Crash Bandicoot 4: It’s About Time não é tão bom quanto se esperava. É melhor



Ter uma experiência com Crash Bandicoot é, no meu caso, pegar uma máquina do tempo e trazer à tona memórias de um período de descobertas no mundo dos games. E o melhor: de encantamento. E este ano, mais precisamente este mês, a Activision tinha o objetivo de, com a continuação da trilogia original, transmitir a mesma sensação, agora para gerações com expectativas distintas. E a expectativa se cumpriu – novamente, já que Tony Hawk’s Pro Skater 1 and 2 também tem êxito em seu retorno.

Imagem

A nostalgia não é a única chamariz Crash Bandicoot 4: It’s About Time. Há novos recursos na gameplay que brilham e trazem uma camada de dificuldade ainda mais densa. Além dos gráficos lindos e uma história que cativa – embora convencional.

Os fãs da franquia estavam sem um jogo inédito de Crash desde 2008. E esse novo game não é tão bom quanto se esperava. É melhor. Pontuo:

Crash Bandicoot 4: It’s About Time é uma sequência cronológica de Warped (1998). Os acontecimentos após a trilogia são apagados e, nas mãos do competente estúdio Toys For Bob (responsável por cuidar do retorno de Spyro), ganham o saboroso tempero de quatro Máscaras Quânticas, guardiãs do tempo e do espaço. Elas surgem para que os heróis, Crash e Coco, jogáveis ao longo de toda campanha, derrotem os vilões Uka Uka, Neo Cortex e N. Tropy, presos no espaço-tempo.

Imagem

– Lani-Loli altera a percepção da realidade, ativando e desativando plataformas e objetos;
– Akano faz Crash e Coco girarem sem parar, permitindo pulos maiores;
– Kupuna-wa desacelera o tempo;
– Ika-Ika inverte a gravidade.

A salada fica boa e torna as fases desafiadores, mas no tom certo. A título de curiosidade, as Máscaras Quânticas, protagonistas, permitem os seguintes recursos (adicionados gradualmente):

Também destaco o fator replay. Não faltam gemas escondidas pelos cenários, além dos tradicionais Time Trials e da novidade chamada N. Verted, que é quando, ao concluir determinada fase, você abre a opção de jogá-la novamente, porém com todo o cenário e objetos invertidos, dentre outros desafios que valem o investimento – e, principalmente, o tempo de espera.

Em tempo: ainda é possível jogar com Dingodile, Tawna e Neo Cortex em fases esporádicas (e que agregam à gameplay) na campanha. Eles possuem linhas do tempo distintas e também jogáveis, em paralelo às missões do enredo principal.

O que esperar agora? Bom, que não fiquemos mais mais de uma década novamente sem Crash. Bem-vindo de volta, marsupial.

* O Press Start agradece à equipe Activision por ter cedido Crash Bandicoot 4: It’s About Time para a realização desta análise



MaisRecentes

Call of Duty: Black Ops Cold War traz densidade às narrativas para expandir a base. E funciona



Continue Lendo

Inovador com Legion, série Watch Dogs enfim mostra potencial para entrar no panteão dos games



Continue Lendo

Craques do futebol, Nyvi, ‘Pai também Joga’, ‘YoDa’… Time de embaixadores ‘HyperX Heroes’ recebe 25 novos heróis



Continue Lendo