defensivo. Em Londres, tivemos algumas conversas e ela me perguntou algumas coisas sobre o time. Sempre teve sonho de jogar no Rio e ser treinada pelo Bernardinho”

“Sobre meu futuro na Seleção, procuro usar o bom senso e não fazer metas longas. Hoje estou menos ansiosa, mais madura. Quero estar sim jogando em alto nível até 2016, mas sei que isso dependerá do meu desempenho”

FOFÃO

“Lido de forma tranquila com isso (ser a referência de um time).As jogadoras até chegaram a perguntar quem seria a capitã e logo apontaram para mim. Elas esperam isso de mim”

“Sollys ten vantagem por ser a base da Seleção. As jogadoras se conhecem há mais tempo do que nós”

Nesta terça, no LANCE!, matéria com Bernardinho falando sobre as mudanças que ele espera ver na FIVB após a entrada de Ary Graça.



  • debygoiania

    “Natália ainda não está apta para jogar. Ela atacou duas vezes em um mês conosco. Hoje é quase a nossa terceira líbero”
    Alguém me diz quando que essa mulher vai voltar a ser jogadora de vôlei?
    Não é possível isso…

  • debygoiania

    Ah, e essa Fabi, ninguém merece!
    2016? Larga o osso,mulher!

  • Afonso RJ

    E a Sarah Pavan? Alguma pergunta, declaração? Sei sobre a jogadora de ouvir falar e de sites da internet, mas deu para ver como é pessoalmente?

    Ah, a propósito: “Logan Tom… é esperado…” Erro de concordância de gênero ou ato falho? 🙂

    • Jairo(RJ)

      Afonso, o Sportv fez uma matéria sobre o evento. Na reportagem a própria Sarah falou sobre as expectativas sobre o jogo. E, também o Bernardo falou sobre ela, dizendo que falta-lhe a bagagem internacional que a Sheila “maior oposta do mundo” nas palavras dele, já possui. É um desafio que a menina terá pela frente.

      Certamente, no primeiro confronto Sollys x Unilever, teremos muitas comparações aqui nesse espaço

  • Eduardo Araujo

    Gostei das perguntas!!!

    Acho que é um bom time, acredito que vai mostrar força mesmo na segunda fase da superliga quando estiverem entrosadas, se vai fazer frente para o Sollys ai já não sei.

    Agora meu comentário é em relação a Nathalia, se ela não tem condição de jogo agora, imagina como estava nas olimpíadas!!! será que o ZR não levou para colocar a culpa em alguém caso as coisas dessem errado? td bem que teve a parada como todas as outras jogadoras tiveram, mas as outras já voltaram… e a Nathalia ate agora deu 2 saltos, uma segunda libero como o mesmo Bernardinho disse!!! estranho estranho…

  • daniel

    “Natália ainda não está apta para jogar. Ela atacou duas vezes em um mês conosco. Hoje é quase a nossa terceira líbero”
    E para quem defendia a ida dela a Londres, falar o que após esta declaração?

  • Adriano

    É, é preocupante essa situação da Natália, como comentaram.

    Com o Sollys representado pela seleção brasileira, e com algumas jogadoras pretendidas e que poderiam ajudar muito (como a Mari, a Walewska, talvez outra oposto) optando por outras equipes, a Unilever teve que se contentar em fazer muitas apostas. Aposta de que a Fofão ainda é a melhor levantadora brasileira em atividade, de que a Natália voltará a ser aquela grande atacante que foi até 2010, de que a Pavan vai conseguir substituir a Sheila à altura, de que as centrais baixas vão conseguir fazer frente aos outros times, principalmente a Valeskinha, que não está mais no seu melhor momento técnico e nunca jogou com a Fofão, e de que se o time precisar da Gabi, caso a Natália não volte a ser aquela jogadora, ela possa corresponder.

    É um time de apostas, basicamente, enquanto o Sollys é a segurança, é um time perfeitamente bem entrosado, e com jogadoras que vivem suas melhores fases técnicas. Se a Unilever conseguir fazer todas as suas peças funcionarem direitinho, trabalhando operariamente, pode, sim, encarar o Sollys de igual para igual. Mas são vários ses.

  • Léo

    Acho que FOFÃO vai surpreender muita gente nessa SL.Vamos aguardar….

  • Luiz

    E com esta declaração sobre a Natália, o Bernardinho acabou colocando o Zé Roberto novamente na fogueira. O Corte da Mari então não foi por motivos físicos. Estou começando a gostar do Bernardo.

    • ju

      luiz e esquisito entao pq natalia foi a londres era obvio que nao tinha condiçoes

    • Perikito

      Não ficou claro pra mim esse lado do subentendimento de que o corte da Mari não foi por razões físicas. Aonde ele insinua isso?

    • Ana

      Luiz, e amigos, me tirem essa dúvida velha? Mas a Mari nao foi cortada para ir a Tandara (que por sinal nao jogou nada)? E a vaga da Natalia era disputada pela CBrait?

  • juninho

    Natália: por um lado até que veio a calhar essa contusão dela; pois está treinando passe como ninguém e para uma ponteira é fundamental ter um passe regular e não desastroso igual era o dela e é o da Mari;
    Unilever: Acredito sim que esse time pode dar muita dor de cabeça para o favorito Sollys. Para mim a deficiência desse time está nas centrais que são baixas e com bloqueio mediano. A Jucy não consegue ser uma Harmotto da vida que cobre a Berg no bloque; e a Fofão; apesar de toda sua experiência; além de baixa já não consegue ser eficiente no bloque em virtude da idade.
    SL: Favorito Sollys. Correndo atrás: Unilever e Amil. Acho que o Amil vai mostrar para que veio somente se a Vasileva tiver em boas condições de jogo. Já o Sesi; apesar de ter o melhor banco; se insistir na Lili de oposto vai figurar como uma simples dorzinha de cabeça nas semis.

  • Adriana

    Acho que o ponto mais fraco da Unilever são as centrais, muito baixas e com um ataque um tanto quanto fraco. Deveriam ter contratado ao menos uma central, penso que a Harmotto seria um excelente reforço para o time. É muito forte fisicamente, boa altura, bom bloqueio, em minha opinião somente Thaisa é melhor que ela hoje, pena estar no Modena e nenhum time brasileiro ter demonstrado interesse nela (claro, se assim fosse sua vontade jogar aqui).
    Sollys é absurdamente favorito, mas vejo Amil e Unilever com algumas chances.

    • Marcus Vinícius

      A Pavan foi contratada, não só pelo ótimo ataque (maior pontuadora da italiano), mas também pela altura, onde vai ajudar muito no bloqueio. Nossas centrais são baixas sim, mas têm um ótimo alcance! Se pesarmos a necessidade de uma central alta e a deficiência do passe e linha defensiva, ou bola de segurança, percebemos que o Bernardo fez uma escolha certíssima. Sem dúvidas, a Pavan vai voar nas mãos dele! E a Tom, nos ajudará muito no fundo de quadra! É uma pena que o ranking privilegie algumas equipes e tenhamos que buscar atletas no exterior, mas por outro lado, isso movimenta a nossa SL. Confio muito nesta equipe!

  • Roberto

    O Bernardinho falou umas coisas na apresentação da Unilever que me chamou a atenção, como pode o time do Sollys ter a Adenízia valendo 0 pontos já que ela foi cria do Finasa que já não existe mais, O Sollys é outro time com outro CNPJ; outra coisa é em questão do Sulamericano de clubes que quando a Unilever foi campeã e o time da cidade de Osasco foi vice elas puderam disputar o Sulamericano junto com o time do Rio e agora que aconteceu o inverso e ele pleiteou também uma vaga pra disputa do sulamericano foi negado, esquisito isso; quanto ao episódio com o ZR o Bernardinho tá mais é do que certo, ficar mandando recadinhos pela imprensa, esse ZR é um Zé Bundão vai lá e fala direto com o cara parece que quer se fazer de santinho pra todo mundo vê.

    • Daniel_Sam

      Caro amigo Roberto, eu nem tinha me tocado sobre esse lance do Osasco ter trocado de patrocinador, observando agora, realmente, você tem toda razão, o Finasa foi extinto e outro patrocinador adotou a equipe, sendo assim, morre a hipótese de que Adenízia e Camila Brait tenham pontuação ZERO!
      Ou estamos enganados?
      Alguém mais pode optar sobre isso e esclarecer melhor?, pois agora fico realmente na dúvida:
      O Clube que muda de patrocinador segue como sendo o mesmo clube ou não?
      Afinal de contas a cidade e o ginásio são os mesmos…

      • Roberto

        Caro amigo Daniel_Sam assim como você eu também não sei como funciona essa questão, mas se o CNPJ não for o mesmo do extinto Finasa, o Sollys está completamente irregular, bem, essa é a minha opinião, não sei, gostaria que alguém explicasse essa situação.

      • ju

        o ranking e falho e abre essas brechas

      • Perikito

        Se for assim, o Osasco só porque mudou de patrocinador e CNPJ deveria perder os títulos também, que seriam do Finasa. O Osasco é só bicampeão e só. É justo isso? Não, né?

        • Roberto

          É muito justo sim.

          • Daniel_Sam

            Fale isso para a Leila que em todas as suas transmissoes como comentarista fala que o Rio de Janeiro tem 7 títulos quando na verdade tem 5, pois os dois primeiros era com a sede ainda em Curitiba, se vc acha isso justo para Osasco, deve ser justo para o Rio de Janeiro tbm… Que só tem um como Unilever.

          • Roberto

            Caro Daniel_Sam, concordo absolutamente com o que você falou.

          • Roberto

            Um adendo ao seu comentário Daniel, em se tratando de clube empresa, absolutamente de acordo.

        • lucas kazan

          nao porque a equipe de osasco tem apio da prefeitura da cidade de osasco na era finasa ea prefeitura investiu no ginasio e no e uma pequena parte no salario ja na era sollys a prefeitura deixa a dispoçissao o ginasio por isso que osasco tem 5 titulos que nem a unilixo que diz que tem 7 titulos.

    • Jairo(RJ)

      Bela lembrança. Alguém aí pode nos esclarecer melhor essa questão do Sollys?

  • Bia Ferraz

    Em 2009, o Sulamericano voltou depois um longo hiato, com o patrocínio da Telefonica e foi realizado em Lima. Foram 6 equipes (Unilever e Sollys/Osasco (BRA), Boca Juniors e River Plate (ARG), Geminis e Regatas (PER), contando com campeão e vice das ligas nacionais. Sollys/Osasco foi campeão.

    Já em 2010, novamente no Peru, começou a contar apenas com os campeões nacionais, Sollys/Osasco foi campeão novamente. Em 2011, a Unilever abriu mão da vaga porque não tinha time para participar (planejamento?!), o Sollys/Osasco assumiu a vaga e dessa vez também foi responsável por toda organização do campeonato que ocorreu em São Paulo. Campeão denovo! Para a edição de 2012 se classificou como campeão da Superliga, sediou e foi campeão novamente.

    Resumindo: a três anos a regra é essa e todas confederações a seguem, o choro é livre.

    Quanto a zerar o ranking de acordo com a mudança de patrocínio, o regulamento fala de clubes, não de empresas, se a Unilever pode ser considerada a mesma equipe e até contabiliza os títulos da época que a sede era em Curitiba, porque o Osasco, que só mudou de patrocínio, tem que ser diferente?

    • Mauricio

      Querida, isso do Unilever não ter time para participar é POR SUA CONTA, somente.

      Primeiro por que o Rio decidiu recusar a participação pelo fato do ZÉ ROBERTO ter anunciado antes que NÃO LIBERARIA as atletas de seleção do PANAMERICANO para jogar o Mundial de Clubes, que é conseguencia do sulamericano. Ou seja, a Unilever não teria Sheilla, Mari, Fabi e Juciely, fora a Natália machucada. A Direção do Clube não viu vantagem em levar somente atletas novatas pra uma competição rápida, do outro lado de mundo, em vista do grande investimento feito. Coisa que o Osasco fez e passou longe da final.

      A Unilever com Regiane, Venturini e mais uma ganharia o Sulamericano sem perder sets. A questão foi muito além e qualquer pessoa que acompanhe a superliga sabe.

    • Felipe

      Concordo com a Bia, como pode um time mudar de cidade e contabilizar os títulos como sendo um time só. Se eles podem fazer isso, o Osasco tb é o mesmo time, o q muda é patrocinador.

    • Ismael

      O choro é livre e ridículo ! Questionar a pontuação do Osasco a essa altura é desespero de não ter para onde correr.

      Quem perguntou ao bundão do José Roberto sobre o Bernardo foi a própria imprensa, logo ele respondeu de maneira educada e não grosseiramente como o técnico da Unilever.

      • Roberto

        E eu vou questionar quando? Quando o campeonato já estiver acabado mané. Me desculpe ter chamado o seu ídolo de bundão.

      • Perikito

        Concordo com o que o Ismael falou sobre o Zé Roberto (exceto com o desrespeitoso “bundão”). Ele apenas respondeu a uma pergunta de forma sincera. A coisa foi ganhando a proporção que tá porque depois disso todos os outros veículos começaram a futucar ainda mais o tema.

    • Roberto

      É dificil de entender né, mas vou tentar novamente já que ninguém soube explicar, ai é que esta a questão, o clube é “UNILEVER” e não Rio de Janeiro, o clube pode jogar no Japão, no fim do mundo que não muda nada.

      • Daniel_Sam

        Mas esse clube era Rexona/Ades muito antes de ser patrocinado pela Unilever, acabei de fazer uma breve pesquisa aqui no google e antes que fale algo de mais equivocado, por favor procure no google por Osasco Voleibol Clube , e verá na wikipédia do que estamos falando, procure tbm por Rio de Janeiro Voleibol Clube.

        • Roberto

          Daniel, mas é exatamente isso que eu estou tentando entender, se o clube é empresa ou não, já perguntei isso aqui, reveja os meus posts

          • Roberto

            Só uma questão que eu esqueci de mencionar no meu post, a marca Rexona/Ades pertence ao Grupo Unilever.

          • Daniel_Sam

            A marca Rexona/Ades pertence ao grupo Unilever assim como a marca Sollys pertence à Nestlé, então fica muito divergente essa questão, pois quem não lembra do extinto(quase pré-histórico) clube Leite Moça/Nestlé ?
            E aí? como fica? este Clube reencarnou na cidade de Osasco? são o mesmo clube?
            só pra avisar, tem vídeos no youtube de jogos da superliga onde Leite Moça/Nestlé enfrenta BCN/Finasa, e aí ? agora tá explicado que o CLUBE NÃO É A EMPRESA QUE O PATROCINA?sendo assim …
            Cheque-Mate.

          • Roberto

            Daniel _Sam, você não está me entendendo, veja o post da Bia Ferraz que ela explica melhor a questão.

          • Daniel_Sam

            Acho que você não está entendendo!!!
            Eu e a Bia Ferraz estamos o tempo todo falando a mesma coisa…

    • Roberto

      Mas o clube é a empresa não? Tem CNPJ não? Ou existe um clube chamado Osasco patrocinado pela Nestle? É só uma dúvida que eu e muitos aqui a tem e é muito pertinente. Não precisa ficar nervosinha.

    • Adriano

      Não dá pra pensar com cabeça em clube de futebol, clubes de vôlei é outra história. O próprio atual Sollys/Osasco já foi uma vez BCN e tinha sede em Guarujá. Acho que para o que se refere ao exemplo da Adenízia continuar com pontuação zero, esteja certou ou errado, a problematização é pertinente. Não dá pra entender essa lógica de que “o clube é mais o mesmo clube” se mudar de patrocinador do que se mudar de cidade. Não é por aí.

      De toda forma, o que acho importante mesmo destacar é o problema do ranking. Independente se seja certo ou não que a Adê continue valendo zero, e etc: alguém aqui que não esteja prioritariamente pensando nos interesses do Sollys acha legal que um clube concentre ele todo praticamente a base da seleção? Acham que contribui pra Superliga que tenha um clube que tenha 4 das 7 titulares da campanha olímpica, mais uma reserva e duas jogadoras que foram cortadas às vésperas dos jogos? Isso deixa o campeonato mais interessante?

      Pois é. Tem que ver a discussão do ranking, então. Isso não é apenas uma guerra de torcidas.

      • Bruno César

        Denominação no hotsite da Superliga:

        Nome fantasia: SOLLYS / NESTLÉ (SP)
        Nome do clube: OSASCO VOLEIBOL CLUBE

        • Roberto

          Finalmente, obrigado Bruno por esclarecer esta dúvida que eu tinha.

        • Bia Ferraz

          O que deve ser levado em consideração ao analisar o caso é que na Superliga as equipes seguem modelos diferentes, tem as tradicionais agremiações, como Minas e Pinheiros, os clubes-empresas, como Unilever, Amil e RJX, os que tem uma finalidade meio que política, como os SESIs, os “universitários” como UFJF, e os clubes propriamentes ditos, que na maioria dos casos possuem ligação com a cidade, recebende apoio financeiro da prefeitura, como Osasco, Montes Claros e Pinda.

          Focando no caso do Osasco, o projeto iniciado pelo BCN no Guarujá mudou de casa para aumentar a proximidade com a sede da instituição, além de não receber nenhum apoio da prefeitura local. Em Osasco, com apoio da prefeitura, a equipe fugiu um pouco da linha empresa, levando o nome da cidade não apenas como “nome fantasia”. A partir daí virou Finasa, e depois Sollys. Apesar do regulamento da Superliga em nenhum momento citar “a empresa”, mas sim “o clube”, a partir do comentário do Bernardo dá para analisar de duas formas:

          1 – Empresa:

          No ramo dos negócios, independente da mudança de CNPJ, a nova empresa assume o ônus e o bônus da anterior, nesse caso, herda os pagamentos, contas, jogadoras, títulos, ranking…

          2 – Clube

          Aqui tem um pouco de indignação seletiva: antes da saída do Finasa, a denominação era Associação Desportiva Classista Finasa e agora Osasco Voleibol Clube, mas por acaso a Unilever era Rio de Janeiro Vôlei Clube quando ainda estava no Paraná? Sada/Cruzeiro (ex-Betim Vôlei) e CIMED (agora Super Imperatriz) passaram/estão passando pela mesma situação, e o processo de manutenção de ranking/títulos foi o mesmo. E o VF feminino, se tivesse conseguido um novo patrocinador, ia começar do zero, com a pontuação zerada?

          • Roberto

            Bia, não foi minha intenção transformar essa questão em briguinha de torcidas, foi querer entender mesmo a situação, mas há de convir que o Bernardo tem até uma certa razão quando ele contesta o caso da Adenísia, pois o Osasco mudou o CNPJ (afirmação do Bernardo e não minha), portanto é outro clube ou eu estou enganado? O mesmo caso vale para a Unilever na época em que sediava seus jogos no Paraná e para os demais clubes também.

  • ber

    É um fanfarão esse bernardinho, dizer que o sollys não está na turma pelo título. Deve estar já se cag…. de medo. Já a fabi tem de esquecer a seleção, pois o lugar que era dela agora vai ser da brait.

    • Eduardo Pacheco

      E você meu amigo parece não compreender o que lê. Ao que parece ele quis dizer isso justamente pelo Sollys ser o grande favorito.

  • Bia Ferraz

    O ranking foi instituído na temporada 92/93 e está em constante evolução, é claro que há “brechas”, temporada passada a mesma Unilever fez uso delas para montar uma equipe com uma pontuação altíssima e ainda trazer a Fernanda Venturini valendo zero. Mas fiquem tranquilos, duas das três atletas de Osasco com pontuação seis foram campeãs olímpicas, próxima temporada provavelmente vão está valendo sete e não terão mais espaço na equipe.

    Ah, como isso não é uma briga de torcidas, se atentem ao caso do Florianopólis, que agora como Super Imperatriz está passando pelo mesmo processo que o Osasco passou com a saída do Finasa, melhor se manifestar agora do que chorar depois.

    • ju

      mas meu bem msm valendo sete elas continuariam pois o que vale e a pontuação anterior

      • Bia Ferraz

        Isso para a pontuação geral, quanto as atletas de 7 pontos as equipes só podem ter no máximo 3, e o Osasco já tem Jaque, Thaísa e Sheilla, talvez Adê e Garay entre no próximo ranking, aí ultrapassaria o limite.

      • Mauricio

        Não, Ju. A Bia está certa. Só podem ter 3 jogadoras de 7 pontos em cada equipe, independente se conta ou não pro somatório, se é repatriada, etc.

        Garay provavelmente deve ser “promovida” a 7 pts. Não acredito na Adenízia, já que nem titular da seleção ela foi. Como o ranking sai após o fim da superliga, ela não deve sair dos 6 pontos.

    • ruan

      Bia osasco contabiliza para ele os titulos do bcn/guaruja?

MaisRecentes

Minas espera Hooker ainda em outubro



Continue Lendo

Vaivém: Vôlei Nestlé confirma apresentação de peruana



Continue Lendo

Vaivém: Polonesa é esperada em Barueri



Continue Lendo