7 motivos para a vitória da Unilever sobre o Vôlei Amil



A parada entre as quartas de final e a semi fez muito bem para a Unilever.

O time que entrou em quadra ontem, em Campinas, diante do Vôlei Amil, parecia outro em comparação à fase de classificação. A vitória categórica por 3 a 0 (25-23, 30-28 e 21-13) é a prova cabal.

Vamos aos motivos:

1) Mihajlovic jogou demais.  Foram 21 pontos da sérvia e um altíssimo aproveitamento no ataque (50%) para uma partida decisiva. Não vi todos os jogos da Unilever no ano, mas é difícil esta performance não ter sido a melhor da atacante desde que chegou ao Brasil. E o mérito é ainda maior por Sarah Pavan ter feito mais uma discretíssima aparição. A sérvia jogou pelas duas.

2) Carol marcou seis pontos de bloqueio, apenas dois a menos do que todo o time campineiro. No terceiro set, fez uma sequência de pontos, inclusive um de rosto, para matar o jogo. A central fez a diferença no fundamento.

3) Fofão estava em quadra. Assim a Unilever é outro time. Aos 44 anos, ela ainda é diferente de 95% das levantadoras.

4) O passe carioca melhorou muito. Mesmo caçada, Gabi conseguiu ser regular no fundamento. Ontem, não vimos Fofão correndo feito doida atrás das bolas. E isso fez o jogo da Unilever fluir.

5) Natália foi a maior pontuadora do Vôlei Amil (14 pontos). Mas pecou em momentos decisivos. Se tivesse sido mais regular ofensicamente, o resultado poderia ser outro. No passe, ela e Michelle não deram a segurança necessária para Claudinha.

6) Carol Gattaz fez apenas um ponto. Angélica, que a substituiu no segundo set, fez dois. Muito pouco. Campinas vai precisar mais das centrais para virar o playoff.

7) Tandara voltou de contusão, nas não foi a mesma da fase de classificação. Parece presa, sem tanta confiança. E o poderio ofensivo do Vôlei Amil depende muito dela. É a jogadora-chave para o jogo de volta no sábado.



  • Márcio

    Jogo muito bom, apesar dos 3 X 0, a história poderia ser diferente caso o Campinas tivesse uma linha de passe mais eficiente e uma levantadora melhor. É impressionante como uma levantadora aos 44 anos ainda faça a diferença…Por anos Fofao ficou a sombra de Fernanda Venturini mas com trabalho e dignidade escreveu seu nome na história do vôlei mundial. Se realmente encerrar a carreira no fim da temporada certamente terá o sentimento de dever cumprido!

  • Marcian

    Foi um jogo muito equilibrado, com bons momentos e belíssimos ataques. Fiquei decepcionado porque torcia pro Amil, e tb com a Claudinha. Levantadas muito obvias, baixas, enfim, facilitou um pouco pro bloqueio do Unilever, que foi impecável. Me surpreendi com a vitória, e sinceramente, minha raiva é maior porque depois de tudo que aconteceu no campeonato, a final provavelmente será mais um Uni X Osasco. E Tandara tá precisando chamar a bola pra ela nos momentos decisivos. Claudinha fez um jogo bem distribuído, mas, precisa colocar Tandara no jogo também.

  • AMIL CAMPINAS O PROXIMO VOLEI FUTURO

    – Fico me perguntando como o Zé Roberto foi contratar as líberos Michele e Teny esta temporada e Suellem na temporada passada? A Michele não sabe passar. Ontem ela foi a responsável direta pela derrota nos 2 primeiros sets, errou os passes que culminaram com a perda dos sets. A Teny, que é um pouco menos pior que a Michele entrou e fez a mesma merda que a Michele. A Suellem, que nem deveria ser uma atleta profissional, tamanha a sua falta de forma, ou excesso de peso quase entregou o Sesi nas quartas de final com a mesma deficiência nos passes.
    – Cadê as centrais do Amil? Carol Gataz fez apenas um ponto ontem, ela é lenta e só ataca bolas chinas. Waleska, há tempos não joga nada, só ataca bolas chinas também. O problema é que o Zé Roberto baba ovo para ela, não entendo. Como?
    – O Amil não tem oposta? A Kristin é ponteira de origem e está jogando improvisada como oposta. Por que Zé Roberto não contratou uma oposta estrangeira de origem?
    – Claudinha é aquilo ali mesmo, não tem lucidez na distribuição de bola. Ela borras as calças em jogos decisivos. Cansei de ver isso nos jogos do Minas.

    Infelizmente o Amil será eliminado no próximo sábado. Zé Roberto irá se desligar do time para assumir a seleção, o time será dirigido pelo péssimo Paulo Coco na próxima temporada, que vai montar um time ruim e o projeto acabará ao fim da temporada 2014/2015 ou 2015/2016 por falta de resultados. É o próximo Volei Futuro.

    O que acontece com o Zé Roberto na hora de montar times no Brasil?

    • Cadu

      Pode me passar os números da próxima Mega da Virada? Obrigado!

      • Torcedor do Amil

        Bom comentário, infelizmente não precisa saber os números da mega da virada, basta acompanhar um pouco e ter o mínimo de bom senso, não contratou líbero que passa, as centrais estão lentas e decadentes, a levantadora talvez amadureça, mas por enquanto não rende o suficiente, gostaria muito de ver o Paulo Cocco ganhar uma Superliga, mas já vi este filme várias vezes, de repente o projeto diminui e desaparece. É simples, basta ver o nível de time que vão montar.

        • Euripedes Junior

          Sobre o comentário que o Amil pode ser o próximo vôlei futuro faz sentindo sim , não apenas a saída do Zé , mas o investimento que foi feito é alto e o resultado até agora foi um vice do paulista 2012/13 .

    • Roberto

      A Walewska realmente não está jogando nd… nem ela e nem a Carol Gattaz. O campinas carece de centrais… e é aí q o Rio abre uma imensa vantagem, pois tem centrais de boa qualidade tecnica. Agora essa tal de Ana Carolina da Silva (vulgo Carol), como tah jogando essa menina. Tah colocando a Valeskinha no chinelo, tanto eh q mandou ela pro banco!! A Unilecer deve investir nela pra próxima temporada. E ate axo que ela merece uma chance na seleção, só tem q evoluir um pouco mais no ataque.

    • Outro torcedor do Amil

      Não precisa saber os números da mega da virada, basta infelizmente ter lembranças de outros projetos que acabaram. O Zé Roberto não montou um time equilibrado, faltou passe, se a líbero não passa, neste jogo no 1º set foram oito bolas de cheque pro Unilever, como ganhar um set assim, a levantadora ainda não está madura, e as centrais são lentas, com muito esforço o time defende bem e bloqueia bem, mas sem passe, fica difícil. Gostaria de ver o Paulo Cocco, campeão, torçi pra ele no Pinheiros e no Volei Futuro, mas nunca passou das semifinais, e olha que são anos como treinador, vamos ver se finalmente acordam e montam um time vencedor, é só seguir o exemplo do Bernardinho. Copia.

  • eduardo

    As centrais do amil não são usadas, por exemplo, a Gattaz so recebeu duas bolas no ataque, em todo o jogo, pontuando em uma e sendo bloqueada em outra. Acho que o problema não são as centrais, mas a Claudinha que não as usa, não usa ate msm a Walewska. Centrais que não recebem bolas no ataque, ficam desconcentradas no bloqueio!! Elas passam tanto tempo sem receber bolas, que qndo as recebem atacam sem convicção!!!

  • Rafael Pais Fernandes

    O Amil depende muito da Tandara. Ela teve uma torção grave, saiu carregada de maca pro hospital aqui em Brasília, ficou sem jogar umas três semanas e está sem ritmo, travada. Natural pra uma contundida. É a menos responsável pela derrota, jogou no sacrifício.

    A diferença entre Claudinha e Fofão é enorme, e sinceramente me surpreendi com o excelente desempenho de Fofão ontem. Claro que não duvidava da técnica, mas também estava sem ritmo. Fez muita diferença sua precisão.

    Há também uma grande diferença entre as líberos do Amil e Fabi. Michele tem sido irregular no passe desde o início da Superliga, Stéphany é uma jogadora de razoável pra ruim, e Fabi, mesmo não estando brilhante ontem, erra bem menos que estas duas juntas.

    E, por fim, Natália errou em momentos decisivos, nos dois sets, o que não é novidade pra mim. Mas ela não vai sair do time em momento algum, isso é fato. Pra mim, a Kristin foi novamente a jogadora mais regular do Amil.

  • Fran

    Achei o jogo muito bom, apesar de alguns erros por parte do Amil. Não entendo o Zé Roberto, sempre gostou de trabalhar com o passe na mão e tem dua “liberos” ruins. Erro de avaliação? Apesar do peso, Suelen tinha mais confiança no passe. A Natalia esta sem confiança, por isso o jogo todo sobra para Tandara que quando não joga bem o time despenca. Acho a carol Gataz muito lenta para bloqueio e ataque. A Claudinha não sabe ler o jogo ainda e avaliar as melhores jogadas e o momento de cada jogadora.
    Tenho que reconhecer, apesar de não gostar no Bernardinho, principalmente dos shows que faz na beirada da quadra, o cara tira leite de pedra. O time do Rio jogou muito bem. Acho que passa para a final.

  • Fabio

    Independente dos motivos, fica a certeza de que pelo andar da carruagem nada muda nas finais da Superliga Feminina. Impressionante o trabalho que o Bernardinho faz com suas atletas. Mesmo com um time inferior ao Amil no papel, o cara sabe como tirar o melhor das suas comandadas. Gostando ou não do técnico a competência do mesmo é inegável.

  • wms

    Outra final Rio x Osasco? Parece provável. Sempre mais do mesmo, no fim das contas. Depois de tantas fichas no Sesi, no Praia e no Campinas, corremos o risco de, mais uma vez, deixar a esperança de final inédita pelo caminho. Como já comentamos nesse fórum, os times da liga nacional sempre dão um jeito de tremer diante do Rio. Alguns deslizes corriqueiros são suficientes para que o trabalho da comissão técnica carioca comece a aparecer, o Rio volta para o jogo e as coisas se equilibram ou mesmo viram para o lado do time. Alguém viu a Tandara? as centrais e líberos do Campinas? a definição ofensiva da Natália (nos momentos mais importantes)? a confiança da Claudinha? creio que não. Em contrapartida vimos a ponteira sérvia fazer jus à contratação, a Gabi espantando a insegurança, a Carol fechando tudo e a Fofão justificando sua soberania, pros eternos defensores da aposentadoria. A levantadora titular do Rio parecia “sambar na cara das inimigas”, pra usar uma expressão da mais nova “grande pensadora contemporânea”, conforme reconhecimento de um professor de filosofia do DF.
    Mas, falando novamente sério, eu esperava muita coisa desse jogo, menos o que ele foi. Apesar de racionalmente entender como pessimismo precipitado, saí com o sentimento de mais uma final de sempre chegando, o que continuará tirando a graça do campeonato em sí, sempre polarizado, apesar do fator emocional intríseco de um jogo do feminino. Afinal, de que adianta a imprevisibilidade da maioria das partidas se, sai ano entra ano, vemos sempre a mesma final e as mesmas desilusões das diferentes promessas de mudar esse desfecho.
    Que o futuro prove que meu pessimismo está errado, espero.

  • Edu

    Com sua licença Daniel, minhas razões da vitória do Rio de Janeiro:
    1 – Tandara voltando de lesão e limitada.Porém seu jogo cai demais na transição para o terceiro set.É uma enormidade na explosão e potencia física.Mas demanda uma força, energia e vigor que se desgasta ao acionar com frequência continua nas viradas.
    2- Gaby se tivesse uns dez centímetros a mais seria uma das três melhores jogadoras do mundo em atividade.Poucas vezes se viu uma jogadora com tamanha precocidade e tanta maturidade.E a jogadora que mais encanta o Bernardo dos últimos anos, segundo as informações na Unilever.
    3- Como não existe mais a Natalia gordinha.Não existe a que a sucedeu:veloz, explosiva e decisiva.Já reconheceu que o problema no tornozelo trouxe sequelas no seu jogo.Pela determinação, garra e obstinação teve, a seu modo, que se reinventar para permanecer entre as melhores do vólei brasileiro.
    4- antecipação da aposentadoria da Fofão.Já a colocando como obsoleta e acabada para o vólei em alto nível.Calou a boca de muitos ontem a noite.Até mesmo, de certo ponto, a minha.
    5- a questão até mais delicada e discutível.Sera que o ZRG, vencedor inquestionável, e tão eficiente em formar elenco com muitos recursos financeiros para resultados a curto prazo.Dispensou mais da metade do time do Campinas de uma temporada para outra.Com escolhas questionáveis como Fernandinha.Teny,Carol Gattaz(que praticamente não vira nenhuma bola se limitando a bloquear e defender de forma burocrática).Até mesmo questionando de forma publica a capacidade técnica da sua própria levantadora.O próprio ZRG o maior contestador da legitimidade do Osasco de 2013.Mais ate que o próprio Bernardo, natural vencedor.Periga sair do comando da equipe no final do ano com um vice paulista de 2013 como de mais relevante.

  • Aline

    Quanto ao jogo, considero que Zé errou ao deixar ANGÉLICA MALINVERNO no banco por muito tempo, pois atualmente considero-a melhor central que WALEWSKA e GATTAZ. Também achei que Zé pressionou muito a Claudinha, mesmo em momentos em que a culpa não era dela. Foram situações 8 ou 800, SPENCER pressão ZERO na Carrijo, mesmo sendo culpa dela e Zé pressão 100% na Claudinha, até qdo não era culpa dela, seria melhor um meio termo…
    Um time começa ser montado primeiro pela levantadora e logo em seguida pela líbero, só depois que se escolhem as atacantes. E é justamente nisso que a UNILEVER tem de melhor, pois FOFÃO e FABIZINHA são craques, jogadoras fora-de-série!!!
    A gigante sérvia MIHAJLOVIC, foi um monstro dentro de quadra, muito alta e forte fisicamente arrasou com seus coices no saque e no ataque, deu uma evoluida no passe não dando tanto prejuízo como em partidas anteriores, evoluiu nas mão de Bernardinho e vai voltar p/altíssima seleção sérvia muito mai malandra.
    Além disso, as meios Juciely e Carol jogam muito bem e confiantes com Fofão.
    Gabi Guimarães jogou tranquila e apareceu bem no bloqueio. Sara Pavan, apesar de não ter pontuado muito, não deu prejuízo e ajudou no que pode amortecendo bolas p/a defesa com seu alto bloqueio e atuou bem na defesa.

    • Rodrigo

      E que monstros o Brasil esta criando pra no futuro enfrentarmos: Sanja e principalmente a Brankika nas mãos de Bernadinho estam melhorando mto, é inegável a evolução no passe das duas e principalmente no ataque. Com certeza será uma seleção muito forte ainda mais com a Brakocevic.

      • Patricia

        Concordo Rodrigo, Sanja, Brankika, Caterina, jogadoras muito jovens treinando com campeãs olímpicas, sendo treinadas por grandes técnicos, imagino quantas jovens jogadoras brasileiras queriam ter essa oportunidade. Vejo a Sérvia e Itália muito fortes no mundial e principalmente no futuro, o Brasil que se cuide.

        • Rodrigo

          Kristin espetacular com certeza vai vir pra olimpíada do rj … ta evoluindo muito, parece com a Jack ou até melhor, tem 28anos ta um mostro no fundo da quadra a melhor ponteira passadora da SL, vai ganhando experiência no que vai enfrentar em 2016!
          Caterina jovem de muito potencial, mts dizem q ela joga mais que Lucia(sua irmã que joga demais na liga da Itália) mas ainda não vi isso tudo porém creio que sim, ainda ta no processo de amadurecimento.
          As sérvias estam evoluindo demais, não sei se vc lembra quando ambas chegaram como sofriam no passe e nem eram devastadoras no ataque… e hoje? Mais uma temporada aqui elas vão dá mtos problemas no futuro!
          Fora as que jogam fora do Brasil: Murphy , Diof entre outras…

  • Rodrigo

    Foi um jogão, o Unilever venceu de 3×0 do Amil mas foi um jogo disputado e decidido no passe da equipe e no brilho de uma atacante, onde o detalhe fez a diferença… mais uma vez o Rio mostrou o pq é o clube mais tradicional do país, equipe campeã, vitoriosa que sempre cresce na hora do VAMO VÊ! Mas temos que lembrar q tem mto jogo ainda, qualquer equipe (Amil ou Unilever) q passar neste confronto ficarei satisfeito mas confesso q tenho um carinho a mais pelo time carioca. Então vou fazer uma breve análise jogadora por jogadora desta partida.
    – Gabi x Kristin: as duas jogaram bem, a Gabi caçada no saque do Amil deu conta do recado e quando assionada no ataque não fez feio, a americana sem comentários é impressionante como ela sempre joga bem no passe, defesa e apesar de não ser uma atacante vira mtas bolas importantes, acho até q ela é a jogadora q mais cresce a cada jogo e é mto sacrificada neste sistema do ZRG!
    – Carol x Carol: a diferença das “Carois” é que uma veio comemorar na casa da adversária seus 23 anos mostrando como se bloqueia e como se ataca quando assionada mas a campineira tem mto mais bola do q mostrou ontem.
    – Juciely x Walewska: ficaram devendo mais não comprometeram no resultado.
    – Fabi x Liberos: indiscutível como a Fabi mesmo jogando regular consegui ser superior às demais da SL apesar da Brait esta quase chegando lá a Fabizinha é e sempre será a número UM.
    – Sarah x Tandara: as duas ficaram devendo, porém a Sarah deveu apenas no ataque mesmo, pois cobertura, passe, defesa e composição do bloqueio foi muito bem, não foi atoa q o Unilever teve mais volume, talvez a oposta da equipe carioca queira mesmo atuar na praia q visivelmente seus ataques estam voltados a está modalidade o que é uma pena pois com certeza tem mais ataque a desenvolver. Sem esquecer tbm q as duas foram bem marcadas e foram substituídas no 3ºset!
    – Fofão x Claudinha: a Fofão já é a melhor do Brasil, apesar da idade consegui ser melhor até na simplicidade que com o passe na mão fez o q quis… deitou e rolou e fez da servia o destaque. Do outro lado da rede a Claudinha sofreu com o passe talvez se tivessem tres Kristin no fundo da quadra ela conseguiria destribuir melhor e quando dava pra trabalhar com as centrais levavam toco, a noite foi difícil pra levantadora do Amil!
    – Mihajlovic x Natalia: Bernardino dando o troco na Natália, mostrou q conseguiu uma atleta mais decisiva que ela. A Natália até q compareceu e tentou decidir a partida mas do outro lado tinha Mihajlovic que jogou mto mais e consequentemente venceu. Outro tapa na cara da Natalia foi a Mihajlovic levando o VIVA VÔLEI!
    – Esperando sábado onde novamente não terá favorito e com toda certeza será outro jogão!

    • Edu

      Comentários bem pertinentes.Um senão, quanto as virtudes mencionadas da Sarah,MVP da final de 2013, ela teve o prodígio de fazer 100% de saques errados quando esteve em quadra.A moral dela deve ser enorme porque o Bernardo nenhuma fez foi esculachar e ele muito cuidadoso quando passa instruções a ela.

      • Rodrigo

        Olha Edu, acho q tanto ela quanto a Gabi viviam muito da SL passada… ele deve acreditar que ela volte a jogar seu vôlei assim como a Gabi parece está voltando. Mas acho q a Sarah pode até voltar a jogar ainda nesta SL mas é nítido q ela quer mesmo o vôlei de praia, ela anda meio zen em quadra. O Bernardo sabe o quanto ela é importante no ataque e sabe q ela tem muito a desenvolver!

      • Luiz Henrique

        Edu, me desculpe, mas a MVP da final de 2013 foi a incrível Fofão.

        • Edu

          Eu tinha a imagem que ela foi a MVP porque ela destruiu, junto com a Natália, num patamar inferior, o Osasco a partir do terceiro set.Obrigado pela sua informação.

  • Aline

    Fui a única que cravou o placar AMIL 0x3 UNILEVER antes do jogo. Alguns dirão: Ah vc é torcedora do UNILEVER… Mas quem me conhece sabe que torço p/o BananaBoatPraiaClub. O fato é que antes da partida disse que a única jogadora do AMIL que era melhor que as da UNILEVER era Tandara, e o que o AMIL tremeria numa semifinal contra a UNILEVER que cresce física e psicologicamente nessa fase graças ao excelente trabalho de sua comissão técnica.
    Acontece que a jogadora que leva o AMIL nas costas, TANDARA, estava voltando de contusão e não foi tão acionada assim… Sem TANDARA efetiva, AMIL não tem chances…
    Fofão é a melhor levantadora brasileira em atividade, e, sem dúvidas, a melhor do mundo: lúcida, técnica, tranquila ao extremo e com excelente visão de jogo, mostrou ontem novamente que sabe fazer a diferença.
    Decisão muito inteligente de Bernardinho aproveitar a fase de classificação para deixar Fofão se recuperar tranquilamente de sua contusão, visando prepará-la para a fase decisiva ao mesmo tempo que dava rodagem à jovem Roberta Ratzke. Resultado: Bernardinho, agora, tem 2 levantadoras prontas p/encarar essa reta final da Superliga.
    Roberta Ratzke é realmente uma jogadora de muita sorte, além de ser treinada por Bernardinho que é conhecido por lançar e fazer evoluir novos talentos, teve como grandes mestras as 2 maiores levantadoras do voleibol brasileiro: FERNANDA VENTURINI e FOFÃO. É nítida a evolução de Roberta desde que chegou à UNILEVER, claro que ela ainda tem muito a evoluir p/ chegar perto do que é uma FOFÃO, mas está trilhando um caminho mais do que certo.
    Em relação às semifinais, o confronto entre SESI e MOLICO será muito mais equilibrado que UNILEVER e AMIL. Digo, com bastante confiança, que o AMIL está ELIMINADO, não terá condições NENHUMA de vencer o UNILEVER, nessa fase, no RIO DE JANEIRO e disputará a segunda partida só p/completar a tabela, ANOTEM ISSO!!! Unilever estará em sua DÉCIMA final consecutiva!!!
    Já SESI e MOLICO está muito em aberto… BIA vai jogar? Espero que sim! Com o trio BIA, FABIANA e DANI LINS jogando o SESI pode fazer história evitando uma nova final UNILVER x MOLICO.
    O caminho da vitória para o MOLICO é pressionar a líbero SUELEN forçando o máximo o saque nela ,que ela não dá conta, estratégia que o Praia Club usou e, se não fosse a pane da Ju Carrijo, daria certo.
    Talmo que se quiser se classificar para a final, primeiro tem que jogar com BIA e FABIANA pelo meio e tentar arranjar uma alternativa para a SUELEN na posição de líbero, talvez até improvisando uma ponteira para a posição, além disso tem que concentrar seu saque em SANJA MALAGURSKI.
    Claro que as atuações de DANI LINS e FABÍOLA, no auge da forma serão determinantes para o confronto que promete ser mais equilibrado que a outra semifinal, até pela rivalidade cada vez maior entre as equipes paulistas SESI e MOLICO após disputarem as seguintes finais seguidas: CAMPEONATO PAULISTA, COPA BRASIL e SULAMERICANO.

    • Edu

      Opiniões super pertinentes.Mas quem viu a Jaqueline jogar e acompanha o vólei brasileiro desde os anos setenta sabe que ela é até hoje a maior levantadora brasileira de todos os tempos.Inspiração até mesmo para as super competentes Fernanda Venturini e Fofão.Além de inspiração também para Misty May e Kerry Walsh(tri campeãs olímpicas na sequencia, sendo Walsh a maior jogadora de vólei de praia de todos os tempos).Ficou sempre entre as maiores nas duas modalidades.

  • Rafael Pais Fernandes

    A ANgélica entrou e não fez muita coisa.

  • Euri

    Eu sempre achei que o time do Unilever era mais forte na teoria. Vinha passando por uma fase ruim, mas essas fases sempre acabam passando. Em um time com a tradição do Unilever, além de um técnico como o Bernardinho e uma Fofão, quando a fase ruim passa o resultado é um atropelamento. A minha maior preocupação é mesmo com essas levantadoras que estão surgindo como possíveis talentos e que na prática mostram tanta deficiência. Eu sei que a Dani Lins e a Fabíola também tiveram (e ainda têm) a desconfiança de muito torcedor, mas eu, pessoalmente, percebia esses problemas na seleção brasileira e não nos clubes. Na seleção a pressão é sempre muito maior e até dá pra relevar, mas é triste ver a Claudinha fazendo um jogo tão sem imaginação e nem vou começar a falar da Ju Carrijo.
    Também acho que os times da Tandara se tornam muito dependentes dela e isso só prejudica o resultado. Nenhum jogadora vai ganhar campeonato sozinha e mesmo que ela venha com tudo no próximo jogo, duvido que o Unilever vá perder o próximo jogo. O motivo é um só: as jogadoras do Rio são melhores do que as jogadoras do Amil, principalmente no levantamento (mesmo com a reserva do Rio) e no passe e defesa.. Se elas resolverem jogar o que sabem, ninguém segura. Ou melhor, o único que pode segurar é o Molico!!!

  • rafael cruzeiro

    Finalmente um jogo digno da superliga. Temos que elogiar tanto as jogadoras pelo seu esforços e qualidade técnica, quanto os técnicos e a arbitragem. Arbitragem perfeita, sem erros e sem inventar, sem motivos de reclamações (houve um pequeno princípio de reclamação, mas a carol da unilever acusou o toque na bola, e o árbitro, elegantemente, agradeceu a jogadora).
    os técnicos também colaboraram, fizeram seus ajustes sem humilhar suas atletas e sem gritos desnecessários, houve palavrões, mas dentro do aceitável em uma partida decisiva.
    O time carioca foi melhor a maior parte do jogo, mais consistente e seguro, ciente de sua enorme capacidade.
    por fim, “Fofão é Fofão”, digna herdeira da Fernanda, fez toda diferença, não só na distribuição mas também colocando as bolas na altura e velocidade certas para cada uma de suas atacantes.

  • Lilika

    Como havia comentado antes, tendo saúde e fisico em dia, ninguém consegue ser igual a Fofão, e impressionante como ela faz a diferença…a sérvia finalmente apareceu, mas a canadense…nem Fofão dá jeito….torcia para as paulistas, pois cansa só ver Rio e Osasco em finais, mas do jeito que jogou Campinas, deixando escapar os 2 sets nos detalhes e erros que não chegam a ser abomináveis mas muito preocupantes, fica difícil de ver uma final que não seja a que estamos vendo desde o meio da década passada…sorte pras 2 equipes.

  • Osmar Cordeiro

    Já imaginava isto algum tempo atras , o Amil a grande incógnita da liga com uma equipe que poderia chegar na final e ser campeão ou simplesmente terminar na semi de novo . A Unilever aos trancos e barrancos pode muito bem chegar na final e ser campeão . Foi uma grande vitória , as duas equipes que sofrem com suas recepções e os dois primeiros sets bem equilibrados . O retorno da Fofão foi primordial para a vitória jogou com a Mihajlovic que resolveu , a Carol bloqueando demais , Fabi e Gabi tranquilas no passe e a Juciely quando acionada não decepcionou , agora a Sarah que não se cuide que perde a posição para a Bruna , parece que está desligada a liga inteira . Para o Amil tem condições de vencer no Rio , Natália atacando mais bolas , a Tandara que foi pouco acionada , percebi que essa indefinição de líbero e central complicou para o time do Zé . Vamos aguardar outro grande jogo .

  • Valter

    Achei bacana, algumas analises como da Aline, do Edu, mas, acho que faltou a análise do técnico, pra mim o Zé Roberto tomou nó tático do Bernardo, a melhor jogadora contra o São Caetano, Pinheiros foi a Sara Pavan, e com certeza o Zé Roberto, montou o bloqueio e cobertura, em função do ataque dela, teve um momento do jogo que a fofão no mesmo lance levantou 4 vezes Mihajlovic isso só em um lance, a própria escalação da Fofão tambem surpreendeu, a versatilidade do Bernardinho em preparar o time é sensacional, não digo o mesmo durante o jogo(BrasilxRússia final Olimpica, e não tinha plano b contra o Gigante que de central, virou oposto).
    Concordo com a Aline e alguns as centrais da Amil, não acharam o ataque do Rio, acho que se
    quiserem reverter a Angélica tem que jogar e forçar bem mais o saque.
    Mas, eu sinceramente acho que vai dar Unilever.

  • LEO

    Foi um bom jogo, apesar de estar torcendo para o Amil. Acreditava que esse ano a final seria diferente. Ainda acredito, mas a esperança está menor. As líberos do Amil não passam confiança, é incrível como as duas são ruins. Acho que Claudinha fez um bom jogo, não teve culpa se a Carol tava com o “demônio” nos couro…kkkkkkk
    Mas vamos lá, sábado é outro jogo!

  • cesar nascimento

    eu acho que as dificuldades do rio sao o passe e a oposto que nao tem força no braço ,mas o time tem o que os outros nao tem todas as 5 e as vezes 6 jogadoras atacam bem equipe nenhuma na sl usa as centrais com tanta eficienciencia como o rio ,carol e jucy estao muito bem fofao e fora de serie gabi e forte no ataque a servia tambem ja a oposto ;eu gostaria de ver logo no primeiro saque a amanda o que vale e inovar ,agora que transmissao ridicula a waleskinha quase ganhou viva volei sem jogar

  • O SESI TA NA FINAL E TEM CHANCES DEMAIS PARA GANHAR DA UNI… SARAH PAVAN IMPANCOU E NÃO VOLTOU PARECE Q TA DOENTE
    SE NÃO FOSSE A SERVIA, O RIO JA TAVA FORA DA COMPETIÇÃO. CAROL VAI SUBSTITUIR THAISA NA SELEÇÃO CONFIRMADO. GABI E MONIQUE CONTINUAM NA SELEÇÃO. MONIQUE APESAR DE BAIXA TEM TALENTO.

MaisRecentes

Minas espera Hooker ainda em outubro



Continue Lendo

Vaivém: Vôlei Nestlé confirma apresentação de peruana



Continue Lendo

Vaivém: Polonesa é esperada em Barueri



Continue Lendo