De virada, Rexona-Ades vence clássico e está vivíssimo



Um set a zero. 7 a 2 no placar da segunda parcial. Parecia que o Vôlei Nestlé tinha o jogo sob controle, mesmo jogando no Ginásio do Tijuca, no Rio de Janeiro, e iria fechar a série semifinal. Mas o Rexona-Ades demonstrou força, reagiu, virou para 3 a 1 (21-25, 25-22, 25-23 e 25-16) e forçou a realização de um terceiro e decisivo confronto para definir um dos finalistas da Superliga feminina.

A vitória das atuais campeãs teve duas protagonistas: Natália e Roberta. A ponta, a melhor jogadora da atual temporada no país, volto a escrever, assumiu a responsabilidade quando mais o Rexona precisou. Virou bolas importantes, contagiou o time com vibração que não é característica e confirmou a grande fase que vive. Já a levantadora entrou no segundo set, com o time da casa atrás no placar, e não sentiu a pressão. Passou a variar mais o jogo, algo que a americana Thompson tinha dificuldades, teve boas passagens pelo saque e ainda pontuou no bloqueio. Em outras palavras: ajudou a mudar o rumo da semifinal. Merecidamente foi eleita pelo público a melhor em quadra.

Camila Brait sofreu com o ataque do Rexona (João Neto/Divulgação)

Camila Brait sofreu com o ataque do Rexona (João Neto/Divulgação)

Destaco ainda um momento que para mim foi marcante para que o Rexona conseguisse a virada. No terceiro set, o Vôlei Nestlé perdia por 8 a 3. Reagiu, virou e chegou a ter 21 a 16. Mas não soube controlar os nervos, passou a errar demais, principalmente na virada de bola, sucumbindo. Tanto que sentiu demais e no quarto set foi presa fácil.

Pelo fim do jogo é fácil concluir que questão psicológica terá um peso gigantesco no próximo duelo. E agora a tranquilidade mudou de lado. O Rexona saberá usar o fato como aliado? Já Vôlei Nestlé vai saber digerir a derrota até segunda-feira?

Espere alguns dias para saber as respostas.



MaisRecentes

Sérvia e China mais perto das semifinais do Mundial



Continue Lendo

A Itália chegou mesmo para ficar



Continue Lendo

Os grupos da fase final do Mundial. Alguém vai parar a Itália?



Continue Lendo