Análise Press Start – Resident Evil 0 HD



A primeira Análise Press Start de 2016 vai te levar de volta no tempo. E a viagem vai ser assustadora! Veja o que achamos de Resident Evil 0 HD.

As remasterizações continuam com tudo!

Em 2002, a Capcom lançou seu último Resident Evil no estilo ‘Hardcore Survivor Horror’, com suas câmeras fixas e controles ‘tanque’. Mas RE 0 serviu como uma ponte que fez a transição do modelo mais clássico para a jogabilidade mais solta e moderna dos games atuais da franquia.

Entrando na onda dos ‘remasters’, a Capcom apostou mais uma vez na volta de um game da série Resident Evil. Pouco tempo após lançar a versão remasterizada do primeiro game da saga, chegou a vez do capítulo que conta o que aconteceu antes dos episódios de Raccoon City.

A origem de todo o mal

Resident Evil 0 relata o princípio da história dos zumbis mais famosos do mundo dos videogames. Você controla dois personagens (o que foi uma adição importante na época, e continua sendo usada até hoje nos jogos da série): Rebecca Chambers, integrante do Bravo Team da S.T.A.R.S e do fugitivo Billy Cohen.

Ao longo da aventura, descobrimos a origem do T-Virus e os motivos que resultaram nos catastróficos episódios em Raccoon City. A trama ainda nos explica como Rebecca chega à famosa mansão do Resident Evil original.

As novidades da versão remasterizada

O game traz de volta a atmosfera aterrorizante do original de 2002, agora com gráficos incríveis em HD, sons aprimorados, suporte a widescreen e um esquema opcional de controle moderno.

Além disso, ao se completar a história, é liberado um modo inédito, chamado de ‘Wesker Mode’. E como o próprio nome sugere, nos dá controle ao famoso vilão de Resident Evil, com direito a seus poderes.

O que não gostamos

Apesar de toda a melhoria gráfica, a Capcom cometeu um deslize ao manter os CG’s com a mesma qualidade da versão original do GameCube.

CONCLUSÃO:

Resident Evil 0 HD pode ser considerado um dos melhores ‘remasters’ já produzidos. A melhoria gráfica e sonora, além do ‘update’ na jogabilidade provam isso. A inclusão do ‘Wesker Mode’ dá mais vida ao game, fazendo dele compra certa para os fãs da franquia.

PONTOS POSITIVOS:

  • Gráficos melhoraram bastante
  • Novo modo de controle mais moderno
  • Nostalgia

PONTO NEGATIVO:

  • CG’s não receberam remasterização

NOTA – 9/10

*Gostaríamos de agradecer à Capcom, que nos cedeu uma cópia de Resident Evil 0 HD para PS4, plataforma usada nesta análise.



MaisRecentes

Análise Press Start – Star Wars Battlefront II



Continue Lendo

Brasileiro vence campeonato internacional 1×1 de League of Legends



Continue Lendo

Em noite de gala, Team One se destaca e Felipe ‘brTT’ é eleito o craque da galera no prêmio CBLoL



Continue Lendo