10 perguntas: Thaísa: “Ouvi que nunca mais jogaria de novo”



O dia 16 de fevereiro de 2018 será comemorado como um segundo aniversário pela bicampeã olímpica Thaísa, nascida em 15 de maio de 1987.  E ela tem motivos de sobra para não esquecer mais desta data.

A volta ao vôlei, após dez meses de afastamento e oito depois de uma cirurgia de reconstrução no joelho esquerdo, aconteceu na partida entre Hinode/Barueri e Bauru. Os dois sets em quadra fizeram com que ela afastasse toda a angústia que a acompanhou no período. Com uma frase sempre martelando a cabeça da central:

– Ouvi durante 10 meses que nunca mais jogaria de novo.

A declaração de Thaísa nesta entrevista me permite ter uma ideia melhor do fantasmas enfrentados e vencidos por ela desde a contusão, sofrida na Turquia, na passagem pelo Eczacibasi.

Sorriso está de volta ao rosto de Thaísa após recuperação de lesão no joelho (Divulgação)

1 – Mesmo sendo uma jogadora experiente, você sentiu aquela ansiedade, um frio na barriga diferente, quando soube que seria relacionada para o jogo contra Bauru?
Sim, com certeza, fiquei ansiosa. Até porque ouvi durante 10 meses que nunca mais jogaria de novo.

2 – Qual foi o pior momento da recuperação desde a cirurgia? Teve algum temor de voltar a saltar ou lidou bem psicologicamente com isso?
Até voltar a treinar com o grupo tive medo. Ou seja em janeiro agora. Todo o processo foi muito angustiante e incerto. E todo tempo teve que ser superado mentalmente.

3 – Depois de ter visto boa parte da Superliga de fora, como prevê os playoffs? Concorda que é uma das temporadas com mais times brigando pelo título?
Sim, está bem mais disputado, com mais equipes fortes e com possibilidade de chegar à final.

4 – Você praticamente trabalha com a comissão da Seleção no Hinode/Barueri. Isso a tranquiliza pensando em uma temporada importante, com realização de Campeonato Mundial?
Não tem motivo para me sentir tranquila só porque estou no time que tem a comissão técnica da Seleção. Isso não garante nada. Se você não joga bem e merece estar na Seleção, de nada adianta estar no time com a comissão da Seleção. Você tem que fazer por onde merecer estar na Seleção.

5 – Você usa muito as redes sociais para demonstrar seus sentimentos, para atualizar seus fãs das novidades da sua vida e da sua carreira… Você lida bem com os comentários, nem sempre educados, dos seguidores, já pensou em reduzir a exposição ali?
Tem muita gente que perde a noção e merece um boa resposta e é isso que faço. Costumo dizer “quem fala o que quer ouve o que não quer”. Não, não penso em diminuir a “exposição” . Não vou deixar de fazer o que gosto por conta de meia dúzia de mal-amados.

6) Durante o Carnaval a Kosheleva postou uma mensagem muito bacana para você no Instagram. Ela se transformou em uma das melhores amigas feitas nestes anos de vôlei profissional? Vocês se aproximaram mais na Turquia ou já tinha muita afinidade quando eram rivais nos jogos Brasil x Rússia?
Sim, posso dizer que ela é uma grande amiga e que foi o maior presente que recebi nos últimos tempos. Nós começamos nossa amizade na Turquia.

7 – O rótulo de musa a incomoda de alguma forma?
Não me incomoda. Só não acho que eu seja musa.

8 – Você estendeu seu contrato no Eczacibasi para poder se recuperar no Brasil nesta temporada. Obrigatoriamente você voltará a atuar na Turquia na próxima temporada?
Tenho mais uma temporada para jogar por eles lá na Turquia.

9 – Você viveu uma situação muito delicada lá durante aquele atentado em Istambul. Ficou algum trauma, temor ou é assunto superado?
Não. Muito pelo contrário. Me sinto mais segura em andar nas ruas lá do que aqui no Brasil.

10 – Por fim, gostaria de deixar alguma mensagem especial para alguém que tenha ajudado na recuperação?
Tenho que agradecer à minha família, principalmente, que me ajudou e esteve sempre do meu lado. Ao meu ex-marido, que me deu muita força e segue até hoje (agora como amigo) sempre me mandando energia positiva. E muito mesmo aos meus fãs, que sempre me enviavam mensagens de carinho e apoio todo o tempo, sempre orando por mim e falando coisas positivas. Sem isso, seria ainda mais difícil superar todos esses meses de luta.

Confira abaixo uma galeria com fotos da Thaísa:

 



MaisRecentes

Vaivém: Sada/Cruzeiro emite nota oficial sobre situação de Simon



Continue Lendo

Lucas Lóh reforçará Seleção Brasileira na Austrália



Continue Lendo

Vaivém: Walewska confirmada pelo Osasco/Audax



Continue Lendo